Portal da Educao Adventista

*Professor Genivaldo *

28

fev
2014

Por que os Estados Unidos entrou na Primeira Guerra Mundial?

comentários[2]

26

fev
2014

Por que os atletas correm no sentido anti-horário?

 

173671407

Porque é assim que os cavalos correm. "As primeiras provas em pistas fechadas aconteciam em circuitos feitos para cavalos", diz o professor de educação física Mário Cantarino, da Universidade de Brasília. Aí, como quase todas as provas hípicas são no sentido anti-horário, com curvas só para a esquerda... Mas espera: por que as provas de cavalo são assim, então?


"Por causa do adestramento. Desde pequeno o cavalo é acostumado a usar mais a parte esquerda do corpo", diz a veterinária Lilian Michima, da Universidade de São Paulo. Ou seja: não tem um motivo biológico, nem para nós, nem para os cavalos. Mas o costume ficou.

 

Fonte: Mundo Estranho

comentários[0]

23

fev
2014

Como se mede a velocidade de um saque no tênis?

 

461368867

 

Do mesmo jeito que a polícia flagra os motoristas que gostam de pisar fundo nas ruas: usando um radar. Esse aparelho emite freqüências de rádio e as recebe de volta. Depois, com esses dois valores de freqüência, um chip instalado dentro do radar calcula a velocidade da bolinha. "Até há pouco tempo, esse sistema funcionava bem. O problema é que os saques estão cada vez mais velozes, e os radares tendem a perder precisão acima dos 240 km/h", diz o ex-tenista Dominic Cobello, que em 1974 criou o primeiro radar para o tênis a partir dos modelos usados pela polícia rodoviária americana.

 

Hoje, Cobello desenvolve radares avançadíssimos, capazes de registrar, com margem de erro de apenas 0,05%, "canhões" como os do americano Andy Roddick. Em junho de 2004, Roddick quebrou seu próprio recorde com uma martelada de 246,2 km/h! Pobre do tailandês Paradorn Srichaphan, que estava do outro lado da rede.

Olho no canhão Radares emitem freqüências de rádio para calcular a rapidez da bomba.

1. Nos principais torneios de tênis, a velocidade de um saque é medida por um radar, que emite ondas em uma freqüência específica de rádio para calcular a rapidez do petardo — só para dar uma idéia, na maioria dos modelos essa freqüência fica entre 10 gigahertz e 35 gigahertz. Quando o tenista dispara a bolinha, o radar lança essas ondas no ar.

 

2. As ondas emitidas pelo radar batem em todos os objetos pelo caminho e voltam ao aparelho. Quando os objetos estão parados, a freqüência da onda de retorno é igual à freqüência inicial. Mas quando ela bate em alguma coisa em movimento — como a bolinha — a freqüência se modifica proporcionalmente à velocidade do objeto e volta com um valor muito maior.

 

3. A etapa seguinte é a filtragem: como o radar recebe centenas de ondas de volta, ele precisa identificar qual delas bateu na bolinha e voltou. Geralmente, é a onda que tem a maior frequência. A não ser que um objeto mais rápido que a bolinha atravesse a quadra bem na hora do saque, o que é bem difícil de acontecer.

 

4. No passo final, um minicomputador dentro do radar compara a freqüência da onda inicial com a freqüência da onda refletida pela bolinha. Depois, converte essa relação em velocidade e mostra o resultado em um placar na quadra. Os cálculos são complicados: se uma pessoa tivesse de fazê-los, passaria um set inteiro para calcular a velocidade de um único saque.

 

Fonte: Mundo Estranho

comentários[0]

19

fev
2014

Por que as mulheres não ficam carecas?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foimageto

 

Para início de conversa, mulheres também têm calvície, embora não seja tão intensa e comum como nos homens. A forma mais comum de calvície é conhecida pelos médicos como alopecia androgenética e isso diz tudo: a calvície é motivada pela herança genética e pelos hormônios andrógenos, que definem as características sexuais masculinas. Ou seja, embora mulheres também sofram de queda de cabelo, o problema é determinado por hormônios masculinos. Entenda por que: a principal reação bioquímica que gera a calvície acontece quando a enzima 5-alfa-redutásia age sobre a testosterona (o principal tipo de hormônio masculino), produzindo outro hormônio, o di-hidro-testosterona (DHT).

