Portal da Educao Adventista

*Educ' arte - Prof.ª Séulima*

25

out
2011

Cafeína interfere na produção hormonal feminina

Um estudo que acaba de ser finalizado pela Escola Médica de Harvard indica que a cafeína afeta a produção de estrogênio e de outros hormônios sexuais femininos, podendo favorecer casos de câncer de mama e nos ovários. Os especialistas ainda não desvendaram os detalhes da relação entre a substância e o risco de câncer. Mas, conhecendo a influência dos hormônios sexuais na doença, a hipótese é que a variação hormonal causada pela substância acabe aumentando a incidência de câncer quando já existe a propensão.

"Segundo a IFIC (International Food Information Council), o ideal é consumir, no máximo, 300 mg de cafeína por dia, o que equivale a três xícaras de café", afirma a nutricionista Roseli Rossi, diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional [mas por que arriscar? O ideal mesmo é nenhuma...]. Para ultrapassar esse limite, sem temer os riscos, ela indica uma consulta com o cardiologista ou, no caso das mulheres, até mesmo com o ginecologista. Para chegar a esta conclusão, os médicos acompanharam 1.200 mulheres, verificando a relação entre o consumo de cafeína e as variações hormonais.

As pacientes ainda preencheram vários questionários, relatando hábitos alimentares e descrevendo o estilo de vida, além de fornecerem amostras sanguíneas para avaliação das dosagens hormonais. Após a análise dos dados, foi confirmado que quanto maior o consumo de cafeína numa mulher em pré-menopausa, menores são os níveis do hormônio estradiol na segunda metade do ciclo menstrual. (...)

Onde ela está? Não é somente o café que contém a substância polêmica:

Refrigerantes tipo cola - lata (355 ml) - 37 a 45 mg de cafeína
Café coado - 1 xícara pequena (50 ml) - 39 mg de cafeína
Café coado - 1 xícara grande (240 ml) - 186 mg de cafeína
Café instantâneo - 1 xícara pequena (50 ml)- 22 mg de cafeína
Café instantâneo - 1 xícara grande (240 ml) - 106 mg de cafeína
Chá [preto] em saquinho - 1 xícara grande (240 ml) - 3,2 mg de cafeína
Leite com achocolatado - 1 copo (240 ml) - 5 mg de cafeína
Chocolate ao leite - 30 g - 60 mg de cafeína

(Yahoo Minha Vida)

comentários[0]

25

out
2011

Os adventistas e a cafeína

A Igreja Adventista não mudou sua posição na questão do chá, café e outras bebidas que têm cafeína. Nos Regulamentos Eclesiástico-Administrativos da Associação Geral de 2007/2008, página 293, lemos o seguinte: "É desaconselhado o uso do café, chá e outras bebidas que contêm cafeína e qualquer substância prejudicial." Também, no Concílio Anual, no outono de 2007, a administração da igreja confirmou que "os ministérios adventistas de cuidado da saúde devem promover apenas as práticas baseadas na Bíblia ou no Espírito de Profecia, ou métodos de prevenção de doenças, tratamentos e manutenção da saúde baseados em evidências" (Ibid., p. 297).

Temos declarações firmes do Espírito de Profecia concernentes às bebidas que contêm cafeína, aconselhando o não uso. Ellen White nunca falou da cafeína propriamente dita, mas a descrição que ela faz dos efeitos do chá e do café reflete as ações dessa substância, e presumimos que esteja falando contra ela.

Há alguns relatórios confusos, provenientes da literatura científica, de estudos que mostram aparentes benefícios da cafeína para a saúde. O "lobby" pró-cafeína faz com que esses dados cheguem a nossa caixa postal com objetivo e rapidez!

Entretanto, a farmacologia básica da cafeína não mudou. Ela é a droga psicoativa mais popular do mundo (mudança de humor), mais amplamente usada do que o álcool e o fumo. Pode levar à dependência física, a qual, por definição, resulta na síndrome de abstinência, quando a ingestão habitual é interrompida abruptamente. Quando isso acontece, muitos e variados sintomas podem ocorrer, incluindo dor de cabeça, canseira, irritabilidade, falta de concentração e náusea.

