Portal da Educao Adventista

*SEBÁ DAMACENO DIRETOR *

6

nov
2011

VAMOS VIAJAR COM A MARIA FUMAÇA!

VAMOS VIAJAR COM A MARIA FUMAÇA!

comentários[0]

5

nov
2011

Aurora Boreal-Magnífico

Aurora Boreal-Magnífico

comentários[0]

2

nov
2011

Faça valer a pena

O que é realmenete importante

comentários[0]

11

out
2011

A Steve Jobs


Uma homenagem feita por um estudante de design de Hong Kong a Steve Jobs e que atraiu atenção na internet depois da morte do cofundador da Apple não é original, admitiu o adolescente nesta segunda-feira (10).

Jonathan Mak, de 19 anos, disse que não foi o primeiro a criar a ilustração que mostra a silhueta de Jobs dentro da mordida do logo da Apple. Ele se manifestou depois que comentários surgiram no Twitter alegando que um designer no Reino Unido, conhecido como Raid71 na internet, havia criado o desenho original em maio.

O desenho publicado por Mak na internet foi difundido rapidamente na quinta-feira (6), pouco depois da morte de Jobs. A ilustração foi postada por milhares de pessoas nas redes sociais, e bonés e camisetas foram vendidas no eBay com a marca. O logo foi usado até pelo ator Ashton Kutcher como sua foto de perfil no Twitter.

Mak, um estudante da Escola de Design da Universidade Politécnica de Hong Kong, reconheceu que não era o criador original do design, mas disse que não era um "roubo" do designer britânico. "Eu ainda cheguei à solução por conta própria, e minha consciência ainda está limpa, mas eu estarei mais do que contente em reconhecer que de fato alguém fez (o design) antes de mim", disse Mak a Reuters.

Assim como o desenho de Mak, o designer britânico coloca a silhueta de Jobs na mordida do logo da Apple. Mas as dimensões e as proporções da ilustração são diferentes do logo de Mak

comentários[0]

24

jun
2011

Colégio Adventista de Itajaí

Colégio Adventista sua melhor escolha!

comentários[3]

3

jun
2011

Você sabe quem é esse ...

comentários[3]

1

jun
2011

Construtor quer atracar réplica da Arca de Noé em Londres

Em 1992, uma tempestade na região costeira ao norte de Amsterdã, onde vive, fez Johan Huibers alimentar um sonho. Apesar de a esposa não ter apoiado a ideia, o milionário construtor seguiu em frente. Em 2004, fez uma pequena, de 225m de comprimento, para navegar nos canais holandeses. Mas ainda não estava satisfeito. Precisava de uma nas mesmas dimensões da de Noé. E ela ficará pronta em julho. Huibers, de 60 anos, enviou uma carta ao prefeito de Londres, Boris Johnson, para pedir permissão para atracá-la na capital inglesa durante os Jogos Olímpicos de 2012. 

O objetivo, segundo matéria publicada no "The New York Times", é que seja aberta à visitação do público. A arca contará com dois auditórios para receber 1.500 pessoas, terá três andares e navegará pelo Tâmisa  com animais de verdade. O holandês quer fazer um convite à reflexão e inspirar estudantes com a história bíblica, mostrando que existe um Deus. Ele iniciou a construção da embarcação em 2008 e fez uso até mesmo de pinho sueco, já que teria sido essa a madeira que Deus ordenou Noé a usar.

comentários[0]

28

mai
2011

Robert Gupta and Joshua Roman duet

Robert Gupta and Joshua Roman duet

comentários[0]

28

mai
2011

Robert Gupta and Joshua Roman duet

Robert Gupta and Joshua Roman duet

comentários[0]

25

abr
2011

[3-3] Dr. Rodrigo Silva no Programa do Jô

[3-3] Dr. Rodrigo Silva no Programa do Jô

comentários[0]

25

abr
2011

Dr. Rodrigo Silva no Programa do Jô - Parte 2 de 3

Dr. Rodrigo Silva no Programa do Jô - Parte 2 de 3

comentários[0]

25

abr
2011

Jô Soares entrevista Rodrigo Pereira da Silva/1

Jô Soares entrevista Rodrigo Pereira da Silva 29/11/2010 /1

comentários[0]

25

abr
2011

Liam McNally - Britain's Got Talent 2010

Liam McNally - Britain's Got Talent 2010

comentários[0]

25

abr
2011

Susan Boyle

Susan Boyle

comentários[0]

17

abr
2011

Take On Me" (Musik Videoclip - Official)

Muito legal!

comentários[0]

10

abr
2011

ropa de Elite - Campanha de TV - AME/Bombril

ropa de Elite - Campanha de TV - AME/Bombril

comentários[0]

