Portal da Educao Adventista

*Professor Genivaldo *

12

set
2012

Origem dos furacões

Nasa divulga primeira imagem aérea de tempestade tropical em formação.

 

Avião não tripulado sobrevoou área de formação de tempestades no mar.


Missão HS3 foi feita para estudar origem de furacões.

Avião da Nasa sobrevoa tempestade em formação no Atlântico (Foto: Nasa)Avião da Nasa sobrevoa tempestade em formação no Atlântico (Foto: Nasa)

A agência espacial norte-americana (Nasa) divulgou nesta terça-feira (11) as primeiras fotos feitas pelo avião Global Hawk do alto de uma tempestade tropical. A aeronave não tripulada foi adaptada pela Nasa para sobrevoar furacões e tempestades tropicais e fazer novos estudos desses fenômenos, em uma missão conhecida como HS3.

O avião fez seu voo inaugural no dia 7, quando partiu da Califórnia, atravessou o país, sobrevoou um furacão no Atlântico e pousou na Virgínia, na costa leste. Nesta terça, ele voltou a decolar para estudar a depressão tropical 14, que está em formação no Oceano Atlântico e deve se tornar uma tempestade tropical nos próximos dias.

 

O Global Hawk não é tripulado, e seu controle é feito por pilotos em terra. A aeronave ultrapassa os 18 mil metros de altitude e consegue voar por até 28 horas seguidas. Os principais objetos de estudo são a formação e as mudanças na intensidade dos furacões e das tempestades tropicais, por meio de fatores como vento, temperatura, vapor d'água e gotículas de chuva suspensas no ar.

 

Fonte: G1

comentários[0]

11

set
2012

Os cães gostam mesmo de surfar?

 

Os cães gostam mesmo de surfar

Crédito da foto: Thinkstock

 

Adestradores de cães surfistas garantem que os animais se divertem quando sobem em uma prancha.

 

"Só surfamos com cães que adoram água e praia", explica Rob Kuty, adestrador do Centro de Animais Helen Woodward, em San Diego. "É quase impossível ensinar surfe a cães que têm medo ou não gostam de água, por isso animais assim não participam de competições desse tipo". 

 

Kuty adestra cães com esse perfil na Clínica de Surfe do centro, de junho a agosto, e os participantes podem participar da competição anual Surf Dog Surf-A-Thon, que arrecada fundos anualmente para a instituição.

 

Kuty começa "reduzindo a sensibilidade dos cães à prancha", deixando-os ficar à vontade sobre elas ainda na areia. Em seguida, o treinador reforça o comportamento elogiando os cães que permanecem em cima das pranchas e ignorando os demais.

 

"Isso leva os cães a gostar do esporte, porque são treinados para ver as pranchas como objetos positivos", explica Kuty.

 

Quando os animais estão à vontade, Kuty e seus ajudantes os colocam na água e seguram as pranchas para deixá-los sentir o ritmo das das ondas. Nesse momento, os animais exibem seu estilo específico. Alguns gostam se surfar na ponta da prancha, enquanto outros se equilibram na lateral e até ficam de costas para a praia.

 

"Resumindo, os cães que surfam com frequência adoram a praia e a água, desenvolveram uma associação positiva com a prancha e encontraram uma forma confortável de se equilibrar sobre elas", atesta o treinador.

 

Se o cão for talhado para o esporte, contar com uma prancha de tamanho apropriado e for saudável, Kuty afirma que qualquer raça pode praticar surfe. Os buldogues, por exemplo, gostam de se deitar na prancha, provavelmente para distribuir o peso. Outras raças preferem surfar em pé ou sentadas.

 

A avaliação durante as competições depende do evento. Recentemente, a Campeonato de Surfe Canino Coronado Bay Resort, por exemplo, julgou os cães pela confiança, tempo da manobra e estilo, segundo o juiz Teevan McManus. O "estilo" não se refere só às roupas, mas ao tipo de movimentos que o cão executa. Alguns surfam em roupas chamativas e até usam óculos de sol.