 

Esse hormônio é o grande responsável pelo afinamento dos fios e conseqüente queda, mas ele não é o único responsável. Afinal se a pessoa não tiver receptores celulares sensíveis ao DHT no couro cabeludo, o hormônio não age. E o que define a sensibilidade desses receptores é a herança genética. A diferença é que mulheres produzem muito menos testosterona que homens e, portanto, mesmo que tenham predisposição genética, não têm DHT suficiente para produzir uma devastação tão grande na cabeleira - o mais comum é que o cabelo fique fininho, como o de um bebê, e não chegue a cair. Outra diferença entre os dois sexos é a posição dos bulbos capilares (de onde sai cada fio de cabelo) e, portanto, a calvície também é diferente. "No homem, a queda de cabelo começa pela região da fronte, com as famosas entradas, e no vertex (aquele ponto no topo da cabeça onde os fios se encontram). Nas mulheres, a alopecia fica mais concentrada bem no topo da cabeça", diz a dermatologista Eniude Borges, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

 

Sexo frágil Veja outras anomalias que predominam entre os homens

DALTONISMO


Em função do funcionamento irregular de alguns cones (as células que distingüem as cores) o daltônico não consegue ver algumas cores. A anomalia existe nos dois sexos, mas é muito mais comum entre os homens (algo como 20 daltônicos para cada daltônica), que precisam levar a deficiência em apenas um cromossomo, enquanto, nas mulheres, o defeito precisa constar em uma dupla.

 

HIPERTRICOSE AURICULAR


Esse distúrbio de nome esquisito se manifesta de forma ainda mais estranha: excesso de pêlos na orelha (eca!). Felizmente, essa característica é determinada por um gene que se aloja em um cromossomo que só existe nos homens - portanto nenhuma mulher sofre deste problema. Já pensou uma dama com tufos de pêlos na orelha?

 

HEMOFILIA


Doença caracterizada pela dificuldade em coagular o sangue, o que faz com que qualquer arranhão possa se transformar em uma hemorragia. Geneticamente é o mesmo caso do daltonismo: existe nos dois sexos, mas é bem mais comum entre os machos. Do cruzamento de uma hemofílica e um não hemofílico, por exemplo, nascem só filhos hemofílicos e nenhuma filha hemofílica.

 

Fonte: Mundo Estranho

comentários[0]

18

fev
2014

11 alimentos proibidos na lancheira das crianças

 

Em muitos casos, são cinco opções durante a semana. E esse número pode chegar a uma dezena. Tudo depende se a criança faz um ou dois lanches durante o período que fica na escola. É preciso muita criatividade para manter a lancheira escolar abastecida com opções atrativas para as crianças e, acima de tudo, saudáveis.
 
"Os lanches devem ser escolhidos com a preocupação de serem saudáveis para o bom desenvolvimento das crianças. Os pais não devem optar por determinados alimentos apenas pela praticidade", observa Sonia Liston, pediatra do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcellos.
 
"A preocupação maior dos pais deve ser oferecer uma refeição balanceada aos filhos, principalmente observando a oferta energética das opções escolhidas", alerta Ana Luisa Vilela, nutróloga da clínica SlimForm. 
 
De acordo com Sonia, a lancheira ideal não precisa conter muitos itens. A médica sugere dois alimentos por lanche: "Uma fruta e um suco ou uma fatia de pão integral com algum tipo de queijo e uma água de coco são boas opções". Ofertar menos itens também é uma boa estratégia para evitar muitas repetições durante a semana. Ana Luisa concorda: "Se o lanche for monótono, sem variação, a criança perderá o interesse e pode se recusar a comê-lo".
 