10

abr
2011

Tropa de Elite - Campanha de TV - AME/Bombril

Tropa de Elite - Campanha de TV - AME/Bombril

comentários[0]

6

abr
2011

Comerciais Demais

Comerciais Demais

comentários[0]

6

abr
2011

Patinação Artística - Nothing Else Matters [Metallica]

Patinação Artística - Nothing Else Matters [Metallica]

comentários[0]

3

abr
2011

BANDA MARCIAL

banda!

comentários[0]

2

abr
2011

Susan Boyle Final

Susan Boyle Final

comentários[0]

2

abr
2011

Paul Potts sings Nessun Dorma

Paul Potts sings Nessun Dorma

comentários[0]

2

abr
2011

Namoro adventista

Namoro adventista

comentários[0]

31

mar
2011

Kiwi! SHORT FILMS - CORTO

comportamento

comentários[0]

31

mar
2011

Animação sobre Comportamentos Obsessivo

comportamento

comentários[1]

22

mar
2011

EUA anunciam que vão deixar o comando das operações militare

EUA anunciam que vão deixar o comando das operações militares contra a Líbia

comentários[0]

17

mar
2011

Obama faz visita ao Brasil de olho em potencial energético

Em um momento em que o petróleo registra preços recordes e nações produtoras no Oriente Médio e no norte da África estão em crise, o presidente americano, Barack Obama, chega ao Brasil neste sábado de olho no potencial do País de se tornar um grande fornecedor para os Estados Unidos no futuro. O próprio Obama anunciou, ainda na semana passada, que a importação de petróleo será um dos temas de sua agenda com a presidente Dilma Rousseff, em Brasília. O governo americano busca reduzir sua dependência de petróleo, mas também diversificar seu portfólio de fornecedores.

"O Brasil vai se tornar um ator principal nos mercados globais de energia com suas recentes descobertas de petróleo em águas profundas", disse o vice-conselheiro de segurança nacional para assuntos de economia internacional da Casa Branca, Mike Froman. Além de ministros do setor de energia, Obama viaja acompanhado também de dezenas de empresários.

Segundo o diretor-executivo do Conselho Empresarial Brasil-Estados Unidos da Câmara de Comércio americana, Steven Bipes, depois de passarem por Brasília, esses empresários irão ao Rio analisar as perspectivas de investimento nas áreas de petróleo e gás. "Considerando as circunstâncias atuais enfrentadas pelos países árabes, o Brasil é um candidato muito importante a fornecedor dos Estados Unidos em termos de petróleo no médio prazo", disse em visita a Washington o presidente da Câmara de Comércio Americana para o Brasil, Gabriel Rico.

Importância estratégica
O Brasil já é auto-suficiente em petróleo, com produção diária de 2,1 milhões de barris, equivalente ao consumo doméstico. A exploração do pré-sal, porém, amplia em muito esse potencial. Segundo projeção da consultoria IHS Cera, até 2030 o Brasil poderia exportar cerca de 2,5 milhões de barris de petróleo bruto por dia. "A título de comparação, este volume seria equivalente ao exportado pelo Irã, o terceiro maior exportador de petróleo, em 2009", disse a analista de energia para América Latina da consultoria, Carla Cohen.

Esse potencial, no entanto, depende de investimentos e de alta tecnologia, devido às dificuldades de extração de petróleo na camada do pré-sal, a uma profundidade de até 7 km abaixo do leito do mar. Há entre os americanos um grande interesse em investir no setor. "O pré-sal vai criar muitas oportunidades de comércio e investimentos para empresários americanos das cadeias de petróleo e gás", diz o Conselho Empresarial Brasil-Estados Unidos.

No entanto, o conselho alerta que, apesar das oportunidades, "ações regulatórias" por parte do governo brasileiro, como restrições a estrangeiros em processos de exploração e produção, podem dificultar a participação de empresas americanas. Porém, mesmo com as dificuldades envolvidas, analistas afirmam que as descobertas do pré-sal podem aumentar a importância estratégica do Brasil para os Estados Unidos.

"Cria oportunidades para os Estados Unidos diversificarem seu portfólio de importação de petróleo, para longe do Oriente Médio, potencialmente longe da Venezuela", disse à BBC Brasil a analista Julia Sweig, do Council on Foreign Relations, em Washington. "A dimensão energética das capacidades do Brasil é de importância estratégica para os Estados Unidos."

Etanol
O interesse dos americanos não é apenas em petróleo, mas também em outros setores, como energia renovável, biocombustível e energia nuclear. O fato de o Brasil ser destaque na produção mundial de biocombustíveis, com o etanol, representa um outro atrativo para os Estados Unidos - também um grande produtor - em um momento em que o país busca diversificar suas fontes de energia e reduzir a dependência de petróleo.