 

Betsy McFarland, vice-presidente da divisão de animais de companhia da Sociedade Protetora dos Animais nos Estados Unidos, espera que as "roupas" usadas sejam coletes salva-vidas. "O bom senso precisa prevalecer".

 

Ela sugere que os donos peçam uma avaliação física completa a um veterinário para garantir que os cães estejam saudáveis e suportem o esforço e a água fria.

 

"Os cães não podem ficar extenuados enquanto surfam", alerta McFarland.

 

Assim como Kuty, ela acredita que os cães devem demonstrar um interesse natural pela natação, pranchas de surfe e a vida na praia. Em geral, muitos cães que surfam pertencem a donos surfistas, que sempre os levam para o mar.

 

McFarland só aprova a prática se o cachorro mostrar entusiasmo pelo esporte, tiver boa saúde e for cuidadosamente monitorado para garantir sua segurança.

 

"Tomando os devidos cuidados, surfe pode ser ótimo para os cães", arremata.

 

Fonte: Discovery

comentários[0]

11

set
2012

Como a Internet começou?

 

Como a Internet começou

Foto: iStockphoto

 

Se você mencionar a história da Internet a um grupo de pessoas, é bem provável que alguém faça um comentário jocoso sobre a suposta contribuição de Al Gore à sua invenção. De fato, Gore afirmou que "tomou a iniciativa de criar a Internet" [fonte: CNN]. Ele promoveu o desenvolvimento da rede mundial como senador e como vice-presidente dos Estados Unidos. Mas como a Internet realmente começou? Acredite ou não, tudo começou com um satélite.

 

Em 1957, a União Soviética lançou o Sputnik, o primeiro satélite fabricado pelo homem. Os americanos ficaram chocados com a notícia. A Guerra Fria estava no auge, e os dois países se consideravam inimigos. Se os russos era capazes de lançar um satélite no espaço, também poderiam lançar um míssil sobre os Estados Unidos.

 

O presidente Dwight D. Eisenhower criou a Agência de Projetos de Pesquisa Avançados (ARPA) em 1958, em uma resposta direta ao lançamento do Sputnik. O objetivo da ARPA era proporcionar aos Estados Unidos uma vantagem tecnológica sobre os demais países, e uma parte importante de sua missão era a ciência da computação.

 

Na década de 1950, os computadores eram equipamentos enormes que enchiam salas inteiras. Tinham uma fração da capacidade de processamento de um PC moderno. Muitos computadores só podiam ler fitas magnéticas ou cartões perfurados, e era impossível fazer os computadores trabalharem em rede.

 

A ARPA se propôs a fazer isso e se aliou à empresa Bolt, Beranek and Newman (BBN) para criar a primeira rede de computadores. Ela deveria conectar quatro computadores que rodavam quatro sistemas operacionais diferentes, e foi batizada de ARPANET

 

Sem a ARPANET, a Internet não seria como a conhecemos hoje - talvez sequer existisse. Embora outros grupos trabalhassem para criar redes, a ARPANET estabeleceu os protocolos usados na Web hoje. Além disso, sem a ARPANET, talvez levasse muitos anos até alguém tentar conectar redes regionais a um sistema maior.

 

Domando a Internet

 

Várias organizações e comitês foram criados para dar forma à Internet atual, entre eles, o Internet Activities Board, o Federal Research Internet Coordinating Committee e o Federal Networking Council, entre outros. Estes grupos trabalharam juntos para estabelecer regras e padrões que possibilitaram a interligação entre redes de computadores.

 

Fonte: Discovery

comentários[0]

11

set
2012

5 animais do Brasil estão entre os mais ameaçados do mundo

 

Lista com cem espécies que podem desaparecer foi divulgada nesta terça.


Primata, ave, roedor e duas borboletas correm risco no país, diz estudo.

