Portal da Educao Adventista

**Prof%uFFFD Thainara* *

3

abr
2011

Sugestões de jogos para alfabetização

Silabário

Para jogar: Se não houver a possibilidade de construir um silabário para cada criança, será necessário um para cada grupo de 3 ou 4 crianças.

Formas de jogar:

1 - O professor leva as fichas e sorteia, as crianças montam as palavras sorteadas, depois registram no caderno. Pode-se, ainda, pedir que identifiquem a letra inicial/final, número de letras, vogais e consoantes. Dependendo do nível, pode-se solicitar que separem as sílabas.

2 - Em grupo, cada criança recebe um determinado número de tampinhas. Um por vez deve tentar formar palavras colocando apenas uma tampa no tabuleiro, sendo possível aproveitar as sílabas/letras dos demais integrantes.

3 - Cada criança forma 4 palavras no silabário, depois, preenche os espaços com sílabas soltas e troca o silabário com o colega, que deverá localizar as palavras formadas pelos amigos. Depois deverá ser feito um registro da atividade no caderno.

 

 

Memória 3D - figura e palavra

 

Jogo da memória com imagem e nome da palavra. Podem ser usadas letras bastão ou cursiva, minúscula ou maiúscula, dependendo do nível de escrita da turma.

 

 

Jogo do Talharim

Este jogo consiste em que cada participante, caso acerte, pode pegar mais uma massa, desta vez sem nenhum fonema, para que assim consiga montar no seu prato uma macarronada.

Objetivo: Consciência fonêmica - Identificação do fonema inicial e segmentação fonêmica.

Material : 1 panela, 4 pratos, 4 garfos e macarrão em E.V.A.

Como jogar: Cada participante escolhe um pratinho e um garfo. Um participante desafia o outro tirandode um recipiente uma palavra.

O jogador deverá olhar para dentro da panela de talharim e apenas com o garfo mexer na massa tentando pegar a que tiver o fonema inicial referente a palavra escolhida. Em seguida, o jogador deverá falar o som do fonema que encontrou.

Ganha o jogo quem conseguir colocar no prato o maior número de massas.

Pescaria

Objetivo: Desenvolver a consciência silábica.

Materiais necessários : Caixa para pescaria, peixes com letras, anzol.

Modo de jogar: O jogador retira de um envelope uma ficha com uma figura. O mesmo deverá encontrar o peixe que contém a letra que inicia a figura. Deve dizer o nome da figura, segmentando-a silabicamente e classificando-a pelo número de sílabas. Em seguida, deverá colocar o peixe no aquário adequado ao número de sílabas.

Podem ser somados pontos por acerto.

 

Alfabeto móvel

Objetivo : Promover a construção de palavras utilizando o alfabeto móvel.

Materiais necessários: tampinhas, revistas, tesoura e cola.

Modo de jogar : formar palavras utilizando as tampinhas com o alfabeto.

 

Bingo das letras

O professor oferece uma cartela onde estão escritas as palavras faltando uma letra. De acordo com o sorteio, as crianças completam as palavras com o apoio do alfabeto móvel.

 

Caixas ilustradas

Objetivo : Desenvolver a percepção da linguagem escrita; promover a associação da palavra com a figura e dos grafemas com os fonemas.

Materiais necessários :Caixinhas de fósforo; figuras pequenas; letras recortadas.

Modo de jogar : As professoras deverão formar as palavras de acordo com a figura

Jogo da memória das letras

Objetivo: Desenvolver a memória e identificar as letras que compõem o alfabeto, relacionando-as com o fonema inicial de cada palavra.

Materiais necessários: Cartas com as letras do alfabeto

 

 

Boliche do alfabeto - Jogo das argolas

Objetivos: Identificar as letras do alfabeto relacionando-as com o fonema inicial de cada palavra; Desenvolver a coordenação ampla.

Materiais necessários: embalagens de refrigerante e bola.

