Portal da Educao Adventista

*Educ' arte - Prof.ª Séulima*

4

out
2011

Dia das crianças , atividades em família


Passar o dia das crianças de forma bem agradável e feliz não é tarefa difícil, desde que os pais se organizem antecipadamente para isso, levando em conta aquilo que os filhos mais gostam, que é de maior interesse dos mesmos.

Apresentamos aqui algumas sugestões de atividades para serem realizadas dentro e fora de casa, gastando quase nada ou o quanto planejar. É bom lembrar da importância de organizar as tarefas, intercalando-as de forma que em algum momento a criança fique mais tranqüila e em outro mais agitada, pois assim os pais terão mais controle da situação.


1 - Piquenique: prepare uma cesta com alimentos que as crianças gostam, como sanduíches, bolos, tortas doces ou salgadas, bolachas, geléias e algumas guloseimas, e numa caixa térmica coloque sucos, iogurtes, refrigerantes e muita água. Pesquise antecipadamente um local adequado, de preferência onde haja um banheiro próximo, para não terem problemas em não encontrar. Caso seja alguma praça pública verifique antes se a atividade é permitida. Não se esqueça de levar uma toalha bem grande, para que todos os membros da família fiquem sentados. Leve alguns jogos e brinquedos, como quebra-cabeça, bola, desenhos e lápis para colorir, revistas infantis, livros, etc., afinal, as crianças vão querer se divertir muito. E usem roupas bem confortáveis com chapéus e bonés, além do filtro solar, é claro.

 

2 - Barraca ou Tenda de lençol: se a família não fizer algum acampamento, monte a barraca no quintal de sua casa, como se fosse uma sala de diversão, com jogos e brinquedos. Outra idéia é que, se for possível, todos poderão dormir na mesma, de véspera, pois criará um clima de muita ansiedade e felicidade nas crianças. Caso não tenha uma barraca, monte uma tenda num local da casa como num quarto ou na própria sala. Coloque uma televisão e um dvd dentro e assistam a um bom filme ou aproveitem o espaço para brincar de casinha, ler histórias ou contar segredos.

3 - Atividades de artes: Imprima de nossa página desenhos para pintar, atividades de liga ponto e divirtam-se juntos. Recortem papéis coloridos de várias cores, em quadradinhos pequenos e montem um mosaico. Outra idéia é comprar folhas de papel craft ou pardo e utilizá-las para pintura com tinta guache. Essas atividades são muito interessantes, pois exigem um nível de concentração grande e as crianças ficam mais quietas.

4 - Passeio numa praça ou zoológico: as crianças adoram esses passeios ao ar livre. Poderão conversar muito sobre suas vidas ou mesmo sobre a natureza, comer pipoca, dar sobras de pão para patinhos numa lagoa, andar de bicicleta, etc. É bom lembrar que não é dia de dar sermões sobre fatos ocorridos anteriormente, sobre notas baixas na escola, mas um dia de muito companheirismo e diversão. Caso a criança transgrida alguma regra, converse firmemente com ela, explicando-lhe que é um dia especial e que não é correto estragar a programação da família.

5 - Cinema: escolha um filme em cartaz, que seja do interesse da criança e adequado à sua idade e juntos, assistam ao mesmo com muita pipoca, é claro.

6 - Teatro e grupos de contação de histórias: essas são atividades muito adequadas para os pequenos, podendo ser encontradas em shoppings ou feiras livres. Existem ainda as peças infantis apresentadas em teatros locais, mas os ingressos deverão ser adquiridos antecipadamente para não frustrarem os filhos caso não os encontrem. Os pais poderão pesquisar antecipadamente, num jornal de circulação local, o que as prefeituras de suas cidades estão organizando.

7 - Parque de Diversões: levar as crianças ao parque é muito gostoso, pois elas se sentem encantadas com o mesmo. Se o parque for de brinquedos em areia, leve baldes e outros brinquedos adequados para juntos fazerem castelos. Lembre-se de pesquisar se o parque tem lanchonete, pois as crianças podem ficar com fome, além de precisarem consumir muita água. Caso o parque seja de brinquedos eletrônicos, programe antes quanto irão gastar e reserve o dinheiro das despesas já em casa, mostrando para as crianças que existe um limite para isso. Assim, saberão o quanto podem gastar e ficarão conformadas quando o dinheiro acabar.