 

Cinco espécies brasileiras de animais estão entre as cem mais ameaçadas de extinção no planeta, de acordo com uma lista publicada nesta terça-feira (11) pela Sociedade Zoológica de Londres.

 

As espécies brasileiras citadas no livro "Valiosos ou Sem Valor" (numa tradução livre), lançado no Congresso Mundial da Natureza, na Coreia do Sul, incluem o macaco muriqui-do-norte (Brachyteles Hypoxanthus), o pássaro soldadinho-do-Araripe (Antilophia bokermanni), duas borboletas (Actinote zikani e Parides burchellanu) e uma espécie de preá (Cavia intermedi).

 

É a primeira vez que mais de 8 mil cientistas reúnem-se para avaliar os animais, plantas e fungos mais ameaçados ao redor do globo. A lista contém espécies encontradas em 48 países diferentes. "Todas as espécies listadas são únicas e insubstituíveis. Se elas desaparecerem, não haverá dinheiro que as traga de volta", disse Ellen Butcher, da Sociedade Zoológica de Londres, co-autora do relatório (confira o documento completo, em inglês).

 

"No entanto, se tomarmos ações imediatas, podemos dar a elas chances de lutar pela sobrevivência. Mas isso requer que a sociedade apoie a posição moral e ética de que todas as espécies têm direito de existir."

 

Imagem do muriqui-do-norte, primata que foi incluído na lista dos animais com risco de desaparecer. (Foto: Divulgação/)Imagem do muriqui-do-norte, primata que vive no Brasil e que foi incluído na lista dos animais que correm risco de desaparecer. (Foto: Divulgação/Sociedade Zoológica de Londres)

Um dos destaques da lista é o muriqui-do-norte, maior macaco das Américas, só encontrado na Mata Atlântica, no Sudeste do país. A população é calculada em menos de mil macacos, principalmente em algumas dezenas de reservas privadas e do governo.

 

"O desmatamento em larga escala e um passado de corte seletivo de madeira reduziu o ecossistema único do muriqui-do-norte para uma fração de sua extensão original, e as pressões de caça também afetaram as populações locais", disse o relatório.

 

                         Exemplar macho de soldadinho-do-Araripe, espécie existente apenas no Ceará e que corre o risco de desaparecer (Foto: Divulgação/Ciro Albano)
Exemplar macho de soldadinho-do-Araripe, espécie existente apenas no Ceará e que corre o risco de
desaparecer (Foto: Divulgação/Ciro Albano)

A publicação cita também o soldadinho-do-araripe, ave de cerca de 14 centímetros que vive apenas na Chapada do Araripe, no Ceará. A população é calculada em 779 indivíduos. O relatório afirma que a principal ameaça é a "destruição do hábitat devido à expansão da agricultura, unidades de recreação e parques aquáticos."

 

O preá Cavia intermedia, que existe apenas nas Ilhas Moleques do Sul, em Santa Catarina, tem população de apenas 40 a 60 indivíduos, segundo a instituição baseada em Londres, que sugere que haja mais fiscalização ao parque estadual onde estão as ilhas, além de regulamentação do acesso à área.

 

A lista de 100 espécies mais ameaçadas inclui ainda a borboleta Actinote zikani, que vive na Serra do Mar, perto de São Paulo, e a Parides burchellanus, com uma população de menos de 100 indivíduos no Cerrado brasileiro.


*Com informações da Reuters

Da esquerda para a direita (Foto: Divulgação)Da esquerda para a direita: preá 'Cavia intermedia', além das borboletas 'Actinote zikani' e 'Parides burchellanus'. (Foto: Divulgação/Sociedade Zoológica de Londres)

comentários[1]

10

set
2012

Parto natural estimula o desenvolvimento cerebral dos bebês

 

Parto natural estimula o desenvolvimento cerebral dos bebês

Foto: iStockphoto

 

As mães que têm a opção de escolher entre um parto normal e uma cesariana, fariam bem em escolher a primeira opção. De acordo com uma pesquisa recente, o parto normal pode favorecer o desenvolvimento cerebral do bebê.

