Portal da Educao Adventista

*SEBÁ DAMACENO DIRETOR *

18

abr
2011

"VOZ EDUCADA, SAÚDE CUIDADA"

A voz é o som produzido pela vibração das pregas vocais (também conhecidas como cordas vocais), na laringe, pelo ar vindo dos pulmões.

A falta de conhecimento da importância de certos cuidados básicos para preservar a voz pode ter como conseqüência o desencadeamento de algumas doenças laríngeas como, por exemplo, edemas, nódulos, pólipos, úlceras de contato, entre outras.

O trabalho de reeducação tem como objetivo a adequação das estruturas fonoarticulatórias e a conscientização das pessoas para o uso adequado da voz.

As alterações vocais afetam a vida pessoal, social e, sobretudo, a profissional, gerando ansiedade e angústia. Por isso, com mais razão, os profissionais que utilizam a voz como seu instrumento de trabalho, muitas vezes, necessitam de um treinamento de apoio para desenvolver o seu potencial vocal.

HIGIENE VOCAL 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Beba água, regularmente, em temperatura ambiente, em pequenos goles. A água hidrata as pregas vocais;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Mantenha uma alimentação saudável e regular. Evite achocolatados e derivados do leite, principalmente quando for utilizar a voz como instrumento de trabalho, pois estes aumentam a secreção do trato vocal;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Evite café, bebidas gasosas e cigarro. Eles irritam a laringe. Além disso, o cigarro aumenta consideravelmente a chance de câncer de laringe e pulmão;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Coma uma maçã - ela é adstringente, ou seja, limpa o trato vocal e sua mastigação exercita a musculatura responsável pela articulação das palavras.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Na hora de acordar e levantar da cama espreguice e faça alongamentos para relaxar;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Durante o banho, deixe a água quente cair nos ombros, fazendo movimentos de rotação com a cabeça e ombros. Isso ajuda a diminuir a tensão do dia-a-dia;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Enquanto estiver falando, mantenha a postura do corpo sempre reta, no eixo, porém relaxada, principalmente a cabeça;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Utilize alguns horários do seu dia para descansar e relaxar, tentando poupar a sua voz;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Quando você estiver com uma rouquidão por mais de 15 dias, procure um otorrinolaringologista e/ou um profissional em fonoaudilogia.

HÁBITOS PREJUDICIAIS 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Evite gritar ou falar com muita intensidade: sempre que possível procure se aproximar da pessoa para conversar. Quando estiver escutando música ou assistindo TV, abaixe o volume, evite competição sonora;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Pigarrear - essa ação provoca um forte atrito nas pregas vocais, irritando-as;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Ingerir líquidos em temperaturas extremas, ou seja, muito gelado ou muito quente;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

O fumo é altamente nocivo, pois a fumaça quente agride o sistema respiratório e principalmente as pregas vocais, podendo causar desde irritação, pigarro, edema, infecção. É considerado um dos principais fatores desencadeantes do câncer de laringe.;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

O consumo de álcool em excesso também é prejudicial para as pregas vocais e tem efeito analgésico propiciando abusos vocais.;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Chupar balas ou pastilhas fortes quando estiver com a garganta irritada. Isso mascara o sintoma e a pessoa tende a forçar a voz sem perceber. Quando o efeito da bala passa, a irritação na garganta aumenta.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Ar condicionado - prejudica a mucosa das pregas vocais, pois o resfriamento é realizado através da redução da umidade do ar com conseqüente ressecamento do trato vocal, o que leva a pessoa a produzir a voz com maior esforço e tensão.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Evite a fala durante os exercícios físicos: qualquer exercício de esforço muscular junto com a fala irá provocar sobrecarga na musculatura da laringe;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Evite cantar de maneira inadequada ou abusiva em videokês ou fazer parte de corais sem preparo vocal.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Evite pastilhas refrescantes antes de cantar/falar. Estas geralmente têm efeito "anestésico" e você pode cometer abuso vocal sem se dar conta;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Evite falar em demasia em quadros gripais ou em crises alérgicas, pois o tecido que reveste a laringe está inchado e o atrito das pregas vocais durante a fala passa a ser de forte agressão.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Evite falar muito após o consumo de grandes quantidades de aspirinas, calmantes e diuréticos: a aspirina provoca o aumento da circulação sangüínea na periferia das pregas vocais, com a associação do atrito de uma prega contra a outra há um aumento da fragilidade capilar. Os diuréticos e calmantes ressecam as mucosas;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Ingerir líquidos em temperaturas extremas, ou seja, muito gelado ou muito quente; alimentos e bebidas geladas também causam choque térmico, provocando muco e edema nas pregas vocais;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Evite usar roupas apertadas na altura do pescoço e na cintura, pois irá dificultar a livre movimentação da laringe e também a movimentação do diafragma;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Evite alimentos pesados e muito condimentados, pois além de provocar azia, má digestão e refluxo de secreções gástricas, dificulta também a movimentação livre do músculo diafragma, essencial para a respiração;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Ar condicionado - prejudica a mucosa das pregas vocais, pois o resfriamento é realizado através da redução da umidade do ar com conseqüente ressecamento do trato vocal, o que leva a pessoa a produzir a voz com maior esforço e tensão;

A prevenção vocal só depende da conscientização de cada pessoa, pois voz é um sinal de saúde e devemos tratá-la adequadamente.


*texto elaborado pela Fonoaudióloga Ângela Guimarães Coelho (CRFa-RS 6243)

 

comentários[0]

11

abr
2011

ASMA

O QUE É?

A asma brônquica é uma doença pulmonar freqüente e que está aumentando em todo o mundo.

Esta doença se caracteriza pela inflamação crônica das vias aéreas, o que determina o seu estreitamento, causando dificuldade respiratória.

Este estreitamento é reversível e pode ocorrer em decorrência da exposição a diferentes fatores desencadeantes ("gatilhos"). Esta obstrução à passagem de ar pode ser revertida espontaneamente ou com uso de medicações.

As vias aéreas são tubos que dão passagem ao ar. Elas iniciam no nariz, continuam como nasofaringe e laringe (cordas vocais) e, no pescoço, tornam-se um tubo largo e único chamado traquéia.

Já no tórax, a traquéia divide-se em dois tubos (brônquios), direito e esquerdo, levando o ar para os respectivos pulmões.

Dentro dos pulmões, os brônquios vão se ramificando e tornam-se cada vez menores, espalhando o ar.

COMO SE DESENVOLVE?

As pessoas asmáticas reagem demais e facilmente ao contato com qualquer "gatilho" (estímulo).

Dentre estes, os mais comuns são:

alterações climáticas,
o contato com a poeira doméstica,
mofo,
pólen,
cheiros fortes,
pêlos de animais,
gripes ou resfriados,
fumaça,
ingestão de alguns alimentos ou
medicamentos.

A mucosa brônquica, que é o revestimento interno das vias aéreas, está constantemente inflamada por causa da hiper-reatividade brônquica (sensibilidade aumentada dos brônquios).

Nas crises de asma, esta hiper-reatividade brônquica aumenta ainda mais e determina o estreitamento das vias aéreas. Este fenômeno leva à tosse, chiado no peito e falta de ar.

Os mecanismos que causam a asma são complexos e variam entre a população. Nem toda a pessoa com alergia tem asma e nem todos os casos de asma podem ser explicados pela resposta alérgica do organismo a determinados estímulos.

De qualquer forma, cerca de um terço de todos os asmáticos possui um familiar (pais, avós, irmãos ou filhos) com asma ou com outra doença alérgica.

Alguns asmáticos têm como "gatilho" o exercício. Ao se exercitarem, entram numa crise asmática com tosse, chiado no peito (sibilância) ou encurtamento da respiração.

Alguns vírus e bactérias causadoras de infecções respiratórias também podem estar implicadas em alguns casos de asma que se iniciam na vida adulta.

A asma brônquica pode iniciar em qualquer etapa da vida.

Na maioria das vezes, inicia na infância e poderá ou não durar por toda a vida.

O QUE SE SENTE?

Caracteristicamente, nesta doença os sintomas aparecem de forma cíclica, com períodos de piora. Dentre os sinais e sintomas principais, estão:

tosse - que pode ou não estar acompanhada de alguma expectoração (catarro). Na maioria das vezes, não tem expectoração ou, se tem, é tipo "clara de ovo";
falta de ar
chiado no peito (sibilância)
dor ou "aperto" no peito

Os sintomas podem aparecer a qualquer momento do dia, mas tendem a predominar pela manhã ou à noite.

A asma é a principal causa de tosse crônica em crianças e está entre as principais causas de tosse crônica em adultos.

COMO O MÉDICO FAZ O DIAGNÓSTICO?

O diagnóstico é feito baseado nos sinais e sintomas que surgem de maneira repetida e que são referidos pelo paciente.

No exame físico, o médico poderá constatar a sibilância nos pulmões, principalmente nas exacerbações da doença. Contudo, nem toda sibilância é devido à asma, podendo também ser causada por outras doenças. Todavia, nos indivíduos que estão fora de crise, o exame físico poderá ser completamente normal.

Existem exames complementares que podem auxiliar o médico. Dentre eles, estão:

a radiografia do tórax,
exames de sangue e de pele (para constatar se o paciente é alérgico) e a
espirometria - identifica e quantifica a obstrução ao fluxo de ar.

O asmático também poderá ter em casa um aparelho que mede o pico de fluxo de ar, importante para monitorar o curso da doença. Nas exacerbações da asma, o pico de fluxo se reduz.

COMO SE TRATA?

Para se tratar a asma, a pessoa deve ter certos cuidado com o ambiente, principalmente na sua casa e no trabalho. Junto, deverá usar medicações e manter consultas médicas regulares.

Duas classes de medicamentos têm sido utilizadas para tratar a asma:

Broncodilatadores
Todo asmático deverá utilizar um broncodilatador. É um medicamento, como o próprio nome diz, que dilata os brônquios (vias aéreas) quando o asmático está com falta de ar, chiado no peito ou crise de tosse. Existem broncodilatadores chamados beta2-agonistas - uns apresentam efeito curto e outros efeito prolongado (que dura até 12h). Os de efeito curto costumam ser utilizados conforme a necessidade. Se a pessoa está bem, sem sintomas, não precisará utilizá-los. Já aqueles de efeito prolongado costumam ser utilizados continuamente, a cada 12 horas, e são indicados para casos específicos de asma. Além dos beta2-agonistas, outros broncodilatadores, como teofilinas e anticolinérgicos, podem ser usados.
Antiinflamatórios
Os corticóides inalatórios são, atualmente, a melhor conduta para combater a inflamação, sendo utilizados em quase todos os asmáticos. Só não são usados pelos pacientes com asma leve intermitente (que têm sintomas esporádicos). Tais medicamentos são utilizados com o intuito de prevenir as exacerbações da doença ou, pelo menos, minimizá-las e aumentar o tempo livre da doença entre uma crise e outra. Os antiinflamatórios devem ser utilizados de maneira contínua (todos os dias), já que combatem a inflamação crônica da mucosa brônquica, que é o substrato para os acontecimentos subseqüentes.

Existem outras possibilidades de tratamento, como o cromoglicato de sódio (bastante utilizado em crianças pequenas), o nedocromil, o cetotifeno e os anti-leucotrienos. Este último é relativamente novo e pode ser usado em casos específicos de asma ou associado aos corticóides.

Tanto os broncodilatadores quanto os antiinflamatórios podem ser usados de várias formas:

por nebulização,
nebulímetro ("spray" ou "bombinha"),
inaladores de pó seco (através de turbohaler, rotahaler, diskhaler ou cápsulas para inalação) - são diferentes (e práticos) dispositivos para inalação,
comprimido,
xarope

Os médicos dão preferência ao uso das medicações por nebulização, nebulímetro ou inaladores de pó seco por serem mais eficazes e causarem menos efeitos indesejáveis.

COMO SE PREVINE?

