Portal da Educao Adventista

**Prof%uFFFD Thainara* *

29

set
2010

Como fazer tinta, uma brincadeira divertida para as crianças

Meninas, é interessante até fazer essa tinta com as crianças na escola, durante a semana da criança, Afinal, todas adoram pintura a dedo!! USE A CRIATIVIDADE!!!


Dicas Práticas:


Que a pintura é uma atividade que as crianças adoram é desnecessário dizer. Mas, aqui você vai aprender como ir além do simples ato de pintar...
Algo me diz que é hora de uma saida estratégica! A pintuta a dedo é uma das mais fascinantes atividades para as crianças. A parte mais difícil é acabar com a brincadeira depois que ela começa.
Aqui você vai aprender a fazer, a um custo muito baixo, sua própria tinta atóxica, para suas atividades de pintura a dedo ou mesmo com pincel.

Veja a seguir 2 Receitas simples para desenvolver a atividade de Pintura com os Dedos:

Para desenvolver a atividade será necessário o seguinte material:

  • Papel branco lustroso ou um pouco opaco pouco mais grosso que a cartolina;
  • Mesa lavável ou oleada para protegê-la;
  • Bacia com água para molhar a folha de papel;
  • Aventais de matéria plástica;
  • Tintas (que serão elaboradas conforme a receita abaixo).

RECEITAS:


  • A um Mingau ralo feito de maizena ou polvilho, adiciona-se anilina vegetal na cor desejada, e se obtém uma boa tinta atóxica.
    De acordo com a espessura do mingau se controla a consistência da tinta, para mais fina ou mais grossa.

  • A um Mingau ralo de polvilho, junta-se uma colher das de sopa de Sabão em flocos (em pó) e o pó de pintar da cor desejada para dar o colorido.

     

comentários[2]

29

set
2010

Algumas dicas para o gosto da leitura...

Um livro pode ser um bom presente para a criança!

É uma atividade que vai estimular, firmar ou mesmo fazer com que seu filho ou aluno, tome gosto de vez pela leitura.

O primeiro passo é conversar com a criança e descobrir seu gosto literário. Gosto literário aqui significa, saber de que tipo de história ela mais gosta.

Feito isso, provoque ela à leitura. Isto é feito do seguinte modo: Primeiro leia você mesmo um livro, sobre o assunto do qual ela gosta. Deixe que ela veja você lendo. Se fizer isso sutilmente, será melhor ainda. Não tente chamar atenção para o fato de estar lendo, especialmente se você não tem o hábito de ler regularmente, pois ela pode perceber o artifício e estragar a tática.

Se o adulto é do tipo que gosta de ler e ela já sabe disso, então pode agir de forma natural. Ao ler o livro, procure demonstrar as emoções que sente a partir do que está lendo. Isto é, ria, faça comentários baixinho como se estivesse falando sózinho etc., Isso vai deixá-la bastante curiosa.

Ao perceber que você gosta da mesma coisa que ela, sua auto-confiança, vai receber uma enorme injeção de ânimo. Imagine só, um adulto que gosta do mesmo que eu - pensará ela - e sem ninguém pedir para que ele fizesse isso!

Quando terminar de ler, não lhe ofereça o livrinho. Ao invés disso, coloque-o em lugar visível, converse com ela sobre outros assuntos, e finalmente sobre histórias do tema que ela prefere; então comente sobre o que acabou de ler. Como isso é feito por partes, a pressa pode estragar tudo. Assim, em outra ocasião, diga que comprou um livro para ela ver, e que é muito bom.

Importante: Em momento algum a obrigue a ler. Dê-lhe o livrinho e pronto. Pode ser que no primeiro contato, ela apenas vá folhear as páginas para explorar o terreno onde vai pisar.

Aqui vale uma interrupção para algumas observações importantes, que vão determinar o sucesso ou o fracasso do seu plano. Veja bem, não é que "pode determinar", é que "vai determinar".

Toda criança, com raras exceções, gosta de livrinhos com:

  1. Desenhos bem feitos. Tem que ser desenhos ou ilustrações; elas acham fotografias deprimentes e sóbrias demais para seu mundo, pode até ser uma fuga da realidade, mas é assim, e nesse momento não adianta entender porque. Saiba apenas que fotos para elas são menos interessantes que ilustrações.