Modo de jogar: Ao derrubar as garrafas, deverá identificar a letra e dizer uma palavra que inicie com a mesma.

Quebra-cabeça com palitos ou caixas

Objetivo: Familiarizar as crianças com a noção de palavras e sílabas.

Materiais necessários: fichas em forma de quebra-cabeça, palitos ou caixas.

Vence a equipe que formar o maior número de palavras.

 

Jogo das abelhas

Objetivo: Consciência fonêmica - identificação do fonema inicial e segmentação fonêmica.

Materiais necessários: Abelhas e mãozinhas em E.V.A.

Modo de jogar: O professor sorteia uma letra e produz o som da mesma. Cada integrande da equipe ficará com uma mãozinha. O aluno que identificar a letra deverá bater na abelha com a mãozinha, ficando com a mesma caso esteja correto.

Ganha quem tiver mais abelhas.

Trilha Alfabética

Objetivo: Consciência fonêmica

Materiais necessários: Placas de E.V.A. com as letras do alfabeto e dado numérico.

Modo de jogar: O jogador joga o dado, anda as casas correspondentes e executa a tarefa determinada pelo professor.

 

Mais perto do 10

Objetivos: Noção de quantidade; representação numérica, soma, subtração.

Materiais necessários: Caixa com 30 palitos ou mais; marcadores para identificar os pontos de cada participante (fichas, tampinhas, botões...); tabuleiro.

Como jogar: Cada participante tenta tirar um conjunto de 10 palitos sem contar nem olhar. Cada um marca no tabuleiro a quantidade de palitos que tirou e devolve à caixa. Quem tirar 10 palitos ganha um ponto. Se o número de palitos não estiver no tabuleiro o jogador perde a rodada.

Depois de 4 rodadas, ganha quem tiver mais pontos.

Varal das letras

Montar 4 alfabeto completos, incluindo K,Y, W.

Selecionar o mesmo número de imagens (que possuam 4 letras).

A criança escolhe uma imagem e procura no varal as letras que formam seu nome.

Alfabeto concreto

Uma faixa com as letras do alfabeto. Cada bolso recebe uma figura, cujo o nome inicia com a letra que está no bloso.

Confeccionado em feltro.

Como jogar:

1 - Cada criança recebe um determinado número de figuras e deve organizar dentro dos bolsos.

2- Divididos em duas ou três equipes, cada uma recebe um número de figuras, quem organizar primeiro ganha um ponto.

3- Organizar livremente, de acordo com a letra inicial.

Jogo dos antônimos

1 - Com as figuras viradas para baixo, uma criança por vez tenta formar pares. É preciso achar o par para figuras como grande/pequeno - alegre/triste - cheio/vazio.

2- Cada criança recebe uma ficha e deve encontrar seu par.

 

Jogo da velha

Jogo da velha tradicional, confeccionado em 3D, com papelão do meio do papel higiênico e caixinhas de sabonete.

O objetivo é colocar 3 figuras iguais na diagonal, horizontal ou vertical.

Bingo fonológico

Bingo inspirado no jogo tradicional, no entanto, o professor sorteia apenas a sílaba inicial da figura.

Painel de quantidades (hora do conto)

Inspirado no livro "Um amor de confusão" - A professora vai contando as história (que é referente a quantidades), enquanto coloca os ovinhos nas cestinhas, ao final, os alunos precisam organizar nas cestinhas, as quantidades corretas de ovinhos.

Jogo dos balões

Materiais necessários: Cartelas com figuras de balões numeradas e fichas que somem até a quantidade desejada.

Modo de jogar: A criança sorteia duas fichas, faz o calculo mental e marca o valor correspondente na cartela.

 

Boneca das emoções

Em rodinha as crianças se comunicam com a boneca, usando apenas uma palavra (sentimento). Depois, cada criança a leva para casa e devolve no dia seguinte, relatando aos colegas tudo o que a boneca fez durante a visita e porque gostou de levá-la para casa.

