Portal da Educao Adventista

*Professor Genivaldo *

30

abr
2012

Bicicleta: saúde sobre duas rodas

 

 

A discussão sobre o uso da bicicleta como meio de transporte tem ganhado corpo nos últimos tempos. A opção é benéfica para o meio ambiente - pois não produz os gases resultantes da queima do combustível - e para a malha urbana, que sofre com o aumento no número de carros nas ruas e avenidas. Mas além de uma opção ao transporte motorizado, o uso da bicicleta promove benefícios para a saúde e pode ajudar a promover mudanças no estilo de vida sedentário.
 
"Andar de bicicleta beneficia o sistema cardiovascular e respiratório, disto ninguém tem dúvida. Entretanto é bom lembrar os outros ganhos com este tipo de exercício: o uso da bicicleta para movimentar o corpo trabalha toda a musculatura inferior do corpo", explica Giulliano Esperança, personal trainer e wellness manager.
 
"Mas ao contrário da corrida onde há o impacto no solo", completa o especialista, "o ciclista acaba mais protegido quanto aos possíveis problemas que possam comprometer sua estrutura músculo-esquelética. O trabalho de força utilizado e os movimentos mecânicos usados para movimentar a bicicleta também favorece a produção do líquido sinovial e, consequentemente, favorece as estruturas ósseas e uma articulação mais saudável".
Além de todos estes benefícios há também, claro, a questão do aumento do gasto energético, o que favorece o emagrecimento. "As variações feitas "indoor", como o spinning - que é uma variação dos exercícios feitos com bicicleta - é popularmente conhecido por ser muito efetivo para essa perda ou controle do peso. E a mesma força pode ser feita em uma bicicleta normal, com variações de marchas e em um ambiente ao ar livre", explica Giulliano.
 
Bicicleta também na terceira idade
 
Para as pessoa mais velhas o uso da "bike" ajuda também no treino e melhoria do equilíbrio que, com a idade, tende a ficar comprometido. Caso o ciclista já tenha uma idade mais avançada e tenha preocupações quanto à quedas, o uso das bicicletas ergométricas dentro das academias também é uma opção.
 
"Normalmente este público opta por exercícios feitos dentro d'água, pois há uma grande segurança e menor risco de queda. Mas os exercícios como a hidroginástica, é bom lembrar, são menos intensos também. A bicicleta - mesmo as ergométricas - trazem maiores benefícios para o músculo", diz Esperança.
 
No caso dos ossos, os exercícios feitos nas bicicletas - tradicionas ou ergométricas - aumentam o processo de depósito de cálcio das estruturas ósseas. Para os idosos isto é imprescindível, dado a degradação natural dessas estruturas.
 
Boas memórias e bem estar
 
A bicicleta também tem um motivador a mais em comparação a outros tipos de atividades físicas: as boas memórias que a maioria das pessoas que tiveram uma bicicleta na infância não apagam jamais. E esta pode ser uma ótima maneira de começar um novo ciclo, trazendo a família para passeios nos finais de semana e na criação de novas memórias afetivas - ligadas a uma atividade saudável - nos filhos.
 
"Algumas pessoas não fazem exercícios físicos porque não têm uma memória positiva na infância associadas à eles. Muitas vezes até mesmo o inverso, há memórias negativas. Criar momentos de prazer associado a uma atividade como essa é importante para que as crianças levem um hábito saudável por toda a vida. O presente mais importante que se pode dar a uma criança é um momento para se lembrar por toda a vida. Associado a uma melhora na saúde, então, é um presente perfeito como poucos", aponta Giulliano.
 
Os passeios de bicicleta em grupos também são uma forma bastante saudável de se socializar com pessoas próximas ou mesmo desconhecidos. Exemplo disso são os grupos formados em diversas cidades para andar de bicicleta durante a noite (os chamados "night bikers").
 
