Portal da Educao Adventista

*Professor Genivaldo *

31

ago
2014

Cuidado com junk food

 

Quem exagera no junk food pode perder gosto por dieta saudável, diz estudo

 

Pessoas que exageram na ingestão dos chamados junk food (alimentos com pouco valor nutritivo, ricos em gordura e açúcar) tendem a perder o interesse por alimentos de uma dieta equilibrada, segundo um estudo publicado na revista Frontiers in Psychology. Um experimento feito com ratos mostrou que o excesso de junk food pode modificar o comportamento alimentar, enfraquecer o autocontrole e levar a pessoa à obesidade.
 
Os pesquisadores da Escola de Ciências Médicas da Universidade de New South Wales, coordenados pela especialista em farmacologia Margaret Morris, descobriram que uma dieta pobre em nutrientes provoca mudanças duradouras nas áreas do circuito de recompensa do cérebro, responsável pela sensação de prazer, e no córtex orbitofrontal, que responde pela tomada de decisões.
 
Durante o experimento, os pesquisadores ensinaram os ratos a associar água com açúcar a um som e cereja e uva a outro. Os ratos saudáveis paravam de responder a estímulos ligados ao sabor que haviam experimentado em grande quantidade. Este mecanismo inato, difundido em animais, protege contra excessos e é responsável por promover uma dieta saudável e equilibrada.
 
Após duas semanas expostos a uma dieta que incluía acesso diário a alimentos do refeitório, como pizza, bolinhos, cookies e bolo, com 150% a mais de calorias, o peso dos ratos aumentou 10% e o seu comportamento mudou dramaticamente. Eles se tornaram indiferentes nas suas escolhas alimentares e não evitavam o som advertindo sobre o gosto familiar.
 
Segundo os especialistas, os resultados revelam que ter uma alimentação pobre em nutrientes limita a capacidade das pessoas de consumir certos tipos de alimentos porque os circuitos de recompensa do cérebro são semelhantes em todos os mamíferos.
 
"O mais interessante nesta descoberta é que, se o mesmo acontecer nos seres humanos, comer junk food pode mudar as nossas respostas aos sinais associados a recompensas do alimento. É como se você tivesse sorvete para o almoço e sentisse vontade de comer mais só de ouvir o carro do sorveteiro chegando", diz a professora Margaret Morris. Segundo ela, à medida que cresce a epidemia de obesidade, os anúncios podem ter um efeito maior sobre as pessoas que estão acima do peso.
 
A OMS (Organização Mundial de Saúde) estima que mais de 10% da população adulta do mundo é obesa e, pelo menos, 2,8 milhões de pessoas morrem a cada ano como resultado do excesso de peso ou obesidade. O sobrepeso e a obesidade são os principais fatores de risco para uma série de doenças crônicas, incluindo diabetes, doenças cardiovasculares e câncer.
 
 
Fonte: Uol - Lake Villas

comentários[1]

31

ago
2014

Segunda Guerra (70 anos) - Números de mortes no Dia D.

 

 

Há 70 anos, no dia 6 de junho de 1944, cerca de 5,4 mil soldados perderam a vida num dos episódios mais importantes da 2ª Guerra Mundial. Foi o início do ataque de exércitos aliados a tropas alemãs na Normandia, litoral norte francês. Cerca de 6.900 navios, 5.500 aviões e 160 mil soldados (incluindo 13 mil paraquedistas) dos EUA, Grã-Bretanha e Canadá cruzaram o Canal da Mancha, vindos da Inglaterra, para iniciar a operação Overlord, cujo objetivo era expulsar os nazistas do oeste europeu. A campanha durou quase 90 dias e custou a morte de 445 mil pessoas (entre soldados e civis) até a chegada dos aliados a Paris, em agosto. A derrota na França acuou os exércitos de Hitler e encaminhou o fim da guerra.

 

Do céu ao inferno


Dentre as baixas aliadas, 1.200 delas foram de paraquedistas. Muitos deles, porém, podem ter caído longe do alvo, sumido por muito tempo e se juntado às tropas de novo.

 

Saldo sangrento


Todas as baixas da operação (entre mortos, feridos e desaparecidos).


Ensaio desastrado


Nos treinamentos, simulações e locais "falsos" de saída da armada - criados para confundir os nazistas sobre por onde os aliados invadiriam o território francês - 12 mil perderam a vida entre abril e maio de 1944. A força aérea aliada perdeu 2 mil aeronaves durante as preparações.