Como prevenção de crises de asma, o asmático poderá usar os corticosteróides, os beta2-agonistas de longa duração e os antileucotrienos, além de ter um bom controle ambiental, evitando exposição aos "gatilhos" da crise asmática.

Não há como prevenir a existência da doença, mas sim as suas exacerbações e seus sintomas diários.

comentários[0]

11

abr
2011

DENGUE

O QUE É?

A Dengue é uma doença infecciosa (é uma virose). Tem como etiologia (causa) qualquer uma das quatro variedades (sorotipos), do vírus da dengue. Os sorotipos (variedades) são identificadas pelas siglas DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. Trata-se de um arbovírus (vírus da família do vírus da febre amarela) que só pode ser transmitido ao homem por um vetor (transmissor) um artrópodo hematófago (animal que tem os membros articulados e alimenta-se com sangue - o mosquito Aedes aegypti). Não há transmissão homem-homem, sem a ação do vetor.

Cada um dos virus pode causar enfermidade grave e mortal. Cada sorotipo proporciona imunidade (defesa organizada) específica para toda a vida. A imunidade cruzada (de um para o outro sorotipo) é de curta duração (meses), como são quatro variedades, uma pessoa pode ter dengue quatro vezes. Dentro de um mesmo sorotipo parece existir capacidade variável de disseminar uma epidemia com diferentes níveis de gravidade.

COMO SE MANIFESTA?

Existem quatro síndromes clínicas da dengue:

1. Febre indiferenciada; 
2. Febre de dengue (Dengue Clássica); 
3. Dengue hemorrágica, o DH;
4. Síndrome do choque da dengue.

A síndrome de choque é na realidade a forma mais grave de Dengue Hemorrágica (DH)

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DA FEBRE INDIFERENCIADA.

FEBRE INDIFERENCIADA.

A febre indiferenciada é a manifestação mais comum e frequente da dengue. Uma pesquisa de DS Burke, et al. "A prospective study of dengue infections in Bangkok" publicada no Am J Trop Med Hyg 1988; 38:172-80 demonstrou que a maioria (87%) dos estudantes; de 4 a 16 anos de idade; infectados pelo virus da dengue permaneceu sem sintomas ou com tão poucos que faltaram às aulas somente um dia. A infeccão da dengue, em sua forma de febre indiferenciada, não difere das viroses habituais.

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DA FEBRE DA DENGUE.

A febre da dengue é uma enfermidade viral aguda que pode ser diferenciada por:

1. Febre, de início súbito; 
2. Dor atrás do olho (retro-ocular) e forte dor de cabeça (cefaléia) às vezes muito intensa. 
3. Dores nos músculos (mialgias) e nas juntas (artralgias) que podem ser relatadas como muito intensas. 
4. Vômitos de difícil controle e/ou náuseas ; 
5. Erupção cutânea (exantema) que pode surgir em diferentes momentos da doença, tem aspecto variável, desde predominância de petéquias (pontos de sangue) até somente eritematosa (avermelhada). Em pessoas de pele mais clara se notam mais as petéquias e o eritema, nas de pele mais escura chama atenção o aspecto maculopapular (manchas com alguma elevação) . 

MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DA DENGUE.

Até 33% dos infectados podem desenvolver manifestações hemorrágicas. Estas hemorragias como regra são de mínima gravidade. São mais características as seguintes: Hemorragias cutáneas: petequia,púrpura,equimose,
Gengivorragia,(sangramento gengival). 
Sangramento nasal (epistaxe) 
Sangramento gastrointestinal: hematemesis (vômito com sangue; melena (evacuação de sangue digerido, fezes pretas) e hematoquezia ( sangue misturado com fezes)
Hematúria (sangue na urina)
Aumento do fluxo menstrual.

Estas hemorragias variam largamente desde leves até intensas e graves podendo desencadear choque por perda de sangue.

OS CRITÉRIOS

Critérios para definição clínica de Dengue Hemorrágica-DH- Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde).

A- História recente de doença febril aguda ou atual.
B- Hemorragias na doença atual.
C- Contagem baixa de plaquetas (plaquetopenia) número inferior a 100.000/mm3 
D- Evidência objetiva de aumento da permeabilidade capilar: 
hematócrito elevado (20% a mais do usual) 
baixa da albumina do sangue (albuminemia baixa)
baixa da proteína do sangue ( proteinemia baixa)
derrame pleural ou outras efusões (derrames)

A diferença básica entre a febre da Dengue Dengue Clássica e a Dengue Hemorrágica é o extravasamento de plasma na DH, podendo-se induzir que a correção efetiva da desidratação pode ser a diferença entre a vida e a morte.

CONCEITUAÇÃO DA SÍNDROME DO CHOQUE DA DENGUE

São exigidos:

Presença dos criterios de dengue hemorrágica

Insuficiência circulatória manifestada pelos sintomas seguintes:
Pulso fraco (amplitude diminuída)
Aumento da freqüência cardíaca
Diminuição da pressão do sangue em relação 
à idade referida, redução das diferenças da tensão entre pressão Máxima e Mínima igual ou menor a 20 mm Hg.
Modificação do estado mental, pele úmida e fria 
O choque franco evidencia por si a insuficiencia circulatória.

SINAIS DE CHOQUE IMINENTE.

Embora a maioria dos pacientes com DH não desenvolva choque, a presença de certos sinais alertam para a provável instalação da insuficiência circulatória (choque).

Os sinais de alerta para instalação de choque iminente: 
1. Dor abdominal persistente e muito forte; 
2. Vômitos incoercíveis ; 
3. Repentina mudança da temperatura do corpo, acompanhada de sudorese; 
4. Alteração do comportamento, variando de sonolência à agitação.

NÍVEIS DA DENGUE HEMORRÁGICA.

I- Nível

Sintomas constitucionais inespecíficos e febre A prova do torniquete positiva é a única manifestação hemorrágica

II- Nível

Manifestaciones do nível I hemorragia espontânea

III- Nível

Sinais de insuficiência circulatória (taquicardia, pulso fraco, redução da tensão diferencial, hipotensão para a idade determinada, pele fria e úmida)

IV- Nível

Choque profundo (pulso e pressão arterial indetectáveis)

FATORES DE RISCO PARA DESENVOLVER DH

Cepa do virus: ocorre em infecção primária na dependêcia das cepas do vírus. 
Infecções secundárias (repetidas) apresentam um maior risco de DH com as cepas, (em ordem decrescente): DEN 2; DEN 3; DEN 4 e DEN1.

Transmissão hiperendémica (dois ou mais serotipos circulando simultaneamente).

Estimulação dependente de anticorpos que facilitando o ingresso de vírus, em maior número, nos mononucleares (alguns dos glóbulos brancos) proporcionam infecções maciças.
Mononucleares infectados, liberam substâncias que produzem aumento da permeabilidad vascular, induzindo manifestações hemorrágicas e síndrome de choque.

Anticorpos anti-dengue preexistentes, tanto por infecção prévia como por anticorpos maternos transmitidos aos lactentes.

Genética do hospedeiro (os brancos e crianças) parecem ter um maior risco.

DIAGNÓSTICO

São fundamentais os dados de anamnese e exame físico. É importante analisar a história de viagem para lugares com dengue endêmico, bem como o tempo entre o aparecimento dos sintomas e o retorno da viagem, a incubação da dengue varia de 3 a 15 dias.

Avaliação clínica do paciente com febre da dengue.

Ademais do exame clínico completo necessita atenção especial:

Prova de torniquete 
Determinação de Pressão arterial
Procura por sangramentos
Observação da hidratação 
Pesquisa de derrames 

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DA DENGUE

Entre outras infecções devemos lembrar:

Influenza (gripe)
Sarampo 
Rubéola 
Malária 
Febre tifóide
Leptospirose 
Meningococcemia 
Sepsis bacteriana 

PROVAS DE LABORATÓRIO

Provas do laboratório clínico Hemograma com contagem de plaquetas 
Dosagem de Albumina e Proteínas séricas 
Provas de função hepática e coagulação 
Urina procurando hematuria microscópica 

Provas específicas para dengue 
Isolamento do vírus (amostra de entre 5º-7º dias)
Serología IgG e IgM anticorpos antidengue(12º dias)

TRATAMENTO (OBJETIVOS)

Não existe tratamento curativo entre os objetivos temos:

Asseguar a hidratação, aliviar os sintomas como, dor, febre e vômitos, Tranquilizar o paciente, vigiar e prevenir as eventuais complicações e trata-las precocemente.
Hidratação - Estimular o paciente a manter-se hidratado via oral, se indispesável usar a via endovenosa.
Antipiréticos e analgésicos evitar o uso de aspirina e fármacos anti-inflamatórios não esteroides, protegendo assim a função plaquetária.
Vigiar a insuficiência circulatória através de: pressão sanguínea, hematócrito, contagem de plaquetas e nível de consciência.
Repouso, alimentação e tranqüilização. 

ONDE PODE SER FEITO O TRATAMENTO (LOCAL)

Nem todos os pacientes com diagnóstico de dengue necessita tratamento hospitalar

1.- Tratamento no domicílio.
Sem manifestações hemorrágicas. 
Normotensos (pressão normal). 
Sem necessidade de hidratação endovenosa (pela veia) 

2. - Tratamento com recursos intermediários
Manifestações hemorrágicas discretas 
Pressão arterial moderadamente baixa 
Necessitando hidratação pela veia 

3 .- Tratamento Hospitalar com de UTI 
Hidratação só controlável com hidratação venosa 
Sinais de alerta para choque iminente e síndrome de choque por dengue 

PREVENÇÃO

Não existe vacina ou medicamento que proteja individualmente contra a dengue. A prevenção é não permitir a reprodução do Aedes (que em grego significa "indesejado"), não permitido o nascimento de novos mosquitos.

EDUCAÇÃO

A medida de prevenção mais eficiente é o combate ao mosquito que transmite a doença. Medidas educativas de repercussão ambiental e conscientização da sociedade para diminuir os locais onde as larvas dos mosquitos se criam são decisivas na prevenção.

RECOMENDAÇÕES DA SAÚDE PÚBLICA

A única maneira de evitar a dengue é não deixar o mosquito nascer. É necessário acabar com os criadouros (lugares de nascimento e desenvolvimento dele). Não deixe a água, mesmo limpa, ficar parada em qualquer tipo de recipiente como:

Garrafas
Pneus
Pratos de vasos de plantas e xaxim
Bacias 
Copinhos descartáveis

Tapar: Caixas d'água 
Poços
Cisternas
Outros depósitos de água.

 

comentários[0]

11

abr
2011

Tosse

O QUE É?

É a expulsão barulhenta e súbita do ar dos pulmões e que pode ou não estar acompanhada de muco (catarro).

COMO SE DESENVOLVE?

A tosse, usualmente, é uma resposta reflexa do corpo a um estímulo irritante na garganta, laringe (cordas vocais), traquéia ou pulmões.

A traquéia é um tubo de ar que se estende do pescoço até o tórax, levando o ar que entra pelo nariz até os pulmões.

A tosse tem um mecanismo reflexo, ou seja, ocorre automaticamente, sem a pessoa pensar. Ela é um reflexo que protege os pulmões do efeito nocivo das bactérias, vírus, fungos, poeiras e outras substâncias danosas. Contudo, pode também ser voluntária.

Existem muitas causas possíveis para a tosse. Dentre elas, estão: 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

tabagismo

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

hiper-reatividade dos brônquios (sensibilidade aumentada nos tubos de ar dos pulmões), asma, enfisema pulmonar ou bronquite crônica

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

infecções da garganta, laringe, traquéia, seios da face (sinusite) ou dos pulmões

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

alergias

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

refluxo de líquido do estômago para o esôfago (tubo que leva o alimento da boca até o estômago)

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

inalação de ar muito quente ou frio

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

exposição a gases ou substâncias químicas (irritantes ambientais)

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

tumores de garganta, cordas vocais, pulmões ou esôfago

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

insuficiência do coração em bombear o sangue que chega até ele

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

objeto que tenha entrado inadvertidamente na traquéia

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

algumas medicações

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

transtornos psiquiátricos

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

tuberculose ou outras doenças pulmonares.