"A bicicleta é um brinquedo - é assim que as crianças aprendem a chamá-la - que promove a atividade física (feita sem compromisso) e que, com o passar do tempo, pode se tornar um exercício físico vigoroso, mas nunca deixando de ser divertido", afirma o personal trainner.
 
Giulliano lembra ainda que é preciso também estar atento aos ajustes da bicicleta, para evitar dores e um mal posicionamento sobre a "bike". 
Fonte: LV
 

comentários[0]

30

abr
2012

Biólogos descobrem 24 espécies d lagarto,que estão ameaçadas

 

Animais da família 'Scincidae' são nativos do Caribe.


Predador reduz a população dos lagartos desde o século 19.

 
                          Tipo de lagarto nativo da Jamaica (Foto: Joseph Burgess, Penn State University)
             Tipo de lagarto nativo da Jamaica (Foto: Joseph Burgess, Penn State University)

Um estudo publicado nesta segunda-feira (30) descreve 24 espécies ainda desconhecidas de lagarto que vivem na região do Caribe. Ao mesmo tempo em que entram nas páginas da "Zootaxa", revista científica que traz a novidade, as espécies já vão para a lista vermelha de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

 

Os lagartos recém-descobertos são todos da família Scincidae. Embora sejam semelhantes aos lagartos comuns, eles possuem características próprias. Alguns destes lagartos, em vez de pôr ovos, geram os filhotes dentro do ventre.

 

Blair Hegdes, pesquisador da Universidade da Pensilvânia e autor do estudo, acredita que esta peculiaridade esteja entre os fatores que colocaram em risco a existência destes animais. As fêmeas grávidas são mais lentas e vulneráveis aos predadores.

 

O principal predador dos lagartos é o mangusto, um mamífero carnívoro de pequeno porte. Os colonizadores levaram este animal da Índia para a região no século 19 para controlar o aumento da população de ratos, que tinham se tornado uma praga para as plantações de cana.

Além de atacar os ratos, os mangustos rapidamente incluíram os lagartos na dieta. A população dos répteis é muito pequena desde o início do século passado, por isso levou tanto tempo até que cientistas os descobrissem.

 

Os lagartos têm pequenas diferenças entre si que justificam a separação em tantas espécies. Desde o século 19, não havia na ciência a descrição de mais de 20 espécies de répteis de uma só vez.

Tipo de lagarto nativo de Antigua (Foto: Karl Questel, Penn State University)
Tipo de lagarto nativo de Antigua (Foto: Karl Questel, Penn State University)
Fonte: G1

comentários[0]

30

abr
2012

Família usava bomba como ferrinho p segurar porta há 15 anos

 

 
Família usava bomba como 'ferrinho para segurar porta' em MS (Foto: Gabriela Pavão/G1 MS)Artefato era manuseado pela família residente no Jardim Carioca (Foto: Gabriela Pavão/G1 MS)

 

A doméstica Jerusa Pereira dos Santos, de 40 anos, guarda em casa há 15 anos um projétil de artefato bélico encontrado enterrado no quintal. No sábado (28), a dona de casa descobriu que o era uma bomba e que representa riscos à família depois que um objeto semelhante foi encontrado em um canteiro de obras na mesma rua, no Jardim Carioca, em Campo Grande.

 

Nessa segunda-feira (30), policiais militares da Companhia de Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais (Cigcoe), devem ir até a casa retirar a bomba.

"A gente nem imaginou que pudesse ser uma bomba, e eu só guardei porque era diferente. Eu usava o 'ferrinho' pra segurar a porta; toda vez que alguém tirava ele do lugar, eu perguntava onde estava meu ferrinho",  disse Jerusa ao G1.

 

Há 4 meses, o irmão dela chegou a comentar que o "ferrinho" parecia uma bala e que deveria entregar para um museu. "Eu nem levei a sério".

 

A descoberta aconteceu depois que a polícia foi acionada para retirar um artefato explosivo de uma obra próxima, no sábado (28). A filha de Jerusa, de 10 anos, viu a bomba. "Ela voltou para casa desesperada, porque o objeto era igual ao que a gente tinha guardado".  A polícia soube da existência desse outro artefato e irá retirá-lo da casa hoje.

