Portal da Educao Adventista

*Professor Genivaldo *

29

jan
2016

Dormir mais tempo do fim de semana faz mal à saúde.

 

www.dicasdemulher.com.br

 

 

 

Sabe aquela esticadinha no sono que você costuma dar aos sábados e domingos? Pois é, de acordo com um novo estudo, este momento tão esperado pode aumentar os riscos de diabetes e doenças do coração.

 

Segundo a pesquisa, o denominado “JET LAG SOCIAL”, nome é uma referência às consequências causadas pela diferença de fusos horários quando se faz uma viagem, afeta o relógio biológico das pessoas.

 

A líder do estudo PATRICIA WONG, da UNIVERSIDADE DE PITTSBURGH, disse à Agência Reuters que o jet lag social é uma forma habitual de desalinho circadiano. “Quando os indivíduos precisam dormir e acordar em horas que estão fora de sincronia com o relógio interno e biológico, eles mudam os horários de sono por conta das obrigações sociais”, continuou.

 

Foram analisados 450 adultos, entre 30 e 54 anos, que trabalhavam, pelo menos, 25 horas semanais fora de casa. Os especialistas descobriram que aqueles que tinham uma MAIOR DIFERENÇA DAS HORAS DORMIDAS entre segunda à sexta e os fins de semana estavam mais propensos a desenvolver doenças como diabetes e problemas cardiovasculares. “Os resultados não provam que o jet lag social causa tudo isso, mas sugere que essa conexão merece um olhar mais próximo”, falou a líder do estudo.

 

O estudo também constatou que apenas 15% dos participantes costumam acordar mais cedo em seus dias de folga. Já aquelas pessoas que vão para cama mais tarde, tendem a ser mais jovens e mais pobres.

 

Fonte: Lake Villas

comentários[0]

28

jan
2016

As 10 empresas mais antigas do mundo ainda em funcionamento

 

Muitas vezes, nós nos impressionamos quando descobrimos empresas que são do século passado, ou mesmo de dois séculos atrás. Mas você já se perguntou quais são as empresas mais antigas do mundo que continuam em pleno funcionamento?

 

Uma dica: empresas como Coca-Cola, Gillete e tantas outras que estão há tanto tempo no dia a dia da civilização ocidental e nos parecem tão antigas, não chegam nem perto da idade de alguns dos empreendimentos mais antigos que ainda estão ativos.

 

Essa lista mostra 10 empresas que resistiram à passagem dos anos e das mudanças que o tempo trouxe, e se mantiveram firmes e fortes como um legado de suas famílias e da história da humanidade.

 

10. Post och Inrikes Tidningar – Jornal / Data de fundação: 1645 (Suécia)

empresas mais antigas do mundo 10

O Post och Inrikes Tidningar foi fundado em 1645 pela Rainha Christina e foi uma referência para os suecos viciados em notícias ao longo dos séculos 17 e 18. No início, o Poit publicava notícias internacionais e domésticas, observações meteorológicas, poesia e romances serializados.

 

Conforme o número de jornais foi se multiplicando, o Poit reduziu o seu conteúdo de notícias, e, até o início dos anos 1900, já não era o jornal de referência na Suécia. Em vez disso, tornou-se o meio de comunicação oficial do país para anúncios, como declarações de falência ou leilões. Em 1978, o jornal adotou o formato de livreto, mas o número de leitores continuou a diminuir. A versão impressa final tinha uma circulação de apenas 1.500 exemplares e em 1º de janeiro de 2007, o jornal mudou para um formato apenas online.

 

Hans Holm, que trabalhou como o editor-chefe do jornal por 20 anos, lamenta: “Nós consideramos isso (a mudança para a internet) um desastre cultural. É triste quando você trabalhou com isso por tanto tempo, e ele (o jornal) tenha existido por tanto tempo”.