 

O parto normal desencadeia a liberação de uma proteína no cérebro dos recém-nascidos que favorece o desenvolvimento e o funcionamento do cérebro; é o que garante o estudo publicado na revista científica online PLoS ONE. Esse benefício se estende até a fase adulta.

 

Esta proteína, aparentemente mágica, é chamada de "proteína mitocondrial desacopladora 2", ou UCP2.

 

Já se sabia que a UCP2 era importante no desenvolvimento de certos neurônios e circuitos cerebrais responsáveis pela memória a curto e a longo prazos. Ela está envolvida no metabolismo celular das gorduras, um dos componentes-chave do leite materno.

 

Portanto, a UCP2 não apenas favorece a transição do bebê para a fase de lactação materna, como também estimula o desenvolvimento cerebral.

 

Ainda não se sabe exatamente como o parto natural desencadeia a liberação desta proteína tão benéfica. Poderia ser algo bioquímico, hormonal, ou que tivesse relação com a estimulação gerada pelo movimento.

 

O que está claro é que as cesarianas diminuem essa proteína. Os partos por cesariana permitem o nascimento do feto por meio de uma incisão cirúrgica na parede do abdômen e do útero.

 

Algumas cesarianas são feitas em situações críticas, previnem determinados problemas, mas outras são feitas por opção. Os médicos se mostram cada vez mais preocupados com estas últimas.

 

"Os resultados da pesquisa demonstram um papel potencialmente crítico da UCP2 no desenvolvimento dos circuitos cerebrais", declarou Tamas Horvath, da Escola de Medicina de Yale. "O aumento no número de cesarianas feitas por conveniência, e não por necessidade médica, poderia ter um efeito inesperado de atraso no desenvolvimento e no funcionamento cerebral dos seres humanos".

 

Além disso, a cesariana envolve muitos riscos. Portanto, é melhor que as mães optem por partos normais sempre que for possível.

 

Fonte: Discovery

comentários[0]

10

set
2012

A Grande Muralha da China é mais extensa do que se imaginava

 

A Grande Muralha da China é mais extensa do que se imaginava

Crédito da foto: Getty Images

 

A Grande Muralha da China é mais de duas vezes maior do que se pensava, segundo o primeira levantamento arqueológico definitivo da emblemática estrutura de defesa.

 

Divulgado pela Administração Estatal do Patrimônio Cultural da China(SACH), o levantamento começou em 2007 e mapeou todos os trechos da muralha em 15 províncias do país.

 

Os técnicos descobriram que a muralha é bem mais extensa do que se pensava. Na verdade, tem 21.196,18  quilômetros de comprimento, contra os 8.850 quilômetros divulgados em um estudo preliminar em 2009.

 

O levantamento identificou um total de 43.721 sítios históricos, incluindo "trechos da muralha, passagens e estruturas de defesa, além de outras instalações e ruínas da Grande Muralha", afirmou o diretor da SACH,  Tongo Mingkang.

 

Conhecida pelos chineses como "Longa Muralha de 10.000 Li", a Grande Muralha é a maior estrutura artificial do mundo, uma série de fortificações interligadas, feitas de pedra, tijolos e barro, cuja construção começou no século 7 a.C.

 

A estrutura defensiva foi interligada pela primeira vez pelo Imperador Qin Shi Huang, por volta de 220 a.C., para proteger o antigo império chinês das tribos bárbaras do norte.

 

Desde então, muitas dinastias assumiram a manutenção da muralha e a reformaram. Grande parte da estrutura remanescente foi reconstruída durante a Dinastia Ming (1368-1644). Hoje, apenas 8,2% da estrutura construída nesse período está intacta, e o restante está em condições precárias, segundo o levantamento.