Embora, na maioria das vezes, a tosse tenha uma única causa, até a quarta parte dos indivíduos apresentam mais de uma doença que justifique sua presença.

O QUE É IMPORTANTE OBSERVAR NA TOSSE?

Existem alguns itens que a pessoa que tosse deve observar, ajudando, assim, na investigação médica. São eles: 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

quando a tosse iniciou ou quanto tempo ela está durando

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

se a tosse é constante, eventual ou se predomina em algum momento do dia

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

se tem expectoração e qual a cor da secreção expectorada

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

se há alguém mais na família com tosse ou doente

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

em que época do ano que a tosse costuma aparecer

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

se está relacionada a alguma atividade (faxina da casa, por exemplo).

Quando a tosse é crônica, ou seja, com duração de 3 semanas ou mais, geralmente, ela tem como causa o tabagismo, asma, gota pós-nasal (secreção do nariz indo na direção dos pulmões), doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema pulmonar e/ou bronquite crônica) ou refluxo gastro-esofágico (líquido do estômago indo para o esôfago).

COMO O MÉDICO FAZ O DIAGNÓSTICO?

A conversa do médico com a pessoa acometida pela tosse é muito importante, pois através dela o médico indica quais exames complementares serão importantes na investigação do problema.

Ele deverá perguntar sobre sinais e sintomas associados, atividade do paciente, histórico de doenças familiares dentre outros para proceder sua investigação.

Associando isto ao exame físico do paciente, o médico consegue levantar uma hipótese da causa da tosse. Sabemos que a tosse não é uma doença, mas um sintoma de que algum distúrbio deve ser investigado.

COMO SE TRATA?

O tratamento é decidido conforme a causa da tosse. O tratamento definitivo é aquele que combate a causa. Por exemplo, nos casos em que o motivo da tosse é uma infecção, o tratamento é o uso de antibióticos. A tosse que produz catarro não deve ser suprimida com anti-tussígenos - a não ser que seu médico julgue necessário.

Nos casos de tosse pelo tabagismo, o abandono do fumo, geralmente, leva a uma diminuição considerável da tosse em um mês.

Naqueles pacientes que se suspeita que a tosse seja causada por uma exposição no trabalho (o paciente nota melhora nas férias ou quando não está trabalhando), o médico poderá aconselhar uma mudança na área de trabalho ou maneiras de melhorar a circulação de ar e orientar o uso de máscaras, se julgar oportuno.

COMO SE PREVINE?

As vacinações contra o vírus da gripe (anual) e contra o pneumococo - bactéria que mais freqüentemente causa infecções respiratórias - podem ajudar neste sentido.

A prevenção vai depender da causa da tosse. Não fumar, por exemplo, ajudará a prevenir os casos de tosse pelo tabagismo, tumores de pulmão, bronquite crônica ou enfisema pulmonar. No entanto, alguns casos de tosse não poderão ser prevenidos, mas somente tratados.

 

comentários[0]

11

abr
2011

GRIPE

O QUE É?

É uma infecção respiratória causada pelo vírus Influenza. Ela pode afetar milhões de pessoas a cada ano. É altamente contagiosa e ocorre mais no final do outono, inverno e início da primavera - de abril a setembro no hemisfério sul. Também é responsável por várias ausências ao trabalho e à escola, além de poder levar à pneumonia, hospitalização e morte. As epidemias de gripe normalmente tem seu pico em duas semanas e duram 2 a 3 meses.

Existem três tipos deste vírus: A, B e C. O vírus Influenza A pode infectar humanos e outros animais, enquanto que oInfluenza B e C infecta só humanos. O tipo C causa uma gripe muito leve e não causa epidemias.

De uma maneira geral, o vírus influenza ocorre de maneira epidêmica uma vez por ano. Qualquer pessoa pode se gripar. Contudo, as pessoas com alguma doença respiratória crônica, com fraqueza imunológica, imunidade enfraquecida e idosos têm uma tendência a infecções mais graves com possibilidade de complicações fatais.

Os sintomas da gripe são mais graves do que os do resfriado.

O vírus Influenza tem uma "capa" (revestimento) que se modifica constantemente. Isto faz com que o organismo das pessoas tenha dificuldade para se defender das agressões deste microorganismo, ficando também difícil desenvolver vacinas para proteção contra a infecção causada por ele.

Por isso, a gripe é um dos maiores problemas de saúde pública.

COMO SE DESENVOLVE?

Diferentemente do resfriado que, na maioria das vezes, se dissemina pelo contato direto entre as pessoas, o vírusInfluenza se dissemina, principalmente, pelo ar. Quando a pessoa gripada espirra, tosse ou fala, gotículas com o vírus ficam dispersas no ar por um tempo suficiente para ser inaladas por outra pessoa.

No revestimento do nariz da pessoa que foi contaminada, ele se reproduz e se dissemina para a garganta e para o restante das vias aéreas, que inclui os pulmões, causando os sintomas da gripe.

Menos freqüentemente, a doença se dissemina pelo toque (mão contaminada com o vírus) do doente na mão de um indivíduo sadio que, ao levar a mão à boca ou ao nariz, se contamina.

Um dia antes da pessoa experimentar os sintomas da doença, ela já pode contagiar outras. Poderá contaminar por até 7 dias após início dos sintomas - crianças até mais que isso.

O QUE SE SENTE?

Gripe não é resfriado. A gripe é uma doença com início súbito e mais grave que o resfriado comum. Ela compromete de maneira significativa o estado geral da pessoa, diferentemente do resfriado que geralmente só compromete o nariz e a garganta. O período de incubação - tempo entre o contágio e o início dos sintomas da doença - é de 1 a 4 dias.

Sintomas: 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

febre

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

calafrios

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

suor excessivo

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

tosse seca - pode durar mais de duas semanas

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

dores musculares e articulares (dores no corpo) - podem durar de 3 a 5 dias

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

fadiga - pode levar mais de duas semanas para desaparecer

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

mal-estar

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

dor de cabeça

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

nariz obstruído

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

irritação na garganta

Alguns ou todos os sintomas supracitados podem estar presentes.

A doença costuma ceder completamente dentro de uma ou duas semanas. A febre pode durar 3-8 dias.

Nos idosos, a fraqueza causada pela gripe poderá durar várias semanas.

Geralmente, a gripe cursa sem complicações e é autolimitada. No entanto, uma das complicações possíveis é a pneumonia - normalmente, não pelo vírus Influenza, mas por uma bactéria (pneumococo ou estafilococo, geralmente).

Além da pneumonia, outras infecções como sinusite, otite e bronquite (infecção dos brônquios - "canos" que espalham o ar nos pulmões) também são complicações possíveis. As pessoas com mais de 65 anos, de qualquer idade com alguma doença crônica e as crianças muito pequenas tem uma probabilidade maior de desenvolver complicações de uma gripe. Por outro lado, a gripe pode também desencadear uma piora em pessoas asmáticas ou com bronquite crônica e piora da condição de uma pessoa com insuficiência do coração, por exemplo. Existem outras complicações infreqüentes e graves que podem ocorrer.

COMO O MÉDICO FAZ O DIAGNÓSTICO?

O médico faz o diagnóstico através dos sinais e sintomas referidos pelo paciente e com o auxílio do exame físico. Contudo, isto não é fácil já que os sintomas iniciais da doença podem ser similares àqueles causados por outros microorganismos em outras doenças. Por isso, existem exames que podem ser feitos - só são usados em casos de epidemias ou quando o médico julgar importante para o manejo da situação - para confirmar a doença. Estes exames podem ser realizados com a análise da secreção respiratória (um "raspado" da garganta feito com um cotonete ou uma secreção do nariz) nos 4 primeiros dias da enfermidade ou através de exame de sangue. Existem também os chamados testes rápidos (detecção do antígeno viral) que podem confirmar a doença dentro de 24 horas.

Se o médico suspeitar de complicações causadas pelo vírus influenza, também poderá solicitar estes testes complementares.

A radiografia do tórax também auxiliará o médico quando este suspeitar de uma pneumonia como complicação da gripe ou de outro diagnóstico. Contudo, nem sempre será fácil para o médico diferenciar entre uma pneumonia causada pelo próprio vírus da gripe e uma pneumonia bacteriana pós-gripe, apesar dos exames complementares disponíveis.

COMO SE TRATA?

Caso os sintomas da doença tenham se apresentado a menos de dois dias, o doente poderá discutir com o seu médico a possibilidade de se usar um tratamento anti-viral.

O indivíduo enfermo deverá fazer repouso, evitar o uso de álcool ou fumo, procurar se alimentar bem e tomar bastante líquidos, além de usar medicações para a febre e para a dor e, também, para a melhora dos sintomas do nariz, como a coriza (corrimento do nariz) ou congestão nasal.

Retorno às atividades normais somente após os sintomas terem ido embora.

Para combater e prevenir a gripe pelo vírus influenza do tipo A, a amantadina poderá ser empregada em crianças com mais de 1 ano de idade. A rimantadina é outra opção nestes casos. Entretanto, para tratamento ela só poderá ser usada em adultos. Estes dois medicamentos anti-virais podem ajudar no processo de cura desde que utilizados nas primeiras 48 horas da doença.

Existem novos anti-virais eficazes chamados de inibidores da neuraminidase , que têm a vantagem de, além de combater o vírus A, tratar a doença causada pelo vírus B. Também devem ser iniciados dentro das primeiras 48h da doença para serem eficazes. Podem ser usados por comprimido ou xarope, ou via inalatória.

COMO SE PREVINE?

A melhor maneira de se proteger da gripe é fazer a vacinação anual contra o Influenza antes de iniciar o inverno, época em que ocorrem mais casos. Ela pode ajudar a prevenir os casos de gripe ou, pelo menos, diminuir a gravidade da doença. Sua efetividade entre adultos jovens é de 70-90%. Cai para 30-40% em idosos muito frágeis - isso porque estes têm pouca capacidade de desenvolver anticorpos protetores após a imunização (vacinação). Contudo, mesmo nesses casos, a vacinação conseguiu proteger contra complicações graves da doença como as hospitalizações e as mortes. A proteção da vacina também dependerá da similaridade da cepa viral que foi utilizada na vacina e da que está circulante no ano.

A vacina nos adultos e crianças maiores é aplicada no músculo do ombro e nas crianças menores é aplicada na coxa. Nas crianças menores de 9 anos que estão recebendo a vacina pela primeira vez, deve-se fazer duas doses da vacina com um intervalo de 1 mês. Uma a duas semanas após a vacinação, anticorpos já são produzidos pelo organismo e a proteção inicia.

Normalmente, a vacinação é bem tolerada. Os efeitos indesejáveis mais freqüentes são a dor e vermelhidão no local da injeção. Em menos de 5% dos vacinados, febre baixa, dor de cabeça ou dor no corpo podem ocorrer 8-24h após a vacinação. Outros efeitos adversos são muito raros.