É ideal para primeiros dias de aula ou turminhas com problemas de relacionamento.

 

Imagens:

Silabário:

 

Memória 3D- figura e palavra

 

Jogo do Talharim

 

Pescaria:

 

Alfabeto Móvel:

 

Bingo das letras:

 

Caixas ilustradas:

 

Jogo da memória das letras:

 

Boliche do Alfabeto:

Quebra cabeça com palitos e caixas:

 

Jogo das Abelhas:

 

 

Trilha Alfabética:

 

Mais perto do 10:

 

Varal das Letras:

 

Alfabeto Concreto:

 

Jogo dos Antônimos:

 

Jogo da velha:

 

Bingo Fonológico:

 

Painel das Quantidades:

 

Jogo dos balões:

 

Boneca dos Sentimentos...

comentários[9]

3

abr
2011

Projeto : "O carteiro chegou"

[livro.jpg]

SINOPSE:
Assim como todo mundo, os contos de fadas gostam de mandar e receber cartas. João, por exemplo, mal tem tempo de agradecer o gigante pelas ótimas férias que sua galinha de ovos de ouro lhe proporcionou. Cachinhos Dourados aproveita para se desculpar com a família Urso por ter causado confusão na casa. E o que seria da bruxa sem o catálogo de ofertas do Empório da Bruxaria, que esse mês oferece uma promoção especial de mistura para torta Menino Fofo? Por isso, quando o carteiro chega é sempre uma festa, e todo mundo o convida para entrar. Mas às vezes - especialmente em caso de Lobo Mau - ele prefere recusar o chazinho e dar no pé o mais rápido possível. O livro, que é todo contado em rimas, vem cheio de cartas de verdade, postais, livrinhos e convites, com envelope e tudo.


MAIS SOBRE O LIVRO...
O livro traz um interessante trabalho de intertextualidade inter-gêneros
(MARCUSCHI, 2002) entre contos infantis e gêneros textuais epistolares (e sua maioria)
atuais, o que permite uma variedade de atividades e de projetos para a sala de aula. Todavia,
para o trabalho com a SD que apresentaremos seria então necessário que as crianças já
tivessem lido os seguintes contos: Cachinhos dourados e os três ursos; Branca de Neve e os
sete anões; João e o pé de feijão; Cinderela; Chapeuzinho Vermelho.
De forma geral, o livro contém diversos contos que trazem um carteiro como
personagem principal e que realiza a sua tarefa entregando cartas para destinatários que são
personagens das histórias dos contos infantis tradicionais. Assim, dentro do suporte envelope,
são anexados a ele, no decorrer da história, vários gêneros textuais, com diferentes propósitos
comunicativos, conforme se vê no quadro abaixo:

[o carteiro chegou.jpg]

Oficina 1:
- Apresentação da situação e do projeto à classe:
* Ler diferentes cartas trazidas pelo carteiro para atualizar a leitura dos contos infantis tradicionais e produzir uma carta final para um dos personagens de histórias infantis tradicionais.
- Roda de leitura: relembrando os contos tradicionais presentes nos livros
Objetivos
* Motivar os alunos em torno de um projeto de comunicação coletivo: leitura e produção de cartas.
* Recordar com os alunos a sinopse dos contos infantis tradicionais.
* Reunir as crianças em grupo para registrar as sinopses.
- Dramatização para reconhecimento de algumas personagens de contos infantis.


Oficina 2
- Um pouquinhos de história: o desenvolvimento dos meios de comunicação
Objetivos
* Compreender o desenvolvimento dos meios de comunicação a partir da leitura crítica da reportagem
* Recados do passado- veja como as pessoas trocavam
mensagens em diferentes épocas, publicada pela Revista Recreio (n° 420, 27/03/08)

Oficina 3
- Reconhecimento das condições de produção do gênero textual 1: carta de pedido de desculpas
Objetivos
* Discutir por meio da leitura dos gêneros os elementos principais do contexto de produção por
meio de um quadro comparativo entre eles.
* Debater oralmente para identificar as opiniões dos alunos.
* Escrever uma lista de constatação sobre o gênero.