 

9. Shirley Plantation – Plantação / Data de Fundação: 1613 (EUA)

empresas mais antigas do mundo 9

Mesmo que os EUA sejam uma nação relativamente jovem, não deixa de ser impressionante que a sua atividade mais antiga é anterior à própria existência do país. A Shirley Plantation é uma propriedade localizada na margem norte do rio James em Charles City County, no estado da Virginia. É a mais antiga empresa de propriedade familiar na América do Norte, tendo sido fundada em 1613, com operações começando em 1638.

 

O terreno era utilizado para a plantação de tabaco, que era enviado para outras colônias e para a Inglaterra. A mansão, conhecida como a “Casa Grande”, está em grande parte conservada em seu estado original e é operada e residida pelos descendentes diretos de Edward Hill I. Hoje, Shirley continua a ser uma plantação, uma casa de família privada, um destino para eventos e um marco histórico nacional dos EUA.

 

8. Beretta – Armas de fogo / Data de fundação: 1526 (Itália)

empresas mais antigas do mundo 8

Durante a Idade Média, Gardone, na Itália, foi uma meca para trabalhos em ferro. No início do Renascimento, a cidade era conhecida por sua produção de armas de alta qualidade. O Maestro Bartolomeo Beretta era um fabricante de armas que vivia em Gardone. Em 1526, o Arsenal de Veneza lhe pagou para fazer 185 barris de arcabuz, uma espécie de espingarda antiga, tornando a Beretta a mais antiga empresa de fabricação de armas no mundo.

 

A família Beretta tem continuamente controlado a empresa por toda a sua história. Ugo Gussalli Beretta e seus dois filhos, Pietro e Franco, ainda mantêm a liderança da companhia hoje em dia.

 

7. Rathbornes – Fabricante de velas / Data de fundação: 1488 (Irlanda)

empresas mais antigas do mundo 7

A Rathborne Velas, baseada em Blanchardstown, no subúrbio de Dublin, foi fundada em 1488 – quatro anos antes de Colombo descobrir a América. Ela sobreviveu a tudo, incluindo pragas, a chegada da eletricidade e decisões da igreja católica.

 

Durante o século 19, a Rathborne assinou um contrato para fabricar todos os acessórios de iluminação pública em Dublin. Quando a eletricidade se tornou a norma, a empresa reorientou os seus esforços para velas das igrejas. No entanto, o Concílio Vaticano II decretou que igrejas católicas deveriam ser despojadas de grande parte da sua ornamentação anterior, incluindo velas elaboradas. Mas, como o diretor financeiro da Rathborne Vincent Brady diz, “os eclesiásticos intrometidos cederam e a vela tradicional de igreja sobreviveu”.

 

Embora a empresa não esteja mais nas mãos da família Rathborne (todos morreram), o último descendente direto tem um convite aberto para visitar a companhia a qualquer momento.

 

A empresa tem grandes planos para o futuro e está determinada a funcionar por mais 500 anos. “Gostaríamos de criar um museu onde se pode exibir todas as máquinas antigas e demonstrar as habilidades para a produção de velas ancestrais, e talvez um dia voltar a East Wall, que é a nossa casa ancestral”, diz Brady.

 

6. Pontificia Fonderia Marinelli – Fundição / Data de fundação: 1040 (Itália)

empresas mais antigas do mundo 6

Agnone, uma vila em Molise, na Itália, é conhecida como a “cidade dos sinos”. A Pontificia Marinelli está localizada lá e é um negócio de 700 anos. Na antiga forja, sinos e esculturas de bronze são feitas inteiramente à mão, usando a mesma técnica de “cera perdida” que remonta aos tempos medievais e renascentistas. Os sinos feitos aqui podem ser vistos em algumas das igrejas mais prestigiadas do mundo, bem como no Museu Histórico do Sino Giovanni Paolo II, que fica ao lado da forja.

 

Em 1924, a Pontifícia Marinelli foi premiada com o “título de fundição pontifícia” pelo Vaticano. A Igreja Católica Romana responde hoje em dia por 90% de todas as encomendas feitas. A empresa é de copropriedade e operada pelos irmãos Armando e Pasquale Marinelli, que produzem até 50 sinos em um ano e, atualmente, empregam 12 pessoas.