Devemos salientar que a vacinação não causa a doença, uma vez que é composta por vírus mortos. Atualmente, se estuda o uso de uma vacina para aplicação dentro do nariz. Conforme determinação do Ministério da Saúde:

VACINAR 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

todas as pessoas com 60 anos ou mais

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

pessoas adultas (mesmo grávidas ou amamentando) ou com mais de 6 meses de idade portadoras de doenças crônicas do coração, pulmões ou rins

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

desabrigados, co-habitantes de pessoas de alto risco (incluindo crianças a partir dos 6 meses), diabéticos e pessoas com doenças da hemoglobina (do sangue)

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

pessoas imunocomprometidas: com câncer, infecção pelo HIV, transplantados de órgãos ou que receberam corticóides, quimioterapia ou radioterapia

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

residentes de clínicas, indivíduos com internações prolongadas, trabalhadores da área da saúde e moradores de asilo

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

familiares e pessoas que lidam com indivíduos com alto risco de ficarem doentes

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

gestantes no segundo ou terceiro trimestre durante época do ano em que a gripe é freqüente ou grávidas que tenham alguma condição médica que represente um maior risco de complicação após uma gripe

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

crianças entre 6 meses e 18 anos que fazem uso de ácido acetilsalicílico a longo prazo (têm uma chance de apresentar uma complicação grave chamada Síndrome de Reye após uma gripe)

NÃO VACINAR 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

pessoas que tiveram uma reação prévia a esta vacina contra a gripe

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

pessoas que já tiveram uma reação alérgica a ovos de galinha, neomicina ou timerosal

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

indivíduos que tiveram uma desordem caracterizada por paralisia chamada de Síndrome de Guillain-Barré, em que se suspeitou que tivesse sido após uma vacina anti-Influenza

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

pessoas com alguma doença febril atual

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

primeiro trimestre da gravidez

Além da vacinação, os anti-virais podem ser usados como preventivos quando indicados pelo seu medico.

 

comentários[0]

11

abr
2011

Dor nos Joelhos

QUAIS AS CAUSAS DE DOR NOS JOELHOS?

Dor em joelho é extremamente freqüente. Há dezenas de causas. Algumas são muito comuns e fáceis de diagnosticar, mas há situações em que o esclarecimento do problema pode ser uma tarefa lenta e trabalhosa.

Na tabela1, abaixo estão as doenças mais freqüentes. 
 

Diagnóstico

Características

Síndrome de dor Patelo-femural
(Patelo = rótula)

Jovens. Rótula mal Alinhada em sua articulação com o fêmur.

Implantação alta da rótula*

Jovens

Síndromes de sobrecarga*

Atletas, corredores, dançarinas, obesos.

Defeito alinhamento entre coxas e pernas*

Pernas "em xis", arqueadas, rotadas.

Hipermobilidade da rótula *

A rótula desliza fora da calha no fêmur.

Doenças da rótula *

Condromalacia, osteocondrite.

Síndrome do coxim gorduroso

Dor na "bola" de gordura que se forma na região interna do joelho.

Bursite

Na frente ou abaixo da rótula.

Tendinite

Mais freqüente na região interna da perna.

Doenças dos meniscos **

Após traumatismo ou em idosos. Também ocorre em situações de sobrecarga crônica.

Ruptura parcial ou total de ligamentos **

Traumatismo.

Doença de Osgood-Schlatter **

Dor e inchume na perna logo abaixo da rótula. Entre 9 e 15 anos. Mais em sexo masculino (ver osteonecroses).

Doenças da membrana articular (sinovial)

Sinovite vilo-nodular, condromatose**, tumores malignos**.

Osteoartrite (artrose)

Desestruturação da cartilagem.

Artrite (sinovite)

Doenças inflamatórias ou infecciosas.

Tabela1

Há duas situações bem distintas em relação à problema dor no joelho.

Em uma, há um problema local, isto é, uma ou mais estruturas que compõem o joelho apresentam-se com algum tipo de defeito.

Este pode ser congênito (defeitos das rótulas) ou instalar-se posteriormente como, por exemplo, ruptura ou degeneração de meniscos.

Essas são patologias ortopédicas e, geralmente, manejadas por ortopedistas. Reumatologistas podem intervir em fases iniciais ou quando não houver indicação cirúrgica.

Na outra situação um ou ambos joelhos estão inchados.

POR QUE OS JOELHOS INCHAM?

Quando uma articulação está inchada, há artrite, que significa inflamação articular. Logo, o que precisamos saber é: por que o joelho está inflamado?

MAS O QUE É INFLAMAÇÃO? É A MESMA COISA QUE INFECÇÃO? NÃO!

Inflamação é uma reação do organismo a uma agressão no sentido de eliminá-la. Como conseqüência, desenvolvem-se calor local, vermelhidão (eritema), inchume (edema) e dor.

Um corte ou uma laceração na pele provocam inflamação sem infecção e o resultado final, ao curar, é a cicatriz. Se em uma incisão cirúrgica aparecer pus, significa que cresceram bactérias, ou seja, infeccionou. Quando a doença inicial é a infecção, o mecanismo de defesa do organismo é a reação inflamatória. Nesse caso, a infecção leva a uma inflamação.

Na "Tabela 1", nos diagnósticos em que há o asterisco (*) só haverá edema em fases mais avançadas. Ou seja, os pacientes estão com joelhos "secos". Mais tarde, devido às lesões locais provocadas pelos variados estímulos inadequados inerentes a cada doença, desenvolve-se a reação inflamatória. Nesses casos, o edema articular costuma ser pequeno, contrastando com a dor e a limitação de função, que podem ser importantes.

A síndrome do coxim gorduroso é freqüente. Aparece preferentemente em mulheres obesas a partir da 5a década. Se houver edema, esse é localizado, ocorrendo geralmente tendinite ou bursite associada (tendinite ou bursite anserina).

Bursas são cavidades fechadas localizadas em íntima vizinhança com tendões e articulações. Podem inflamar secundariamente à inflamação dos tendões, por traumatismo ou como manifestação de alguma doença como a gota, quando depósitos de cristais de ácido úrico provocam a inflamação. Em geral, as bursites de joelho são facilmente percebidas. As bursas localizadas na frente ou abaixo das rótulas podem infectar a partir de infecção da pele vizinha.

As tendinites estão apresentadas em capítulo próprio. O mecanismo que se caracteriza por ser mais freqüente na produção da tendinite é o desgaste que ocorre devido ao uso continuado ou exagerado dos tendões. Há minúsculas rupturas das fibras que compõem os tendões, levando a reação inflamatória local e cicatrização. A repetição do evento pode levar a "rasgões" nos tendões com variadas repercussões clínicas.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/dor_joelhos_001.jpgNos joelhos, mais freqüente vê-se a tendinite anserina. Localiza-se na parte interna da perna e leva este nome devido à forma anatômica dos tendões que aí se inserem, semelhante a uma pata de ganso.

É uma causa bastante encontrada de joelho seco doloroso (periartrite seca de joelho). Pode haver discreto edema localizado. Quando houver edema intenso, deve-se pensar em outras causas, tais como gota, artrite reumatóide e infecção.

As doenças assinaladas com (**) estão apresentadas em artigos, na seção de ortopedia desse site.

Sinovite vilo-nodular é rara. É uma doença em que há crescimento anormal benigno (não é câncer) da membrana sinovial. O diagnóstico é feito por meio de ressonância magnética ou biópsia.

Osteoartrite somente provoca edema articular em fase avançada. Leia mais sobre osteoartrite em artigo específico nesse site.

ARTRITE DE JOELHOS 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Sofri um traumatismo e o joelho está doendo. O que faço?

Consulte um ortopedista.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Sofri um traumatismo e o joelho inchou. O que faço?

Consulte um ortopedista.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Sofri um traumatismo há uma semana e hoje o joelho inchou. O que faço?

Consulte um reumatologista.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Acho que sofri um traumatismo ontem e os dois joelhos estão doendo. O que faço?

Consulte um reumatologista.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Sofri um traumatismo ontem. Hoje estou com um joelho inchado e outras articulações e/ ou a coluna doendo. O que faço?

Consulte um reumatologista. Traumatismo em um joelho não provoca artrite à distância.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Acordei esta manhã com um ou os dois joelhos inchados. O que faço?

Consulte um reumatologista.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Pratico vários esportes com impacto e sofro lesões eventualmente, as quais meu ortopedista sempre resolve. Meu joelho está novamente doloroso, mas desta vez tenho outros sintomas atuais ou recentes (um ou mais): mal estar, febre, secreção pela uretra, ardência para urinar, lesões de pele, diarréia, dor na coluna ou nas nádegas, outras articulações inchadas ou doendo). O que faço?

Consulte um reumatologista.

CAUSAS

Na Tabela 2, a seguir, estão listadas as doenças que mais freqüentemente podem iniciar com artrite de um ou dos dois joelhos. Esses esclarecimentos , entretanto, servem como orientação inicial.

Consulte sempre seu médico! Somente um profissional especializado poderá lhe orientar com segurança!

Causas Não Traumáticas De Artrite De Joelhos

(a doença pode iniciar com artrite isolada de um joelho) 
 

Diagnóstico

Características

Artrite reativa (síndrome de Reiter)
Não é raro início em joelho.

Muito mais freqüente em adultos jovens. Pesquisar infecção genital, urinária ou intestinal (ver artigo específico). Geralmente inicia com mais de uma articulação comprometida.

Gota

Monoartrite aguda. Depósito de cristais de ácido úrico. Homens adultos. Mulheres, após a menopausa. Crises anteriores em qualquer articulação.

Condrocalcinose

Artrite aguda ou crônica. Depósito de cristais de pirofosfato de cálcio. Crises anteriores em qualquer articulação.

Psoríase (artropatia psoriásica)

15% dos portadores de psoríase têm artrite.

Artrite reumatóide.

Muito raro iniciar com artrite isolada de joelhos.

Osteoartrite

Se não for doença avançada, procurar outra causa.

Artrite gonocócica

comentários[0]

11

abr
2011

Artrites Crônicas da Infância

DEFINIÇÃO

Trata-se de um grupo de doenças caracterizado pela presença de artrite crônica (mais de 6 semanas de duração) em crianças com menos de 16 anos de idade.

Ela é dividida em três subtipos, com manifestações clínicas e evolução diferentes: tipos sistêmico, oligoarticular e poliarticular.

Tratam-se de subtipos distintos e falar de maneira genérica pode ser difícil, mas é possível dizer que a principal manifestação dessa doença é a artrite, ou seja , articulações quentes, vermelhas , inchadas e a incapacidade da criança de utilizar aquela articulação ou membro afetado.

Também aparecem sintomas de queda do estado geral, podendo haver febre, diminuição do apetite e da disposição para as atividades diárias, afetando desde o rendimento escolar até o ritmo de brincadeiras. Um aspecto importante dessa doença é a capacidade de instalação de deformidades a longo prazo e o comprometimento permanente da função das articulações. A terapêutica disponível atualmente visa deter a instalação dessas deformidades e disponibilizar uma vida normal para a criança. Conforme o subtipo , podemos ter o envolvimento de órgãos e sistemas de maneira diferenciada, por exemplo, no subtipo oligoarticular pode ser comum o envolvimento ocular (uveíte), que é atípico em outros subtipos.

CAUSAS

Não existe uma causa conhecida para a instalação das Artrites Crônicas na Infância. Como se trata de uma doença dividida em vários tipos, pensa-se haver mais de uma causa possível. Foram detectadas várias alterações no sistema imune (sistema de defesa do organismo humano) mas não é ainda possível dizer se elas são causais ou se são apenas fenômenos paralelos sem uma relação direta com o início do quadro. Já foram arroladas hipóteses envolvendo a presença de infecções, alterações genéticas, imunológicas e endócrinas, mas até agora elas só tem valor como especulação a respeito das causas dessa doença.