Os dois países já têm um memorando de entendimento em biocombustíveis, assinado em 2007. Esse acordo prevê cooperação em pesquisa e o estímulo ao uso de biocombustíveis em terceiros países. Em visita a São Paulo no mês passado, o secretário-adjunto de Estado dos EUA, José Fernandez, citou a Jamaica como exemplo de país que, estimulado por Brasil e Estados Unidos, aprovou a mistura de 10% de etanol em seu combustível.

Segundo o ministro diretor do Departamento de Energia do Itamaraty, André Aranha Corrêa do Lago, o principal objetivo dessa cooperação em outras nações é ajudar a transformar o etanol em commodity internacional. Há estudos de viabilidade do uso em países como Senegal e Guiné-Bissau, com o objetivo de estabelecer leis que favoreçam o plantio da cana e o uso do etanol. No entanto, a análise do setor no Brasil é de que a parceria com os Estados Unidos não avançou muito. Segundo o diretor-executivo da Unica (União da Indústria da Cana-de-Açúcar), Eduardo Leão de Souza, a visita de Obama traz expectativas de avanço, já que o ritmo tem sido "lento" até o momento.

A relação dos dois países no setor é dificultada pelas barreiras à entrada de etanol brasileiro nos Estados Unidos, que além de subsidiarem seu produto, impõem uma tarifa de importação de 16 centavos de dólar por litro. A eliminação da tarifa, que acaba sobretaxando o produto brasileiro, é uma reivindicação antiga do Brasil. A decisão, porém, não cabe a Obama, e sim ao Congresso, que desde as eleições de novembro passado está dividido, com a oposição republicana no comando da Câmara dos Representantes.

Representantes do setor esperam que Dilma peça a Obama que use sua liderança no Congresso para impedir uma nova renovação da tarifa no fim do ano. Mas diante do forte lobby agrícola nos Estados Unidos, e às vésperas das eleições presidenciais de 2012, muitos duvidam da possibilidade de mudança no curto prazo. A própria Casa Branca já diminuiu as possíveis expectativas sobre o tema durante a visita. "Nós não esperamos um anúncio sobre as tarifas ao etanol nesta viagem", disse Froman.

comentários[1]

17

mar
2011

O que são terremotos e como se mede sua intensidade?

Terremotos ou sismos são vibrações na crosta terrestre provocadas pela movimentação de placas tectônicas presentes na litosfera, logo abaixo da superfície da Terra. Essas placas deslizam lenta e constantemente sobre uma camada de magma chamada astenosfera.

Os movimentos delas são também responsáveis pela deriva dos continentes e pela formação de montanhas e vulcões. O atrito entre as placas gera uma energia em potencial que, quando liberada, provocam vibrações que se propagam pela crosta, causando os abalos sísmicos.

Há duas formas de medir a força dos tremores: pela sua magnitude e pela sua intensidade. "A primeira está associada com a energia liberada pelo terremoto, enquanto a segunda é o efeito causado por ele na superfície da Terra", explica Célia Fernandes, geofísica e técnica em sismologia do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP). "Para medir a energia liberada pelo sismo, utilizamos a escala Richter, e para avaliar seus efeitos, utilizamos a escala Mercalli-Modificada", complementa.

A escala Richter foi desenvolvida em 1935 na Califórnia, Estados Unidos. Ela é calculada a partir dos sismogramas (registros dos sismos) produzidos pelos sismógrafos, aparelhos que possuem sensores de vibração que monitoram a movimentação da superfície onde estão localizados. Cada unidade de magnitude representa uma energia liberada dez vezes maior que o grau anterior, ou seja, um terremoto de 4 graus na escala Richter libera uma energia dez vezes maior que um terremoto de 3 graus. Não há limites nessa escala. "Ela é aberta, isto é, vai desde menos infinito até mais infinito", afirma Célia. "O terremoto de maior magnitude já registrado foi no Chile, em maio de 1960. Sua magnitude foi de 9,6". Abaixo de 2 graus, os tremores são praticamente imperceptíveis.