8 - Hotéis fazenda: estes também são de ótima aceitação pelas crianças, podendo a família se programar para passar o dia. Normalmente nesses locais existem passeios de charrete, pôneis ou cavalos, brincadeiras com monitores, tirolesa, pescaria, dentre outras. Será uma ótima diversão!

 

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia

comentários[0]

4

out
2011

Oficina para pais e filhos

Além de ser um ótimo momento de integração da família, torna-se um momento de prazer e de muita criatividade.
Trouxemos algumas dicas e idéias que poderão ser aproveitadas.

- vai-e-vem: para esse brinquedo você vai precisar do bico de duas garrafas pet de 2 litros. Depois, usando somente a parte do bico, encaixe uma na outra. Decore como quiser. Pegue duas cordas de nylon, aquelas usadas para varal, e passe-as dentro das garrafas, de um bico para o outro. Nas pontas amarre tocos de madeira, que podem ser cortados de cabos de vassoura.

 

-cineminha: usando uma caixa de papelão, enfeite-a como se fosse uma televisão e faça uma janela onde irá rodar o filme. Coloque uma vareta encaixada na parte de cima (de um lado a outro) e outra vareta na parte de baixo. Prepare o filme emendando folhas de papel sulfite, monte o filme com desenhos e figuras recortadas de revistas. Quando a história estiver pronta é só colocá-la enrolada na vareta de baixo e ir enrolando-a para cima, de forma que as pessoas que assistem possam visualizá-la. Uma pessoa passa o filme e outra faz a narração do mesmo.

- ioiô ou bate volta: corte o fundo de duas garrafas pet de 600 ml, deixando-os com 3cm de altura. Pegue um papel colorido e embrulhe um tanto de areia, fazendo um pacotinho que caiba dentro das duas partes juntas. Emende-as colando com fita adesiva e enfeite como quiser. Amarre o anel do refrigerante na ponta de um pedaço de lastex (elástico bem fininho) e a outra ponta amarre na bola, passando mais fita crepe por cima. Coloque o anel no dedo de faça movimentos descendo e subindo a bola que deve voltar e bater na mão para pegar mais embalo.

- gira-gira: em um pedaço de papelão risque um círculo com 10 cm de diâmetro. Enfeite-o pintando com tinta guache. Marque o centro do círculo e faça um furo na marca de 4 cm e outro na marca de 6 cm, ou seja, que fiquem ao lado do ponto central do círculo. Passe um barbante de 40 cm em cada um dos furos e amarre um anel de refrigerante em cada ponta, juntando os fios. Para girar o disco, segure um anel em cada mão, posicione o disco no meio do barbante e gire as mãos para frente, para enrolar o barbante. Depois vá puxando levemente os anéis para girar o disco.

- boliche: você vai precisar de 12 garrafas pet de 600ml. Pegue dez garrafas e enfeite-as como quiser. Usando as outras duas garrafas, monte uma bola, cortando os fundos das garrafas e emendando-os com fita crepe. Organize as garrafas no chão em forma de triângulo e marque a distância para arremessar a bola, fazendo uma linha no chão, usando fita crepe. É só arremessar e tentar derrubar as garrafas.

- pegue a bola: para esse brinquedo você vai precisar de duas garrafas pet de 2 litros. Corte a parte do bico, deixando mais um pedaço de uns 5cm, para que a bola pare lá dentro. Decore as partes como quiser. A bola pode ser feita com uma meia calça feminina (já usada e furada). Dispostos frente a frente, a uma distância de uns três metros, um jogador arremessa a bola e o outro deve pegá-la com a caçapa.

 

- móbile animado: usando E.V.A. de várias cores, recorte formas geométricas, flores, corações, etc, de aproximadamente 5cm de tamanho. Faça um furo na parte de cima e outro na parte de baixo de cada figura. Usando cinco fios de nylon, do tamanho que você quer o móbile, coloque-o em uma agulha e vá passando o mesmo, em movimento de costura, nos furos das figuras, deixando-os todos enfeitados. Depois é só colar no teto do seu quarto e curtir a beleza do mesmo.

- bilboquê: pegue um rolinho de papel higiênico e decore-o como quiser. Faça uma bolinha de jornal, amarre-a com um barbante de uns 60 cm de comprimento, cubra com fita crepe, pinte e deixe secar. Depois de seca, amarre a outra extremidade do barbante na borda do rolinho. Depois é só segurar o rolinho e jogar a bolinha para cima, tentando encaixá-la no buraco do mesmo.