TRATAMENTO

O tratamento atual dessas condições consiste num conjunto de medidas que incluem o uso de medicamentos , fisioterapia, exercícios e medidas de reabilitação e, conforme a presença de seqüelas, podem também incluir cirurgia ortopédica. Da mesma forma a equipe que cuida desses pacientes é multidisciplinar, com o reumatologista pediátrico como coordenador. O objetivo principal dessa equipe é, como já foi dito anteriormente, preservar ao máximo o organismo da criança das seqüelas que podem advir da doença e do próprio tratamento. Muitos dos medicamentos utilizados hoje em Reumatologia Infantil são copiados da experiência com adulto, já havendo estudos específicos com populações dessa faixa de idade. A família entra nesse cenário como protagonista principal do tratamento, encorajando e estimulando a criança vítima de uma doença crônica e monitorizando essa evolução, repassando esses dados para a equipe médica. 

comentários[1]

7

abr
2011

mundo dá voltas

 mundo dá voltas

comentários[1]

6

abr
2011

SBT Realidade - Estilo de Vida Adventista

SBT Realidade - Estilo de Vida Adventista

comentários[0]

2

abr
2011

TRANSTORNOS MENTAIS EM IDOSOS

A v

elhice é um período normal do ciclo vital caracterizado por algumas mudanças físicas, mentais e psicológicas. É importante fazer essa consideração pois algumas alterações nesses aspectos não caracterizam necessariamente uma doença. Em contrapartida, há alguns transtornos que são mais comuns em idosos como transtornos depressivos, transtornos cognitivos, fobias e transtornos por uso de álcool. Além disso, os idosos apresentam risco de suicídio e risco de desenvolver sintomas psiquiátricos induzidos por medicamentos.

Muitos transtornos mentais em idosos podem ser evitados, aliviados ou mesmo revertidos. Conseqüentemente, uma avaliação médica se faz necessária para o esclarecimento do quadro apresentado pelo idoso.

Diversos fatores psicossociais de risco também predispõem os idosos a transtornos mentais.

Esses fatores de risco incluem: 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Perda de papéis sociais

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Perda da autonomia

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Morte de amigos e parentes

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Saúde em declínio

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Isolamento social

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Restrições financeiras

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Redução do funcionamento cognitivo (capacidade de compreender e pensar de uma forma lógica, com prejuízo na memória).

TRANSTORNOS PSIQUIÁTRICOS MAIS COMUNS EM IDOSOS 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Demência

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Demência tipo Alzheimer

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Demência vascular

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Esquizofrenia

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Transtornos depressivos

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Transtorno bipolar (do humor)

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Transtorno delirante

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Transtornos de ansiedade

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Transtornos somatoformes

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Transtornos por uso de álcool e outras substâncias

DEMÊNCIA

Demência é um comprometimento cognitivo geralmente progressivo e irreversível. As funções mentais anteriormente adquiridas são gradualmente perdidas. Com o aumento da idade a demência torna-se mais freqüente. Acomete 5 a 15% das pessoas com mais de 65 anos e aumenta para 20% nas pessoas com mais de 80 anos.

Os fatores de risco conhecidos para a demência são: Idade avançada História de demência na família Sexo feminino

Os sintomas incluem alterações na memória, na linguagem, na capacidade de orientar-se. Há perturbações comportamentais como agitação, inquietação, andar a esmo, raiva, violência, gritos, desinibição sexual e social, impulsividade, alterações do sono, pensamento ilógico e alucinações.

As causas de demência incluem lesões e tumores cerebrais, síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), álcool, medicamentos, infecções, doenças pulmonares crônicas e doenças inflamatórias. Na maioria das vezes as demências são causadas por doenças degenerativas primárias do sistema nervoso central (SNC) e por doença vascular. Cerca de 10 a 15% dos pacientes com sintomas de demência apresentam condições tratáveis como doenças sistêmicas (doenças cardíacas, renais, endócrinas), deficiências vitamínicas, uso de medicamentos e outras doenças psiquiátricas (depressão).

As demências são classificadas em vários tipos de acordo com o quadro clínico, entretanto as mais comuns são demência tipo Alzheimer e demência vascular.

DEMÊNCIA TIPO ALZHEIMER

De todos os pacientes com demência, 50 a 60% têm demência tipo Alzheimer, o tipo mais comum de demência. É mais freqüente em mulheres que em homens. É caracterizada por um início gradual e pelo declínio progressivo das funções cognitivas. A memória é a função cognitiva mais afetada, mas a linguagem e noção de orientação do indivíduo também são afetadas. Inicialmente, a pessoa pode apresentar uma incapacidade para aprender e evocar novas informações.

As alterações do comportamento envolvem depressão, obsessão (pensamento, sentimento, idéia ou sensação intrusiva e persistente) e desconfianças, surtos de raiva com risco de atos violentos. A desorientação leva a pessoa a andar sem rumo podendo ser encontrada longe de casa em uma condição de total confusão. Aparecem também alterações neurológicas como problemas na marcha, na fala, no desempenhar uma função motora e na compreensão do que lhe é falado.

O diagnóstico é de exclusão, isto é, só pode ser feito quando não se encontra nenhuma outra causa. A rigor, tal diagnóstico só é realizado pós-morten, através de biópsia cerebral, na qual aparecem alguns sinais característicos e exclusivos da doença. A história do paciente e exame clínico, além das técnicas de imagem cerebral como tomografia computadorizada e ressonância magnética podem ser úteis no diagnóstico clínico.

O diagnóstico é feito com base na história do paciente e do exame clínico. As técnicas de imagem cerebral como tomografia computadorizada e ressonância magnética podem ser úteis.

O tratamento é paliativo e as medicações podem ser úteis para o manejo da agitação e das perturbações comportamentais. Não há prevenção ou cura conhecidas.

DEMÊNCIA VASCULAR

É o segundo tipo mais comum de demência. Apresenta as mesmas características da demência tipo Alzheimer mas com um início abrupto e um curso gradualmente deteriorante. Pode ser prevenida através da redução de fatores de risco como hipertensão, diabete, tabagismo e arritmias. O diagnóstico pode ser confirmado por técnicas de imagem cerebral e fluxo sangüíneo cerebral.

ESQUIZOFRENIA (ESQUIZOFRENIA E OUTRAS PSICOSES)

Essa doença começa no final da adolescência ou idade adulta jovem e persiste por toda a vida. Cerca de 20% das pessoas com esquizofrenia não apresentam sintomas ativos aos 65 anos; 80% mostram graus variados de comprometimento. A doença torna-se menos acentuada à medida que o paciente envelhece.

Os sintomas incluem retraimento social, comportamento excêntrico, pensamento ilógico, alucinações e afeto rígido. Os idosos com esquizofrenia respondem bem ao tratamento com drogas antipsicóticas que devem ser administradas pelo médico com cautela.

TRANSTORNOS DEPRESSIVOS

A idade avançada não é um fator de risco para o desenvolvimento de depressão, mas ser viúvo ou viúva e ter uma doença crônica estão associados com vulnerabilidade aos transtornos depressivos. A depressão que inicia nessa faixa etária é caracterizada por vários episódios repetidos.

Os sintomas incluem redução da energia e concentração, problemas com o sono especialmente despertar precoce pela manhã e múltiplos despertares, diminuição do apetite, perda de peso e queixas somáticas (como dores pelo corpo). Um aspecto importante no quadro de pessoas idosas é a ênfase aumentada sobre as queixas somáticas.

Pode haver dificuldades de memória em idosos deprimidos que é chamado de síndrome demencial da depressão que pode ser confundida com a verdadeira demência. Além disso, a depressão pode estar associada com uma doença física e com uso de medicamentos.

TRANSTORNO BIPOLAR (TRANSTORNOS DO HUMOR)

Os sintomas da mania em idosos são semelhantes àqueles de adultos mais jovens e incluem euforia, humor expansivo e irritável, necessidade de sono diminuída, fácil distração, impulsividade e, freqüentemente, consumo excessivo de álcool. Pode haver um comportamento hostil e desconfiado. Quando um primeiro episódio de comportamento maníaco ocorre após os 65 anos, deve-se alertar para uma causa orgânica associada. O tratamento deve ser feito com medicação cuidadosamente controlada pelo médico.

TRANSTORNO DELIRANTE

A idade de início ocorre por volta da meia-idade mas pode ocorrer em idosos. Os sintomas são alterações do pensamento mais comumente de natureza persecutória (os pacientes crêem que estão sendo espionados, seguidos, envenenados ou de algum modo assediados). Podem tornar-se violentos contra seus supostos perseguidores, trancarem-se em seus aposentos e viverem em reclusão. A natureza dos pensamentos pode ser em relação ao corpo, como acreditar ter uma doença fatal (hipocondria).

Ocorre sob estresse físico ou psicológico em indivíduos vulneráveis e pode ser precipitado pela morte do cônjuge, perda do emprego, aposentadoria, isolamento social, circunstâncias financeiras adversas, doenças médicas que debilitam ou por cirurgia, comprometimento visual e surdez.

As alterações do pensamento podem acompanhar outras doenças psiquiátricas que devem ser descartadas como demência tipo Alzheimer, transtornos por uso de álcool, esquizofrenia, transtornos depressivos e transtorno bipolar. Além disso, podem ser secundárias ao uso de medicamentos ou sinais precoces de um tumor cerebral.

TRANSTORNOS DE ANSIEDADE

Incluem transtornos de pânico, fobias, TOC, ansiedade generalizada, de estresse agudo e de estresse pós-traumático. Desses, os mais comuns são as fobias.

Os transtornos de ansiedade começam no início ou no período intermediário da idade adulta, mas alguns aparecem pela primeira vez após os 60 anos.

As características são as mesmas das descritas em transtornos de ansiedade em outras faixas etárias.

Em idosos a fragilidade do sistema nervoso autônomo pode explicar o desenvolvimento de ansiedade após um estressor importante. O transtorno de estresse pós-traumático freqüentemente é mais severo nos idosos que em indivíduos mais jovens em vista da debilidade física concomitante nos idosos.

As obsessões (pensamento, sentimento, idéia ou sensação intrusiva e persistente) e compulsões (comportamento consciente e repetitivo como contar, verificar ou evitar ou um pensamento que serve para anular uma obsessão) podem aparecer pela primeira vez em idosos, embora geralmente seja possível encontrar esses sintomas em pessoas que eram mais organizadas, perfeccionistas, pontuais e parcimoniosas. Tornam-se excessivos em seu desejo por organização, rituais e necessidade excessiva de manter rotinas. Podem ter compulsões para verificar as coisas repetidamente, tornando-se geralmente inflexíveis e rígidos.

TRANSTORNOS SOMATOFORMES

São um grupo de transtornos que incluem sintomas físicos (por exemplo dores, náuseas e tonturas) para os quais não pode ser encontrada uma explicação médica adequada e que são suficientemente sérios para causarem um sofrimento emocional ou prejuízo significativo à capacidade do paciente para funcionar em papéis sociais e ocupacionais. Nesses transtornos, os fatores psicológicos são grandes contribuidores para o início, a severidade e a duração dos sintomas. Não são resultado de simulação consciente.

A hipocondria é comum em pacientes com mais de 60 anos, embora o seja mais freqüente entre 40 e 50 anos. Exames físicos repetidos são úteis para garantirem aos pacientes que eles não têm uma doença fatal. A queixa é real, a dor é verdadeira e percebida como tal pelo paciente. Ao tratamento, deve-se dar um enfoque psicológico ou farmacológico.

TRANSTORNOS POR USO DE ÁLCOOL E OUTRAS SUBSTÂNCIAS

Os pacientes idosos podem iniciar um quadro de dependência à uma droga ou um remédio, devido à automedicação. Por exemplo, um senhor que torna um hábito beber uma dose de álcool todos os dias para relaxar, ou então uma senhora que ao passar por uma situação de maior ansiedade, como a perda ou morte de algum conhecido ou familiar, inicia o uso de medicamentos sedativos a fim de não se sentir tão mal.

A dependência de álcool, geralmente, apresenta uma história de consumo excessivo que começou na idade adulta e frequentemente está associada a uma doença médica, principalmente doença hepática. Além disso, a dependência ao álcool está claramente associada a uma maior incidência de quadros demenciais.

A dependência de substâncias como hipnóticos, ansiolíticos e narcóticos é comum. Os pacientes idosos podem abusar de ansiolíticos para o alívio da ansiedade crônica ou para garantirem uma noite de sono. A apresentação clínica é variada e inclui quedas, confusão mental, fraca higiene pessoal, depressão e desnutrição.