Embora a morte provocada por "overdose" de cafeína não seja comum, acontece e pode ser intencional, podendo ocorrer com a ingestão de cafeína em comprimidos, mas com o aumento da popularidade de refrigerantes com cafeína e bebidas energéticas, os médicos de pronto socorro e toxicólogos estão percebendo um aumento de problemas e sintomas relacionados com a cafeína, especialmente entre jovens.

Em 2006, cerca de quatro bilhões de dólares americanos foram gastos em bebidas energéticas apenas nos Estados Unidos, o que é indicação da tendência mundial. Além disso, quinhentas novas marcas de bebidas energéticas foram introduzidas em todo o mundo, no mesmo ano. As chamadas "bebidas energéticas" têm níveis significativamente mais altos de cafeína do que a maioria dos refrigerantes que contêm cafeína. A análise desse cenário revela o seguinte: crianças e jovens são expostos a refrigerantes açucarados; depois, a cafeína é adicionada e, na seqüência, as bebidas energéticas. O passo seguinte é a adição de álcool às bebidas energéticas, que são divulgadas e comercializadas de uma forma muito semelhante. A confusão de marcas pode acontecer facilmente, auxiliada pela estratégia de dar preço mais baixo à bebida energética com álcool do que às não alcoólicas. Além disso, a fabricação e comercialização desses produtos têm como consumidor-alvo o jovem, que almeja ser um "bêbado bem acordado". Que enganação! Um em cada três adolescentes usa bebidas energéticas comparado a um em dez adultos. Temos o dever de informar nossos jovens, dar o devido exemplo em nossos próprios hábitos e usar nossa influência contra esse ataque do mal contra nossa sociedade.

A cafeína é útil como componente de certos analgésicos usados no tratamento de enxaqueca e para outros tipos de dor. Pode representar alívio para quem precisa fazer uso de tais medicamentos. Ellen White menciona que usou café (presume-se que esteja se referindo à cafeína) em algumas ocasiões, como medicamento. (Ver Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 302.)

Fazemos bem em orar e aplicar coerentemente o princípio da temperança: "A verdadeira temperança nos ensina a dispensar inteiramente todas as coisas nocivas, e usar judiciosamente aquilo que é saudável" (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 562).

Allan R. Handysides, M.B., Ch.B., FRCPC, FRCSC, FACOG, é diretor do Departamento do Ministério da Saúde da Associação Geral. Peter N. Landless, M.B., B.Ch., M.Med., F.C.P.(SA), F.A.C.C., é diretor executivo da ICPA e diretor associado do Ministério da Saúde.

(Adventist World)

comentários[0]

25

out
2011

O grande encontro

Deus é a fonte do amor. Como tudo se torna diferente quando amamos e somos amados. O amor torna leves os sacrifícios e mais fácil suportar os fardos. Exemplo? O primeiro amor é o de mãe. Há uma ligação muito íntima entre a mãe e seu babe. Há muita dor e sofrimento envolvidos no nascimento, para ambos, mas o amor que os une torna tudo motivo de alegria. Quando minha filha Giovanna estava para nascer, cheguei a sorrir com as dores do parto, de tão feliz que fiquei por poder ver o rostinho dela.

Quando crescemos, as pessoas podem olhar rudemente para nós, diante de um mau comportamento nosso, e podem até querer que sejamos severamente punidos. Mas a mãe repreende com amor. Ela vê o querido filho por sobre o muro de seus maus atos. Ela consegue ver os pontos positivos que podem ser trabalhados.

Tratamos de maneira diferente as pessoas que amamos. Toleramos defeitos que estaríamos prontos a apontar num estranho ¬- ainda mais quando se trata de alguém que nos é antipático.

E quando estamos apaixonados? Parece que saem coraçõezinhos dos olhos quando olhamos para aquela pessoa. Estamos dispostos a quase tudo para poder ficar perto do(a) amado(a).

Nas primeiras semanas de namoro, o Michelson e eu marcamos de nos encontrar num feriado. O dia estava perfeito para ficar em casa. Um dia escuro, chuvoso e ainda por cima ventava. E o vento em Florianópolis pode ser bem incômodo e frio. Mas eu iria encontrar meu amado - nem que chovesse canivete! Peguei o ônibus e depois de uma viagem de cerca de uma hora cheguei ao lugar combinado: o terminal rodoviário. Era nosso ponto de encontro. Encolhi-me ali no banco, tentando não pegar chuva. E esperei. Esperei. Esperei... Meu coração disparava a cada ônibus que chegava. Depois de 15 minutos, comecei a ficar preocupada. Depois de 30 minutos, já estava muito nervosa. Depois de 45, estava quase chorando. Depois de uma hora, segurei as lágrimas e me convenci de que ele não viria e que teria que me dar uma boa explicação, se quisesse continuar o namoro.