 

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola

comentários[0]

4

out
2011

Resgatando brincadeiras antigas

 Antigamente as crianças não tinham tantos brinquedos como as de hoje e, por isso, tinham que usar mais a criatividade para criá-los.

Usavam tocos de madeira, pedrinhas, legumes e palitos para fazer animais, além de brincadeiras como amarelinha, cinco Marias, bolinha de gude, cantigas de roda, passa anel, roda pião, empinar pipa, dentre várias outras e, assim, se divertiram por décadas e décadas.

Com os avanços da modernidade, a tecnologia trouxe brinquedos que não exigem a criatividade das crianças, pois elas já encontram tudo pronto.

Uma boa sugestão para comemorar o dia das crianças é a família fazer um levantamento das brincadeiras do tempo de seus pais e de seus avós, aproveitando para se distraírem com seus filhos, ensinando-os outras formas de diversão e as possibilidades de se criar jogos e brincadeiras. O mais importante disso? Ensiná-los que para brincar não precisamos gastar.

Assim, apresentamos aqui algumas sugestões de jogos e brincadeiras antigas.

- Cinco Marias: essa brincadeira constitui em, primeiramente, procurar cinco pedrinhas que tenham tamanho aproximado ou confeccionar saquinhos e recheá-los com arroz ou areia. Primeira rodada: jogue todas as pedrinhas no chão e tire uma delas (normalmente se tira a pedrinha que está mais próxima de outra). Depois, com a mesma mão, jogue-a para o alto e pegue uma das que ficaram no chão. Faça a mesma coisa até pegar todas as pedrinhas. Segunda rodada: jogue as cinco pedrinhas no chão, depois tire uma e jogue-a para o alto, porém, desta vez, pegue duas pedrinhas de uma vez, mais a que foi jogada para o alto. Repita. Terceira rodada: cinco pedrinhas no chão, tira-se uma e joga-se para o alto pegando desta vez três pedrinhas e depois a que foi jogada. Última rodada: joga-se a pedrinha para o alto e pega-se todas as que ficaram no chão.

 

- Roda: em roda, cantem canções antigas e façam os gestos e representações delas. Lembramos de algumas músicas como atirei o pau no gato, ciranda-cirandinha, a linda rosa juvenil, a galinha do vizinho, a canoa virou, eu entrei na roda, cachorrinho está latindo, o meu chapéu tem três pontas, pai Francisco, pirulito que bate bate, samba lelê, se esta rua fosse minha, serra serra serrador, etc.

- Escravos de Jó: dois participantes cantam a música "escravos de jó, jogavam caxangá, tira, põe, deixa ficar, guerreiros com guerreiros fazem zigue, zigue zá". Cada um com uma pedrinha na mão vai trocando-as e fazendo o que diz a música.

- Amarelinha: risca-se a amarelinha no chão, de 1 a 10, fazendo no último número um arco para representar o céu. Pula-se com um pé só, dentro de cada quadrado.

- Pião: um pião de madeira enrolado num barbante. Puxa-se a ponta do barbante e este sai rodopiando. A grande diversão é observar o pião rodando.

- Passar anel: os participantes ficam com as mãos juntas e um deles com um anel escondido. A pessoa que está com o anel vai passando suas mãos dentro das mãos dos outros participantes até escolher um deles e deixar o anel cair em suas mãos, sem que os outros percebam. Depois escolhe uma pessoa e pergunta-se "fulano, com quem está o anel?" e a pessoa escolhida deve acertar.

- Pula corda: duas pessoas batem a corda e outra pula. Durante a execução da brincadeira os batedores vão cantando "um dia um homem bateu na minha porta e disse assim: senhora, senhora, põe a mão no chão; senhora, senhora, pule de um pé só; senhora, senhora, dê uma rodadinha e vá pro meio da rua". Ao final, o pulador deve sair da corda sem errar.

 

- Bolinha de gude: essa brincadeira tem várias formas de se jogar, como box, triângulo, barca e jogo do papão, onde os participantes devem percorrer determinados caminhos, batendo uma bolinha na outra e, ao final, acertar as caçapas.

- Empinando pipa: escolha um local adequado e amplo, onde não tenha fios de energia elétrica. A pipa vai subindo com o vento e os participantes ficam observando-a ao longe. Algumas pessoas usam cerol, uma mistura de cola com caco de vidro, para cortar os fios das outras pipas. Porém, a brincadeira dessa forma torna-se perigosa, podendo causar acidentes graves. Assim, use-a apenas para se divertir evitando usar o cerol, mesmo que alguém lhe dê o preparado.