 

Declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1987, a muralha sofreu grandes danos em decorrência da atividade humana, obras de infraestrutura e turismo. Uma grande parte desabou e, em alguns trechos, restaram apenas as fundações.

 

"A proteção e a preservação do que restou da Grande Muralha não devem ser adiadas", enfatizou o relatório.

 

Até 2015, a SACH estabelecerá diretrizes gerais para a proteção da Grande Muralha, instalando um sistema de monitoramento para garantir sua preservação, informou a agência de notícias estatal Xinhua.

 

Fonte: Discovery

comentários[1]

10

set
2012

Pesquisadores desvendam técnica de corrida dos guepardos

 

Felinos chegar a atingir 96,5 km/h em menos de três segundos; trata-se do primeiro mapeamento dos músculos do animal já feito. Foto: Reuters

Felinos chegar a atingir 96,5 km/h em menos de três segundos; trata-se do primeiro mapeamento dos músculos do animal já feito
Foto: Reuters

 

 

Pesquisadores japoneses mapearam pela primeira vez a distribuição dos músculos do corpo do guepardo, considerado o animal mais veloz do mundo (em terra). O objetivo é analisar como o mamífero consegue atingir velocidades recordes em pouco tempo.

 

Ao comparar os músculos do guepardo com os de animais domésticos, como gatos e cachorros, a equipe de cientistas japoneses constatou a capacidade especial de propulsão dos músculos de suas patas traseiras. Os resultados, publicados no jornal Mammalian Biology, analisam como os músculos de animais domésticos se comparam aos do mamífero terrestre mais veloz do mundo.

 

"O estudo dos músculos é indispensável para entendermos a corrida do guepardo", explicou a Dra. Naomi Wada, coautora do estudo e professora de Fisiologia na Universidade Yamaguchi, no Japão.

 

"Cada músculo é associado a uma atividade específica", acrescentou. O estudo mostrou que a fibra muscular nomeada de Tipo I produz uma pequena força resistente à fadiga. Esse músculo é utilizado para manter a postura e a caminhada lenta do animal.

 

Já a fibra Tipo IIa foi atribuída a um andar mais rápido e ao trote, enquanto que a Tipo IIx ou "veloz" é a chave para uma corrida veloz e para o galope dos guepardos.

 

Ao mapear a distribuição das fibras e dos músculos no corpo dos guepardos, os cientistas podem chegar mais perto de desvendar a técnica impressionante de corrida dos felinos.

 

"A diferença funcional entre os músculos das patas traseiras e dianteiras é o fator mais marcante nas chitas", disse Wada. "Os músculos dianteiros têm muitas fibras do Tipo I. É a maior incidência entre os três animais analisados. Os músculos das patas traseiras têm muitas fibras Tipo IIx", acrescentou.

 

Carros de tração traseira

A maioria dos automóveis não se equipara à aceleração dos guepardos, que vai de zero a 96,5 km/h em menos de três segundos. Estudos anteriores mostraram que as longas passadas dos gatos são a chave para sua habilidade. Com membros longos e flexíveis, as chitas passam mais da metade da corrida no ar.

 

Fonte: Terra

comentários[1]

10

set
2012

Pesquisa encontra acampamento romano mais antigo da Alemanha

 

Acampamento de Hermeskeil já era conhecido, mas sua idade ainda não.


Até 10 mil soldados moraram no local em 50 antes de Cristo.

 

Arqueólogos alemães apresentaram nesta segunda-feira (10) na cidade de Hermeskeil, no oeste do país, vestígios do que é considerado o mais antigo acampamento militar romano já encontrado até hoje no território da antiga Germânia.

 

Construído entre os anos 53 e 51 a.C., o acampamento foi erguido pelas tropas de Julio César no final das Guerras da Gália em um terreno de cerca de 26 hectares protegido por uma muralha de terra.