 

                             Família usava bomba como 'ferrinho para segurar porta' em MS (Foto: Gabriela Pavão/G1 MS)
               Artefato foi encontrado na fossa da casa (Foto: Gabriela Pavão/G1 MS)

O projétil na casa de Jerusa foi descoberto em 1997, quando cavaram uma fossa no quintal da casa. Na época, o marido da doméstica achou estranho o objeto, mas ele virou um 'souvenir' prático da família. As filhas da dona de casa usaram várias vezes o projétil para amassar latinhas. As meninas levantavam a bomba e usavam a base como martelo. "Ele [o artefato] era usado dentro de casa, no quintal, ficava no sol, segurava o portão e nunca aconteceu nada", comenta.

 

Depois da descoberta de sábado, o projétil saiu do portão da casa e foi deixado no quintal, por receio de que algo acontecesse.

 

Análise


Depois de avaliar as fotos feitas pelo G1, o major Marcos Paulo Gimenez, comandante da Cigcoe, disse que o objeto encontrado na casa de Jerusa é muito semelhante ao destruído no canteiro de obras no sábado.

                      Família usava bomba como 'ferrinho para segurar porta' em MS (Foto: Gabriela Pavão/G1 MS)

      Parte de bomba destruída em canteiro de obras (Foto: Gabriela Pavão/G1 MS)

O projétil destruído no canteiro de obras, segundo Gimenez, provavelmente era utilizado entre as décadas de 1910 e 1920. O sargento Tárcio Pimentel, técnico em bombas e explosivos da Cigcoe, disse que o exemplar destruído estava ativo. "Quando nós demos um choque com carga de explosivo reduzida o artefato explodiu e se fragmentou", explicou. Parte do material foi recolhido para análise.

 

Pimentel explicou que não é possível identificar o tipo de explosivo, a origem do artefato ou há quanto tempo estava no canteiro de obras. "Só uma análise e um estudo detalhado podem definir as características do artefato", conclui.

 

A Polícia Militar orienta que se alguém encontrar um objeto suspeito de bomba deve isolar a área e acionar o 190. As pessoas devem manter distância do material até chegada da polícia.

 

A assessoria do Comando Militar do Oeste (CMO) informou que vai procurar a família que encontrou o artefato e analisar se há necessidade de detonar ou não o explosivo. A assessoria não informou que o bairro onde o projétil foi encontrado era usada como área de treinamento militar.

 

Fonte: G1

comentários[0]

30

abr
2012

Qual é a empresa mais antiga ainda em atividade?

 

neve-frio-inverno-gelo

 

É o hotel Nisiyama onsen Keiunkan, um spa de águas termais em Hayakawa, Japão, fundado em 705. Ao longo de 13 séculos, o empreendimento já teve 52 proprietários. Além dos anos de tradição, os atrativos do hotel são as cerimônias de chá, as termas medicinais e os quartos em meio às montanhas. E esse tipo de negócio não é nada incomum na Terra do Sol Nascente: o segundo e terceiro lugares no ranking das mais antigas também são ocupados por hotéis nipônicos. Além disso, dentre as 11 empresas no mundo com mais de mil anos de operação, sete são japonesas, operando nos ramos de hotelaria, fabricação de sacos de papel, artigos religiosos e construção.

 

No Brasil, a mais antiga é a Casa da Moeda, que, em 1694, começou a cunhar moedas com o ouro das minerações e até hoje fabrica o dinheiro do país. Levando em conta apenas corporaçõees privadas, porém, a campeã é a Ypióca, que, em sua quarta geração familiar, já produziu 165 anos de cachaça.

 

Fonte: Mundo Estranho

comentários[1]

30

abr
2012

Dia primeiro de maio é feriado, saiba por que

 

Comemorado no dia 1º de maio, o Dia do Trabalho ou Dia do Trabalhador é uma data comemorativa usada para celebrar as conquistas dos trabalhadores ao longo da história. Nessa mesma data, em 1886, ocorreu uma grande manifestação de trabalhadores na cidade americana de Chicago.