- Batata quente: os participantes sentam-se em círculo e uma pessoa fica de fora. Vão passando uma bola, bem rápido, de mão em mão e o que está de fora, de costas para o grupo, grita "batata quente, quente, quente, ..., queimou!". Quem estiver com a bola quando o colega disser 'queimou', é eliminado da brincadeira. O vencedor será aquele que não for eliminado.

 Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia

comentários[0]

30

set
2011

Reunião de pais e mestres

 

Quem de nós, professores, já não ficou tenso ou inseguro em dia de Reunião de Pais e Mestres (RPM)? Talvez isto aconteça quando não temos certeza do exato objetivo da RPM, pois é nesse momento que os pais esperam um relatório do rendimento do aluno.  Os pais buscam "explicações", ter a certeza de que seus filhos estão sendo bem cuidados.  Por outro lado, a instituição também usa esse momento para orientar os pais, saber um pouco sobre a vida do aluno e compartilhar com eles aspectos de conduta dos educandos no ambiente escolar.

A reunião de pais apenas será bem sucedida quando o professor se prepara, pois é ele quem terá o contato direto com os responsáveis. Precisa ter segurança e certeza sobre o significado de sua prática, manter de forma clara as suas fundamentações teóricas, bem como suas anotações (diário de classe), a fim de prestar todas as informações necessárias aos pais.

É importante levar em consideração também a expectativa e interesse dos pais que participam da RPM. Pensar naquilo que cada um deles gostaria de levar após a reunião, como sugestões e conselhos para o bom encaminhamento das questões relevantes sobre os alunos.

A RPM deve dar elementos para os responsáveis estimularem seus filhos a terem um melhor desempenho acadêmico, social e afetivo. Não existe uma receita pronta para que esse encontro seja sempre um sucesso, ou um momento em que 100% dos pais sairão satisfeitos. O resultado de uma boa RPM está na união entre o professor e a coordenação/direção da escola. Não apenas em um desses termos.

Assim, o importante é que haja um momento de interação pessoal, momentos em que só o professor fale e momentos em que o pai possa se expressar, e que esse diálogo não fuja ao objetivo principal que é o bem estar do aluno e seu aproveitamento acadêmico.

Aos pais das séries iniciais, os professores devem usar o recurso de fazer uma pequena palestra com um tema relevante para a fase escolar e, em seguida, passar ao atendimento individualizado. É interessante também elaborar uma rápida dinâmica de grupo para que os pais possam ficar mais descontraídos (o professor também faz bem em pedir aos pais, sugestões de temas para a próxima reunião). Referente aos pais das séries do fundamental II ao ensino médio, normalmente o atendimento é mais individualizado, com isso, os professores podem elaborar pequenos textos impressos sobre os objetivos de sua matéria, dicas de como estudar melhor a disciplina e orientações gerais aos pais.

Para que a reunião tenha uma boa participação dos pais, não podemos nos esquecer da forma como eles serão convocados para a assistência.  A escola precisa estar atenta a forma como esse pai será convidado à reunião. É sempre bom recordar de colocar os objetivos da reunião, com linguagem acessível e clara na circular que os responsáveis receberão, e se possível, que esta volte assinada para a escola com a confirmação da presença ou não dos mesmos. No caso do não comparecimento, permitir que isto também seja exposto ao pai, não lhe vedando o contato com o professor em momentos posteriores.

Reunião de pais pode ser sim, um momento prazeroso dentro das atividades escolares, basta que todos se empenhem em fazer dela um tempo de troca de experiências, um momento em que fique bem claro que a escola quer o melhor para o educando e que cada educador está ali para ajudar nesse processo juntamente com o apoio familiar.