 

5. Château de Goulaine – Adega / Data de fundação: 1000 (França)

empresas mais antigas do mundo 5

Ninguém está completamente certo sobre quando os produtores de vinho do Château de Goulaine começaram o engarrafamento de seus produtos, mas pela maioria das contas parece ter sido por volta do ano 1000.

 

Château de Goulaine é mais do que apenas uma vinícola – é um castelo histórico que foi reconstruído no século 12 e novamente no 16. A família Goulaine é proeminente na história da França – seus membros serviram nas Cruzadas e em guerras religiosas seguindo a divisão católico-protestante durante a Reforma. O castelo tem sido o lar de uma mesma família há mais de mil anos, e vinho ainda está sendo produzido lá. O castelo é também um museu e abriga numerosas obras de arte.

 

4. Sean’s Bar – Pub / Data de fundação: 900 dC (Irlanda)

empresas mais antigas do mundo 4

O Sean’s Bar, um pub em Athlone, Irlanda, remonta ao distante ano de 900 dC. Durante reformas na década de 1970, os trabalhadores encontraram evidências de que o pub, que já era histórico, poderia existir há mais tempo do que qualquer um tinha pensado anteriormente. Descobriu-se que uma das paredes foi feita de pau a pique. Eles também encontraram algumas moedas que remontam a cerca de 900 dC, o que foi confirmado quando o muro foi testado através de carbono.

 

Acredita-se que o bar foi estabelecido como uma pousada para viajantes que cruzavam os fiordes que já existiam na área.

 

O Sean mantém registros de cada proprietário desde a sua criação, incluindo Boy George, cantor e compositor britânico, que foi titular da propriedade em 1987.

 

3. St. Peter Stiftskeller – Restaurante / Data de fundação: 803 dC (Áustria)

empresas mais antigas do mundo 3

O St. Peter Stiftskeller é mencionado em um documento feito pelo estudioso Alcuin, um seguidor de Carlos Magno, no ano 803 dC. O estabelecimento de Salzburg, na Áustria, afirma ser o mais antigo restaurante documentado em operação contínua. Se isso for realmente verdade, o Stiftskeller seria não só o mais antigo restaurante, mas também a terceira mais antiga empresa do mundo e a mais antiga entre as empresas fora do Japão.

 

2. Nishiyama Onsen Keiunkan – Hotel / Data de fundação: 705 dC (Japão)

empresas mais antigas do mundo 2

Em 705 dC, as fontes termais naturais que cercam o Nishiyama Onsen Keiunkan atraíram visitantes para os banhos termais relaxantes oferecidos pelo hotel. Entre os seus primeiros clientes estavam Samurais e Shoguns. 52 gerações diferentes de descendentes cuidaram e operaram a pousada, aumentando o espaço e modernizando-a lentamente conforme o passar do tempo.

 

O Keiunkan é consideravelmente maior do que era há mais de mil anos, mas tanto a aparência quanto a sensação que o lugar oferece mantiveram-se inalterados, apesar das suas comodidades modernas.

 

1. Kongo Gumi – Companhia de Construção / Data de fundação: 578 dC (Japão)

empresas mais antigas do mundo 1

A construtora japonesa Kongo Gumi era a mais antiga entre as empresas independentes em operação contínua no mundo, até que foi absorvida como uma filial de outra empresa de construção maior em 2006.

 

Com sede em Osaka, a empresa familiar traça as suas origens a 578 dC, quando um dos engenheiros do Príncipe Shotoku trazido de Baekje, um reino antigo localizado no sudoeste da Coréia, para o Japão com o objetivo de construir o Templo de Shitennoji decidiu começar seu próprio negócio. Um pergaminho do século 17, com 3 metros de altura, mostra as 40 gerações da família que surgiram desde início da empresa. Tal como acontece com muitas famílias japonesas ilustres, cunhados e cunhadas muitas vezes se juntaram ao clã e tomaram para si o nome de família Kongo. Assim, ao longo dos anos, a linha tem continuado, quer através de um filho ou uma filha.