 

Aliados


EUA, Grã-Bretanha e Canadá tiveram 4.413 soldados mortos no Dia D. Foram 2.499 norte-americanos, 1.660 britânicos e 340 canadenses. Só na praia de codinome Omaha, uma das cinco escolhidas para o desembarque das tropas, houve 2 mil baixas para os EUA.

 

Nazistas


Imagine um soldado aliado participando de uma operação para libertar outro país (França) defendido por soldados de uma terceira nacionalidade (alemã). A contagem de baixas inimigas não era uma prioridade para os invasores. Por isso, a estimativa de mortes nazistas foi de apenas 1.000.

 

Civis


Entre 15 e 20 mil franceses são contados como baixas. A maioria deles morreu vítima de bombardeios na madrugada da invasão. Esse número também contabiliza os franceses que saíram de casa para escapar do conflito.

 

Território marcado


Hoje existem 27 cemitérios de guerra na região da Normandia, com cerca de 110 mil mortos enterrados (não só do Dia D). O total de heróis conta com 77.866 alemães, 9.386 norte-americanos, 17.769 britânicos, 5.002 canadenses e 650 soldados poloneses.

 

4.413 aliados

5.413 mortos

1.000 nazistas

 

Operação Overlord


Aliados - 209 mil baixas

Nazi - 216 mil baixas

 

FONTES Sites ddaymuseum.co.uk e nationalww2museum.org e livros Overlord - The D-Day Landings, de Ken Ford e Steven J. Zaloga, e Normandy - Breaching the Atlantic Wall, de Dominique François. Via Mundo Estranho

comentários[0]

29

ago
2014

Imperialismo - Guerra do Ópio

 

Hoje na História: 1842 - Tratado de Nanquim encerra Guerra do Ópio entre chineses e britânicos.

 

Em 29 de agosto de 1842, o Tratado de Nanquim pôs fim à Guerra do Ópio entre a China e a Grã Bretanha.

 

Algumas décadas antes, em 1793, o grande imperador Qianlong havia zombado dos britânicos, rejeitando suas tentativas de aumentar o comércio com o Império do Meio.

 

WikiCommons

Pintura de John Platt e John Burnet, de 1846, encena a assinatura do Tratado de Nanquim

 

Os mercadores da Companhia Inglesa das Índias Orientais e o governo de Londres receberam muito mal a indisposição do imperador em encontrá-los. Não deixaram de difundir fortemente em toda a Europa o desprezo que lhes inspirava essa China, outrora tão elogiada, hoje arcaica, imóvel, voltada para si mesma.

 

Seu despeito era ainda maior visto que continuavam comprando da China o chá que os britânicos consumiam bastante, bem como muitos outros produtos de luxo - porcelanas, pedrarias e sedas.

 

Para tentar equilibrar uma balança comercial pesadamente deficitária, a Companhia das Índias pôs em ação um "comércio triangular" tão pouco recomendável quanto era o tráfico de escravos. A companhia desenvolveu nas Índias a cultura do pavot - toda planta papaverácea do gênero Papaver, agrupando diversas espécies que produzem flores indo da papoula (Papaver rhoeas) ao pavot a ópio (Papaver somniferum) - e de modo totalmente ilegal, inicia os chineses no consumo do ópio.

 

As vendas ilegais de ópio na China passaram de 100 toneladas para 2.000 toneladas em 1838.

 

Em 1839, o novo governador de Cantão, exasperado, manda apreender e queimar 20 mil caixas da droga. Em resposta, os ingleses bombardeiam Cantão enquanto uma esquadra sobe o rio Yangzi Jiang Nanquim, obrigando o imperador Daoguang a capitular.

 

Esta "diplomacia de canhoneira" desembocou no Tratado de Nanquim pelo qual os vencedores ganharam o direito de comercializar livremente em cinco portos chineses. Obtém, antes de mais nada, a cessão da ilha de Hong Kong na foz do rio das Pérolas e da riquíssima região de Cantão.

 

Cúmulo da humilhação, o imperador teve de conceder um privilégio de extra-territorialidade aos britânicos e lhes pagar 21 milhões de libras esterlinas. Os franceses e norte-americanos se apressaram em exigir vantagens equivalentes.

