Portal da Educao Adventista

*Professor Genivaldo *

24

abr
2016

Há 509 anos, surgiu o nome do continente americano

 

Em 24 de abril de 1507 pouca gente prestou atenção à impressão em Saint-Dié de um documento de cartografia. Era um comentário anexado a um grande mapa-múndi intitulado Universalis Cosmographiæ e desenhado pelo monge geógrafo Martin Waldseemüller.



Quinze anos depois que Cristóvão Colombo pôs os pés numa ilha das Antilhas, este documento com tiragem de mil exemplares iria revolucionar a percepção que os homens tinham de seu planeta mostrando as terras descobertas pelo navegador genovês e que constituíam um Novo Mundo e não apenas um apêndice da Ásia. Por uma singular injustiça do destino, esse Novo Mundo assumiria o prenome de um garrido florentino sem maiores méritos.



Wikicommons
O comentário estava dividido em duas partes. A primeira descrevia o projeto de uma nova geografia. A segunda transcrevia em latim a carta pela qual o navegador florentino Américo Vespúcio narrava suas viagens. No capítulo IX da Introdução à Cosmografia, pode-se ler em latim a ata de batismo de um novo continente: "Hoje essas partes da Terra - Europa, Ásia e África - foram mais completamente exploradas e uma quarta parte foi descoberta por Américo Vespúcio como veremos adiante. E como a Europa e a Ásia receberam nomes de mulheres, não vejo nenhuma razão para não chamar essa outra parte de América, ou seja, terra de Américo, segundo o homem sagaz que a descobriu. Poderemos nos informar exatamente sobre a localização dessa terra e sobre os costumes de seus habitantes pelas quatro viagens de Américo que seguem."

Numa das margens estava impressa pela primeira vez a palavra América, fadada a um imenso destino.



Em junho de 1498, depois de Colombo e de alguns outros navegadores como o espanhol Alonzo de Ojeda, uma esquadra explora o Oceano Atlântico por conta do rei Ferdinando de Aragão, acostando na Florida, entre a baía de Chesapeake e o atual cabo Canaveral.



A esquadra é comandada por Juan Diaz de Solis e por Vincent Pinzon, quem comandara a Niña quando da primeira viagem de Colombo. A seu lado figurava um homem de 46 anos, filho de uma rica família de Florença, Américo Vespúcio.



A família de Américo era ligada aos Médicis que governavam a República de Florença. O navegador teve o cuidado de enviar cartas e documentos a Lorenzo di Medici a fim de informá-lo de suas viagens e de se dar valor.



Sua carta, judiciosamente intitulada de "Mondus Novus", é um relato em italiano destinado a leitores cultos mas que não conheciam técnicas de navegação. Granjeou bastante sucesso, especialmente porque contava histórias sobre a vida sexual dos indígenas.



Traduzido em vários idiomas, circulou a partir de 1503 pela Europa. Numa versão latina pôde-se ler: "A fim que as pessoas instruídas possam ver como coisas prodigiosas foram percebidas durante esses dias".



Martin Waldseemüller, que se fez chamar de "Hylacomylus", toma conhecimento, no mesmo ano, da carta de Américo. O cartógrafo tratou de atualizar seus mapas e explicou por quê as novas terras deveriam ser nomeadas segundo os seus descobridores.

 

Américo Vespúcio nasceu em Florença em 9 de maio de 1452 numa família bastante rica. Terceiro filho de Nastagio e Lisa Vespúcio, estudou Platão, Virgílio, Dante e Petrarca mas se destinou ao comércio. Por volta de 1491, foi enviado a Sevilha como agente dos Medici, o que lhe permitiu entrar em contato com o banqueiro Gianetto Berardi, financiador de diversas expedições marítimas espanholas.


Vespúcio encontra-se com Colombo na casa de Berardi e se interessa pela navegação, a cartografia e a cosmografia. Participa do afretamento das frotas de Colombo e não tarda ele mesmo a buscar o mar. Depois da Flórida, o Brasil. Morreu em 1512.


Em 1513, seis anos após a primeira publicação de um mapa indicando a existência de um Novo Mundo, Martin Waldseemüller publica uma atualização pelo editor Jean Schott, de Estrasburgo.



Curiosamente, sobre esta nova carta conservada pela Biblioteca Nacional e Universitária de Estrasburgo, o nome "América" é substituído por "Terra Incógnita" e somente o nome de Colombo é mencionado. Todavia, já era muito tarde para modificar a prática nascida da publicação de 1507.