Escolhas corretas
 
No caso das frutas, prefira as que podem ser consumidas com casca ou que ela possa ser retirada com facilidade, ensina a nutróloga. Para hidratar, sucos naturais são uma boa opção. Se a escola não oferecer condições ideias de armazenamento, como uma geladeira para as lancheiras, os pais devem optar por água de coco de garrafinha ou sucos de caixinha sem adição de conservantes e açúcar. Os sucos de caixinha, aliás, merecem atenção redobrada. Fuja de bebidas industrializadas ricas em açúcar e sem valor nutricional.
 
Ana Luisa alerta ainda para a necessidade de ofertar carboidrato e proteína diariamente na lancheira escolar. "O carboidrato, preferencialmente integral, é importante para manter a energia e a proteína é indispensável para o crescimento e desenvolvimento da criança", explica.
 
Veja abaixo alimentos que não devem fazer parte da lancheira:
 
Bolacha recheada: rica em gorduras, sódio e açúcares. Se for necessário mandar biscoitos, prefira os sem recheio.
 
Salgadinho de pacote: o excesso de sódio na composição pode levar a alterações no metabolismo infantil.
 
Suco em pó: com elevado valor energético, não tem quase nenhum valor nutricional.
 
Salgados fritos: alimento frito deve ser evitado na lancheira. Além de se deteriorar facilmente, possui alto valor energético.
 
Bala: em muitos casos, esse tipo de doce é puro açúcar, sem valor nutricional algum. Pode causar cáries.
 
Empanado de frango: é, normalmente, frito. O excesso de consumo de óleo não é indicado tanto para crianças como para adultos.
 
Lanches com embutidos: salsicha, salame, presunto e outros embutidos possuem alto teor de sódio, realçadores de sabor e conservantes.
 
Refrigerante: além de não ter valor nutricional, traz sódio, gorduras e açúcares em excesso em sua composição. 
 
Batata frita: deteriora facilmente e possui valor energético exagerado. 
 
Leites e derivados: quando não há refrigeração para armazenar os alimentos, evitar estes itens já que podem estragar.
 
Bolo com recheio: alimento rico em açúcar, podendo causar obesidade. 
 
 
Fonte: iG São Paulo - Via Lake Villas
Texto: Danielle Nordi

comentários[0]

16

fev
2014

Qual é a origem da suástica, o símbolo nazista?

 

image

 

Não se sabe exatamente qual foi o povo que usou esse sinal pela primeira vez, mas é certo que ele tem origem muito antiga, de pelo menos 5 mil anos. A palavra em si vem do sânscrito svastika, que significa "condutora do bem-estar".

 

Conhecida como símbolo de boa sorte pela maioria das culturas, a suástica ornamentava as moedas da Mesopotâmia 3 mil anos antes de Cristo e também aparecia na arte de povos como os bizantinos e os primeiros cristãos.

 

Os índios maias, da América Central, e os navajos, da América do Norte, também a retrataram - e ainda hoje ela continua a ser usada como símbolo de fortuna pelos hindus. Existem dois tipos de suástica: uma com os braços virados em sentido horário, outra voltada para o sentido oposto. Essa última, tida como noturna, seria usada em rituais de magia negra. A primeira - considerada um símbolo solar e, portanto, diurno - é a da boa sorte.

 

Quando foi fundado o Partido Nacional-Socialista alemão, em 1920, a suástica solar foi adotada como seu emblema principal por sugestão do poeta Guido von List. Com o fim da Segunda Guerra, em 1945, o símbolo foi oficialmente aposentado, mas continua sendo usado por grupos neo-nazistas.

 

Fonte: Mundo Estranho

comentários[0]

15

fev
2014

10 benefícios da stévia para perder peso e ganhar saúde

 

Um dos adoçantes naturais mais utilizados por quem  está de dieta, a stevia ou estévia não possui calorias, é 300 vezes mais doce que o açúcar e pode substituí-lo em bebidas e receitas. Também conhecida como açúcar verde e capim doce, é uma extraída da planta Stevia Rebaudiana, nativa da América do Sul, e foi descoberta em 1905 pelo botânico suíço Moisés Santiago de Bertoni. Atualmente, é comercializada em forma líquida, comprimidos ou em pó.
 