 

Os arqueólogos da Universidade de Mainz conseguiram datar a idade do acampamento graças aos restos de cerâmica e os pregos das sandálias dos legionários encontrados no local.

 

O acampamento era utilizado por entre 5 mil e 10 mil legionários e estava estrategicamente situado para manter afastados os celtas, que ocupavam a fortaleza de Hunnenring, localizado nas proximidades do abrigo.

 

Prego de sandálias encontrado nas ruínas de Hermeskeil (Foto: Sabine Hornung/Arno Braun/Universidade de Mainz/Divulgação)
Prego de sandálias encontrado nas ruínas de Hermeskeil (Foto: Sabine Hornung/Arno Braun/Universidade de Mainz/Divulgação)

A existência do acampamento romano na colina de Hermeskeil já era apontada desde o século 19, mas sua importância e idade só foram constatadas até as escavações mais recentes, disse a arqueóloga responsável pelos trabalhos no local, Sabine Hornung.

 

Até agora, pensava-se que o acampamento militar romano mas antigo em solo alemão tinha sido construído no ano 30 a.C na colina de Petris, na cidade de Trier, no atual estado da Renânia-Palatinado, na fronteira com Luxemburgo.

 

Foram encontrados no acampamento de Hermeskeil mais de 70 pregos utilizados nas sandálias, usados para permitir que os legionários andassem em terrenos enlameados sem deslizar.

 

Outros achados relevantes foram algumas armas e um moinho de cereais, que em seu conjunto permitiram determinar que o local não se tratava de um acampamento provisório, mas de um lugar habitado permanentemente.

 

Sabine disse que ainda há muitos mistérios para desvendar e que por isso as escavações ainda vão durar mais cinco anos. Os arqueólogos pretendem descobrir se o exército romano chegou a travar combates com a fortaleza celta situada a cinco quilômetros do acampamento.

 

Fonte: G1

comentários[0]

8

set
2012

Alimentos orgânicos são mais nutritivos que os convencionais

 

Um novo estudo, da Washington State University, aponta que os alimentos orgânicos não são apenas mais nutritivos do que os convencionais, como também fazem bem ao solo onde são plantados.

 

O número de diferenças nutricionais não é enorme, mas é significativo. Alimentos orgânicos, por exemplo, possuem mais fósforo. O estudo analisou 13 tipos de morangos orgânicos e 13 tipos de morangos convencionais e determinou que os orgânicos são mais saborosos, nutritivos e deixam uma maior variedade genética no solo em que são plantados.

 

Mais detalhadamente, os orgânicos tinham maiores níveis de antioxidantes, ácido ascórbico e polifenóis. Provadores anônimos experimentaram as diversas variedades de morangos e concordaram que os orgânicos também eram os mais saborosos e tinham uma aparência melhor.

 

Quando analisaram o solo no qual os morangos eram cultivados, os cientistas concluíram que o solo dos frutos orgânicos tinha uma maior diversidade genética, mais micronutrientes, seqüestrava uma maior quantidade de carbono e tinha uma maior atividade enzimática.

 

[DailyTech]

comentários[0]

8

set
2012

A verdade sobre os gatos: eles fazem bem à saúde

 

                            A verdade sobre os gatos eles fazem bem à saúde
   Foto: Comstock

 

Artigos publicados nos últimos anos têm relacionado gatos a todo tipo de coisa, de câncer a psicose, mas novos estudos sugerem que os bichanos são benéficos para a saúde humana, e podem até reduzir o risco de câncer e outras doenças.

 

Depoimentos publicados na revista Biology Letters, por exemplo, contrariam a crença de que gatos provocam câncer cerebral em seres humanos.

 

Marion Vittecoq e seus colegas do Centro de Pesquisas Tour du Valat concluíram que os gatos não devem ser responsabilizados pelo câncer humano. Na verdade, os estudos mostram exatamente o oposto.