Uma particularidade de tais dependências nesses pacientes é que tanto os medicamentos sedativos quanto o álcool estão relacionados com maior número de quedas e fraturas, o que reduz significativamente a expectativa de vida do idoso após o incidente.

COLABORADORAS
DRA. ALICE SIBILE KOCH
 
DRA. DAYANE DIOMÁRIO DA ROSA

 A velhice é um período normal do ciclo vital caracterizado por algumas mudanças físicas, mentais e psicológicas. É importante fazer essa consideração pois algumas alterações nesses aspectos não caracterizam necessariamente uma doença. Em contrapartida, há alguns transtornos que são mais comuns em idosos como transtornos depressivos, transtornos cognitivos, fobias e transtornos por uso de álcool. Além disso, os idosos apresentam risco de suicídio e risco de desenvolver sintomas psiquiátricos induzidos por medicamentos.

Muitos transtornos mentais em idosos podem ser evitados, aliviados ou mesmo revertidos. Conseqüentemente, uma avaliação médica se faz necessária para o esclarecimento do quadro apresentado pelo idoso.

Diversos fatores psicossociais de risco também predispõem os idosos a transtornos mentais.

Esses fatores de risco incluem: 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Perda de papéis sociais

comentários[1]

2

abr
2011

TRANSTORNO BIPOLAR DO HUMOR

O QUE É A DOENÇA BIPOLAR DO HUMOR:

O Transtorno Bipolar do Humor, antigamente denominado de psicose maníaco-depressiva, é caracterizado por oscilações ou mudanças cíclicas de humor. Estas mudanças vão desde oscilações normais, como nos estados de alegria e tristeza, até mudanças patológicas acentuadas e diferentes do normal, como episódios de MANIA, HIPOMANIA, DEPRESSÃO e MISTOS. É uma doença de grande impacto na vida do paciente, de sua família e sociedade, causando prejuízos freqüentemente irreparáveis em vários setores da vida do indivíduo, como nas finanças, saúde, reputação, além do sofrimento psicológico. É relativamente comum, acometendo aproximadamente 8 a cada 100 indivíduos, manifestando-se igualmente em mulheres e homens.

O QUE CAUSA A DOENÇA BIPOLAR DO HUMOR:

A base da causa para a doença bipolar do humor não é inteiramente conhecida, assim como não o é para os demais distúrbios do humor. Sabe-se que os fatores biológicos (relativos a neurotransmissores cerebrais), genéticos, sociais e psicológicos somam-se no desencadeamento da doença. Em geral, os fatores genéticos e biológicos podem determinar como o indivíduo reage aos estressores psicológicos e sociais, mantendo a normalidade ou desencadeando doença. O transtorno bipolar do humor tem uma importante característica genética, de modo que a tendência familiar à doença pode ser observada.

COMO SE MANIFESTA A DOENÇA BIPOLAR DO HUMOR:

Pode iniciar na infância, geralmente com sintomas como irritabilidade intensa, impulsividade e aparentes "tempestades afetivas". Um terço dos indivíduos manifestará a doença na adolescência e quase dois terços, até os 19 anos de idade, com muitos casos de mulheres podendo ter início entre os 45 e 50 anos. Raramente começa acima dos 50 anos, e quando isso acontece, é importante investigar outras causas. 

A MANIA (eufórica) é caracterizada por: 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Humor excessivamente animado, exaltado, eufórico, alegria exagerada e duradoura;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Extrema irritabilidade, impaciência ou "pavio muito curto";

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Agitação, inquietação física e mental;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Aumento de energia, da atividade, começando muitas coisas ao mesmo tempo sem conseguir terminá-las

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Otimismo e confiança exageradas;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Pouca capacidade de julgamento, incapacidade de discernir;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Crenças irreais sobre as próprias capacidades ou poderes, acreditando possuir muitos dons ou poderes especiais;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Idéias grandiosas;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Pensamentos acelerados, fala muito rápida, pulando de uma idéia para outra,tagarelice;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Facilidade em se distrair, incapacidade de se concentrar;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Comportamento inadequado, provocador, intrometido, agressivo ou de risco;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Gastos excessivos;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Desinibição, aumento do contato social, expansividade;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Aumento do impulso sexual;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Agressividade física e/ou verbal;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Insônia e pouca necessidade de sono;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Uso de drogas, em especial cocaína, álcool e soníferos.

* Três ou mais sintomas aqui relacionados devem estar presentes por, no mínimo, uma semana; 
* A hipomania é um estado de euforia mais leve que não compromete tanto a capacidade de funcionamento do paciente. Geralmente, passa despercebida por ser confundida com estados normais de alegria e devem durar no mínimo dois dias. 

A DEPRESSÃO, que pode ser de intensidade leve, moderada ou grave, é caracterizada por: 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Humor melancólico, depressivo;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Perda de interesse ou prazer em atividades habitualmente interessantes;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Sentimentos de tristeza, vazio, ou aparência chorosa/melancólica;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Inquietação ou irritabilidade;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Perda ou aumento de apetite/peso, mesmo sem estar de dieta;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Excesso de sono ou incapacidade de dormir;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Sentir-se ou estar agitado demais ou excessivamente devagar (lentidão);

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Fadiga ou perda de energia;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Sentimentos de falta de esperança, culpa excessiva ou pessimismo;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Dificuldade de concentração, de se lembrar das coisas ou de tomar decisões;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Pensamentos de morte ou suicídio, planejamento ou tentativas de suicídio;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Dores ou outros sintomas corporais persistentes, não provocados por doenças ou lesões físicas.

* estes sintomas manifestam-se na maior parte do tempo por, pelo menos, DUAS semanas. 

O ESTADO MISTO é caracterizado por: 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Sintomas depressivos e maníacos acentuados acontecendo simultaneamente;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

A pessoa pode sentir-se deprimida pela manhã e progressivamente eufórica com o passar do dia, ou vice-versa;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Pode ainda apresentar-se agitada, acelerada e ao mesmo tempo queixar-se de angústia, desesperança e idéias de suicídio;

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Os sintomas freqüentemente incluem agitação, insônia e alterações do apetite. Nos casos mais graves, podem haver sintomas psicóticos (alucinações e delírios) e pensamentos suicidas;

* os sintomas devem estar presentes a maior parte dos dias por, no mínimo, uma semana.

DE QUE OUTRAS FORMAS A DOENÇA BIPOLAR DO HUMOR PODE SE MANIFESTAR:

Existem três outras formas através das quais a doença bipolar do humor pode se manifestar, além de episódios bem definidos de mania e depressão.

Uma primeira forma seria a hipomania, em que também ocorre estado de humor elevado e expansivo, eufórico, mas de forma mais suave. Um episódio hipomaníaco, ao contrário da mania, não é suficientemente grave para causar prejuízo no trabalho ou nas relações sociais, n

comentários[7]

2

abr
2011

ANOREXIA NERVOSA

O QUE É?

Anorexia nervosa é um transtorno alimentar no qual a busca implacável por magreza leva a pessoa a recorrer a estratégias para perda de peso, ocasionando importante emagrecimento. As pessoas anoréxicas apresentam um medo intenso de engordar mesmo estando extremamente magras. Em 90% dos casos, acomete mulheres adolescentes e adultas jovens, na faixa de 12 a 20 anos. É uma doença com riscos clínicos, podendo levar à morte por desnutrição.

O QUE SE SENTE? 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Perda de peso em um curto espaço de tempo.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Alimentação e preocupação com peso corporal tornam-se obsessões.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Crença de que se está gordo, mesmo estando excessivamente magro.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Parada do ciclo menstrual (amenorréia).

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Interesse exagerado por alimentos.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Comer em segredo e mentir a respeito de comida.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Depressão, ansiedade e irritabilidade.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Exercícios físicos em excesso.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Progressivo isolamento da família e amigos.

COMPLICAÇÕES MÉDICAS 
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Desnutrição e desidratação.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Hipotensão (diminuição da pressão arterial).

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Anemia.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Redução da massa muscular.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Intolerância ao frio.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Motilidade gástrica diminuída.

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Amenorréia (parada do ciclo menstrual).

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Osteoporose (rarefação e fraqueza óssea).

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Infertilidade em casos crônicos.

Maior propensão a infecções por comprometimento do sistema imunológico

QUAIS SÃO AS CAUSAS?

Não existe uma causa única para explicar o desenvolvimento da anorexia nervosa. Essa síndrome é considerada multideterminada por uma mescla de fatores biológicos, psicológicos, familiares e culturais. Alguns estudos chamam atenção que a extrema valorização da magreza e o preconceito com a gordura nas sociedades ocidentais estaria fortemente associada à ocorrência desses quadros.

COMO SE DESENVOLVE?

A preocupação com o peso e a forma corporal leva o adolescente a iniciar uma dieta progressivamente mais seletiva, evitando ao máximo alimentos de alto teor calórico. Aparecem outras estratégias para perda de peso como, por exemplo: exercícios físicos excessivos, vômitos, jejum absoluto.

A pessoa segue se sentindo gorda, apesar de estar extremamente magra, acabando por se tornar escrava das calorias e de rituais em relação à comida. Isola-se da família e dos amigos, ficando cada vez mais triste, irritada e ansiosa. Dificilmente, a pessoa admite ter problemas e não aceita ajuda de forma alguma. A família às vezes demora para perceber que algo está errado. Assim, as pessoas com anorexia nervosa podem não receber tratamento médico, até que tenham se tornado perigosamente magras e desnutridas.

COMO SE TRATA?

O tratamento deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar formada por psiquiatra, psicólogo, pediatra, clínico e nutricionista, em função da complexa interação de problemas emocionais e fisiológicos nos transtornos alimentares.

Quando for diagnosticada a anorexia nervosa, o médico deve avaliar se o paciente está em risco iminente de vida, requerendo, portanto, hospitalização.

O objetivo primordial do tratamento é a recuperação do peso corporal através de uma reeducação alimentar com apoio psicológico. Em geral, é necessário alguma forma de psicoterapia para ajudar o paciente a lidar com sua doença e com as questões emocionais subjacentes.

Psicoterapia individual, terapia ou orientação familiar, terapia cognitivo-comportamental (uma psicoterapia que ensina os pacientes a modificarem pensamentos e comportamentos anormais) são, em geral, muito produtivas.

Para o quadro de anorexia nervosa não há medicação específica indicada. O uso de antidepressivos pode ser eficaz se houver persistência de sintomas de depressão após a recuperação do peso corporal.

O tratamento da anorexia nervosa costuma ser demorado e difícil. O paciente deve permanecer em acompanhamento após melhora dos sintomas para prevenir recaídas.

COMO SE PREVINE?

Uma diminuição da pressão cultural e familiar com relação à valorização de aspectos físicos, forma corporal e beleza pode eventualmente reduzir a incidência desses quadros. É fundamental fornecer informações a respeito dos riscos dos regimes rigorosos para obtenção de uma silhueta "ideal", pois eles têm um papel decisivo no desencadeamento dos transtornos alimentares.

COLABORADORAS
DRA. ALICE SIBILE KOCH 
DRA. DAYANE DIOMÁRIO DA ROSA

comentários[0]

2

abr
2011

ALCOOLISMO

O uso de substâncias que modificam o estado psicológico tem ocorrido em todas as culturas conhecidas desde a Antigüidade mais remota. Costumavam ser associadas a rituais tradicionais nas várias culturas. Um remanescente desse aspecto ritualístico do uso de substâncias mantém-se na igreja católica que segue usando vinho durante sua celebração. O alcoolismo é uma doença que afeta a saúde física, o bem estar emocional e o comportamento do indivíduo. Segundo estatísticas americanas, atinge 14% de sua população e no Brasil estima-se que entre 10 a 20% da população sofra deste mal. O álcool é classificado como um depressor do sistema nervoso central.    