1 - Os orientais são grandes estudiosos das propriedades da stévia. Eles a utilizam não só para adoçar, mas também seu extrato integral para fins medicinais.
 
2 - A planta tem origem na região da fronteira do Brasil com o Paraguai e é chamada pelos índios guaranis de "caa-hee", que significa "erva doce". Na medicina popular, eles utilizam as folhas para tratar doenças do estômago, além de mastigá-las como uma guloseima doce.
 
3 - Ao contrário do que muita gente pensa, a stévia não é uma novidade. Em 1952 pesquisadores dos Estados Unidos já haviam confirmado se tratar do produto natural mais doce já encontrado. 
 
4 - No Japão, os extratos da stévia já são utilizados há mais de 25 anos por milhões de pessoas. Atualmente, vem sendo muito utilizada também em pães, cereais, sorvetes, iogurtes, refrigerantes e outros produtos.
 
5 - É muito indicada para quem precisa reduzir o consumo de açúcar, como os diabéticos e os que querem perder peso. Mas não possui contraindicação e pode ser consumida por todas as pessoas que querem ter hábitos mais saudáveis, inclusive crianças e gestantes. 
 
6 - Um dos pontos positivos da stévia é o fato de ser totalmente metabolizada pelo organismo e não ficar acumulada no fígado ou nos rins. De acordo com alguns estudos, ela também é benéfica na regulação da glicemia e da hipertensão.
 
7 - Tem sido adotada também por pessoas que têm uma filosofia de vida mais natural, como o naturalismo, crudivorismo e veganismo. 
 
8 - É o único edulcorante - substâncias naturais que substituem o açúcar - de origem vegetal produzido em escala industrial.
 
9 - O uso da stévia é certificado pelo JECFA (comitê científico internacional de especialistas em aditivos alimentares administrado pela FAO e pela OMS) desde 1998. 
 
10 - Mesmo não havendo restrições ao consumo de stévia, é preciso ter atenção aos limites seguros do consumo de substâncias adoçantes. A IDA - Ingestão Diária Aceitável - da stévia é de 4 mg/kg por dia.
 
 
Fonte: Bolsa de Mulher - Via Lake Villas

comentários[1]

14

fev
2014

Valentine%u2019s Day: curiosidades e origem dessa romântica

 

No dia 14 de fevereiro, o dia de São Valentim - o Valentine's Day - é celebrado nos Estados Unidos e em muitos outros países e reúne algumas curiosidades bem interessantes.

 

Equivalente romântico ao Dia dos Namorados no Brasil, essa data superespecial é comemorada com muitos presentes, jantares e surpresas feitas por casais apaixonados. A celebração começou com homenagens a um dos mais antigos santos do Cristianismo, Valentinus.

 

Segundo a tradição, o santo foi condenado por realizar matrimônios de soldados que eram proibidos de se casar. Desde então, milagres foram atribuídos a Valentinus e o dia 14 de fevereiro foi reservado para sua homenagem.

 

É costume em países como Estados Unidos e Inglaterra a troca de cartões românticos entre casais de namorados, assim como presentes e chocolates.

 

Aqui em casa eu e minha eterna namorada comemoramos esse dia, pois em 1980, no dia 14 de fevereiro nos conhecemos.

 

image

 

Fonte: CCAA

comentários[1]

13

fev
2014

Correr no calor requer cuidados especiais

 

Locais muito secos ou muito úmidos podem ser prejudiciais

 

O exercício físico regular traz muitos benefícios à saúde, contudo, condições de calor e umidade excessivas podem trazer um grande desafio à capacidade do corpo em resistir a tais situações. O desempenho fica significativamente reduzido e aumentam os riscos de desidratação. O corredor pode realizar a sua atividade física de forma mais segura, reduzindo o tempo e o esforço dedicado ao aquecimento, mudando a sessão de exercício ou a estratégia de competição visando reduzir a intensidade e realizando pausa mais longas e frequentes.

 

Durante uma corrida, os músculos produzem grande quantidade de calor que deve ser dissipado para o ambiente, ou então ocorrerá um aumento da temperatura central. Como a produção de calor pelos músculos é proporcional à taxa de trabalho, o exercício de alta intensidade e de moderada duração (cinco a dez quilômetros) e atividades prolongadas (maratonas) apresentam um maior risco.