 

A pesquisadora afirmou ao Discovery Notícias que "estudos sobre a ligação entre o câncer e o contato com gatos ou não revelaram nenhuma associação, ou demonstraram um risco reduzido de câncer nos donos".

 

Como exemplo, Vittecoq e o co-autor Frédéric Thomas citam um estudo do Instituto Nacional de Saúde realizado por GJ Tranah. Ele descobriu que os donos de cães e gatos apresentavam risco reduzido de contrair o linfoma não-Hodgkin. Quanto maior a duração do contato com o animal de estimação, menor a chance de sofrer deste tipo de câncer.

 

As razões pelas quais cães e gatos beneficiam a saúde humana ainda são um mistério, mas outro estudo recente fornece algumas pistas intrigantes. Ele constatou que crianças que têm animais de estimação em casa sofrem de menos doenças do trato respiratório.

 

"Nossos resultados apoiam a teoria de que, durante o primeiro ano de vida, os contatos com animais são importantes, possivelmente levando a uma melhor resistência a doenças infecciosas respiratórias durante a infância", escreveu Eija Bergroth na revista Pediatrics.

 

Inúmeros outros estudos demonstram os benefícios que ter um animal de estimação traz à saúde mental, sobretudo para estudantes, idosos e pessoas com doenças crônicas. Em tais casos, os animais podem proporcionar grande consolo e companheirismo.

 

Os gatos ganharam má reputação ao longo dos anos, mas por razões diferentes. Uma delas se baseia em superstições antigas e risíveis, como "gatos pretos dão azar". A outra, no entanto, refere-se a uma discussão científica sobre a ligação entre o câncer e o parasita protozoário Toxoplasma gondii.

 

Em uma pesquisa anterior, Vittecoq e Thomas determinaram que há uma correlação positiva entre o parasita e a incidência de câncer no cérebro. Os felinos podem hospedar o parasita, o que gerou o frenesi na mídia - "gatos fazem mal à saúde" - ao longo dos últimos meses.

 

Mas os próprios autores indicam que os gatos foram erroneamente difamados, já que outros estudos defendem os benefícios que trazem. Ademais, a ligação entre o parasita e o câncer ainda não foi firmemente estabelecida.

 

Thomas explicou que "os seres humanosgeralmente se infectam pelo consumo de carne mal cozida de ovelhas, que contém as fases assexuadas do T. gondii" ou através de contato com solo contaminado (nada que uma boa higiene não resolva). Outros estudos mostram que a ingestão do parasita via água contaminada, frutas, legumes e leitede cabra cru podem ocasionar a infecção. As vias de transmissão são similares à da bactéria E.coli.

 

Victoria Benson, da Unidade de Epidemiologia da Universidade de Oxford, também abordou a questão na última edição da revista Biology Letters.

 

Benson e sua equipe estão realizando o chamado de "Million Women Study" (Estudo de Um Milhão de Mulheres), uma enorme compilação de dados sobre mulheres de meia-idade no Reino Unido. Os cientistas não encontraram nenhuma ligação entre a incidência de câncer no cérebro e o contato dessas mulheres com gatos.

 

"No entanto, isso não descarta a possibilidade de que uma infecção por T. gondii de outra fonte seja associada à incidência de câncer cerebral", escreveu Benson.

 

Se essa outra fonte, que pode até ser outro parasita, for identificada, Thomas afirma que poderia "proporcionar um meio de reduzir o risco de câncer no cérebro, sobretudo em países como a França, onde a incidência de câncer cerebral e T. gondii é elevada".