Milhares de trabalhadores protestavam contra as condições desumanas de trabalho e a enorme carga horária pela qual eram submetidos (13 horas diárias). A greve paralisou os Estados Unidos. No dia 3 de maio, houve vários confrontos dos manifestantes com a polícia. No dia seguinte, esses confrontos se intensificaram, resultando na morte de diversos manifestantes. As manifestações e os protestos realizados pelos trabalhadores ficaram conhecidos como a Revolta de Haymarket.



Em 20 de junho de 1889, em Paris, a central sindical chamada Segunda Internacional instituiu o mesmo dia das manifestações como data máxima dos trabalhadores organizados, para, assim, lutar pelas 8 horas de trabalho diário. Em 23 de abril de 1919, o senado francês ratificou a jornada de trabalho de 8 horas e proclamou o dia 1° de maio como feriado nacional.



Após a França estabelecer o Dia do Trabalho, a Rússia foi o primeiro país a adotar a data comemorativa, em 1920. No Brasil, a data foi consolidada em 1924 no governo de Artur Bernardes. Além disso, a partir do governo de Getúlio Vargas, as principais medidas de benefício ao trabalhador passaram a ser anunciadas nessa data. Atualmente, inúmeros países adotam o dia 1° de maio como o Dia do Trabalho, sendo considerado feriado em muitos deles.

 

Fonte: Brasil Escola

 

Aproveitem bem o feriado.

comentários[0]

28

abr
2012

O criacionismo é cada vez mais hostilizado

 

Depois de ouvir o comentário distorcido do doutor em Educação Daniel Medeiros, sobre o criacionismo, na CBN Curitiba (clique aqui para ouvir a entrevista), deu para se ter uma noção do que acontecerá daqui para frente. Em suas pesquisas a respeito do poder norte-americano no planeta ao longo da história, o doutor Vanderlei Dorneles coloca os rotulados "fundamentalistas pacíficos" (entre estes, os adventistas) como a bola da vez depois do enfraquecimento dos "fundamentalistas violentos".
Medeiros confunde concessão de emissoras com o direito de uma denominação religiosa ser autorizada a abrir uma escola com pedagogia própria. Ele aproveita essa distorção para defender, equivocadamente, a laicidade do Estado. Duvido que ele algum dia tenha se manifestado contra os feriados de natureza religiosa! Duvido que ele tenha protestado contra o acordo assinado pelo ex-presidente Lula com o Vaticano para implantar aulas de religião dogmática nas escolas públicas! A deturpação venal de Medeiros é tão gritante que ele acusa os criacionistas de se aproveitarem das "brechas no evolucionismo" para declará-lo sem fundamento.
Se ele tem o direito de atacar o criacionismo como um mito, então os criacionistas também têm o direito de considerar o evolucionismo tal qual eles acreditam: uma teoria, simplesmente isso, apenas teoria, não totalmente comprovada e, no que diz respeito à macroevolução e ao fator metafísico do modelo - ou seja, o naturalismo filosófico -, tão mitológica quanto a visão que eles têm de qualquer religião. Como Medeiros consideraria a confissão pública do doutor Muniz Sodré, da UFRJ, como membro do candomblé?
(clique aqui para ouvir a entrevista)

comentários[1]

27

abr
2012

Saiba como vive, como trabalha a maior comunidade Amish

 

Um povo que em pleno século 21 vive sem eletricidade, celular e televisão. Conheça quem são os Amish, uma cultura que mantém os mesmos costumes há mais de 400 anos. Nossa equipe foi a Lancaster, Pensilvânia (EUA) conhecer de perto uma comunidade que sobrevive à modernidade. Saiba como vive, como se relaciona, como trabalha a maior comunidade Amish dos Estados Unidos.