 

A sudorese é uma resposta fisiológica que tem por finalidade limitar o aumento da temperatura central através da secreção de água na pele para a evaporação, mas esta perda de líquido nem sempre é compensada pela ingestão de líquidos e a regulação da temperatura. Quando o corredor treina em um ambiente muito quente e úmido (umidade relativa do ar acima de 80%), a sua evaporação fica prejudicada, pois seu suor competirá com a elevada umidade do ar no processo de evaporação e retirada do calor do organismo. Ambientes muito secos também são prejudiciais, pois, entre outros prejuízos, podem causar sangramento das narinas.

 

Indivíduos que moram na praia parecem ser mais resistentes ao calor. Foto: Antonioguillem/ Fotolia Indivíduos que moram na praia parecem ser mais resistentes ao calor. Foto: Antonioguillem/ Fotolia

 

Um grande número de países da América Latina está localizado na região tropical. Embora a altitude possa fazer uma diferença considerável (por exemplo a Cidade do México e Bogotá são cidades mais frias), os trópicos apresentam temperatura alta e umidade relativamente constante na maior parte do ano. Valores acima de 28ºC são muito comuns, especialmente nas cidades que se localizam ao nível do mar.

 

Tolerância ao calor - Existe uma evidência preliminar que indica que os habitantes das regiões tropicais têm uma tolerância maior à ambientes quentes e úmidos, possivelmente devido aos seus níveis de aclimatação crônica ao calor. Contudo, até que mais dados sejam publicados em relação à tolerância ao estresse térmico de pessoas cronicamente aclimatizadas ao calor, as recomendações do Colégio Americano de Medicina Esportiva devem ser seguidas.

 

A aclimatação ao calor é um conjunto de adaptações fisiológicas que permite ao corredor suportar um estresse maior ao calor ambiental. Elas incluem um aumento na capacidade de sudorese, um suor mais diluído e uma habilidade aumentada de sustentar uma taxa de sudorese alta durante exercícios prolongados. Todas essas adaptações ajudam a minimizar o acúmulo de calor, permitindo um tempo de performance mais prolongado e uma diminuição do risco de doenças provocadas pelo calor.

 

No início do processo de aclimatação, a duração e a intensidade das sessões de exercícios devem ser menores que o usual. A duração e a intensidade devem ser elevadas gradualmente a cada dia a medida que a tolerância ao calor melhora. Adaptações significativas ocorrem dentro dos primeiros sete a 14 dias de exposição ao calor. A frequência deve ser entre três a cinco dias por semana, com uma duração de sessão entre 20 a 60 minutos, em intensidade de exercício de 55 a 80% da frequência cardíaca máxima.

 

Levando-se em consideração esses aspectos citados anteriormente, o corredor poderá usufruir de uma maneira adequada, correta e segura dos benefícios intrínsecos à prática regular de corridas, além de preservar e proteger a sua saúde.

 

Fonte: Webrun

comentários[0]

12

fev
2014

Saiba como ingerir isotônicos sem prejudicar a saúde

 

O mesmo líquido que te possibilita realizar exercícios com energia e hidratação também pode desenvolver uma série de doenças em seu corpo e até te fazer engordar! Dá para acreditar? Esse é o dilema dos isotônicos. Para que você não caia nas pegadinhas dessa bebida, saiba como aproveitar os benefícios corretamente.
 
Os isotônicos são conhecidos, antes de tudo, por repor energias de forma rápida. Além dessa vantagem, o famoso líquido esportivo ainda retarda a fadiga muscular, melhora a performance em atividades de longa duração e repõe a perda de sódio, potássio, fósforo e outros sais minerais.
 
Segundo a nutricionista Michelle Carpiné da Unimed Costa Oeste, o isotônico também pode ser indicado a pessoas "com desidratação causada por intoxicação alimentar, diarreia ou qualquer outra disfunção do organismo devido a patologias diversas". Isso porque fornece carboidratos que servem de energia para os músculos.
 