Eu já estava indo embora, quando, de repente, meu coração doeu (minha barriga, não sei), ao ver no meio da multidão o sorriso do meu amado. É incrível, mas a raiva passou na hora!

Ficamos passeando de guarda-chuva e, quando a chuva engrossava, ficávamos namorando embaixo de alguma marquise. Se fosse para fazer outra coisa qualquer, diria que não seria possível, por causa do mau tempo. Mas, por amor, a chuva não seria empecilho. E tivemos uma tarde maravilhosa.

Deus nos ama e quer o nosso amor. Se amarmos a Deus, estar com Ele e fazer a vontade dEle será um prazer - faça chuva ou faça sol.

Ellen White diz: "Quem precisar, por amor de Cristo, passar pelo calor da fornalha, terá ao lado o Senhor, como os três fiéis de Babilônia. Quem amar ao Redentor, alegrar-se-á em todas as ocasiões de participar de Suas humilhações e insultos. O amor de Jesus torna doces os sofrimentos" (O Maior Discurso de Cristo, p. 30).

Se, por amor aos homens, somos capazes de fazer tantas coisas, quanto mais não faremos por amor a Deus? Jesus quer conquistar nosso coração: "Com amor eterno te amei" (Jr 31:3). Jesus é mais do que apaixonado por você. Ele o(a) ama com amor eterno, e quer muito conquistar seu coração. Ele nunca vai desistir. Ele é insistente para conquistar e fará de tudo para chamar sua atenção. Para você perceber isso, é só querer sentir a presença de Deus em sua vida.

É interessante observar um casal de namorados apaixonados. Eles constantemente manifestam amor e carinho. Mas, depois de anos de casados, as preocupações da vida e a rotina do trabalho - e muitos outros compromissos - parecem impedir que alguns casais continuem expressando amor constantemente.

Alguns se relacionam com Deus da mesma maneira. Quando conhecem a Jesus e vivem o primeiro amor, parece que podem sentir mais a presença do Criador. Mas, com o passar dos anos, o amor vai esfriando e a religião simplesmente vira mais uma rotina. Não conseguem ver e sentir as manifestações do amor de Deus.

Não é assim que o Senhor Se relaciona com a gente! "Lembro-Me de ti, da tua afeição quando eras jovem" (Jr 2:2). O amor de Deus nunca muda. Sempre está ali esperando por você. Se, às vezes, não conseguimos ver, é porque não estamos buscando de todo coração. É porque estamos enchendo o coração com muitas outras coisas. Podem ser coisas boas, até: trabalho, família, estudos, passeios, namoro, etc. Ou, pior, quando sobra um tempinho depois disso tudo, alguns vão relaxar com passatempos que nada acrescentam à vida e não edificam. Que lugar Deus ocupa no seu coração? Se Ele realmente está em primeiro lugar, do espaço que sobra, muitas coisas serão abolidas do seu dia a dia.

A pior dor para uma pessoa apaixonada é descobrir que foi traída. Você, que é considerado(a) a "noiva do Cordeiro", você é o supremo objeto do amor de Deus. Você foi resgatado pelo sangue precioso de Jesus. Ele separou você das coisas ruins deste mundo. Deu-lhe nova vida, novo coração! Ele quer o seu amor, a sua fidelidade.

Quando enchemos o coração com as coisas deste mundo, como se os valores do mundo fossem mais importantes, estamos traindo esse amor que Jesus nos dedica. Lembre-se: é impossível servir a dois senhores, de acordo com Jesus. Se amo a Jesus, vou buscá-Lo em primeiro lugar. As coisas mais importantes para mim são as que consomem meu tempo e meu dinheiro.

Nesta semana, uma jovem da igreja que frequento me perguntou: "Você viu o Bahuan?" Baal quem? Baal-huan? Não conheço e não me interesso. Mas nesta semana eu vi Jeremias em minha Bíblia. Foi maravilhoso ver como ele foi fiel a Deus e não teve medo de pregar a verdade, quando todos queriam que ele se calasse.