Oficina 4
- Reconhecimento das condições de produção gênero textual 2: panfleto de propaganda
Objetivos:
* Analisar, por meio de uma aula de leitura, duas propagandas de um mesmo produto (pãezinhos de leite da Nutrela) voltadas a públicos distintos: a primeira a meninos e a segunda a meninas;
* Refletir com as crianças, por meio do planejamento de uma aula de leitura (vide HILA 1999, para saber procedimentos de elaboração para uma aula crítica a partir de gêneros textuais) sobre: o poder da propaganda, a importância dos destinatários, os recursos visuais tendo em vista os destinatários.
* Leitura crítica do panfleto do livro, destinado à bruxa malvada, reconhecendo seus elementos do contexto de produção.


Oficina 5
- Reconhecimento das condições de produção gênero textual 3 e 4 : cartão postal e cartão de aniversário
Objetivos:
* Praticar a escrita de um cartão de aniversário trazido pelo professor.
* Ler um cartão postal trazido pelo professor .
* Comparar os gêneros anteriores por meio de um quadro destacando-se os elementos do contexto de produção.
* Escrever um registro com os alunos sobre as descobertas realizadas.

Oficina 6
- Reconhecimento das condições de produção dos gêneros textuais 4 e 5: carta de comunicação de publicação de livro e carta de comunicado de despejo
Objetivos:
*Retomar os pontos aprendidos sobre a carta de pedido de desculpas.
* Ler as cartas presentes no livro.
*Praticar o reconhecimento do objetivo das cartas e de seus destinatários.
* Escrever um registro diferenciando as três cartas trabalhadas.



Oficina 7
-A produção coletiva/grupo de uma carta para um personagem de um conto infantil trabalhado para dar continuidade ao livro

Objetivos:
*Produzir uma nova carta (em grupos) a ser levada pelo carteiro para uma personagem conhecida de contos infantis, a fim de continuar o processo de intertextualidade inter-gêneros.
* Realizar um debate oral sobre algumas possibilidades de gêneros e de situações para a carta.
* Orientar o processo de planejamento.
* Expor as cartas na sala.

comentários[1]

3

abr
2011

Hipóteses de escrita...

Ditado para sondagem na alfabetização

Ano
1º e 2º ano

Tempo estimado
Uma aula.

Tematização
Você deve realizar a primeira sondagem no início do período letivo e, depois, ao fim de cada bimestre, mantendo um registro criterioso do processo de evolução das hipóteses de escrita das crianças. Ao mesmo tempo, é fundamental uma observação cotidiana e atenta do percurso dos alunos. 

Introdução
Nos primeiros dias de aula, o professor alfabetizador tem uma tarefa imprescindível: descobrir o que cada aluno sabe sobre o sistema de escrita. É a chamada sondagem inicial (ou diagnóstico da turma), que permite identificar quais hipóteses sobre a língua escrita as crianças têm e com isso adequar o planejamento das aulas de acordo com as necessidades de aprendizagem.

Tematização
Por que devemos fazer o diagnóstico inicial das hipóteses de escrita dos alunos? Além de objetivos práticos como a organização de parcerias produtivas de trabalho e o acompanhamento da evolução dos alunos, a realização da sondagem pressupõe um respeito intelectual do professor em relação ao conhecimento do aluno. Significa assumir que os alunos pensam sobre a língua escrita - formulando hipóteses sobre o seu funcionamento - e que é primordial para o desenvolvimento de um bom trabalho conhecer detalhadamente o que eles pensam sobre o sistema alfabético.