Lembre-se que nada em excesso faz bem. Aqui não fugimos à regra. A nutricionista explica: "Todo exercício resulta na perda de água pelo organismo. Mas nem sempre é necessária a reposição dos sais minerais".
 
E continua: "Para quem pratica atividades com duração de até uma hora - cerca de 10 km para os corredores - o isotônico ainda não é necessário. Já para meia maratona, por exemplo, ou exercícios superiores a uma hora, prolongados e extensos, as bebidas isotônicas são indicadas como forma de manter uma prática esportiva segura".
 
O uso inadequado da bebida pode agravar doenças como diabetes, hipertensão, disfunções renais e até mesmo resultar em ganho de peso, devido ao carboidrato, sódio e potássio.
 
Para não se sujeitar a esses vilões, Michelle nos orientou quanto ao consumo adequado.
 
"Aos atletas, o ideal é ingerir de 200 a 400 ml da bebida antes dos exercícios. Durante os exercícios, é recomendado consumir entre 50 ml e 2 litros de água e isotônico, dependendo da quantidade de suor perdida. Já após as atividades, o consumo ideal é de 1,5 litro de líquido para cada quilo perdido."
 
Para calcular quanto foi perdido de suor, o ideal é que a pessoa se pese antes de começar o exercício. Depois, se houve perda de 400 g, cerca de 400 ml de líquido pode ser reposto. "O correto é repor esta quantidade com metade de água e metade com isotônico", acrescenta.
 
E para fechar o exercício com chave de ouro, aposte em uma fruta!
 
 
Fonte: Mais Equilíbrio
Texto: Alessandra Vespa (MBPress) Via Lakes Villas

comentários[0]

9

fev
2014

A cor dos alimentos são significantes?

 

Existe relação entre a cor de um alimento e os nutrientes que ele fornece?

 
 
 

640px-Watermelon_seedless

640px-Watermelon_seedless

 

Os nutrientes em si - proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas e sais minerais - não possuem cor. Mas existem pigmentos (substâncias que dão cor aos alimentos) que, apesar de não terem propriedades nutritivas, são grandes aliados no combate e na prevenção de doenças. Um bom exemplo são os carotenóides, responsáveis pelo colorido de várias frutas, verduras e legumes. "Essa é a família do betacaroteno, encontrado principalmente em vegetais amarelos, alaranjados e verde-escuros. Já o licopeno, famoso por seus benefícios no combate ao câncer de próstata, é o pigmento que dá ao tomate sua cor vermelha. Em outra família, a dos flavonóides, há a antocianina, fonte das tonalidades vermelha-escura, roxa e azulada em alimentos como as uvas e a beterraba", afirma a nutricionista Soraia Covelo Goulart, do Hospital Universitário da USP. Devemos lembrar, porém, que nem sempre os nutrientes mais importantes se manifestam assim.

 

A vitamina C, por exemplo, está presente em uma grande variedade de frutas, mas não pode ser identificada por nenhuma cor. Por outro lado, a clorofila, principal responsável pela coloração verde dos vegetais, não é considerada um nutriente. "Existem estudos ainda em andamento para confirmar sua atuação como agente de combate aos radicais livres, aquelas moléculas liberadas pelo organismo que provocam doenças, processos degenerativos e envelhecimento. No entanto, não existem propriedades nutritivas na clorofila", diz Soraia.

Arco-íris à mesa Quatro pigmentos de alimentos fazem bem à saúde

 

CORES - Amarelo, alaranjado, verde-escuro

 

PIGMENTO - Betacaroteno

 

FONTES - Mamão, manga, damasco, cenoura, abóbora, mandioquinha, brócolis, couve, escarola, almeirão, espinafre.

 

BENEFÍCIOS - Pode se transformar em vitamina A caso o organismo precise. Fortalece o sistema imunológico e ajuda na prevenção do câncer (principalmente de pulmão) e da cegueira noturna, além de deixar a pele saudável.

 

CORES - Vermelho

 

PIGMENTO - Licopeno

 

FONTES - Tomate (principalmente em forma de molho e ketchup), melancia, goiaba.