  2. Os desenhos ou ilustrações devem refletir claramente o que está no texto que ela está lendo, para que possa associar o mesmo com a idéia visual da situação, já que ela sozinha ainda é incapaz de fazer isso, e ainda está construindo associações de palavras com imagens.

  3. Folhas com pouco texto.

  4. Texto claro, de preferência com palavras que ela já conheça (isso não é obrigatório).

  5. livro com poucas páginas; média de 20.


Assim, é chegado o momento de você agir. De posse do livro, após tê-lo folheado, use então o argumento mágico.

PEÇA QUE ELA LEIA O LIVRINHO DELA PARA VOCÊ!


Ao pedir isso, demonstre que tem total confiança nela (isso se consegue com a entonação certa da voz, tom firme, normal, como se fosse a coisa mais natural do mundo, sem titubear). Diga também que tem interesse no livro. Nesse ponto, toda insegurança comum na criança, ao oferecer ou compartilhar alguma coisa com os adultos, tende a sumir.

Durante a leitura, se quiser, você pode interromper para fazer algum comentário com relação a história. Também, antes de começar, diga-lhe que se tiver alguma dúvida sobre o significado das palavras, que pergunte; ou melhor, use seu bom senso e faça comentários complementares sem que ela peça, ao menos sobre aquelas que você julgue mais apropriadas, e até como uma forma de enriquecer o texto. É importante que você saiba, que ela só vai perguntar se confiar em você, ou se você tiver lhe dado autorização explicíta para fazer isso. Está feito então, ela está pronta e sem mais nenhuma inibição.

Finalmente, seja paciente e nunca a corrija, diga apenas que não entendeu direito, algum parágrafo, etc. Nesse caso, você pode pedir que ela comente o que entendeu... Pode ser que durante a leitura ela baixe um pouco a voz o que é normal. Peça, sem mandar, com muito humor e gentileza, que ela fale um pouco mais alto. Isso, só vai significar para ela que você está de fato interessado na leitura, e sua motivação aumentará ainda mais.

Ao perceber que ela está cansada, peça para fazer uma pausa. Os sintomas de cansaço são: mudança constante na posição, olhadas sutis para o lado, tentativa de deitar no chão, etc.

Por fim, comente com ela a história que foi lida. É provável que ela não tenha entendido bem o conto, já que apenas crianças maiores, conseguem ler para os outros e prestar atenção no que estão lendo.

Diga que a história foi muito boa, que você gostou, e lhe dê a sugestão de que ela deve ler quando estiver com vontade.

Mesmo que ela não aceite na hora, o que é mais provável, deixe o livro em local visível e acessível, e incite-a outras vezes para que leia, sem forçar ou exigir. Faça isso em tom de comentário.

É importante que você saiba que, ao pedir para ela ler, você lhe deu confiança; confiou a ela uma tarefa de gente grande, e gostou do que ela fez; isso a fez se sentir importante. Melhor de tudo, essa é a impressão que ela terá de você a partir daí.

Os efeitos benéficos disso para sua personalidade são definitivos. Assim, a semente do hábito da leitura foi plantada de forma simples, natural, sem as pressões da obrigação, em clima de harmonia, como tudo que é verdadeiro deve ser.

Um último aviso: Peça que leia para você outras vezes. Dê-lhe mais livros, valorize e incentive a sugestão dela; acompanhe-a na hora de comprar ou escolher o livro. Use sua criatividade para usar essa mesma abordagem em sala de aula!


(Texto revisado em Setembro de 2007)
Autor: Alberto Filho

comentários[0]

29

set
2010

Sugestões de brinquedos e atividades com as crianças...

Como fazer lembrancinhas para o Dia das Crianças 2010?

Idéias de Brinquedos Educativos para o dia das Crianças

sugestões de brinquedos

Chocalho de lata de alumínio


Você vai precisar:
01 lata de alumínio
Semente de feijão, milho, arroz ou pedrinhas
Fita adesiva

Modo de fazer:
Você pode enfeitar seu chocalho com figuras que você imprime e cola. Ou pode pintar sua lata com tinta plástica.
Encha sua lata com a semente que você tiver ou pedrinhas.
Cada semente fará um barulho diferente e você pode fazer vários chocalhos conseguir diversos sons.
Vede o buraco da latinha com fita adesiva e cole uma figura por cima para dar um acabamento legal.