EFEITOS FÍSICOS  

Os efeitos físicos ocasionados pelo álcool são muito amplos no ser humano. Diminuição dos reflexos e sedação são comuns. O uso a longo prazo aumenta o risco de doenças como o câncer na língua, boca, esôfago, laringe, fígado e vesícula biliar. Pode ocasionar hepatite, cirrose, gastrite e úlcera. Quando usado em grande quantidade pode ocasionar danos cerebrais irreversíveis. Pode levar à desnutrição. Pode causar problemas cardíacos e de pressão arterial. É uma causa conhecida de malformação congênita quando usado durante a gestação.  

EFEITOS EMOCIONAIS  

Os efeitos emocionais e comportamentais são muito frequentes e variáveis conforme a tolerância do indivíduo e a dose ingerida. Perda da inibição, sendo que pessoa intoxicada com álcool pode fazer coisas que normalmente não faria, como, por exemplo, dirigir um carro em alta velocidade. Alteração do humor, ocasionando raiva, comportamento violento, depressão e até mesmo suicídio. Pode resultar em perda de memória. Prejuízo na vida familiar do alcoolista, ocasionando desentendimento entre o casal, e problemas emocionais a longo prazo nas crianças. Diminuição da produtividade no trabalho.   

COMO A PESSOA DESENVOLVE ALCOOLISMO  

Um indivíduo pode tornar-se alcoolista devido a um conjunto de fatores, incluindo predisposição genética, estrutura psíquica, influências familiares e culturais. Sabe-se que homens e mulheres têm 4 vezes mais probabilidade de ter problemas com álcool se seus pais foram alcoolistas.   

EFEITOS DO ÁLCOOL  

Geralmente está associado a outras condições psiquiátricas como transtornos de personalidade, depressão, transtorno afetivo bipolar (ou psicose maníaco depressiva), transtornos de ansiedade e suicídio.   

INTOXICAÇÃO POR ÁLCOOL  

Os sintomas dependem da concentração de álcool no sangue. No início do quadro a pessoa pode tornar-se séria e retraída, ou falante e alegre. Podem ocorrer crises de riso ou choro. Em geral ocorre sonolência. Gradativamente o indivíduo começa a perder a coordenação motora, apresentando dificuldade para falar e caminhar. Os reflexos tornam-se mais lentos. Intoxicações graves com concentrações maiores de álcool no sangue podem levar ao coma, depressão respiratória e morte.    

INTOXICAÇÃO PATOLÓGICA  

Caracteriza-se por intensas mudanças de comportamento e agressividade após a ingestão de uma pequena quantidade de álcool. A duração é limitada, sendo comum o black out (amnésia). Pela violência das manifestações pode ser necessário até internar o paciente além de medicá-lo. 

SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA AO ÁLCOOL  

Ocorre em pacientes que fazem uso de álcool em grande quantidade e por tempo prolongado, e que param de consumir a bebida. Os primeiros sintomas de abstinência iniciam 12 horas após parar de beber. Os sintomas mais comum são os tremores, acompanhados de irritabilidade, náuseas, vômitos, ansiedade, sudorese, pupilas dilatadas e taquicardia. Pode evoluir para uma condição clínica mais grave chamada Delirium por abstinência de álcool (Delirium Tremens)    

DELIRIUM TREMENS  

É uma emergência médica e, quando não tratado adequadamente, pode levar o paciente a convulsões e morte em até 20% dos casos. Inicia geralmente na semana em que o paciente para de beber. O paciente apresenta taquicardia, sudorese, febre, ansiedade, insônia. Pode apresentar alucinações, como, por exemplo, enxergar insetos ou outros pequenos bichos na parede. O nível de consciência do paciente "flutua" desde um estado de hiperatividade até um de letargia.    

COMO O MÉDICO FAZ O DIAGNÓSTICO  

O diagnóstico é feito através de uma anamnese (entrevista) com o paciente e sua família e exame físico. Os exames de laboratório não servem para diagnosticar alcoolismo, porém podem dar "pistas" se o paciente faz uso crônico de álcool, e conseguem dar uma idéia aproximada do grau de lesão de alguns órgãos ocasionado pelos efeitos tóxicos do álcool, como por exemplo no fígado.   

COMO SE TRATA  

Em primeiro lugar é preciso esclarecer que não existe um tratamento ideal para o alcoolismo. Por isso, os casos devem ser considerados individualmente, e a partir de um bom exame clínico, deve-se indicar o tratamento mais apropriado para cada paciente de acordo com o grau de dependência e do ponto de desenvolvimento da doença em que se encontra a pessoa. É preciso lembrar que as recaídas são comuns nos pacientes alcoolistas. Na grande maioria dos casos, o próprio paciente não consegue perceber o quanto está envolvido com a bebida, tendendo a negar o uso ou mesmo a sua dependência dela. Nestes casos, pode-se começar o tratamento ajudando o paciente a reconhecer seu problema e a necessidade de tratar-se e de tentar abster-se do álcool. A indicação de internação, pelo menos como fase inicial de desintoxicação, costuma ser a regra.  

Em ambulatório, os tratamentos disponíveis são a psicoterapia cognitivo comportamental e a psicoterapia de orientação analítica, realizadas individualmente ou em grupo.  

Os grupos de auto-ajuda, como os Alcoólicos Anônimos, têm-se mostrado uma das alternativas mais eficazes no tratamento do paciente alcoolista e no acompanhamento de sua família, o que costuma ser indispensável para o bom andamento do tratamento. Algumas medicações podem ser utilizadas para causar uma reação física violenta se a pessoa ingere álcool ou ainda bloquear a vontade e o prazer de beber.  

 

comentários[0]

31

mar
2011

FOBIA SOCIAL

O que é?

Timidez é uma característica apresentada por grande parte da população, seja em maior ou menor grau, e não necessariamente constitui-se em doença. Ela está presente em diversas situações, como por exemplo, nos relacionamentos sociais e no início de relacionamentos amorosos, nas situações de falar ou se expor em público. Quando esse quadro de timidez se apresenta de maneira exagerada, pode vir a se tornar fobia social.

Também conhecido como transtorno de ansiedade social, é uma doença de curso crônico, potencialmente incapacitante e com altos índices de comorbidades. Apresenta-se como um medo excessivo de humilhação ou embaraço em vários contextos sociais, como falar, comer, escrever ou praticar atividades físicas e esportivas em público. Muitas vezes, o que motiva o paciente a procurar tratamento é a dificuldade nos relacionamentos com os pares românticos. Pode evitar-se se aproximar da outra pessoa por medo de ser rejeitado, de não agradar e de ser ridicularizada. O simples fato de pensar nessa possibilidade já pode desencadear ansiedade e fazer com que se evite a situação. O resultado é uma importante limitação na vida da pessoa pela evitação dessas situações ou atividades sociais temidas. Também podem ocorrer prejuízos na vida profissional e afetiva do indivíduo.

O que se sente?

A pessoa com fobia social sente medo acentuado e persistente de uma ou mais situações sociais ou de desempenho quando é exposta a avaliação de outras pessoas. Pode haver temor por acabar agindo de forma humilhante e embaraçosa para si próprio.

A exposição à situação social temida causa ansiedade. Ansiedade é caracterizada por sudorese, batimentos rápidos do coração, tremor das mãos, falta de ar, sensação de "frio" na barriga. O indivíduo reconhece que o medo é irracional ou excessivo. As situações sociais e de desempenho temidas são evitadas ou suportadas com intensa ansiedade e sofrimento.

Como se faz o diagnóstico?

O diagnóstico é clínico, ou seja, baseado no relato dos sintomas do paciente. Nenhum exame laboratorial ou de imagem é utilizado para o diagnóstico.

Como se trata?

O tratamento deve ser individualizado, dependendo das características e da gravidade dos sintomas que o paciente apresenta. O tratamento atual baseia-se no emprego de medicações antidepressivas combinadas com psicoterapia, de orientação analítica ou cognitivo-comportamental.


Dra. Alice Sibile Koch
Dra. Dayane Diomário da Rosa

 

comentários[1]

31

mar
2011

DEPRESSÃO

que é a depressão?

Depressão é uma doença que se caracteriza por afetar o estado de humor da pessoa, deixando-a com um predomínio anormal de tristeza. Todas as pessoas, homens e mulheres, de qualquer faixa etária, podem ser atingidas, porém mulheres são duas vezes mais afetadas que os homens. Em crianças e idosos a doença tem características particulares, sendo a sua ocorrência em ambos os grupos também freqüente.

Como se desenvolve a depressão?

Na depressão como doença (transtorno depressivo), nem sempre é possível haver clareza sobre quais acontecimentos da vida levaram a pessoa a ficar deprimida, diferentemente das reações depressivas normais e das reações de ajustamento depressivo, nas quais é possível localizar o evento desencadeador.

As causas de depressão são múltiplas, de maneira que somadas podem iniciar a doença. Deve-se a questões constitucionais da pessoa, com fatores genéticos e neuroquímicos (neurotransmissores cerebrais) somados a fatores ambientais, sociais e psicológicos, como:
 

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Estresse

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Estilo de vida

http://www.abcdasaude.com.br/imagens/botoes/sxicon0.gif

Acontecimentos vitais, tais como crises e separações conjugais, morte na família, climatério, crise da meia-idade, entre outros.

Como se diagnostica a depressão?

Na depressão a intensidade do sofrimento é intensa, durando a maior parte do dia por pelo menos duas semanas, nem sempre sendo possível saber porque a pessoa está assim. O mais importante é saber como a pessoa sente-se, como ela continua organizando a sua vida (trabalho, cuidados domésticos, cuidados pessoais com higiene, alimentação, vestuário) e como ela está se relacionando com outras pessoas, a fim de se diagnosticar a doença e se iniciar um tratamento médico eficaz.

O que sente a pessoa deprimida?

Freqüentemente o indivíduo deprimido sente-se triste e desesperançado, desanimado, abatido ou " na fossa ", com " baixo-astral ". Muitas pessoas com depressão, contudo, negam a existência de tais sentimentos, que podem aparecer de outras maneiras, como por um sentimento de raiva persistente, ataques de ira ou tentativas constantes de culpar os outros, ou mesmo ainda com inúmeras dores pelo corpo, sem outras causas médicas que as justifiquem. Pode ocorrer também uma perda de interesse por atividades que antes eram capazes de dar prazer à pessoa, como atividades recreativas, passatempos, encontros sociais e prática de esportes. Tais eventos deixam de ser agradáveis. Geralmente o sono e a alimentação estão também alterados, podendo haver diminuição do apetite, ou mesmo o oposto, seu aumento, havendo perda ou ganho de peso. Em relação ao sono pode ocorrer insônia, com a pessoa tendo dificuldade para começar a dormir, ou acordando no meio da noite ou mesmo mais cedo que o seu habitual, não conseguindo voltar a dormir. São comuns ainda a sensação de diminuição de energia, cansaço e fadiga, injustificáveis por algum outro problema físico.

Como é o pensamento da pessoa deprimida?

Pensamentos que freqüentemente ocorrem com as pessoas deprimidas são os de se sentirem sem valor, culpando-se em demasia, sentindo-se fracassadas até por acontecimentos do passado. Muitas vezes questões comuns do dia-a-dia deixam os indivíduos com tais pensamentos. Muitas pessoas podem ter ainda dificuldade em pensar, sentindo-se com falhas para concentrar-se ou para tomar decisões antes corriqueiras, sentindo-se incapazes de tomá-las ou exagerando os efeitos "catastróficos" de suas possíveis decisões erradas.

Pensamentos de morte ou tentativas de suicídio

Freqüentemente a pessoa pode pensar muito em morte, em outras pessoas que já morreram, ou na sua própria morte. Muitas vezes há um desejo suicida, às vezes com tentativas de se matar, achando ser esta a " única saída " ou para " se livrar " do sofrimento, sentimentos estes provocados pela própria depressão, que fazem a pessoa culpar-se, sentir-se inútil ou um peso para os outros. Esse aspecto faz com que a depressão seja uma das principais causas de suicídio, principalmente em pessoas deprimidas que vivem solitariamente. É bom lembrar que a própria tendência a isolar-se é uma conseqüência da depressão, a qual gera um ciclo vicioso depressivo que resulta na perda da esperança em melhorar naquelas pessoas que não iniciam um tratamento médico adequado.