Como vou ter prazer em ser fiel, em estar ao lado de alguém que não amo? Como vou amar meu esposo, se encher meu coração de "amantes"? Como vou valorizar alguma coisa que ele faz, se amo mais o que os outros fazer? "Torna-te para Mim", diz o Senhor, em Jeremias 3:1. Por que não vemos manifestações do poder de Deus? Porque não O buscamos de todo o coração (Jr 29:13).

Você vai se surpreender quando "Baal" sair da sua vida e deixar e Cristo ser o seu Senhor. Alguma coisa extraordinária vai acontecer! É maravilhoso ouvir a voz de Deus, do seu amado. Deus quer ter um encontro com você. Não é maravilhoso ter um encontro com quem amamos? Ficamos ansiosos por esse momento. Fazemos qualquer esforço: pegamos chuva, vento, ônibus... Marque um encontro com Deus. Ele não vai deixar você esperando.

No ano passado, tive uma experiência muito agradável nesse sentido. Algumas amigas participaram do projeto das 40 madrugadas com Deus. Achei fantástico elas conseguirem. Mas, para mim, no primeiro momento, pareceu impossível. Tenho muito sono e minhas filhas me acordam várias vezes durante a noite. No encerramento das 40 madrugadas, foi feito um culto de agradecimento durante o qual fui muito tocada pelos testemunhos. Depois de algum tempo, veio o convite para toda a igreja. Pensei em Jesus. Pensei como se eu fosse ter um encontro especial com Ele. Fiquei com medo de não conseguir, mas pedi para Ele me ajudar.

Combinamos de nos encontrar às três da madrugada. Só eu e Ele. Não queria acordar ninguém, por isso não programei o despertador. Fui dormir feliz naquela noite.

Algum tempo depois de adormecer (não sabia quantas horas haviam passado), senti alguém me chamar suavemente. Abri os olhos sonolentos, sem ainda entender direito o que estava acontecendo. Quando os pensamentos ficaram mais claros, o coração disparou. Era Jesus! Olhei no relógio: três horas em ponto! Emocionada, fui para o quarto ao lado orar e ler a apostila preparada pela igreja. Fui para nosso encontro! Foram 40 madrugadas que me tornaram mais sensível à voz de Deus.

Não deixe seu amor esfriar. Alimente esse amor. Jesus promete que você será correspondido.

"As Tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo Teu nome sou chamado" (Jr 15:16). Você é chamado pelo nome de Deus. O Senhor desposou você. Todos devem saber que você é de Jesus. Alguma coisa pode trazer mais alegria do que a Palavra do Senhor? Quando prefiro fazer algo que não me aproxima de Deus, isso me traz angústia. Seja sincero; Deus esquadrinha seu coração. Se algo está esfriando seu amor, deixe Deus lhe mostrar, pois "enganoso é o coração, mais do que todas as coisas... Eu o Senhor esquadrinho o coração, e provo os pensamentos" (Jr 17:9, 10).

Deixe Deus moldar seu coração (Jr 18:3-6). Deixe Deus ser o Senhor da sua vida. Tire o culto a Baal da sua casa, da sua mente. Faça sua parte que Deus é fiel e justo, e cumprirá a dEle. Ele tem tantas provas de amor para lhe mostrar...

Em vez de perguntar se pode ir ao cinema, se pode comer isso ou aquilo, se pode se vestir de determinada maneira... pergunte": "O que posso fazer para ficar mais perto de Deus?" Se você fizer isso, entenderá as palavras: "Firmarei nova aliança com a casa de Israel... Eu serei o seu Deus e eles serão o Meu povo" (Jr 31:31-33).

Você sabia que Deus habitará conosco? (Ap 21:1-7). Você está se preparando, como noiva do Cordeiro? Está ansioso(a) por esse encontro com Seu grande amor?

(Débora Tatiane Borges, pedagoga e coautora do livro O Que Ele Viu na Grécia e do e-book Deus Nos Uniu)

comentários[0]

25

out
2011

Famílias da esperança: o portfólio de Deus

Os cristãos e os adventistas em particular são portadores de uma mensagem maravilhosa. Assim como no passado, Deus escolheu um povo especial para levar Sua Palavra ao mundo. Deus os escolheu para anunciar a volta de Jesus e mostrar a todas as pessoas que existe esperança. Mas a felicidade que Jesus promete não precisa começar somente quando Ele voltar. É claro que ela será plena a partir daquela ocasião, mas Jesus pode nos fazer felizes aqui também.