Em 1538, o cartógrafo flamengo Mercator retoma o nome "América" em um de seus mapas. O Novo Mundo seria batizado a partir de então e para a eternidade como América.

 

Fonte:

Opera Mundi

comentários[0]

22

abr
2016

Por que ficamos fracos qdo rimos e fortes qdo temos raiva?

 

Por causa da endorfina e da adrenalina, substâncias liberadas em momentos de relaxamento e tensão, respectivamente.

 

A endorfina é um neurotransmissor que funciona como uma espécie de "analgésico natural", relaxando a musculatura. É uma herança evolutiva: servia para evitar desgaste físico e queima de energia nas horas de sossego. A adrenalina também foi importante na preservação da espécie: ela é o hormônio liberado nas situações de perigo. "Ela tonifica o músculo e prepara o indivíduo para lutar ou correr", explica o fisiologista Turíbio Leite de Barros Neto, da Unifesp. Compare abaixo como essas duas substâncias agem.

 

ADRENALINA


O que é? Hormônio.

 

Onde é produzida? Nas glândulas suprarrenais, acima dos rins.

 

Quando é liberada? Em situações de alerta ou estresse, como ser abordado na rua por um assaltante, pular de paraquedas ou vendo algum episódio de Demolidor.

 

Qual o seu efeito? Aumento da frequência de batimentos cardíacos e da circulação sanguínea, tonificação dos músculos, dilatação da pupila e aceleração da respiração.

 

Quanto tempo dura? É proporcional à duração do evento que provocou sua descarga. Ou seja: é mais breve em um susto curto (como quase ser atropelado) e mais duradouro em uma ameaça longa (como um assalto).

 

ENDORFINA


O que é? Neurotransmissor.

 

Onde é produzida? Na glândula hipófise, na base do cérebro.

 

Quando é liberada? Em situações que despertam algum tipo de relaxamento ou bem-estar, como durante uma transa, uma gargalhada... ou um episódio de Demolidor, oras! (Exercícios também liberam endorfina. Estudos indicam que é ela quem causa a euforia experimentada por maratonistas e corredores durante as provas).

 

Qual o seu efeito? Euforia e prazer, relaxamento muscular, alívio da dor, redução do estresse e melhora no humor.

 

Quanto tempo dura? Em média, o efeito no organismo dura em torno de 20 minutos. Mas esse tempo também pode ser proporcional ao da atividade que desengatilhou sua liberação.

 

Fonte: Mundo Estranho

comentários[0]

22

abr
2016

9 aranhas bizarras (e maravilhosas)

 

Existem mais de 45.000 espécies conhecidas de aranhas no mundo, habitando todos os continentes, exceto a Antártida.

A maioria tem quatro pares de olhos e oito pernas, o que as tornam fáceis de detectar. Mas, como você provavelmente sabe, esses animais não são todos iguais. Aranhas vêm em várias formas e tamanhos, e muitas têm características incomuns que as distinguem do resto. Como:

 

Aranhas que se alimentam de morcegos

aranhas bizarras 1

Normalmente, aranhas gostam de comer moscas. Existem poucas espécies que preferem uma refeição mais pesada – como as que se alimentam de morcegos. Tais aranhas podem ser encontradas em todo o mundo, mas cerca de 90% delas vivem em climas mais quentes. Uma assassina de morcegos comum é a Nephila pilipes (conhecida como aranha tecedeira-de-seda-dourada), que pega regularmente essas presas em sua teia. Ela pode ser encontrada em muitos países, incluindo Austrália, Japão e Índia. As fêmeas desta espécie podem chegar a 20 centímetros de comprimento e são muito maiores do que os machos.

 

Aranha do peso de um filhote de cachorro

aranhas bizarras 2

A criatura que se acredita ser a maior aranha do mundo é a aranha-golias-comedora-de-pássaros (Theraphosa blondi), da Guiana. O bicho pode chegar a cerca de 30 cm, ou o tamanho do antebraço de uma criança, e pode pesar aproximadamente o mesmo que um filhote de cachorro. Você provavelmente iria ouvir este monstro chegando, já que pesquisadores descreveram o estalo de suas pernas como fazendo um barulho semelhante a “cascos de cavalo batendo no chão”. E, se você ouvir isso, é melhor correr, porque suas presas de 2 cm podem dar uma mordida desagradável. Apesar do nome, essas aranhas normalmente não se alimentam de pássaros, mas certamente são capazes disso, além de atacarem basicamente qualquer coisa que encontram.