Objetivo
Escrever uma lista de palavras e uma frase, ditadas pelo professor, colocando em jogo todos os conhecimentos disponíveis

Tematização
A sondagem não é um momento para ensinar conteúdos e sim para o aluno mostrar ao professor o que pensa sobre o sistema alfabético de escrita. Portanto, o único objetivo dessa atividade é fazer com que os alunos escrevam da maneira como acreditam que as palavras devem ser escritas.

Material necessário
Papel e lápis.

Desenvolvimento
Atividade deve ser feita individualmente. Chame um aluno por vez e explique que ele deve tentar escrever algumas palavras e uma frase que você vai ditar. Escolha palavras do mesmo campo semântico, como por exemplo: lista das comidas de uma festa de aniversário, frutas, animais etc.

O ditado deve ser iniciado por uma palavra polissílaba, seguida de uma trissílaba, de uma dissílaba e, por último, de uma monossílaba. Ao ditar, NÃO marque a separação das sílabas, pronunciando normalmente as palavras. Após a lista, é preciso ditar uma frase que envolva pelo menos uma das palavras já mencionadas, para poder observar se o aluno volta a escrevê-la de forma semelhante, ou seja, se a escrita da palavra permanece estável mesmo num contexto diferente.

Tematização
A escolha das palavras do ditado deve ser muito cuidadosa. Evite palavras que tenham vogais repetidas em sílabas próximas, como ABACAXI, por exemplo, por causar um grande conflito para as crianças que estão entrando no Ensino Fundamental, cuja hipótese de escrita talvez faça com que creiam ser impossível escrever algo com duas ou mais letras iguais. Por exemplo: um aluno com hipótese silábica com valor sonoro convencional, que utiliza vogais, precisaria escrever AAAI. Os monossílabos ficam para o fim do ditado. Esse cuidado deve ser tomado porque, no caso de as crianças escreverem segundo a hipótese do número mínimo de letras, poderão se recusar a escrever se tiverem de começar por ele. 

Confira 3 sugestões de grupos de palavras e frases para o ditado:

Sugestão 1
CENTOPÉIA
JOANINHA
FORMIGA
MINHOCA
ABELHA
LESMA
GRILO

A FORMIGA MORA NO JARDIM.

Sugestão 2
MUSSARELA
ESCAROLA
TOMATE
PALMITO
PRESUNTO
ALHO
ATUM 

COMEMOS PIZZA DE MUSSARELA COM TOMATE.

Sugestão 3
REFRIGERANTE
MORTADELA
PRESUNTO
MANTEIGA
QUEIJO
SUCO
PÃO 

NO LANCHE DE HOJE TEREMOS PÃO COM MORTADELA.

Fique atento às reações dos alunos enquanto escrevem e anote o que eles falam, sobretudo de forma espontânea, isso pode ajudar a perceber quais as ideias deles sobre o sistema de escrita.

A cada palavra ditada, peça para que o aluno leia em voz alta o que acabou de escrever.

Tematização
É imprescindível pedir que a criança leia o que escreveu. Por meio da interpretação dela sobre a própria escrita, durante a leitura, é que se pode observar se ela estabelece ou não relações entre o que escreveu e o que lê em voz alta - ou seja, entre o falado e o escrito - ou se lê aleatoriamente.

Anote em uma folha à parte como o aluno faz a leitura, se aponta com o dedo cada uma das letras, se lê sem se deter em cada uma das partes, se associa aquilo que fala à escrita, em que sentido faz a leitura etc.

Avaliação
Finalmente, analise qual hipótese de escrita o aluno demonstrou na atividade.

Hipóteses de escrita mais comuns:

Pré-silábica, sem variações quantitativas ou qualitativas dentro da palavra e entre as palavras. O aluno diferencia desenhos (que não podem ser lidos) de "escritos" (que podem ser lidos), mesmo que sejam compostos por grafismos, símbolos ou letras. A leitura que realiza do escrito é sempre global, com o dedo deslizando por todo o registro escrito.