 

BENEFÍCIOS - Antioxidante, combate os radicais livres, auxiliando na prevenção do câncer de próstata, de mama e no combate ao envelhecimento. Em conjunto com outros antioxidantes ajuda a diminuir o colesterol.

 

CORES - Vermelho, roxo, azulado

 

PIGMENTO - Antocianina

 

FONTES - Uva, vinho tinto, framboesa, amora, açaí, beterraba.

 

BENEFÍCIOS - Antioxidante, combate os radicais livres, ajuda na redução do colesterol, na prevenção do câncer e da aterosclerose (degeneração das artérias).

 

CORES - Branco

 

PIGMENTO - Antoxantina

 

FONTES - Cebola, alho, couve-flor

 

BENEFÍCIOS - Antioxidante, combate os radicais livres, ajuda na redução do colesterol e na prevenção do câncer.

 

Extraído de Mundo Estranho.

comentários[0]

9

fev
2014

Limão: conheça os benefícios para a sua saúde

 

Em um primeiro momento, ele pode até causar certa estranheza ao paladar por conta do gosto azedinho e bastante ácido. Mas basta encontrar a dosagem certa, ou combiná-lo com outros ingredientes, para preparar bebidas e pratos que aliam sabor marcante e refrescante. Isso sem falar no famoso chazinho de limão, receita de gerações, que é tiro e queda contra gripes e resfriados. Mas se engana quem pensa que os atrativos dessa fruta se limitam a isso. Barato e fácil de encontrar no supermercado ou na feira, o limão reserva, por trás da simplicidade aparente, substâncias que o tornam um item precioso no cardápio. Para dizer o mínimo, seu consumo regular promove uma limpeza geral no organismo e melhora o funcionamento de uma série de órgãos. Se do ponto de vista da saúde a ideia já é pra lá de animadora, espere até saber que existem outras vantagens, uma espécie de bônus que promete atender aos apelos da vaidade: o fruto também é eficaz para auxiliar no processo de emagrecimento e deixar pele e cabelos mais bonitos e viçosos. É alimento para não botar defeito!
 
Detonador de gordura
 
Nutrientes poderosos e importantes fazem parte da composição dessa fruta, que se trata de um verdadeiro bálsamo para o organismo. Dentre tantas presenças marcantes, uma substância merece destaque: o ácido cítrico. A laranja e a mexerica também apresentam esse nutriente, mas o limão ocupa o topo do pódio, com o teor de 6% para cada 100 gramas. "Esse ácido tem função adstringente, que auxilia na dissolução de toxinas e na quebra das moléculas de gordura", esclarece Alessandra Guerra, nutricionista (SC). Ao contrário do que sugere seu gosto amargo, o limão não aumenta a acidez presente no organismo. Pelo contrário: uma vez ingerido, o ácido cítrico age como alcalinizante, equilibrando o pH sanguíneo. O que você ganha com isso? Muito, pode acreditar. "A acidez do sangue prejudica as células e favorece a incidência de várias doenças. Um sangue mais alcalino, por sua vez, faz o corpo trabalhar de forma harmoniosa e ativa o metabolismo, facilitando a queima de calorias", garante Pollyana Esteves, nutricionista (SP).
 