 

Infelizmente, nada pode durar para sempre. A Kongo Gumi enfrentou tempos difíceis e entrou em liquidação em janeiro de 2006, mas a empresa continua a operar como uma subsidiária integral do Grupo de Construção Takamatsu.

Fonte: [Oddee] via http://hypescience.com

comentários[0]

26

jan
2016

Obesidade infantil dispara nos países em desenvolvimento

 

Obesidade infantil (Foto: Roos Koole / ANP MAG / ANP/AFP)
Obesidade infantil está crescendo principalmente nos países em desenvolvimento (Foto: Roos Koole / ANP MAG / ANP/AFP)

A obesidade entre crianças de menos de cinco anos atingiu níveis alarmantes em âmbito mundial e virou um pesadelo explosivo nos países em desenvolvimento, alerta a Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

Os autores de um relatório sobre o tema destacam que, historicamente, o fenômeno não tem sido tratado como um problema de saúde pública, ao ser considerado, muitas vezes, uma consequência do estilo de vida das famílias.

 

Mas, ao final de dois anos de pesquisa em mais de 100 países, os autores destacam que os governos e organismos de saúde são fundamentais para discutir esta questão.

 

Se o problema não for tratado com seriedade, "a epidemia de obesidade poderá reverter muitos dos benefícios para a saúde que contribuíram para o aumento da longevidade observado no mundo", apontam os pesquisadores.

 

'A culpa não é das crianças'


"Qual é a mensagem principal? Que a culpa não é das crianças", disse à imprensa o copresidente da comissão redatora do texto, Peter Gluckman.

 

As causas que explicam a obesidade infantil estão relacionados a fatores biológicos, ao acesso inadequado à comida saudável, a uma menor atividade física nas escolas e à desregulamentação do mercado de alimentos gordurosos, aponta o relatório.

 

Gluckman reconheceu que as recomendações feitas, de promover um estilo de vida mais saudável a aplicar mais impostos a bebidas açucaradas, são de senso comum.

 

Contudo, acrescenta que essas recomendações não são aplicadas de forma apropriada em nenhum lugar do mundo. O resultado é que o número de crianças com sobrepeso passou de 31 para 41 milhões entre 1990 e 2014.

 

"Até agora, os avanços na luta contra a obesidade infantil foram lentos e irregulares", indicam os membros da Comissão para o Fim da Obesidade Infantil, ao qual a OMS encomendou o relatório.

 

A obesidade infantil "é uma armadilha explosiva nos países em desenvolvimento", acrescentou Gluckman.

 

Situação alarmante na África


Os números são especialmente alarmantes na África, onde o número de crianças menores de cinco anos com sobrepeso e obesidade quase duplicou entre 1990 e 2014, passando de 5,4 milhões para 10,3 milhões.

 

O relatório explica que, nos países ricos, as crianças pobres correm mais risco de se tornarem obesas, em particular nas culturas em que "frequentemente é considerado que uma criança com sobrepeso é uma criança saudável".

 

Segundo os autores da pesquisa, existem dois processos biológicos que aproximam as crianças da obesidade.

 

O primeiro, chamado de "defasagem", resulta de uma má nutrição durante a gravidez e os primeiros meses de vida, o que pode ter um impacto nas funções genéticas e fazer com que a criança seja mais inclinada a sofrer de sobrepeso mais adiante.

 

O segundo processo, chamado de "desenvolvimento", pode ocorrer quando a mãe grávida é obesa ou tem diabetes. Isto "predispõe a criança a um excesso de gordura associado a problemas de metabolismo e à obesidade", destacou o relatório.