 

A humilhação sofrida pelos chineses em seguida ao Tratado de Nanquim está na origem dos levantes populares contra a dinastia manchu dos Qing, o mais notável deles a insurreição de Taiping.

 

Fonte: Opera Mundi

comentários[0]

28

ago
2014

5 fatos que vão fazer vc eliminar os enlatados da sua dieta

 

Práticos, os alimentos enlatados ocupam cada vez mais as prateleiras dos supermercados e a dispensa de quem não tem tempo para cozinhar. Contudo, apesar de facilitar a vida na cozinha, eles têm substâncias que prejudicam a saúde.
 
A nutricionista Silvia Lancellotti lista cinco motivos para deixar a praticidade de lado e evitar o consumo exagerado dos enlatados. Veja:
 
Ricos em sódio

O primeiro item da lista de malefícios dos enlatados é a quantidade de sódio. Segundo a nutricionista, a maioria dos alimentos enlatados possui muito sal e outros temperos que realçam o sabor. O atum light enlatado em água, por exemplo, possui 382 mg de sódio em 113 g (pouco menos de uma lata). Silvia reforça que o excesso de sódio causa aumento da pressão arterial, alterações cardíacas e retenção de líquidos.
 
Nutrientes

Outra desvantagem dos alimentos enlatados em relação aos alimentos frescos é o valor nutricional. Apesar da variação de acordo com a marca, as carnes enlatadas, por exemplo, apresentam nutrientes essenciais em quantidades inferiores à suas versões frescas.
 
Ricos em aditivos

Ainda de acordo com a nutricionista, os alimentos enlatados devem ser evitados porque possuem conservantes e corantes que são prejudiciais à saúde. Ela explica que, para garantir o prazo de validade, são adicionados muitos aditivos químicos que desequilibram as funções do organismo.
 
Alumínio

Apesar de práticas, as embalagens em lata também são inimigas da saúde. Segundo um estudo da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, as embalagens em latas liberam uma substância chamada bisfenol, ou BPA, que aumenta os ricos de câncer, de doenças cardíacas e obesidade.
 
Embalagens contaminadas

A especialista explica ainda que latas e embalagens amassadas, estufadas ou perfuradas devem ser descartadas. Além do risco de estarem contaminadas por bactérias, há a contaminação por substâncias que se desprenderam da embalagem e se misturaram ao alimento.
 
 
Fonte: Bolsa de Mulher - Via Lake Villas
Texto: Laís Peterlini

comentários[0]

27

ago
2014

O que é água no joelho?

 

Na verdade, a substância que aparece no joelho é o líquido sinovial, um fluido viscoso que tem a função de lubrificar a articulação, como se fosse um óleo de dobradiça. Quando o joelho é lesionado, uma membrana chamada sinovial passa a produzir sem parar o tal líquido. Essa reação é uma forma de defesa do organismo. É que, além de lubrificar e amortizar o impacto entre as "peças" do joelho, o líquido sinovial tem células que eliminam fragmentos de tecidos machucados.

 

Os casos mais comuns de "água no joelho" aparecem após torções, pancadas e lesões de cartilagem ou no menisco. Conforme o problema é tratado - incluindo muito repouso e sessões de fisioterapia - o fluido vai sendo reabsorvido pelo organismo. Entretanto, se houver uma quantidade muito grande da substância, o médico pode realizar uma punção - ou seja, com uma agulha, drenar o líquido do local. Quando o acúmulo de "água no joelho" diminui, o paciente sente menos desconforto e fica mais fácil fazer o diagnóstico para tratar a lesão inicial.

 

Atletas (profissionais ou de fim de semana) estão entre os maiores "premiados" pelo problema. Para minimizar os riscos, é importante seguir algumas dicas: sempre alongar os músculos da perna antes das atividades físicas, manter o peso sob controle para não forçar muito o joelho e fazer musculação para deixar firmes os músculos que sustentam a articulação.

 

Mas não são só os esportistas as vítimas da "água no joelho". Doenças reumáticas, como as artroses, também podem resultar no problema, pois interferem na tal membrana sinovial.

 

Fonte: Mundo Estranho

comentários[1]

26

ago
2014

O tempo está passando mais depressa?

 

Por que temos a sensação de que o tempo está passando mais depressa?