Beleza de dentro para fora em minutos
Mesmo diante de tantas qualidades, seria uma grande injustiça deixar todos os méritos do limão por conta do ácido cítrico. Outro componente importante da fruta é a vitamina C, cujo potencial benéfico é bastante conhecido. Com seu consumo, a primeira a levar vantagem é a saúde: o nutriente reduz a suscetibilidade às infecções, inibe a oxidação do colesterol LDL, participa do processo de cicatrização e atua na produção das substâncias responsáveis pelo bem-estar. "Ela tem ação antioxidante, atuando no combate aos radicais livres, que podem desencadear doenças degenerativas e são os grandes vilões do envelhecimento precoce da pele e dos cabelos", diz Alessandra Guerra. Para dar um breque nos prejuízos causados por esses desagradáveis inquilinos e não aparentar uns aninhos a mais, um bom antídoto é a tradicional limonada suíça, feita com um copo (200 ml) de água e dois limões (com casca e tudo!) batidos na centrífuga ou no liquidificador. Então, é só coar e consumir na mesma hora. Não deixe para tomar depois, pois o contato com o ar faz que a vitamina C se oxide rapidamente e a fruta perca parte das propriedades terapêuticas. Por isso, atente-se à dica: se partir um limão e não consumi-lo inteiro, o melhor é acomodá-lo em um pires e cobrir com uma xícara, para conservar seus nutrientes. E já que o assunto da vez é a manutenção da beleza, aí vai mais uma informação interessante: com a faxina no organismo, melhora da digestão e redução do mau colesterol, a circulação também é beneficiada. E disso você já sabe: ela é uma aliada importante na prevenção de males que podem comprometer a aparência da pele, como a celulite e as varizes.
 
Intestino bem regulado
O bom funcionamento do aparelho digestório está intimamente ligado às várias funções orgânicas. Além de processar os nutrientes e eliminar o que não será aproveitado pelo corpo, ele também atua no humor %u2014 já que 90% da serotonina é produzida no intestino %u2014 e no sistema imunológico. E adivinhe só quem pode dar aquela forcinha para essa engrenagem, tão essencial, entrar nos eixos? "O limão tem resultados excelentes, tanto no tratamento do intestino solto quanto em casos de prisão de ventre, pois equilibra e fortalece a flora intestinal. Vale dizer ainda que ele possui ação laxante e diurética leve, outro fator que contribui para que o corpo se livre dos resíduos que precisam ser excretados", garante Pollyana Esteves. Quem conhece esse benefício há muito tempo são os indianos. Os estudiosos da medicina tradicional do país, chamada de Ayurvédica, já apontavam, em seus escritos mais antigos, que o limão seria um ótimo aliado para despertar o sistema gastrointestinal e melhorar a digestão. A indicação, que também tem sua eficácia reconhecida por médicos e nutricionistas ocidentais, é muito simples. Basta beber diariamente o suco de um limão diluído em meio copo de água morna, logo ao acordar, ainda em jejum. "Essa mistura ativa as enzimas digestivas e prepara o metabolismo para aproveitar melhor as vitaminas e minerais ingeridos ao longo do dia, especialmente o ferro", conta Viviane da Cruz, especialista em terapia Ayurvédica do Espaço Holístico Sattva-guna (SP).
 
Conheça os Tipos de Limão
 
Estima-se que podem ser encontradas mais de 70 variedades de limões. Diante de tanta fartura, às vezes, fica difícil identificar qual é qual. Mas não se preocupe: todas concentram as mesmas propriedades nutricionais e terapêuticas. "Na hora de escolher a fruta, opte por aquelas que cedem levemente à pressão dos dedos", ensina Pollyana Esteves. Conheça os tipos mais comuns e suas particularidades:
 
Limão Tahiti
 
É o mais cultivado no Brasil e pode ser facilmente encontrado em qualquer região. Sua casca é verde, a polpa tem aspecto esbranquiçado e ausência de sementes. É mais rico em rendimento de sumo do que o siciliano.
 
Limão Siciliano
 
De origem europeia, é considerado o limão original. Tem coloração amarelada, casca mais grossa e menos polpa. É muito utilizado na produção de óleos essenciais por causa da presença do d-limoneno. Seu sabor é levemente mais ácido que os outros.
 
Limão Galego
 
É o menor, porém muito suculento. Possui uma casca fina e lisa que pode ter coloração verde-clara ou amarelada. É a melhor opção para o preparo da caipirinha
 
Limão Cravo
 
Sua aparência e cor laranja-avermelhada lembram o de uma mexerica. A casca é levemente solta da polpa. Possui uma combinação bem característica entre acidez e glicose e é muito indicado no preparode temperos.
 
 
Fonte: Corpo a Corpo
Texto: Patrícia Affonso/ Adaptação Rebecca Nogueira Cesar - Via Lakes Villas

comentários[0]

Clima Tempo