As pessoas que recebem nossa mensagem, como aconteceu no dia do projeto Impacto Esperança, querem ver o poder transformador de Jesus na vida de Seus filhos. E de que forma e em que lugar esse poder pode melhor ser visto? No lar. É no lar que mostramos quem somos de verdade e se Jesus está realmente em nosso coração.

Para alguns, é muito mais fácil vestir um terno, pregar um belo sermão do que tratar amavelmente a esposa e os filhos. Mas note o que escreveu Paulo em 1 Timóteo 3:5: "Se alguém não sabe governar a própria casa, como cuidará da igreja de Deus?"

Palavras que não são acompanhadas de exemplo não têm poder nenhum. Tornam-se mentira. "Cumpre ao pai fortalecer na família as austeras virtudes - energia, integridade, honestidade, paciência, ânimo, diligência e utilidade prática. E o que exige de seus filhos deve ele mesmo praticar, ilustrando essas virtudes na própria conduta varonil" (Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 391). Como posso falar do poder de Cristo se não o experimento em minha vida? As famílias são o portfólio de Deus.

É muito importante conhecer as doutrinas bíblicas - o sábado, o estado do ser humano na morte, o santuário celestial. Tudo isso é essencial para conhecer o caráter de Deus e a vontade dEle para nossa vida. Mas de que adianta conhecer teologia e ter um verdadeiro "inferno" no lar? "O lar deve ser um lugar onde o contentamento, a cortesia e o amor façam habitação; onde moram essas graças, aí residem a paz e felicidade. Podem invadi-lo as aflições, mas isso é a situação da humanidade. Que a paciência, a gratidão e o amor mantenham no coração a luz solar, seja embora o dia sempre nublado. Em tais lares os anjos de Deus habitam" (Ibidem, p. 393).

O mundo está carente de vivenciar o verdadeiro amor. Temos disso para oferecer? É muito triste saber que entre os cristãos há casais que meramente se suportam; que "vão levando"; que apenas mantêm as aparências, enquanto alimentam ressentimentos. O carinho e a cortesia são lembranças de um tempo que não mais existe - como se tivessem se tornado pessoas estranhas, que não mais se conhecem.

Como isso foi acontecer? A frieza e a indiferença não aparecem de um dia para o outro. A pessoa não vai dormir amando e, no outro dia, quando acorda, descobre que não ama mais. Não é assim que funciona. Da mesma maneira como o amor deve ser diariamente cultivado, o contrário também acontece. A "chama", se não alimentada, vai se apagando aos poucos.

Precisamos hoje aproveitar a oportunidade que Deus nos está dando e mudar o que precisa ser mudado. Precisamos ouvir a voz de Deus e deixar que Ele nos mostre se temos falhado em algum ponto. Lembre-se: para Deus, nada é impossível! Mas você tem que querer. Analise o seguinte:

1. Os namorados não medem esforços para estar juntos. No casamento, por quantas coisas os cônjuges se privam da companhia um do outro? O que é mais importante: trabalho, futebol, amigos, internet, evangelismo? (Claro que não devemos perder a individualidade, mas escolher tornar-se "uma só carne" também interfere nisso, mas com prazer!) Quanto mais você ficar longe do(a) cônjuge, mais se distanciará e menos vontade terá de estar com ele/ela. Cada um passa a ter seu universo particular e aos poucos o relacionamento se torna jugo desigual. Por isso, faça sua parte. Mesmo que venham a tentação e a pressão, não troque a companhia de seu/sua cônjuge por outras atividades.

2. No namoro, fala-se com delicadeza e usam-se palavras de apreço e admiração. E no casamento? Muitas vezes o que prevalece é a rispidez e a crítica. O que fazer? Ter sempre palavras corteses e admirar o(a) cônjuge. Precisamos nos sentir valorizados e respeitados. Isso mexe com nossa autoestima e com a dignidade própria.