 

50 tons de aranha

aranhas bizarras 3

As aranhas-de-jardim têm um método de acasalamento pouco convencional, que poderia rivalizar com as aventuras descritas no best-seller “50 tons de cinza”. Os machos dessas espécies (são 355) costumam “amarrar” as pernas da fêmea com seda antes e durante o encontro. Os cientistas pensam que esta poderia ser uma tática de sobrevivência, porque as fêmeas gostam de fazer um lanche depois da hora H, e, infelizmente, os machos são muitas vezes a refeição mais próxima no momento.

 

Aranha Drácula

aranhas bizarras 4

A aranha-teia-de-funil (Atrax sutherlandi) da Austrália tem presas vermelhas que lhes valeram o apelido de “Drácula”, mas essas criaturas se alimentam principalmente de insetos. Elas podem, no entanto, mordê-lo se você chegar muito perto. Estes animais tímidos possuem cerca de 5 cm de comprimento e são notoriamente difíceis de capturar porque passam todo o tempo em tocas subterrâneas, o que significa que sua gama de cores não é bem documentada.

 

Aranhas fashionistas

aranhas bizarras 5

aranhas bizarras 5-

Em 2015, duas novas espécies de aranhas pavão foram descobertas na Austrália. Se houvesse um concurso de moda entre esses animais, elas ganhariam. Encontradas no sudeste de Queensland por uma estudante na Universidade de Califórnia (EUA), uma foi nomeada “Skeletorus” por causa de suas listras preto e branco, que lhe dão uma aparência semelhante a um esqueleto, enquanto a outra foi chamada de “Sparklemuffin”, com suas listras azuladas e avermelhadas na barriga. Aranhas como estas fazem danças de acasalamento características, durante as quais elevam suas pernas e exibem uma parte do seu corpo chamada fã.

 

Aranhas vegetarianas

aranhas bizarras 6

Algumas aranhas gostam de ser saudáveis e comer vegetais como parte de sua dieta. Um estudo de 2016 descobriu que cerca de 60% dos casos relatados de aranhas comendo verde vieram de membros da família Salticidae (as aranhas-saltadoras). Os pesquisadores acreditam que devorar vegetais torna os animais mais resistentes em períodos de escassez de alimentos. Em cerca de 75% dos episódios, as aranhas foram vistas comendo néctar, que pode acabar melando todo seu corpo. Duas espécies (Myrmarachne foenisex e Myrmarachne melanotarsum) foram vistas “ordenhando” melado de insetos.

 

Aranhas mergulhadoras

aranhas bizarras 7

Aranhas-de-água (Argyroneta aquatica) podem usar bolhas de ar para respirar debaixo d’água, como se fossem mini tanques de mergulho. Esses animais são minúsculos, medindo apenas 10 a 15 milímetros de comprimento, de forma que uma bolha pode fornecer mais de um dia de ar para eles. Cientistas alemães imitaram condições extremas de baixo oxigênio em um laboratório e observaram as criaturas construindo teias pelo aquário, e depois recolhendo grandes bolhas de ar em suas pernas, abdomes e traseiros.

 

Disfarce perfeito

aranhas bizarras 8

Muitos animais têm formas interessantes de se camuflar e se esconder de predadores, mas aranhas Cyclosa ginnaga são verdadeiras mestras nesta arte. Seus corpos prateados e suas teias com decorações em tons brancos (feitas de carcaças de presas, cascas de ovos, matéria vegetal ou seda) fazem com que elas pareçam excrementos de pássaros. Algo não exatamente apetitoso, de forma que ninguém presta atenção nelas.

 

Aranha Viagra

aranhas bizarras 9

Há uma aranha cuja picada oferece muito mais do que apenas dor. A armadeira, também chamada de aranha-da-banana (Phoneutria nigriventer), tem veneno que pode estimular uma ereção em homens que dura horas. Pacientes infelizes experimentaram um aumento global na pressão sanguínea e um aumento nas quantidades de óxido nítrico no corpo, o que leva a tal ereção demorada. Embora não seja confortável para o pobre mordido, estas aranhas poderiam fornecer informações valiosas e possíveis avanços para a pesquisa sobre disfunção eréctil.

Fonte: [LiveScience] Via Hyspciense

comentários[0]

Clima Tempo