 

640px-Pocket_watch_with_chain

Há várias hipóteses para o fenômeno, mas a mais aceita aponta que essa sensação está relacionada à quantidade enorme de informações e experiências a que estamos sujeitos atualmente. Quando experimentamos alguma coisa pela primeira vez, mais dados são armazenados em nossa memória, pois tudo é novidade. Isso rola, por exemplo, quando vamos pela primeira vez ao sítio de um amigo. Como não sabemos o caminho, nossos sentidos ficam mais ligados, absorvendo cada detalhe do trajeto. Nas outras vezes que voltamos lá, já conhecemos a rota e parece que ela encurtou, como se a primeira ida tivesse demorado mais.

 

O mesmo vale para a nossa vida em geral - uma vez que muitas experiências são repetição do que já vivemos antes. Outra hipótese está associada à idade de cada pessoa. Para um jovem de 12 anos, por exemplo, chegar aos 18 parece levar uma eternidade - afinal, os seis anos de diferença correspondem a metade do tempo já vivido pela pessoa. Já para alguém que está na casa dos 60 anos, os mesmos seis anos representam apenas 10% de sua vida. Por isso, em geral a sensação de que o tempo está voando fica mais forte à medida que envelhecemos. Por fim, há ainda quem afirme que, como vivemos num cotidiano cada vez mais acelerado, impulsionado pelos avanços tecnológicos, estaríamos nos distanciando de um suposto ritmo biológico natural, mais lento. Esse descompasso é que daria a impressão de que o tempo está passando mais depressa.

comentários[1]

22

ago
2014

Por que o ímã atrai o ferro?

 

www.brasilescola.com

Nos átomos, os elétrons e o núcleo encontram-se sempre em um movimento de rotação chamado spin. Se eles giram em sentidos diferentes, um movimento compensa o outro e não há magnetismo. É o que acontece na maioria dos materiais. Nos ímãs, porém, ambos giram na mesma direção e é isso que causa um campo magnético intenso. O ferro tem a mesma tendência de os átomos mais próximos uns dos outros girarem no mesmo sentido, criando também minúsculos campos magnéticos. Se ele estiver próximo de um ímã, os movimentos de rotação desses átomos passam a se direcionar no sentido do ímã (devido ao campo magnético deste) - e, dessa forma, o ferro é atraído. O mais curioso é que, se o campo magnético do ímã for bastante intenso, a orientação dos átomos do ferro permanecerá ordenada mesmo depois que o ímã for retirado. Assim, o próprio ferro passa a ter um campo magnético capaz de atrair outros objetos ferrosos.

 

Normalmente, os campos magnéticos do ferro se ordenam em pequenas regiões. Quando próximos de um ímã, todos eles se direcionam no mesmo sentido.

comentários[1]

20

ago
2014

Qual é a origem da pipoca?

 

Popcornbowl

 

Ninguém sabe ao certo, mas tudo indica que ela surgiu na América há mais de mil anos. Os primeiros europeus que chegaram ao continente descreveram a pipoca, desconhecida para eles, como um salgado à base de milho usado pelos índios tanto como alimento quanto como enfeite para o cabelo! Sementes de milho usadas para fazer pipoca foram encontradas por arqueólogos não só no Peru, como também no atual Estado de Utah, nos Estados Unidos, o que sugere que ela fazia parte da alimentação de vários povos americanos. Sabe-se, porém, que inicialmente os índios preparavam a pipoca com a espiga inteira sobre o fogo. Depois, eles passaram a colocar só os grãos sobre as brasas - até inventarem um método mais sofisticado: cozinhar o milho numa panela de barro com areia quente. O princípio é sempre o mesmo: fazer o grão de milho explodir.

 

O interior do grão está cheio de água, que, sob calor intenso, se expande até fazê-lo explodir. Popular no mundo inteiro, a pipoca contém alta quantidade de proteína, além de sais minerais importantes para a nutrição, como ferro e cálcio.

 

Fonte: Mundo Estranho

 

Obs.: Do ponto de vista nutricional, a pipoca, quando não leva muito sal e manteiga, pode ser uma fonte de alimentação com baixas calorias e rica em proteínas, ferro e fibras.

comentários[1]

19

ago
2014

O que são "direita" e "esquerda" na política?