 

Fonte: G1 - Bem Estar

comentários[0]

25

jan
2016

Hoje é o Dia do Carteiro - conheça a origem da data

 

O Dia do Carteiro é comemorado anualmente no dia 25 de janeiro e homenageia uma profissão mais antiga do que muitos imaginam. 

 

Mensageiros sempre existiram, desde a antiguidade, mas a profissão de carteiro como a conhecemos hoje, é bem mais recente. Apesar de muitas mensagens hoje em dia serem enviadas eletronicamente, o carteiro continua desempenhando um papel fundamental na sociedade atual.

 

Origem do Dia do Carteiro

 

O dia 25 de janeiro foi escolhido como Dia do Carteiro porque foi nessa data que o Correio-Mor foi criado, no ano de 1663. Luiz Gomes da Matta Neto foi o nome do primeiro "carteiro" do Brasil. Ele já atuava como Correio-Mor em Portugal, passando depois a ser o responsável no Brasil pela troca de correspondências da Corte portuguesa.

 

A profissão de carteiro tal como a conhecemos hoje, só apareceu em 1835, quando começaram a entregar correspondência nos domicílios. Até essa data as pessoas usavam mensageiros, bandeirantes ou escravos para levarem suas mensagens de um lugar para o outro.

 

Hoje, existem cerca de 50 mil carteiros trabalhando nos Correios do Brasil.

 

Fonte: calendarr.com

comentários[0]

22

jan
2016

Cientistas dizem ter evidências de novo planeta gigante

Desde o rebaixamento de Plutão, o Sistema Solar passara a ter não mais nove, mas oito planetas. No entanto, a suposta existência de um novo planeta gigante pode fazer com que o número de planetas volte a ser o que se pensava.

 

Em um estudo publicado no periódico Astronomical Journal, cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech, na sigla em inglês) dizem terem encontrado "evidências sólidas" de um nono planeta, com órbita estranhamente alongada para este tipo de corpo celeste, na periferia do Sistema Solar.

 

Apelidado de "Planeta Nove", ele ainda não foi visto, ou seja, então não é possível ter certeza de sua existência.

 

Mas as pesquisas indicam que tem uma massa dez vezes superior à da Terra e orbita o Sol a uma distância média 20 vezes superior à de Netuno, que fica localizado, em média, a 4,48 bilhões de quilômetros do Sol e é considerado atualmente o mais longínquo do Sistema Solar.

 

Quanto à distância média da Terra em relação ao Sol, a distância do novo planeta seria 597 vezes superior. Por isso, esse aparente novo planeta levaria entre 10 mil e 20 mil anos terrestres para realizar uma única órbita completa em torno do Sol.

 

Os pesquisadores Konstantin Batygin e Mike Brown se depararam com as primeiras pistas do "Planeta Nove" em 2014 e, desde então, usaram modelos matemáticos e simulações de computadores para chegar às conclusões de sua pesquisa. No entanto, ainda não conseguiram observá-lo diretamente.

 

"Só dois planetas foram descobertos desde os tempos antigos. Este seria o terceiro", disse Brown, em comunicado da Caltech. "É uma porção significativa de nosso Sistema Solar que ainda precisa ser descoberta. É muito empolgante."

 

Fonte: BBC Brasil

comentários[0]

21

jan
2016

Nasa declara 2015 o ano mais quente da história

 

A média da temperatura global em 2015 foi a mais alta já registrada desde o início da medição das temperaturas na superfície da Terra, em 1880. A informação foi divulgada hoje (20) pela Nasa e confirmada pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, que chegaram a essa conclusão em estudos independentes.

 

A temperatura média global no ano passado superou o recorde anterior, de 2014, em 0,13 °C. A Nasa informou que o recorde de 2015 acompanha a tendência de aquecimento observada nos últimos anos. Segundo a agência espacial, de 2001 para cá, ocorreram 15 dos 16 anos mais quentes já registrados na história.

 

A temperatura média do planeta subiu 1°C desde o final do século 19, aumento atribuído em grande medida às emissões de dióxido de carbono e outros gases resultantes da atividade humana na atmosfera.