Jonice Ferreira dos Santos Martini - Coordenadora pedagógica do Colégio Adventista de Bauru, SP.

comentários[0]

30

set
2011

Semana das crianças

 

Projeto Semana da Criança

| Por Luana Talita Manfrini da Silva

(Imagem: Nowik /Shutterstock)

Ao tentar definir a palavra "criança" em nossa mente, somos imediatamente remetidos a um mundo encantado, com brinquedos variados, cheio de fantasias, jogos e inquietudes por causa da descoberta de novas formas de explorar e aprender sobre as coisas ao redor. Ser criança é uma constante diversão. É uma doce e inocente forma de simplificar a vida, muitas vezes tão dolorosa. A observação desse universo rico em ações e atitudes intensas e honestas - perdoar e esquecer o que passou, fazer e manter amizades com facilidade, abraçar forte sem medo de ser rejeitada, expressar-se com sinceridade - permite-nos um gratificante aprendizado para caminhar rumo ao Céu. Jesus apreciava a companhia das crianças e, verificando as qualidades nelas presentes, afirmou: "Em verdade vos digo que, se não vos converteres e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus" (Mateus 18:3).

O dia 12 de outubro é todo especial para as crianças aqui do Brasil, e para elas não podem faltar brincadeiras nesse período. Como educadores, temos conhecimento do importante papel do brincar no desenvolvimento infantil. A brincadeira é coisa séria na infância. E nada mais justo do que contribuir com esses pequeninos oferecendo, no ambiente escolar, situações de recreação saudável na companhia dos colegas de classe e da escola como um todo.

Entretanto, esse período proporciona um embate de culturas no que diz respeito à evolução dos tipos de brinquedos e brincadeiras. O avanço tecnológico das ultimas décadas e a nova forma de organização social dos grandes centros têm contribuído para uma forma restritiva e solitária de como recreação. Atualmente, as brincadeiras e jogos coletivos estão sendo esquecidos. As formas comuns de entretenimento dos pequenos de nossa sociedade giram em torno de brinquedos sofisticados, em grande quantidade e variedade, jogos eletrônicos, televisão, celulares e internet; o que não anula a necessidade constante da criança de explorar e desvendar o mundo, mas exigem mecanismos diferentes daqueles que existiam uns 20 anos atrás. Essa é uma nova cultura de como brincar e certamente tem seu valor, pois é o que a criança da atualidade entende como diversão. Em contrapartida, nós, que somos frutos de uma cultura diferente, com brincadeiras e jogos que permitiam ação, socialização, raciocínio e criatividade, ficamos penalizados com esse novo jeito de brincar.

Há uma transitoriedade dos aspectos relevantes dessas duas formas de recrear-se e aprender sobre o mundo. Precisamos considerar essa questão de maneira mais ampla do que estamos acostumados, tendo em vista que as crianças não deixaram de ser crianças porque brincam de maneira diferente de nós; elas apenas agem conforme o meio social em que estão inseridas, como fazíamos na nossa infância. Sabemos que as brincadeiras antigas são excelentes, como também compreendemos os malefícios de um brincar isolado e restritivo.

A proposta deste projeto é equilibrar as coisas, respeitando a diversidade dessas duas gerações culturais, extraindo delas aquilo que cada uma pode oferecer de melhor, sem desrespeitar o direito dos nossos pequenos de ser diferente, diante de objetos e percepções do mundo mais elaborado tecnologicamente. Se quisermos que as crianças brinquem melhor, precisamos começar respeitando aquilo que existe de bom nesse novo universo infantil.

(Imagem: Artisticco/Shutterstock)

OBJETIVO
Proporcionar momentos de entretenimento e recreação no ambiente escolar, oferecendo atividades agradáveis em comemoração do Dia da Criança, e ao mesmo tempo contrastar concepções diferentes do que é brincar e como brincar, confrontando a cultura simples, dinâmica e riquíssima das brincadeiras antigas com a modernidade dos brinquedos e brincadeiras atuais e levando a criança a refletir e escolher livremente novas formas de recreação.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  • Saber definir brincadeiras e jogos.
  • Conhecer os brinquedos e brincadeiras mais comuns da atualidade, apresentando os benefícios e os malefícios deles advindos.
  • Conhecer brincadeiras antigas, entendendo sua importância cultural e contribuições para o desenvolvimento saudável da criança.
  • Participar de atividades pautadas ora em recreações comuns da atualidade, ora em brincadeiras antigas.
  • Aprender histórias bíblicas que valorizam a criança e demonstram o amor de Deus por ela.

PÚBLICO-ALVO

Alunos de educação infantil ao 5o ano do ensino fundamental.


PERÍODO

Uma semana.


ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

A organização da Semana da Criança pode ser feita por meio de temas diários. Cada dia será norteado por algo diferente, explorando brinquedos e brincadeiras atuais e antigos, como também atividades artísticas. É necessário fazer uma enquete com os alunos, alguns dias antes da Semana da Criança, levantando dados para seleção das brincadeiras e jogos a ser realizados. Isso ajudará a definir atividades que estejam de acordo com o desejo das crianças e criar estratégias, unindo o desejo dos alunos com um trabalho pautado na reflexão sobre a cultura do brincar atual com as brincadeiras mais antigas.

Durante a Semana da Criança e na semana que a antecede, podem-se realizar com os alunos pesquisas e discussões sobre o que é brincar, como as brincadeiras eram feitas no passado e como elas são na atualidade. É um caminho para compreender os objetos da Semana da Criança. Se possível, leve pessoas mais velhas para falar sobre o tema. Para as crianças menores, proporcione momentos de vivência com brinquedos e brincadeiras antigas, como cantiga de roda, pião, pipa, e converse sobre a forma como costumam brincar em casa.

As atividades que envolvem construção e criatividade não podem ficar de fora da Semana da Criança. Trabalhos manuais tem um papel importante na construção de momentos divertidos, porém educativos. Durante os dias de realização das atividades, é importante haver momentos em que as crianças possam explorar o tema do dia de forma reflexiva e sistematizada, por meio da produção de textos e cartazes, contribuição na montagem das atividades, elaboração de regras, discussões, leitura de textos sobre o tema, caça-palavras, cruzadinhas e outros.

Será de bastante valia a exposição de brinquedos antigos em contraste com os brinquedos atuais, proporcionando uma visualização clara das diferenças. Procure a ajuda das próprias crianças e dos pais para ter esse espaço de observação. No intervalo, deixe à disposição vários jogos e brinquedos para a livre exploração.
As histórias bíblicas trabalhadas durante essa semana podem trazer exemplos do cuidado e amor de Deus pelas crianças. Deus tem que ser o personagem central de todas as atividades realizadas.
Veja a seguir uma sugestão para organização da Semana da Criança por eixos temáticos.

Dia do espaço digital

Proporcione às crianças aquilo que elas conhecem como diversão. Nesse dia, leve as crianças menores ao laboratório de informática. Separe jogos divertidos, porém saudáveis, e dê liberdade para elas explorarem esse material. Com os alunos do 3º, 4º e 5º anos, pode-se fazer campeonato de jogos eletrônicos no laboratório de informática ou usando outros recursos. Faça um campeonato para descobrir quem digita um texto ou escreve mais rápido uma mensagem de e-mail ou celular para um amigo. (Verifique primeiro a realidade dos alunos para essa atividade.)

Depois da atividade, converse com os alunos sobre o que eles acharam dos jogos e como classificá-los. Faça com eles uma relação dos pontos positivos e negativos, comparando com as atividades do dia anterior. Crie um mural de regras para o bom uso do computador e de jogos eletrônicos.

Permita que, nesse dia, as crianças levem de casa um brinquedo para usar na escola. Faça um sanduíche saudável e suco natural com os alunos enfatizando a importância de cuidar da alimentação, principalmente porque as brincadeiras atuais são sedentárias.

Trabalhe essa atividade por classes explorando a reflexão sobre o tema. Pode-se também fazer uma seção de cinema na escola. É preciso fazer uma seleção prévia dos filmes, de acordo com a idade e nossos princípios. Algo interessante para fazer nesse dia é um desfile de moda futurista. Cada criança deve criar um chapéu com o tema digital e desfilar com ele. Eleja um vencedor.

Dia da feirinha de brinquedos e brincadeiras


Prepare previamente, com os alunos maiores, um livrinho de bolso com brincadeiras comuns antigamente. Valorize esse trabalho dos alunos e entregue um exemplar desse material para cada criança da escola. O livro deve conter brincadeiras e jogos, como amarelinha, pião, cinco marias, pular corda, passa-anel, pular elástico, rouba-bandeira, queimada. Divida o livrinho em dois eixos: brincadeiras e jogos. Trabalhe esses conceitos com os alunos. Com os alunos menores, faça brincadeiras de roda e atividades mais simples e discuta o tema em roda na sala previamente para que eles entendam as atividades do dia.

No pátio da escola, utilize os mesmos grupos que formou para a construção do livrinho em sala (do 4º e 5º anos) para ser coordenadores das brincadeiras e apresentá-las aos demais alunos da escola, brincando com os demais alunos também.