 

ME-141_PeR-47

 

São ideologias originadas nas assembleias francesas do século 18. Nessa época, a burguesia procurava, com o apoio da população mais pobre, diminuir os poderes da nobreza e do clero. Era a primeira fase da Revolução Francesa. A Assembleia Nacional Constituinte foi montada para criar a nova Constituição, mas as camadas mais ricas não gostaram da exaltação das mais pobres, e resolveram não se misturar, sentando separadas, do lado direito. Por isso, o lado esquerdo foi associado à luta pelos direitos dos trabalhadores e o direito ao conservadorismo e às classes altas.

 

Segundo o filósofo político Noberto Bobbio, os dois lados hoje lutam por reformas, mas a esquerda busca a justiça social e a direita, a liberdade individual.

 

Fonte Livro Direita e Esquerda - Razões e Significados de uma Distinção Política, de Noberto Bobbio. Via Mundo Estranho.

comentários[2]

19

ago
2014

Conheça as reações de seu corpo após o consumo de "refri"

 

maniapauferrense.blogspot.com

 

Mais do que engordar, o refrigerante prejudica seu organismo de diversas maneiras. Fique ligada: saiba como seu corpo reage após o consumo de um copo da bebida e pense bem antes de abrir a latinha.
 
10 minutos
 
Seu organismo recebe uma carga glicêmica altíssima, que pode chegar a dez colheres (chá) de açúcar %u2014 quantidade suficiente para fazê-la ultrapassar, e muito, a recomendação diária de carboidratos.
 
20 minutos
 
Por se tratar de uma glicose de absorção rápida, o nível de glicemia aumenta repentinamente, levando o pâncreas a secretar muita insulina. Esse pico leva o fígado a transformar o açúcar em gordura.
 
45 minutos
 
Principalmente nas versões com cafeína, como o refrigerante de cola e guaraná,  ocorre o aumento da produção de dopamina, neurotransmissor que tem como função estimular o cérebro. O efeito é similar ao da heroína.
 
50 minutos
 
Para eliminar o ácido fosfórico presente na fórmula, o corpo utiliza cálcio, o que resulta em sua eliminação pela urina. "A falta do mineral aumenta consideravelmente o risco de osteoporose e osteopenia, inclusive em mulheres que não chegaram à menopausa", alerta Luciana Harfenist, nutricionista (RJ).
 
70 minutos
 
Com o fim do pico de açúcar no sangue vem a preguiça e a irritação, além da vontade de ingerir mais doces.
 
 
Fonte: Corpo a Corpo - Via Lake Villas
Texto: Redação Corpo a Corpo | Adaptação: Nathália Henrique

comentários[2]

14

ago
2014

Por que os índios não têm barba?

 

 

 

 

Calma lá! Os índios têm pêlos na cara, sim. Tá certo que são poucos, mas é possível encontrar índios de algumas tribos com bigodes e, mais raramente, alguns que usam barba. É o caso dos guatós, que vivem no Pantanal, no Mato Grosso do Sul, e hoje estão quase extintos. Mas eles são exceção. Em regra, existem três razões principais para que existam poucos índios barbados.

Acompanhe:

 

 

 

 

1. Razão cultural


A maioria dos índios raspa os pêlos do rosto ou os arranca fio a fio (ui!) simplesmente por considerar a barba um troço anti-higiênico e antiestético.

 

2. Razão genética


A população indígena que vive atualmente no continente americano tem origem em povos que habitavam o norte e o centro da Ásia. "A ausência de barba é uma característica dos índios brasileiros que bate com a herança de seus ascendentes, os grupos asiáticos, que também têm poucos pêlos", diz o antropólogo Rui Morrieta, da Universidade de São Paulo (USP).

 

3. Razão ambiental


A barba nunca foi um "acessório" essencial para os índios que se estabeleceram em regiões tropicais, como é o caso do Brasil. Os pêlos, você sabe, servem para reter calor. Se nossos índios vivessem num clima frio, provavelmente eles ostentariam barbas espessas, como os nativos dos povos de origem européia. Já no nosso Brasil-il-il, um índio tipo Tony Ramos  passaria um bruta calor. Por aqui, os povos indígenas desenvolveram um outro mecanismo para não sofrer tanto com o clima local. "Do ponto de vista adaptativo, a falta de pêlos dos índios foi compensada por um escurecimento da pele para protegê-los do Sol", afirma Rui.