Fonte: site Shopping b - www.shoppingb.com.br

Flauta de Papelão

Você vai precisar:
01 tubo grande de papelão - use o tubo vazio de papel alumínio ou tubo de filme de PVC aqueles de embrulhar comida.
Um pedaço de papel vegetal
Elástico ou fita adesiva

Modo de fazer:
Fure o tubo com lápis ou recorte os furos, mas cuidado: se for usar alguma coisa que corte, peça ajuda para um adulto, ok?
Prenda o pedaço de papel vegetal em uma das extremidades com elástico ou fita adesiva.
Toque a flauta soprando pelo lado que ficou aberto e fechando e abrindo os furos com os dedos.




Fonte: site Shopping b - www.shoppingb.com.br

Violão de Caixa de Sapatos




Você vai precisar:
01 caixa de sapatos
06 elásticos
Fita adesiva

Modo de fazer:
Recorte uma abertura na tampa da caixa de sapatos.
Prenda a tampa com fita adesiva.
Coloque os 06 elásticos no centro da caixa, sobre o buraco, conforme a figura acima e divirta-se!




Fonte: site Shopping b - www.shoppingb.com.br

Tambor de Pote Plástico ou Lata



Você vai precisar:
01 pote plástico ou 01 lata com tampa plástica
Barbante ou Corda


Modo de fazer:
Enfeite seu pote ou lata. Você pode imprimir um desenho de seu personagem preferido e colar.
Faça 2 furos no pote ou lata, passe o barbante e amarre por dentro.
Pendure no pescoço e toque com uma colher ou pedaço de pau (use um "rashi" - talher de comida japonesa).




Fonte: site Shopping b - www.shoppingb.com.br

comentários[0]

29

set
2010

Importante!

DIA DAS CRIANÇAS
PASSE UM DIA DIFERENTE AO LADO DE SEU FILHO


O Dia das Crianças está próximo e com ele, a correria para a compra de presentes. Para os pais que podem gastar um pouco mais, não faltam opções e preços. Para outros, no entanto, a data nem sempre é bem-vinda. Afinal, desemprego e dinheiro curto no bolso não combinam com presentes nessa época do ano. Além do mais, outubro é tão próximo do Natal!

Mas qual a saída para uma situação como essa? Na opinião da psicóloga Elaine Rabelo de Araújo Alciprete, de São José dos Campos, as crianças de hoje compreendem muito bem o mundo em que vivem. "Uma boa
conversa com os filhos, explicando as dificuldades em comprar brinquedos agora, é uma boa alternativa".

Para ela, essa sinceridade dos pais faz com que os filhos se sintam mais confiantes e seguros para enfrentar os próprios problemas no futuro. Ela garante ainda que, para a criança, muito mais importante do que ganhar
um brinquedo nessa data é ser tratada com atenção, amor, respeito e carinho.

DECEPÇÕES - "Temos casos em que os pais se preocupam mais com o presente do que a própria criança. Eles vêem a data como uma chance de se mostrarem presentes, o que não está certo, pois a criança necessita da presença dos pais todos os dias na sua vida", afirma Elaine.

Segundo a psicóloga, o que acontece hoje em dia é que os pais não querem que os filhos sofram decepções. Assim, não dar o presente no Dia das Crianças muitas vezes deixa os pais mais angustiados do que os
próprios filhos.

"Infelizmente, com essa preocupação os pais não conseguem perceber o que, na verdade, faz seus filhos felizes. Além disso, as decepções fazem parte da vida e do aprendizado e os filhos precisam aprender a lidar com elas desde pequenos".

CRIATIVIDADE - Elaine acredita que, juntos, pais e filhos também podem descobrir outras formas para se divertir no Dia das Crianças, como confeccionar jogos e brinquedos com materiais mais simples que todos têm em casa, como sucatas, tesoura, cola, papéis e lápis. "Além de aproximá-los, desenvolve a criatividade das crianças", sugere.

De acordo com Elaine, o importante mesmo é que os pais aproveitem a data para participar mais da vida dos filhos. "Sair para brincar, fazer um piquenique, passear no parque, jogar bola, correr, fazer qualquer coisa para que eles se sintam amados é o mais importante", enfatiza a psicóloga.




Fonte: Jornal do Consumidor - N. 521 - de 04 a 10 de outubro de 2003
Informativo Semanal da Prefeitura da Cidade de São José dos Campos - SP
http://www.sjc.sp.gov.br

comentários[0]

29

set
2010

Algumas curiosidades...