 

Segundo a agência espacial, fenômenos como El Niño, com forte efeito no aquecimento das águas do Oceano Pacífico, ao longo do ano passado, podem contribuir com variações temporárias da temperatura média global.

 

No entanto, o especialista Gavin Schmidt, que dirigiu a análise da Nasa, diz que 2015 foi um ano notável mesmo no contexto do El Nino. “As temperaturas do ano passado tiveram, sim, influência de El Niño, mas é o efeito cumulativo da tendência de longo prazo que resultou no registro de aquecimento que estamos vendo”, afirma Schmidt, em declaração publicada no no site da Nasa.

 

As análises da Nasa têm por base medições feitas em 6.300 estações meteorológicas, navios e boias de temperatura nos oceanos, além de estações de pesquisa da Antartida. As medições brutas são analisadas com o uso de um algoritmo que leva em conta a distância entre as estações em todo o mundo e os efeitos do aquecimento urbano, que poderiam distorcer os resultados.

 

Os cientistas da NOAA baseiam-se nos mesmos dados brutos de temperatura, mas usam métodos diferentes para analisar as temperaturas globais.

 

Com informações da Agência Brasil - Via Tribuna de Petrópolis.

comentários[0]

19

jan
2016

Origem dos brechós

 

Dizem que os brechós têm sua origem nos mercados de pulgas da Europa, onde se podia comprar e vender praticamente tudo. As feiras aconteciam ao ar livre e como as peças eram usadas e não havia lá muita preocupação com a higiene, animais como pulgas não eram incomuns, daí a origem do nome “mercado de pulgas”.

 

As primeiras lojas de segunda mão no mundo surgiram no século 19 e se tornaram populares com as crises produzidas pela 1ª e 2ª guerras mundiais, principalmente através da Cruz Vermelha com a venda de produtos doados a preços bem acessíveis. Desde então, não perderam mais o seu apelo, fosse para ajudar os pobres, ou como um negócio para vender produtos a baixo custo.

 

No Brasil, a origem da palavra “brechó” é bem peculiar. Também no século 19, no Rio de Janeiro, surgiu uma loja de artigos usados chamada Casa do Belchior. A crescente popularidade do local fez com que o nome Belchior fosse associado a estabelecimentos que vendiam produtos usados e antigos (até Machado de Assis usou a expressão “loja de belchior” em um de seus contos). Com o passar do tempo a palavra sofreu um processo de mudança e se adaptou a “brechó”, dando origem ao novo termo.

 

o entanto, a ideia por trás das lojas de segunda mão não é mais a mesma. Elas evoluíram e hoje não só produtos usados podem ser vendidos, mas peças novas também são bem-vindas. Os cuidados são maiores com a qualidade e limpeza das peças, surgiram os brechós online e, em relação a alguns artigos, preços e valores também mudaram. Para cima.

 

Hoje os brechós são os grandes queridinhos da moda. Há uma enorme valorização das peças antigas no universo fashion, assim como nas artes e no design, com a entrada de roupas, sapatos, bolsas e acessórios datados, de grifes famosas. Essa é outra novidade dos brechós, e se chama vintage. É vintage, por exemplo, um vestido assinado por Yves Saint Laurent, uma carteira Gucci, uma bolsa Channel. E por aí vai.  Isso é brechó!

 

Fonte: Jornal A voz da Serra

comentários[0]

15

jan
2016

Pesquisadores descobrem tubarão que brilha no escuro

 


 

tubarao brilha escuro

Este tubarão recém-descoberto não é muito grande, mas ainda assim é assustador: ele possui a capacidade de se tornar invisível, de forma que você não vai vê-lo se aproximando, exatamente como no famoso suspense de Steven Spielberg.

 

Tubarão ninja

Com cerca de meio metro de comprimento, o chamado “ninja lanternshark” (em tradução livre, algo como “tubarão lanterna ninja”) vive a uma profundidade de cerca de 1.000 metros.