 

Fonte: Mundo Estranho

Imagem: http://geografiaindigena.blogspot.com.br/

comentários[1]

13

ago
2014

13 de Agosto - Dia Internacional do Canhoto

 

Dia 13 de agosto é comemorado o Dia Internacional do Canhoto. Ainda que já não sejam tão estigmatizados pela sociedade quanto eram há alguns anos, os canhotos ainda sofrem com muita discriminação. É com o objetivo de chamar a atenção para essas atitudes que a data comemorativa foi instituída. Entretanto, a designação "internacional" representa muito mais uma intenção e um desejo do que uma realidade. A data é mais uma invenção dos britânicos em prol da "categoria". 

Como cerca de 90% da população é destra, os 10% restantes acabam enfrentando dificuldades diárias ao viverem em um mundo "direito". Essa pequena porcentagem ainda contempla aqueles que utilizam as duas mãos para realizar tarefas cotidianas, além dos canhotos, que só conseguem escrever e fazer trabalhos manuais usando a mão esquerda. Enquanto em países como o Reino Unido é possível encontrar produtos feitos para canhotos, no Brasil esses objetos são praticamente inexistentes.

Essas dificuldades enfrentadas pelos canhotos começam ainda na infância, quando alguns pais ainda obrigam seus filhos a escrever com a mão direita. Entretanto, a medicina salienta a possibilidade de ocorrência de sérios problemas de aprendizagem para casos como esses, como dificuldades de escrita, que se torna mais lenta, até problemas para ler e se expressar. Até mesmo a rotina diária de um canhoto pode se mostrar uma tarefa complexa. O canhoto terá de aprender a mudar a marcha do carro com a mão direita, e não com a esquerda, que seria seu primeiro impulso. Em casos mais graves, acidentes de trabalho em função da necessidade de adaptação a máquinas e instrumentos originalmente projetados para destros. O uso do computador também fica prejudicado, já que os números e as setas direcionais do teclado do computador estão todas no lado direito. Até maçanetas são projetadas para destros.

Mas a adaptação faz parte do vocabulário do canhoto, que tem de aprender a viver em um mundo "espelhado", que se apresenta ao avesso, impondo um universo invertido, ao contrário daquele que seu cérebro considera natural. Não que essa adaptação seja sempre difícil. Até entre os canhotos, a maioria, resignada, talvez não se dê conta do esforço. 

O Dia Internacional do Canhoto vem para celebrar as evoluções em favor dessa pequena parcela da população, como a produção de materiais específicos para uso dessas pessoas, por exemplo, ou o surgimento de grupos que reúnem esta minoria silenciosa. Ainda que a escolha do dia 13 seja por si só sinistra (outra palavra usada para designar um canhoto e que significa também funesto e pernicioso, segundo o dicionário) - já que 13 sempre foi considerado número de azar e agosto é o mês oficial do mau agouro -, isso já sinaliza um pouco dos problemas que os canhotos tiveram no passado e ainda têm em algumas culturas.

 

CANHOTOS FAMOSOS 

    Alexandre, o Grande: supõe-se que um dos maiores generais da história, que foi rei da Macedônia em 356 a.C. e estendeu seu império até a Índia, usava com maior habilidade a mão esquerda. 

Albert Einstein: físico alemão que elaborou a teoria da relatividade.

Ayrton Senna: tricampeão mundial brasileiro de Fórmula 1.

Bill Gates: dono da maior empresa de informática do planeta, a Microsoft, e um dos homens mais ricos do mundo.

Fidel Castro: líder revolucionário e estadista cubano.

Kurt Cobain: ídolo de toda uma geração, comandou a banda americana Nirvana nos anos 90.

Leonardo DaVinci: o gênio italiano usava com desenvoltura tanto a mão esquerda quando a direita, mas ficou famoso por escrever "ao contrário", da direita para a esquerda, para que seus escritos só pudessem ser lidos refletidos no espelho.

Ludwig Van Beethoven: compositor de obras famosas como a Nona Sinfonia.

Machado de Assis: escritor brasileiro de obras como Dom Casmurro, fundador e primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras.

Mahatma Gandhi: líder nacionalista indiano.

Napoleão Bonaparte: imperador francês.

Paul McCartney: baixista dos Beatles.

 

Fonte: PortoWeb

comentários[1]

Clima Tempo