Como surgiu o dia das Crianças

A comemoração no Brasil
A iniciativa de criar um dia especialmente dedicado às crianças foi do deputado federal Galdino do Valle Filho, ainda na década de 1920. Depois de aprovada pelos deputados, o 12 de outubro foi oficializado como Dia da Criança pelo presidente Arthur Bernardes, por meio do decreto nº 4867, de 5 de novembro de 1924.
Mas a data só "pegou" mesmo em 1960, quando Eber Alfred Goldberg, diretor comercial da Fábrica de Brinquedos Estrela, fez uma promoção conjunta com a Johnson & Johnson para lançar a "Semana do Bebê Robusto". Logo depois, as empresas decidiram criar a Semana da Criança, como meio de aumentar as vendas. Como a proposta surgiu no final de junho e os organizadores pretendiam fazer algo ainda naquele ano, o mês escolhido para a comemoração acabou sendo outubro. A idéia foi um êxito.
No ano seguinte, os fabricantes de brinquedos decidiram escolher um único dia para a promoção e "ressucitaram" o antigo decreto. A partir daí, o 12 de outubro se transformou em uma das datas mais importantes do ano para o setor de brinquedos.
http://www.klickeducacao.com.br:8000/klickids/historia/historia01/historia01A.as
p


Dia Universal da Criança


A Organização das Nações Unidas (ONU) reconhece o dia 20 de novembro como o Dia Universal da Criança. Nessa data, também é comemorada a Declaração dos Direitos da Criança, aprovada em Assembléia Geral das Nações Unidas em 1959. Muitos dos direitos e liberdades contidos neste documento fazem parte da Declaração Universal dos Direitos Humanos. A Declaração dos Direitos da Criança estabelece, entre outras coisas, que toda criança requer proteção e cuidados especiais antes e depois do nascimento.


Declaração dos Direitos da Criança


Declaração dos Direitos da Criança

1º Princípio - Todas as crianças são credoras destes direitos, sem distinção de raça, cor, sexo, língua, religião, condição social ou nacionalidade, quer sua ou de sua família.

2º Princípio - A criança tem o direito de ser compreendida e protegida, e devem ter oportunidades para seu desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, de forma sadia e normal e em condições de liberdade e dignidade. As leis devem levar em conta os melhores interesses da criança.

3º Princípio - Toda criança tem direito a um nome e a uma nacionalidade.

4º Princípio - A criança tem direito a crescer e criar-se com saúde, alimentação, habitação, recreação e assistência médica adequadas, e à mãe devem ser proporcionados cuidados e proteção especiais, incluindo cuidados médicos antes e depois do parto.

5º Princípio - A criança incapacitada física ou mentalmente tem direito à educação e cuidados especiais.
6º Princípio - A criança tem direito ao amor e à compreensão, e deve crescer, sempre que possível, sob a proteção dos pais, num ambiente de afeto e de segurança moral e material para desenvolver a sua personalidade. A sociedade e as autoridades públicas devem propiciar cuidados especiais às crianças sem família e àquelas que carecem de meios adequados de subsistência. É desejável a prestação de ajuda oficial e de outra natureza em prol da manutenção dos filhos de famílias numerosas.

7º Princípio - A criança tem direito à educação, para desenvolver as suas aptidões, sua capacidade para emitir juízo, seus sentimentos, e seu senso de responsabilidade moral e social. Os melhores interesses da criança serão a diretriz a nortear os responsáveis pela sua educação e orientação; esta responsabilidade cabe, em primeiro lugar, aos pais. A criança terá ampla oportunidade para brincar e divertir-se, visando os propósitos mesmos da sua educação; a sociedade e as autoridades públicas empenhar-se-ão em promover o gozo deste direito.

8º Princípio - A criança, em quaisquer circunstâncias, deve estar entre os primeiros a receber proteção e socorro.

9º Princípio - A criança gozará proteção contra quaisquer formas de negligência, abandono, crueldade e exploração. Não deve trabalhar quando isto atrapalhar a sua educação, o seu desenvolvimento e a sua saúde mental ou moral.

10 º Princípio - A criança deve ser criada num ambiente de compreensão, de tolerância, de amizade entre os povos, de paz e de fraternidade universal e em plena consciência que seu esforço e aptidão devem ser postos a serviço de seus semelhantes.

* Divulgue este artigo para outras famílias e amigos.

comentários[0]

Bem Vindos!

Olá


Lady Bug Note Generators

Obrigado por Visitar...