 

comentários[0]

27

abr
2012

Câncer de intestino está ligado à ingestão de carne vermelha

 

O consumo excessivo de carne vermelha é apontado como fator de risco para vários tumores, mas no caso do câncer de intestino grosso, que já é um dos mais frequentes entre os paulistanos, essa relação se torna mais evidente. É o que mostra uma revisão de seis estudos científicos que será apresentada em junho no congresso da Sociedade Americana de Câncer, nos EUA, sob o comando de Alexandra Paola Zandonai, especialista em enfermagem oncológica pela Universidade de São Paulo (USP).

 

Em seu trabalho, a profissional observou que a ingestão diária de carne bovina ou suína, independentemente do tamanho da porção, aumentou em até 35% o risco de desenvolver câncer de intestino grosso, ou colorretal, porcentual que sobe para 49% no caso dos embutidos - entre eles salame, salsicha e até peito de peru. Uma solução apontada por ela para amenizar o problema é substituir a carne vermelha pela branca. "Os peixes, principalmente, são ricos em ácidos graxos, benéficos ao corpo".

 

Os resultados do trabalho podem ajudar a esclarecer os principais fatores ligados a esse tipo de câncer, pouco explorado em campanhas públicas e cada vez mais comum em locais desenvolvidos. "É a segunda neoplasia com maior incidência no Sudeste e a terceira no país", frisa o oncologista Samuel Aguiar Júnior, diretor do Núcleo de Tumores Colorretais do Hospital A. C. Camargo.

 

Entre as paulistanas, esse tipo de tumor só não é mais frequente que o de mama. Nos homens da capital a doença também aparece em segundo lugar, depois do câncer de próstata. O Instituto Nacional do Câncer (Inca) exclui dessa lista os tumores de pele do tipo melanoma. Os dados do órgão apontam ainda que a incidência do tumor no Estado mudou na última década. Entre os homens paulistas, a taxa de casos novos esperados por 100 mil habitantes passou de 10,5, em 2000, para 26 neste ano. Para as mulheres, nesses mesmos anos, a estimativa de novos diagnósticos foi de 15,4 para 25,6. Além disso, a taxa de mortalidade por neoplasias colorretais também tem crescido.

 

As informações são do Jornal da Tarde. Via Novo Tempo

Fonte: http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/estado/2012/04/23/ligado-a-ingestao-de-carne-cancer-de-intestino-avanca.htm

 

comentários[0]

27

abr
2012

Holandeses vendem restos de comida para driblar crise

 

AMSTERDÃ - Durante o auge da crise financeira internacional, a Holanda parecia estar lidando relativamente bem com as ondas de problemas econômicos.

 

Mas, agora, depois da queda do governo do primeiro-ministro Mark Rutte por discordâncias sobre cortes no orçamento, os sinais dos efeitos da crise ficam cada vez mais claros no país.

 

Muitos holandeses vêm usando soluções criativas para driblar a crise, como vender o que sobra da comida feita em casa ou frequentar bares onde se pode levar a própria refeição.

 

Outros recorrem a doações de alimentos. Fome não é um conceito geralmente associado a países ricos europeus, mas a economia holandesa está em recessão e o índice de desemprego chegou a 6%, o índice mais alto em seis anos.

 

Uma em cada seis famílias tem dificuldades em pagar a conta do supermercado.

 

Em Amsterdã, uma das soluções é se juntar às filas em frente a um dos cinco "bancos de alimentos" da cidade, onde voluntários organizam doações para quem precisa.

 

"Recebemos cerca de 1,3 mil famílias por semana aqui. A demanda vinha crescendo já havia algum tempo, mas agora vemos um aumento mais acentuado", disse à BBC Piet van Diepen, do Banco de Alimentos de Amsterdã.

 

"Estamos vendo os efeitos da crise. Essas pessoas estão sem emprego, têm pouco dinheiro e muitas dívidas. O governo está diminuindo os benefícios também, então as pessoas precisam vir aqui", diz ele, acrescentando que, hoje, 60 mil pessoas em toda a Holanda dependem dessas doações.