Pré-silábica com exigência mínima de letras ou símbolos, com variação de caracteres dentro da palavra, mas não entre as palavras. A leitura do escrito é sempre global, com o dedo deslizando por todo o registro escrito.

Pré-silábica com exigência mínima de letras ou símbolos, com variação de caracteres dentro da palavra e entre as palavras (variação qualitativa intrafigural e interfigural). Neste nível, o aluno considera que coisas diferentes devem ser escritas de forma diferente. A leitura do escrito continua global, com o dedo deslizando por todo o registro escrito.

Silábica com letras não pertinentes ou sem valor sonoro convencional. Cada letra ou símbolo corresponde a uma sílaba falada, mas o que se escreve ainda não tem correspondência com o som convencional daquela sílaba. A leitura é silabada.

Silábica com vogais pertinentes ou com valor sonoro convencional de vogais. Cada letra corresponde a uma sílaba falada e o que se escreve tem correspondência com o som convencional daquela sílaba, representada pela vogal. A leitura é silabada.

Silábica com consoantes pertinentes ou com valor sonoro convencional de consoantes. Cada letra corresponde a uma sílaba falada e o que se escreve tem correspondência com o som convencional daquela sílaba, representada pela consoante. A leitura é silabada.

Silábica com vogais e consoantes pertinentes. Cada letra corresponde a uma sílaba falada e o que se escreve tem correspondência com o som convencional daquela sílaba, representada ora pela vogal, ora pela consoante. A leitura é silabada.

Silábico-alfabética. Este nível marca a transição do aluno da hipótese silábica para a hipótese alfabética. Ora ela escreve atribuindo a cada sílaba uma letra, ora representando as unidades sonoras menores, os fonemas.

Alfabética inicial. Neste estágio, o aluno já compreendeu o sistema de escrita, entendendo que cada um dos caracteres da palavra corresponde a um valor sonoro menor do que a sílaba. Agora, falta-lhe dominar as convenções ortográficas.

Alfabética. Neste estágio, o aluno já compreendeu o sistema de escrita, entendendo que cada um dos caracteres da palavra corresponde a um valor sonoro menor do que a sílaba e também domina as convenções ortográficas.

comentários[0]

3

abr
2011

Atividades de matemática...

 

 

[joaninhas 001.jpg]

comentários[2]

1

abr
2011

Níveis da alfabetização...

Níveis de Alfabetização

Em síntese, podemos dividi-los em vários níveis, porém, vamos destacar os cinco principais:

1)Pré-Silábico - Nesta fase, os alunos escrevem rabiscos ou até mesmo letras para representar as palavras, porém sem nenhum vínculo com o que é falado. Exemplos:
A R M S MO H A O R U I L N M (brigadeiro), A (brigadeiro)

2)Silábico sem valor sonoro (Intermediário 1) -O aluno representa o que ouve com a quantidade certa de sílabas, porém, sem relacionar o que ouve com a representação gráfica.Exemplo:

R O M T (brigadeiro)

3)Silábico com valor sonoro - Nesta fase, os alunos representam graficamente aquilo que ouvem, através da utilização de uma das letras de cada sílaba, representando cada uma com uma das letras presentes na mesma. Exemplo:
I A E O - B H D O (brigadeiro)

4)Silábico Alfabético (Intermediário 2) -O aluno representa o que ouve com a quantidade certa de sílabas, ora, representando graficamente a sílaba por inteiro misturada a letras isoladas do fonema contido na sílaba, ora, representa a sílaba com outra letra que representa o mesmo fonema.Exemplos:

P I P O K (pipoca), S U K O (suco), B I Z (bis)

5) Alfabético - Nesse nível de alfabetização, a criança já apresenta um domínio da escrita, incluindo as sílabas complexas. Exemplos:

BRIGADEIRO, PIPOCA, SUCO,

Fonte: webartigos

comentários[0]

Bem Vindos!

Olá


Lady Bug Note Generators

Obrigado por Visitar...