Oito indivíduos foram encontrados na costa do Oceano Pacífico na América Central até o momento. O animal foi descoberto pelo Centro de Pesquisa de Tubarões do Pacífico, que fica no estado americano da Califórnia.

O nome latino dado a espécie foi Etmopterus benchley, em homenagem a Peter Benchley, o autor de “Tubarão”.

Já seu nome popular foi sugerido pelos primos da pesquisadora Vicky Vasquez, que disseram que a aparência impressionante do novo animal o fazia parecer um “super ninja”.

 

Brilhando

A pele do tubarão é negra, o que lhe permite se “camuflar” nas profundezas marinhas onde caça. Ele também brilha no escuro, mas isso não é uma vantagem para as presas: na realidade, é uma combinação mortal que o torna ainda mais imperceptível.

 

De acordo com Vasquez, o animal é quase invisível para suas vítimas. Ele usa os fotóforos em sua pele para produzir um brilho fraco que, em combinação com sua pele negra, permite que o tubarão se misture com a luz limitada das profundezas do oceano.

 

Fonte [IFLS] via http://hypescience.com

comentários[0]

13

jan
2016

Consumo diário de bebida com açúcar aumenta gordura visceral

 

Esse tipo de gordura está associado a maior risco de diabetes e infarto.
Pesquisa acompanhou mais de mil adultos por seis anos.

 

Refrigerante (Foto: Mario Tama/Getty Images North America/AFP)Bebidas com adição de açúcar estão associadas com aumento da gordura visceral, segundo estudo americano (Foto: Mario Tama/Getty Images North America/AFP)

 

O consumo diário de bebidas industrializadas com açúcar está associado ao aumento do volume de gordura visceral no corpo. Esta é a gordura que se acumula no abdômen e está associada ao aumento do risco de diabetes e de doenças cardíacas.

 

A conclusão veio a partir da análise de dados do Estudo Framingham do Coração, pesquisa financiada pelo governo dos Estados Unidos, e foi publicada na revista científica "Circulation", editada pela Associação Americana do Coração, nesta segunda-feira (11).

 

Ao todo, 1.003 adultos com idade média de 45 anos foram acompanhados por seis anos. No início e no final desse período, eles responderam a questionários sobre o consumo de bebidas e passaram por exames de imagem para verificar a quantidade de gordura no corpo.

 

Os resultados mostraram que, entre os que consumiam bebidas açucaradas, o volume de gordura visceral cresceu mais do que entre os que não consumiam esse tipo de bebida e mais do que entre os que bebiam refrigerantes sem adição de açúcar.

 

Ao longo dos seis anos em que os participantes foram acompanhados, os que não bebiam bebidas com açúcar tiveram um aumento de 658 centímetros cúbicos de gordura visceral. Entre os que consumiam esse tipo de produto diaramente, o aumento foi de 852 centímetros cúbicos.

Para a principal autora do estudo, Caroline S. Fox, isso é uma evidência que liga as bebidas adoçadas com acçúcar a doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2. "Nosso recado para os consumidores é seguir as diretrizes de alimentação atuais e estar conscientes da quantidade de bebidas com açúcar que bebem. Para as autoridades, esse estudo acrescenta evidências a um crescente corpo de pesquisa que sugere que bebidas com açúcar podem fazer mal à nossa saúde."

 

Fonte: G1

comentários[0]

4

jan
2016

Qual é a caverna mais profunda do mundo?

 

 

 

 

 

O explorador de cavernas Bill Stone anunciou que, em 2017, vai liderar uma expedição ao sistema de cavernasCheve, um complexo subterrâneo na região de Oaxaca no México, que pode ter cerca de 2,57 quilômetros de profundidade.

Se isso for verdade, Cheve iria ganhar o título de caverna mais profunda do mundo, batendo o recorde atualmente detido pela Caverna Voronya nas montanhas do Cáucaso Ocidental, na Geórgia, com cerca de 2,09 quilômetros de profundidade.