Coloque músicas antigas, da cultura popular, durante a feirinha. Deixe as crianças experimentarem as brincadeiras em cada estande, decorado pelos alunos. Promova gincana com brincadeira antigas; é uma boa alternativa.

Ofereça nesse dia pipoca, algodão-doce e um pacote com doces, como pé de moleque, maria-mole, suspiro e outros. Se preferir, pode-se oferecer no lanche bolo de fubá, laranja ou cenoura com cobertura de chocolate e chá para dar um clima de tempos antigos.

Dia do inventor


Inicie o período de aula com uma explanação dos maiores inventores da humanidade e seus grandes feitos. Dê ênfase à história de criação dos brinquedos mais comuns, como bola, boneca, pião e videogame. Para os pequenos, leve objetos como lâmpada, boneca, carrinho e converse com os alunos na sala. Para os maiores, que já dominam a leitura, sugira pesquisas prévias em casa ou no laboratório de informática, para que eles descubram os inventores dos brinquedos que mais usam, como videogame, celular, DVD e outros. Proponha a confecção de cartazes com as informações obtidas e os exponha nesse dia.

Deixe à disposição dos alunos, em uma mesa grande em cada sala de aula da escola, diversos materiais recicláveis (ex.: caixas de leite, copos de iogurte, caixas de papelão), tinta, cola, diferentes tipos de papéis, legumes e outros. Deixe que as crianças tenham acesso aos materiais livremente. Mostre alguns modelos de brinquedos que podem ser feitos com os materiais. Destine uma hora de ação ou mais se necessário. No final da aula, reúna os alunos de toda a escola no pátio promovendo uma exposição desses materiais por série. Ao lado de cada mesa de exposição, permita que os alunos votem no material mais interessante. A eleição pode ser feita por turmas, já que as crianças estão em níveis e condições diferentes para realizar essa atividade. A premiação poderá ser feita com brinquedos de material reciclado feitos pelos professores. O ideal é que todos tenham uma premiação pela participação.

Como tarefa de casa, peça que cada criança escreva os pontos positivos e negativos dos brinquedos industrializados e dos brinquedos mais simples, usados antigamente. Com os menores, faça esse trabalho em roda no dia seguinte.

Dia do artista

Decore a escola com quadros, objetos feitos com argila, figuras produzidas por origami e outras. Nesse dia, permita que as crianças tenham acesso a diferentes formas de expressão artística, como pintura, colagem, modelagem, origami, dramatização de histórias e teatro com fantoches, e outras atividades oportunas.

Podem-se improvisar, no pátio da escola, locais variados com o título da atividade artística a ser realizada ali. Em cada ambiente, o aluno terá à sua disposição os materiais necessários a sua atividade, com duração de 30 minutos. Por exemplo, no caso da dramatização, pode-se apresentar uma história interessante com fantoches ou outros recursos e depois disponibilizar um baú com peças de roupas, acessórios e objetos diversos que auxiliem na criatividade dos pequenos na hora de dramatizar. No ambiente de modelagem, o aluno terá à sua disposição argila e massinha de modelar para brincar, como também poderá aprender a fazer massinha de modelar com farinha, por exemplo.

Para finalizar a semana, deve haver uma festa, lembrando que a ordem do dia é: fazer arte. Pode-se fazer uma festa diferente e saudável com muitas frutas, de cores variadas. Explore a beleza das frutas, crie objetos, faça carinha na maçã, invente uma mesa bem colorida e criativa com as frutas, faça máscaras ou chapéus de frutas para os alunos, coloque uvas e morangos em forminhas de doece, etc. Ofereça sorvete e frutas. Sirva também frutas em forma de sorvete; por exemplo, corte a melancia em pequenos pedaços triangulares e fixe um palito de sorvete na casca centralizando-o; faça espetinhos com pedaços de frutas. Como lembrancinha da festa, entregue um saquinho de balas em forma de frutas ou balas de goma.

CULMINÂNCIA

Avalie com os alunos os brinquedos expostos durante a semana na escola e questione sobre os brinquedos das duas gerações mencionadas, como bola, carrinho, boneca e bicicleta. Faça uma reflexão sobre a importância desses brinquedos para os adultos no passado e para as crianças de hoje.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA


A BÍBLIA SAGRADA. 2. ed. Tradução de João Ferreira de Almeida, revista e atualizada no Brasil. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.

comentários[0]
Assinar RSS

mais buscadas

2004-2011 Educação Adventista Todos os direitos reservados.