Sentimentos que afetam a vida diária e os relacionamentos pessoais

Freqüentemente a depressão pode afetar o dia-a-dia da pessoa. Muitas vezes é difícil iniciar o dia, pelo desânimo e pela tristeza ao acordar. Assim, cuidar das tarefas habituais pode tornar-se um peso: trabalhar, dedicar-se a uma outra pessoa, cuidar de filhos, entre outros afazeres podem tornar-se apenas obrigações penosas, ou mesmo impraticáveis, dependendo da gravidade dos sintomas. Dessa forma, o relacionamento com outras pessoas pode tornar-se prejudicado: dificuldades conjugais podem acentuar-se, inclusive com a diminuição do desejo sexual; desinteresse por amizades e por convívio social podem fazer o indivíduo tender a se isolar, até mesmo dificultando a busca de ajuda médica.

Como se trata a depressão?

A depressão é uma doença reversível, ou seja, há cura completa se tratada adequadamente. O tratamento médico sempre se faz necessário, sendo o tipo de tratamento relacionado ao perfil de cada paciente. Pode haver depressões leves, com poucos aspectos dos problemas mostrados anteriormente e com pouco prejuízo sobre as atividades da vida diária. Nesses casos, o acompanhamento médico é fundamental, mas o tratamento pode ser apenas psicoterápico.

Pode haver também casos de depressões bem mais graves, com maior prejuízo sobre o dia-a-dia do indivíduo, podendo ocorrer também sintomas psicóticos (como delírios e alucinações) e ideação ou tentativas de suicídio. Nessa situação, o tratamento medicamentoso se faz obrigatório, além do acompanhamento psicoterápico.

Os medicamentos utilizados são os antidepressivos, medicações que não causam "dependência", são bem toleradas e seguras se prescritas e acompanhadas pelo médico. Em alguns casos faz-se necessário associar outras medicações, que podem variar de acordo com os sintomas apresentados (ansiolíticos, antipsicóticos).

Colaboradoras

Dra. Alice Sibile Koch
Dra. Dayane Diomário da Rosa

comentários[3]

31

mar
2011

Dislexia

O que é?

É uma dificuldade primária do aprendizado abrangendo: leitura, escrita, e soletração ou uma combinação de duas ou três destas dificuldades. Caracteriza-se por alterações quantitativas e qualitativas, total ou parcialmente irreversíveis . É o distúrbio (ou transtorno) do aprendizado mais freqüentemente identificado na sala de aula. Está relacionado, diretamente, à reprovação escolar, sendo causa de 15 % das reprovações. Em nosso meio, entre alunos das séries iniciais (escolas regulares) têm sido identificados problemas em cerca de 8 %. Estima-se que a dislexia atinja 10 a 15 % da população mundial

Quem pode ser afetado?

A dislexia não é o resultado de má alfabetização, desatenção, desmotivação, condição sócio-econômica ou baixa inteligência. Ela pode atingir igualmente pessoas das raças branca, negra ou amarela, ricas e pobres, famosas ou anônimas, pessoas inteligentes ou aquelas mais limitadas.

Qual a causa?

A dislexia tem sido relacionada a fatores genéticos, acometendo pacientes que tenham familiares com problemas fonológicos, mesmo que não apresentem dislexia. As alterações ocorreriam em um gene do cromossomo 6 . A dislexia, em nível cognitivo- lingüístico, reflete um déficit no componente específico da linguagem , o módulo fonológico, implicado no processamento dos sons da fala. Uma criança que tenha um genitor disléxico apresenta um risco importante de apresentar dislexia, sendo que 23 a 65 % delas apresenta o distúrbio.

Um gene recentemente relacionado com a dislexia é chamado de DCDC2. Segundo o Dr. Jeffrey R. Gruen, geneticista da Universidade de Yale, Estados Unidos, ele é ativo nos centros da leitura do cérebro humano.

Outro gene, chamado Robo1, descoberto por Juha Kere, professor de genética molecular do Instituto Karolinska de Estocolmo, é um gene de desenvolvimento que guia conexões, chamadas axônios, entre os dois hemisférios do cérebro.

Pesquisadores dizem que um teste genético para a dislexia pode estar disponível dentro de um ano. Crianças de famílias que têm história da dislexia poderão ser testadas. Se as crianças tiverem o risco genético, elas podem ser colocadas em programas precoces de intervenção.

O que se sente?

Sinais indicadores de dislexia:

A dificuldade de ler, escrever e soletrar mostra-se por dificuldades diferentes em cada faixa etária e acadêmica 

comentários[0]

31

mar
2011

AUDIÇÃO DO RECÉM NASCIDO

Aproximadamente 1 em cada 1000 bebês nascidos nos Estados Unidos tem perda severa de audição em ambos os ouvidos. Outros 5 em cada 1000 nascem com perda moderada de audição.

Na maior parte das vezes, essas crianças não são diagnosticadas como tendo essa perda de audição até que tenham 3 anos de idade em média.

Até mesmo uma perda de audição leve precoce pode afetar a fala, o desenvolvimento da linguagem e também o desenvolvimento social.

Por causa desses fatos, há muitos que acreditam que todas as crianças deveriam passar por uma triagem ao nascimento para afastar uma possível perda de audição.

Em 1993, o Instituto Nacional de Saúde Americano lançou uma recomendação de que todos os bebês tenham uma triagem auditiva realizada antes da idade de 3 meses.

Em 1994, um comitê conjunto das principais associações médicas americanas endossaram a triagem universal de recém-nascidos para perda de audição.

Essencialmente todos concordam que a triagem universal das crianças é uma boa idéia.

Como deve ser o teste?

O teste para essa triagem deve ser preciso, fácil de realizar, barato, não invasivo, e amplamente disponível.

Existem testes para audição de recém nascidos?

Existem dois testes geralmente utilizados para triagem: as Emissões de Oto-Acústicas Evocadas (EOAE) e a Resposta Cerebral Auditiva Automatizada (ABR Automatizado).

Porém, esses testes são geralmente utilizados para triagem e não para estabelecer um diagnóstico definitivo.

O diagnóstico definitivo geralmente é feito com outros exames que devem ser discutidos com o seu médico.

Dificuldades para implementação do teste.

O teste mais fácil para fazer triagem em um grande número de recém-nascidos tem uma taxa de falso positivo muito alta. Foi estimado que até 20% das crianças poderiam ter um teste falsamente sugestivo de perda auditiva.

Para interpretar qualquer teste com precisão, há necessidade de saber quais valores são normais e anormais. Atualmente, os valores normais são em grande parte baseados em adultos. Bebês podem ter valores diferentes de normalidade

Que indicações existem hoje?

O que é recomendado hoje é a identificação de bebês em situação de risco para a perda auditiva e, então, a avaliação delas.

São bebês com risco de perda auditiva aqueles:


Com uma história familiar de perda de audição na infância por causa hereditária.


Os que têm malformações da cabeça.


Nascidos com certas infecções intra-uterinas.


Os que tiveram meningite.


Com peso de nascimento abaixo de 1.500 gramas.


Aqueles que necessitaram ventilação mecânica ao nascimento por cinco dias ou mais.


Aqueles que tenham tido icterícia severa o bastante para requerer transfusão.


Os que tenham recebido medicamentos que sabidamente têm a perda de audição como um possível efeito colateral.


Aqueles cujos pais ou responsáveis tenham preocupações sobre perda de audição, ou qualquer tipo de atraso de desenvolvimento,

 


comentários[0]

31

mar
2011

CÁLCULOS RENAIS

que é?

O depósito organizado de sais minerais nos rins ou em qualquer parte do aparelho urinário é o que se chama de cálculo urinário. Cálculos constituídos por cálcio são os mais comuns. Outros minerais encontrados são: oxalato, fósforo, ácido úrico. As "pedras" podem também ser formadas por uma mistura destes elementos. Quando houver um excesso destes minerais no organismo, há uma tendência para que eles se depositem na urina. Como exemplo, pode se tomar uma pessoa que faça uso exagerado de leite e derivados, os quais são ricos em cálcio. Após um período de tempo haverá uma provável formação de cálculo de cálcio nos rins.

O que se sente?

O cálculo renal é o responsável pela famosa cólica renal: dor nas costas ou no abdome lateral ou embaixo das costelas com irradiação para o testículo do mesmo lado ou para o grande lábio vaginal nas mulheres. Geralmente é uma dor forte, intensa. O paciente pode ter sangue na urina. Se há infecção urinária concomitante o aparecimento de febre é comum. Os cálculos podem também ser assintomáticos e crescerem até um tamanho considerável, sem que o paciente os note.

Como se faz o diagnóstico?

A história e o exame físico geralmente trazem a suspeita de cálculo. O exame comum de urina apresenta sangue na maioria dos casos. O diagnóstico é confirmado através de radiografias abdominais,de ecografia abdominal ou , mais precisamente, de tomografia computadorizada abdominal total.

Como se trata?

O primeiro objetivo do tratamento é aliviar a dor do paciente, o que se faz com analgésicos e antiespasmódicos. Muitas pedras pequenas serão eliminadas espontaneamente pelo paciente. Outras necessitarão de um tratamento específico. Cálculos de ácido úrico poderão ser tratados clinicamente com grande ingestão de água, alcalinizantes da urina e substâncias que interferem na sua formação. Já os cálculos de cálcio não dissolvem dessa maneira.

Até alguns anos atrás, a maioria das pedras exigia um procedimento cirúrgico com extenso corte na pele do paciente. Atualmente, há vários métodos modernos no combate a litíase. A litotripsia extracorpórea utiliza ondas de choque que atravessam o corpo do paciente em direção ao cálculo, fragmentando-o em pequenas partes e sendo eliminados pela urina. As pedras também podem ser retiradas através de tubos chamados endoscópios, os quais são finos e possuem iluminação na extremidade. Podem ser colocados da uretra em direção ao rim e com pinças especiais ou em associação com litotripsia os cálculos são removidos. Outra forma de tratamento consiste na nefrolitotomia percutânea. Neste procedimento um tubo rígido é colocado no rim através da pele e por este tubo (nefroscópio) são retiradas as "pedras".

Os métodos modernos não estão livres de complicações e podem não ser efetivos, necessitando a complementação de outra modalidade de tratamento. É freqüente a litotripsia não quebrar o cálculo, sendo necessário retirar os fragmentos restantes através de outro método.

Como se previne?

Todos os pacientes com litíase devem realizar exames em busca de defeitos no metabolismo dos minerais. Dosagens no sangue e/ou na urina de cálcio, fósforo, ácido úrico, cistina, fosfatase alcalina, são exemplos de exames a serem solicitados. Alimentos que contenham esses elementos devem ser evitados ou não consumidos em exagero. Existem tabelas de alimentos com seus principais componentes que são úteis em orientar os pacientes no que deve ser evitado.

Todo o paciente que apresenta litíase deve ingerir uma quantidade de água o suficiente para produzir dois litros de urina por dia. Esse é um dos fatores mais importantes na prevenção de cálculos renais. Medicações específicas para determinados tipos de cálculo existem e são usadas em situações especiais.

Os cálculos renais devem ser prevenidos. Uma vez presentes no aparelho urinário devem ser tratados principalmente enquanto forem pequenos. Cálculos grandes são de difícil tratamento mesmo com as técnicas modernas descritas acima. As "pedras" causam obstrução com dilatação das vias urinárias, infecção, diminuição da função renal e insuficiência renal o que podem ser as conseqüências finais desta doença.

Perguntas que você pode fazer ao seu médico

O que causa pedra nos rins?

Pedras nos rins podem causar câncer?

Pedras nos rins podem causar uma infecção?

Quais os cuidados que devo tomar se estiver 

comentários[0]