Já a escala Mercalli, que mede a intensidade dos terremotos, foi proposta pelo vulcanólogo italiano Giuseppe Mercalli em 1902, e alterada em 1931, quando passou a ser chamada de Mercalli-Modificada. "Ela possui 12 graus indicados por algarismos romanos de I a XII. A intensidade não é calculada, apenas se observam os efeitos que o sismo causou na superfície, ou seja, é uma medida qualitativa dele", explica a especialista, que mostra como a escala funciona no quadro abaixo:

ESCALA DE INTENSIDADE MERCALLI-MODIFICADA (ABREVIADA)

I. Não sentido. 
II. Sentido por pessoas em repouso eu em andares superiores. 
III. Vibração leve. Objetos pendurados balançam um pouco. 
IV. Vibração como a causada pela passagem de caminhões pesados. Chacoalhar de janelas e louças. Carros parados balançam. 
V. Sentido fora de casa. Acorda as pessoas. Objetos pequenos tombam e quadros nas paredes se movem. 
VI. Sentido por todos. Deslocamento de mobília. Louças e vidros se quebram. Queda de objetos. Rachadura no reboco de casas 
VII. Percebido por motoristas dirigindo. Dificuldade em manter-se em pé. Sinos tocam em igrejas, capelas etc. Danos, como quebra de chaminés, ornamentos arquitetônicos e mobília; queda de reboco; rachaduras em paredes, algumas casas podem até desabar. 
VIII. Motoristas de automóveis sentem o tremor. Galhos e troncos se quebram. Rachaduras em solo molhado. Destruição de torres de água elevadas, monumentos, casas de adobes. Danos severos a moderados em estruturas de tijolo, casas de madeira (quando não estão firmes com fundação), obras de irrigação e diques. 
IX. Solo rachado, como "crateras de areia". Desabamentos. Destruição de alvenaria de tijolo não armado. Danos severos a moderados em estruturas inadequadas de concreto armado e tubulações subterrâneas 
X. Desabamentos e solo rachado. Destruição de pontes, túneis e algumas estruturas de concreto armado. Danos severos a moderados de alvenarias, barragens e estradas de ferro 
XI. Distúrbios permanentes no solo 
XII. Danos quase totais

Apesar de existirem formas de medir a força dos terremotos, eles ainda não podem ser previstos pelos cientistas. "Esse é um dos grandes objetivos da sismologia", afirma Célia Fernandes. Atualmente a região que possui a maior quantidade de sismos é a que circunda o Oceano Pacífico, desde o sul do Chile até a Nova Zelândia, passando por vários países da América do Sul, Central e do Norte, além do Japão.

comentários[1]

17

mar
2011

O que é um tsunami? Um deles pode atingir o Brasil?

É possível definir um tsunami de maneira simples, como sendo um terremoto entre as placas tectônicas sobre as quais está o oceano. Esse tremor de terras no solo do mar provoca uma agitação imensa das águas, resultando em ondas que chegam de maneira violenta e desordenada ao litoral. As consequências são terríveis, como foi possível observar na Ásia em 2004, com cerca de 200 mil mortos e desaparecidos, e agora, na Oceania, com pelo menos uma centena de mortos e um número indeterminado de desaparecidos.

No Brasil, as chances de um tsunami são praticamente inexistentes, conforme explica Wilson Teixeira, professor do Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (USP). "O país fica no interior de uma placa tectônica bem antiga. Todos os registros de tremor ou movimento das bordas das placas que chegam ao nosso continente são muito fracos, o que elimina o risco. E, além disso, o oceano Atlântico não tem registros de terremotos da mesma magnitude que o Índico", afirma o geólogo, que foi o responsável pela criação de um ambiente simulador de tsunami no museu Estação Ciência de São Paulo.

Além disso, o professor explica que as placas que recobrem o planeta se movem em velocidades diferentes e aquela sobre a qual o Brasil está se move com uma velocidade muito menor do que as da Ásia e da Oceania. "Por ano, as placas do oceano Atlântico sofrem uma separação de 2 centímetros, enquanto naquelas regiões são 8 centímetros. Por isso, não há chance de eventos agressivos aqui", diz.

Na época da tragédia na Ásia, em 2004, especulou-se que o oceano Atlântico também tenha sofrido reflexos da movimentação das águas no Índico. "Houve muita discussão a esse respeito, porque alguns dias depois foi medida uma movimentação estranha de ondas do nosso litoral. No entanto, jamais se chegou a uma conclusão se isso seria uma resposta muito distante do que aconteceu lá ou somente picos anômalos de maré no Atlântico", explica o professor.

Outra especulação é se um evento vulcânico nas Ilhas Canárias espanholas poderia causar um tsunami. "É uma hipótese meramente teórica que não se confirma", declara o especialista.

Para agendar visitas de escolas à Estação Ciências e ver o simulador de tsunamis, é só entrar em contato pelo telefone             (11) 3675-6889       ou             (11) 3672-5364      . Outras informações:http://www.eciencia.usp.br/ 

comentários[0]

14

mar
2011

QUEM DEMONSTRA MAIS SEUS SENTIMENTOS?

Quem demonstra mais sentimentos. Será os homens ou é realmente as mulheres? Dê a sua opinião ela é muito importante.


Get your own Poll!

comentários[2]

Assinar RSS

mais buscadas

2004-2011 Educação Adventista Todos os direitos reservados.