 

Uma das primeiras da fila é Petra, que diz que os 40 euros (R$ 100) por semana que recebe do governo não são suficientes para alimentar a família. Segundo ela, sem as doações, ela seria forçada a roubar.

 

"Há muita pobreza na Holanda, mas ela está escondida, ninguém sabe."

 

Microondas no bar



Não muito longe dali, o badalado Basis Bar está lotado de pessoas determinadas a não deixar a crise atrapalhar sua vida social. No bar, os clientes trazem sua própria comida, que é aquecida pelos funcionários de graça. Só é preciso pagar pelas bebidas.

 

"É muito caro sair e comer fora, mas aqui é ótimo porque você não precisa gastar muito. Essa salada custa cinco euros (R$ 12) do outro lado da rua, mas em um restaurante normal, seria algo entre 10 e 15 euros (R$ 25 e R$ 37)", diz Sophie, que além da salada, levou também uma pizza de muçarela e rúcula, que está no microondas do Basis Bar.

 

O dono do Basis (que quer dizer Básico, em holandês) diz que não pensou em se beneficiar da crise quando criou o local, mas admite que vem notando um aumento no movimento recentemente.

 

"Temos pessoas que trazem sopa de casa. Basta colocar umas baguetes no forno e você pode ter uma noite agradável sem gastar muito", diz Michiel Zwart.

 

E os funcionários ainda lavam sua louça e reciclam as embalagens.

 

Culinária contra a crise


Do outro lado da cidade, Denise Dulcic, de 32 anos, nem cogita a possibilidade de comer fora.

 

Quando o governo cortou os gastos com educação para crianças com necessidades especiais, ela perdeu seu emprego como psicóloga infantil e ainda não conseguiu achar outro trabalho na área.

 

"Agora, cozinho para sobreviver. Eu tenho qualificações, mas não há mais empregos", diz ela, que decidiu fazer parte de um programa chamado "Mesa para Dois", em que as pessoas preparam sua própria comida e vendem as sobras.

 

Além disso, ela criou um negócio que combina culinária e terapia.

 

"É difícil conseguir pagar meu aluguel, que é muito alto. Cozinhar é minha paixão, mas eu estou fazendo isso porque é a única maneira de sobreviver."

 

Com os políticos holandeses em uma difícil negociação para cortar mais 9 bilhões de euros (R$ 22 bilhões) do orçamento, cada vez mais pessoas no país vão ter de lutar para evitar ter suas vidas completamente transformadas pela crise.

 

Fonte: BBC Brasil - Via Novo Tempo

comentários[0]

27

abr
2012

IBGE: 24% da população têm algum tipo de deficiência

 

O Brasil tem 45,6 milhões de pessoas com deficiência, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dos cerca de 190 milhões de brasileiros, aqueles com pelo menos uma deficiência, seja visual, auditiva, motora ou mental, somam 23,9%.

 

De acordo com pesquisa divulgada hoje (27) detalhando os resultados do Censo 2010, a deficiência mais frequente entre a população brasileira é a visual. Cerca de 35 milhões de pessoas (18,8%) declararam ter dificuldade de enxergar, mesmo com óculos ou lentes de contato.

 

O IBGE destaca que a Região Nordeste registra os maiores níveis para todas as deficiências. Já a Região Sul apresentou o menor percentual de pessoas com deficiência visual, a Centro-Oeste, a menor taxa de deficiência auditiva e motora, e a Região Norte, tem menos deficientes mentais.

 

Na comparação entre os estados, apresentam maiores níveis de população com alguma deficiência o Rio Grande do Norte e a Paraíba. As menores incidências são em Roraima e Santa Catarina.