 

Recorde evasivo

Mesmo se Cheve estabelecer um novo recorde, ele pode não durar. Dados geológicos nos levam a acreditar que existem inúmeras cavernas profundas desconhecidas em todo o mundo.

Tendo em conta os limites da tecnologia utilizada para sua detecção, porém, encontrar essas cavernas é um grande desafio, e explorá-las um ainda maior.

 

O que há debaixo da Terra

Terrenos conhecidos como relevos cársticos, em que a água pode infiltrar-se para esculpir cavernas, cobrem 20 a 25% da superfície terrestre do planeta. “Há provavelmente dezenas de milhares de cavernas desconhecidas lá fora”, explica George Veni, diretor-executivo da Caverna Nacional e Instituto de Pesquisa Carste nos EUA.

Pelo menos em teoria, algumas dessas cavernas podem atingir profundidades maiores do que quaisquer seres humanos já exploraram. “O único limite é quão longe as águas subterrâneas podem circular no calcário até que a pressão se torne muito grande”, disse o hidrólogo Lewis Land. “E parece que [esse limite é] muito mais profundo do que se pensava”.

O Poço Superprofundo de Kola, um experimento da era soviética para perfurar profundamente a Terra que durou de 1970 até 1994, encontrou circulação de água a uma penetração de quase 7 quilômetros.

Na década de 1980, um projeto de exploração de petróleo em Oklahoma, nos EUA, alcançou uma caverna pelo menos 3,5 quilômetros abaixo da superfície da Terra. No entanto, esse tipo de câmara subterrânea, que não tem entrada em qualquer lugar perto do nível de superfície, é difícil, se não impossível de se explorar.

 

Melhorar a tecnologia de detecção

Outras cavernas superprofundas podem ser acessíveis, no entanto – os pesquisadores só precisam conseguir localizá-las. Neste momento, os meios para fazer isso são restritos.

A tecnologia de detecção mais disponível para exploradores é a resistividade elétrica, em que um instrumento mede como a eletricidade se move através do solo, e procura por flutuações sutis que indicam uma caverna abaixo da superfície.

Mas esse método só é útil a uma profundidade de cerca de 240 metros. Sísmica de reflexão, uma tecnologia usada por empresas de prospecção de petróleo e gás, pode chegar mais fundo, mas não tem a resolução para detectar uma passagem que pode ser de apenas alguns metros de largura.

E enquanto os cientistas espaciais podem estudar mundos distantes com satélites incríveis, as tecnologias de sensoriamento remoto são muito limitadas com cavernas. Em algumas circunstâncias, imagens térmicas podem revelar entradas de cavernas com fluxo de ar frio ou quente em comparação com as temperaturas de superfície.

 

Nem a tecnologia, nem o homem chega

A única forma real de determinar a profundidade de uma caverna é quando os seres humanos chegam ao fundo dela, e não há nenhuma garantia de que seremos capazes de sondar profundamente o sistema Cheve, por exemplo, para definir o recorde.

A Caverna Voronya, mencionada no início desse texto, pode ser pelo menos tão profunda quanto o tamanho projetado de Cheve. De acordo com Alexander Klimchouk, pesquisador do Instituto de Ciências Geológicas, ela também ainda permanece inexplorada em certas partes.

 

Aplicações interessantes

Independentemente de qual caverna acabar por ser a mais profunda, a ciência vai ganhar. Estes espaços contém uma quantidade potencialmente grande de informação. Por exemplos, são cheios de organismos vivos, incluindo insetos e micróbios que podem ajudar os cientistas a descobrir novos antibióticos e outros medicamentos.

As cavernas fundas também preservam evidências de ciclos climáticos do passado, que os pesquisadores podem usar para ajustar seus modelos para tendências futuras.

Além disso, a NASA está interessada em estudar cavernas na Terra para desenvolver tecnologia para explorá-las em Marte ou outros mundos.

Fonte: http://hypescience.com [comentários[0]

Clima Tempo