 

Fonte: Discovery

comentários[0]

8

set
2012

Nova descoberta dá credibilidade à história de Sansão

 
Uma pequena pedra encontrada em Israel pode ser a primeira evidência arqueológica da história de Sansão, o fortão mais famoso da Bíblia. Com menos de uma polegada de diâmetro, a gravura esculpida mostra um homem com cabelos longos lutando contra um grande animal com rabo de felino. A pedra foi encontrada em Tell Beit Shemesh, nos montes hebreus próximos a Jerusalém, e data aproximadamente do século XI antes de Cristo. Biblicamente falando, nessa época, os judeus eram conduzidos por líderes conhecidos como juízes, e Sansão era um deles. A pedra foi encontrada em um local próximo ao rio Sorek (que marcava a antiga fronteira entre o território dos israelitas e o dos filisteus), o que sugere que a gravura poderia representar a figura bíblica.
Sansão, um personagem do Antigo Testamento que se tornou lenda [sic], tinha uma força sobrenatural dada por Deus para vencer os inimigos. A força, que Sansão descobriu ao encontrar um leão e matá-lo com as próprias mãos, vinha de seu cabelo. Sansão, que matou mil filisteus armado apenas com uma mandíbula de asno, foi seduzido por Dalila, uma filisteia que vivia no vale de Sorek. Ela cortou os longos cabelos de Sansão, o que fez com que ele perdesse a força e fosse aprisionado pelos filisteus, que o cegaram e o obrigaram a trabalhar moendo grãos em Gaza.
De acordo com o Livro dos Juízes, Sansão retomou sua força e derrubou o templo de Dagon sobre ele mesmo e muitos filisteus, "assim foram mais os que matou ao morrer, do que os que matara em vida".
Apesar da evidência circunstancial, os diretores da escavação, Shlomo Bunimovitz e Zvi Lederman, da Universidade de Tel Aviv, não afirmam que a imagem da gravura represente o Sansão bíblico. É mais provável que a gravura conte a história de um herói que lutou contra um leão [curiosamente, se fosse o personagem de uma história secular, dificilmente haveria dúvidas sobre as "coincidências" - MB]. "A relação entre a gravura e o texto bíblico foi feita por acaso" [!], anunciou o jornal israelense Haaretz.
Os arqueólogos também encontraram um grande número de ossos de porco próximo a Sorek, mas só no território filisteu. No território israelita, não acharam quase nenhum, o que sugere que os israelitas teriam optado por não comer carne de porco para se diferenciarem dos filisteus [Ou por obedecerem às leis dietéticas da Bíblia? Lv 11].
"Esses detalhes dão um ar lendário ao processo social, no qual dois grupos hostis delimitaram suas diferentes identidades, assim como acontece em muitas fronteiras, hoje em dia", disse Bunimovitz a Haaretz.
(Discovery)  via Criacionismo (Michelson Borges)

comentários[1]

8

set
2012

Maconha pode causar câncer nos testículos. Fumo e álcool tb

 

               maconha

 

Fumar maconha pode aumentar as chances de desenvolvimento de câncer nos testículos em 70%.

 

Um estudo realizado nos Estados Unidos mostrou um elo entre o consumo da substância e a doença pela primeira vez. Oligação é limitada à apenas alguns tipos de câncer dos testículos, que surge antes, em homens que têm entre 20 e 35 anos de idade.

 

A equipe de pesquisadores entrevistou 369 homens diagnosticados com a doença, a maioria entre 20 e 30 anos e morando em Seattle, e perguntou sobre seu "histórico" de uso da maconha. Então as respostas foram comparadas com as de um grupo de 1000 homens, da mesma área e da mesma faixa etária, que não estavam com câncer.

 

Mesmo considerando outros fatores, como uso de nicotina e consumo exagerado de álcool, a maconha surgiu como a "mais forte candidata" à possível causa. Homens que fumavam a cannabis tinham duas vezes mais chances de desenvolver a doença. E fumar regularmente aumenta os riscos em 70%.

 

No entanto, os pesquisadores enfatizaram que os estudos não são definitivos e que mais pesquisa é necessária - já que foram entrevistados poucos homens, relativamente. É necessário um estudo muito maior para confirmar as suspeitas.

 

[Telegraph, CNN, Reuters]

comentários[0]

Clima Tempo