 

Fonte: Tribuna

comentários[0]

25

abr
2012

Observatório registra "aglomerado dentro de aglomerado"

 

Astrônomos querem entender estranha estrutura que existe no aglomerado. Foto: ESO/Divulgação

Astrônomos querem entender estranha estrutura que existe no aglomerado
Foto: ESO/Divulgação

 
 

O Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês) divulgou nesta quarta-feira uma nova imagem feita pelo telescópio MPG/ESO de 2,2 m que mostra o aglomerado estelar NGC 6604 (no canto superior esquerdo). Junto ao grupo de estrelas, aparece a nebulosa Sh2-54 e nuvens de poeira.

 

NGC 6604 é, na verdade, a parte mais densa de uma associação de estrelas mais dispersa. Esse "aglomerado dentro de outro aglomerado" contém cerca de 100 azuis-esbranquiçadas. O grupo está a cerca de 5,5 mil anos-luz de distância, na constelação de Serpente.

 

As jovens e quentes estrelas azuis ajudam com seus fortes ventos e intensa radiação a formar uma nova geração, que acabará por substituir a antiga - apesar de serem mais brilhantes e terem mais massa, as azuis consomem seu combustível mais rapidamente.

 

Contudo, não é por causa da beleza da região que os astrônomos a registraram. Os pesquisadores querem entender colunas de gás quente ionizado que foram encontradas canalizando material para fora de aglomerados de estrelas jovens em diversos pontos da Via Láctea e outras galáxias espirais. Há uma dessas colunas em NGC 6604 e a proximidade da Terra ajuda no estudo dela.

 

Esta coluna tem cerca de 650 anos-luz e os astrônomos acreditam que as estrelas quentes do aglomerado são responsáveis por sua formação, mas ainda precisam estudar mais para entender essas estranhas estruturas.

 

Fonte: Terra

comentários[1]

25

abr
2012

Empresa que vai explorar espaço é lançada nos EUA

 

Eric Schmidt e Larry Page, executivos do Google, e o cineasta James Cameron estão entre os investidores de uma companhia que pretende pesquisar e no futuro extrair metais preciosos e minérios raros de asteroides em órbita próxima à da Terra.

 

A Planetary Resources, sediada em Bellevue, Washington, vai se concentrar inicialmente em desenvolver e vender espaçonaves robotizadas de baixo custo para missões de exploração. Uma missão de demonstração deve ser lançada para orbitar em torno da Terra dentro de dois anos, afirmaram os co-fundadores da empresa, Peter Diamandis e Eric Anderson.

 

O objetivo da Planetary Resources é abrir a exploração do espaço ao setor privado, mais ou menos como fez o concurso Ansari X Prize, com prêmio de US$ 10 milhões, criado por Diamandis. O prêmio, que estimulou o desenvolvimento do setor emergente de voos espaciais privados para passageiros, foi conquistado em 2004 pela Scaled Composites, com o projeto SpaceShipOne, que realizou o primeiro voo privado fora da atmosfera. Voos comerciais que transportarão passageiros ao espaço suborbital devem ser iniciados no ano que vem.

 

É provável que os primeiros clientes da Planetary Resources sejam agências científicas como a Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço (Nasa), dos Estados Unidos, e institutos de pesquisa privados. Dentro de cinco a 10 anos, porém, a companhia espera avançar da venda de plataformas de observação para órbitas em torno da Terra ao fornecimento de serviços de prospecção. A ideia é explorar alguns dos milhares de asteroides que passam relativamente perto do planeta e extrair sua matéria-prima.

 

Nem todas as missões obteriam metais e minerais preciosos para transporte à Terra. Além de minerar platina e outros metais preciosos, a companhia planeja procurar água em asteroides a fim de abastecer depósitos de combustível orbitais que poderiam ser usados pela Nasa e outras organizações para missões espaciais robotizadas e tripuladas.

 

"Nossos planos são de longo prazo. Não antecipamos que a empresa seja sucesso financeiro imediato. Precisaremos de tempo", disse Anderson. Os retornos reais podem demorar décadas, e viriam de minerar asteroides para extrair metais do grupo da platina e minerais raros.

 

Fonte: Terra

comentários[0]

Clima Tempo