Portal da Educao Adventista

*Ciências da Natureza*

13

ago
2012

Filme inspira batismo de 17 espécies de aranhas

MARCO VARELLA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

A presença do caçador alienígena à espreita na floresta no filme "O Predador" parece longe da realidade. Mas pesquisadores do Instituto Butantan encontraram 17 novas espécies de caçadores como o Predador espalhados pelo que restou da nossa mata atlântica.

São todas aranhas caçadoras de insetos, pertencentes ao novo gênero Predatoroonops. Esse gênero foi descrito pelos cientistas neste ano e recebeu esse nome em homenagem aos 25 anos de "O Predador", do diretor John McTiernan.

Cada uma das 17 novas espécies recebeu um nome em homenagem a um personagem ou ator do filme: da Predatoroonops schwarzeneggeri à Predatoroonops chicano.

Já os caçadores de novas espécies de aranhas são liderados por Antonio Brescovit, aracnólogo do Laboratório Especial de Coleções Zoológicas que vem estudando regiões da mata atlântica por seis anos.

"Essa descoberta é fundamental para mapear a diversidade da fauna local e mundial, além do estudo dos venenos e da biologia dos animais", disse Brescovit em comunicado oficial. Com um investimento de mais de US$ 3 milhões, o projeto pretende descobrir, agora, todas as espécies de aranhas da família Oonopidae, à qual pertence o novo gênero.

Para Hilton Japyassú, aracnólogo do Instituto de Biologia da UFBA (Universidade Federal da Bahia), "trabalhos como este mostram o quanto ainda temos por descobrir. Vez por outra alguém descreve um mamífero, ou uma ave nova, mas nossa maior riqueza sem dúvida vem dos invertebrados, fonte permanente de novos compostos orgânicos para explorações futuras".

image

CARA DE UM, FOCINHO DO OUTRO

As aranhas do novo gênero apresentam uma morfologia na parte da frente do corpo semelhante à cara do Predador, personagem do filme, daí a ideia fazer a homenagem cinematográfica.

Elas têm suas quelíceras --primeiro par de apêndices perto da boca-- com diversas articulações. Nos invertebrados, as quelíceras em geral servem para apanhar as presas e, nas aranhas, podem ser pontiagudas para injetar a peçonha, tóxica para a caça.

Apenas os machos da espécie apresentam essa especialização e ainda não se sabe ao certo quais as suas funções. Os bichos medem apenas entre 1 mm e 2 mm.

O fato de estarem presentes apenas nos machos pode indicar serem fruto da seleção sexual, funcionando tanto como armas na competição com outros machos quanto como ornamentos, atraindo as fêmeas para a reprodução.

IMPORTÂNCIA ECOLÓGICA

"Essas aranhas geralmente habitam a serrapilheira --aquela camada de folhas mortas que recobre o solo das florestas tropicais-- e o conhecimento de sua diversidade e hábitos pode nos ajudar a entender os mecanismos biológicos associados aos processos de decomposição, um elo fundamental na manutenção de nossos ecossistemas", diz Hilton Japyassú.

Envie para um amigo

Deixe seu comentário

24

set
2012

Giovana Theodoro 7°ano

O texto é bem interessante,mais a aranha,meu maior medo!Credo,mais foi Deus quem criou então vamos ter consciência e não desmatar as florestas pois são os lares delas!

29

ago
2012

bruno

munto legal o texto mas que aranha mais feia

27

ago
2012

Stefany B. B. Teixeira

Mais um motivo para nós não desmatarmos as florestas, pois essas aranhas que descobriram pode ser até feia, mas elas tem um papel importante na natureza de fazer a decomposição de folhas morta, devemos dar mais atenção as florestas!

23

ago
2012

Gabrielle

Nossa muito legaal (:

22

ago
2012

Giovana 7ºano

Nossa,que horror nunca vi um bicho tão feioso como essa aranha estranha ai!E eu concordo completamente com o Leal!

17

ago
2012

guilherme machado

Nossa mui legal! agora sabemos que da preservação da floresta e dos animaii

17

ago
2012

lucas fernandes

meu deus esse bichoi e extremamente doidao

16

ago
2012

Daniel Felipe Leal

nâo podemos desmatar a natureza, pois se desmatarmos iremos matar vários animais e árvores que sabemos e outras que nem sabemos que existem.

Você está aqui

Twitter

Assinar RSS

mais buscadas

2004-2011 Educação Adventista Todos os direitos reservados.