3. No namoro, quando se está apaixonado, acha-se lindo aquele "narizinho", os cabelos, a voz... Só temos olhos para a pessoa amada e não há espaço para uma amizade especial com alguém do sexo oposto. Quando a relação conjugal não vai bem, abre-se a oportunidade para a admiração indevida de outras pessoas. Comparações impróprias começam a ser feitas e o caminho da ruína surge diante da pessoa. Esse é um grande perigo! A carência emocional e os laços de amizade com alguém do sexo oposto podem ser usados pelo inimigo de Deus para confundir os sentimentos e abrir a porta ao adultério. Portanto, nunca permita que alguém seja mais amigo(a) do(a) seu/sua cônjuge do que você. Seu coração deve estar ligado ao dele/dela. E se você perceber que está tendo muita afinidade com alguém, que o assunto não acaba mais... corte logo isso! Não deixe ninguém se intrometer em seu casamento e roubar sua afeição.

Ellen White aconselha: "Estudem, o marido e a esposa, a felicidade mútua, nunca faltando as pequeninas cortesias e pequenos atos de bondade que alegram e iluminam a vida. Entre o marido e a esposa deve existir perfeita confiança" (Ibidem). Precisamos proteger nosso lar e pedir que Deus nos ajude a ter sabedoria e prudência.

Outro antídoto para a desesperança e a desarmonia no lar é o culto familiar. "Pais e mães, por mais prementes que sejam vossos afazeres, não deixeis de reunir vossa família em torno do altar de Deus. Pedi a guarda dos santos anjos em vosso lar. Lembrai-vos de que vossos queridos estão sujeitos a tentações. Aborrecimentos diários juncam a estrada tanto dos jovens como dos mais idosos. Os que querem viver vida paciente, amorável e satisfeita, devem orar. Somente obtendo constante auxílio de Deus podemos alcançar a vitória sobre o eu" (Ibidem).

A presença de Jesus pode mudar qualquer situação. Ele restaura os corações e nos dá o verdadeiro amor. Deus planejou a família porque é o melhor plano para nos fazer felizes. Se você for feliz no lar, será feliz no trabalho, na igreja, na sociedade. Estará apto a ter o amor de Deus e levar esperança ao mundo.

Débora Tatiane Martins Borges é pedagoga, casada há 13 anos e mãe da Giovanna e da Marcella (o Mikhael está a caminho).

comentários[0]

25

out
2011

Atividades físicas podem reduzir sentimento de falta de espe

Homens que são mais fisicamente ativos parecem ter visão mais otimista da vida, segundo estudo finlandês recentemente publicado na revista científica BMC Public Health. E, segundo os pesquisadores, a falta de esperança pode aumentar o efeito do sedentarismo na doença cardíaca e no risco de morte. Os especialistas do Hospital Universitário Kuopio, na Finlândia, entrevistaram mais de 2,4 mil homens com idades entre 42 e 60 anos sobre seu humor e nível de atividades físicas e os avaliaram quanto ao condicionamento físico. E as análises indicaram que aqueles que gastavam menos de uma hora por semana fazendo exercícios físicos de moderados a vigorosos eram 37% mais propensos a se sentirem sem esperança, comparados àqueles que se exercitavam pelo menos 2,5 horas semanais.

Os participantes que apresentaram mais altos níveis de desesperança tinham "características mais pronunciadas" de síndrome metabólica, um conjunto de sintomas que aumentam os riscos de doença cardíaca e diabetes tipo 2. Eles também eram menos ativos e estavam em pior forma física. E os exercícios vigorosos se mostraram mais eficazes para reduzir esse sentimento negativo.

De acordo com os pesquisadores, mesmo considerando depressão, idade, tabagismo, status socioeconômico e outros fatores relevantes, a relação entre os níveis de atividade física e o sentimento de esperança permanecia considerável. Porém, análises mais profundas mostraram que a depressão seria um fator responsável pela relação.

Eles destacam que "as descobertas atuais sugerem que a desesperança e a depressão são sobrepostas, mas entidades distintas". E os resultados indicam que ser ativo pode ajudar a "melhorar ou proteger contra sentimentos de desespero" mesmo se não houver melhora no condicionamento físico.

(BMC Public Health. 25 de junho de 2009)

comentários[0]
Assinar RSS

mais buscadas

2004-2011 Educação Adventista Todos os direitos reservados.