Portal da Educao Adventista

*Professor Genivaldo *

27

mai
2011

Soldados desrespeitam o hino nacional

Soldados desafiam a lei militar dentro do quartel e dançam funk ao som do hino nacional



Soldados de um quartel do Exército no Rio Grande do Sul podem ser punidos pela Justiça Militar por desrespeito a um símbolo nacional. Eles aparecem em um vídeo na internet dançando uma versão funk do hino nacional.

Fonte: Globo vídeo

comentários[2]

27

mai
2011

Parâmetro dos EUA para obesidade não vale para o Brasil


Trabalho da USP foi apresentado em congresso sobre obesidade em SP.
Método do CDC subestima obesidade grave, aponta estudo comparativo.


Os parâmetros usados pelo Centro Nacional de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA para classificar os níveis de obesidade na população não são adequados para os padrões brasileiros. É o que mostra um estudo feito pela nutricionista Clarissa Fujiwara, da Universidade de São Paulo (USP), e apresentado nesta quinta-feira (26) no 14º Congresso Brasileiro de Obesidade e Síndrome Metabólica, na capital paulista.

Isso porque o método americano, amplamente usado por médicos e cientistas desde 2000, tende a subestimar a gravidade da doença. Ele considera a relação da idade com o peso, a altura e o gênero de cada pessoa. O resultado forma um gráfico com valores que vão de 5 (baixo peso), passando por 85 (sobrepeso) até 95 (obesidade). Uma mulher com índice de massa corporal (IMC) 30,8, por exemplo, não é considerada obesa grave pela medição americana.

A pesquisa da USP, que serviu como projeto de iniciação científica de Clarissa entre 2008 e 2010, abrangeu 289 crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos atendidos pelo Hospital das Clínicas. "O risco é dar um falso positivo, ou seja, alguém achar que está com o peso normal e já ter sobrepeso. Ou pensar que é obeso leve e já se tratar de um caso grave", explica a nutricionista.

Desse grupo avaliado na USP, 57,8% eram meninas e 42,4%, meninos. O IMC médio do grupo era de 33, quando obesidade já é considerada a partir de 30. A maioria tinha resistência à insulina, que pode levar à diabetes tipo 2, e alta presença de gordura no sangue. Alguns também apresentavam hipertensão e taxas elevadas de açúcar na corrente sanguínea.

Clarissa e equipe, acompanhada pelos endocrinologistas Alfredo Halpern e Marcio Mancini, entre outros médicos, chegaram à conclusão de que os parâmetros propostos em 2006 pelos pesquisadores Wolney Conde e Carlos Augusto Monteiro, da Faculdade de Saúde Pública da USP, são mais adequados para classificar a obesidade na população brasileira. "Muitos autores defendem que o país use dados segundo a distribuição de seus habitantes, e não se baseie em modelos estrangeiros", disse a pesquisadora.

Os padrões de IMC da Organização Mundial da Saúde (OMS), adotados pelo Ministério da Saúde, também trabalham com pontos de corte para a obesidade, da mesma forma que a pesquisa paulista. A diferença é a população de referência.

"Os critérios do CDC sempre foram muito usados, depois mudamos para os da OMS (em 2006). Mas, como a população de lá é mais gorda, os níveis acabam sendo diferentes dos nossos", explica Mancini. Na época, Conde e Monteiro analisaram dados de 25 mil crianças, adolescentes e jovens entre 2 e 20 anos.

O cálculo do IMC, de acordo com o estudo, é bom porque não envolve custo e é um método não invasivo. Mas sua limitação é que ele não avalia a composição corporal do indivíduo, o que no trabalho de Conde e Monteiro foi considerado, além do risco de mortalidade e doenças associadas à obesidade.


Fonte:  G1


NOTA: Já está na hora do Brasil desenvolver suas próprias pesquisas e determinar os padrões de acordo com a nossa realidade.

comentários[0]

26

mai
2011

Crianças que ñ resistem a doces têm menos chances de ser CEO

A sobremesa está na berlinda - e não apenas por motivos relacionados à saúde. De acordo com pesquisa, fazer do seu filho um verdadeiro amante do mundo dos doces pode diminuir as chances de um dia ele chegar ao cargo de CEO (diretor-geral - CEO = chief executive officer).


Apesar de aparentemente improvável, a relação feita pelo psicólogo Michael Mischel, professor da Universidade de Stanford (EUA), faz sentido.

Segundo ele, crianças que conseguem resistir à tentação de comer um doce para ter uma recompensa maior no futuro têm mais condições de desenvolver uma carreira bem sucedida do que as impacientes.

Para analisar os efeitos da autodisciplina, ele fez um teste com um grupo de crianças americanas em idade pré-escolar por volta dos anos 60.

O teste era relativamente simples. Mischel oferecia um marshmallow a cada criança com uma regra clara: ela deveria esperá-lo sem comer o doce. Se não cedesse à tentação, ganharia como prêmio mais um doce.

O "jogo" se transformou em uma tortura para boa parte dos pequenos: apenas um terço deles conseguiu esperar cerca de 20 minutos pelo retorno do pesquisador para ganhar a recompensa.

Anos mais tarde, em 1981, a diferença entre os apressadinhos e aqueles que conseguiram se controlar era gritante.

As crianças que foram mais pacientes apresentaram uma postura mais positiva durante a adolescência. Eram mais motivadas, persistentes em situações difíceis e capazes de atrasar alguma recompensa em favor de seus objetivos de longo prazo. Características típicas de um bom presidente de empresa.

Em números, as crianças que conseguiram esperar 15 minutos para comer dois marshmallows tiveram um desempenho 210 pontos maior do que aquelas que arremataram o primeiro doce em alguns minutos.

Os estudos continuam. Com base nos resultados feitos nos anos 60 e em análises recentes, a equipe do professor procura descobrir quais as regiões do cérebro que determinam que uma pessoa tenha auto controle e, assim, consiga esperar pelo segundo doce - ou, no dia a dia, por resultados melhores no trabalho. 


Fonte: Exame


Confira a reação, mais recente, de crianças ao teste do marshmallow.


comentários[0]

26

mai
2011

O que é um tornado?


Foto: Getty Images

Imagine um funil girando sem parar na atmosfera. Agora acrescente tempestades, chuvas e ventos que podem alcançar até 610km/h. Isso é um tornado, explica Fernando de Almeida Tavares, meteorologista do Instituto de Pesquisas Meteorológicas da Universidade Estadual Paulista (Unesp). O especialista diz que o fenômeno meteorológico se forma em meio terrestre, normalmente a partir de uma combinação de fortes ventos, chuvas intensas e, na maioria das vezes, granizo.



O que distingue a formação de um tornado de uma forte tempestade é a presença das chamadas nuvens super-células de tempestade que podem originar o fenômeno devido a uma interação e movimentação intensa no centro das nuvens. Mas isso não é uma regra, essas nuvens diferenciadas podem somente ocasionar uma tempestade. Tavares ainda explica que o fenômeno possui uma escala de danos, que leva em conta a velocidade dos ventos, e a largura e o comprimento da trilha do tornado. É a conhecida como Escala Fujita, que possui sete estágios, sendo o primeiro, F0, o mais brando e considerado leve, e o último, F6, a categoria que abriga os tornados denominados como inconcebíveis no quesito danos provocados.


Fonte: Terra

comentários[0]

26

mai
2011

Bióloga explica: por que as girafas dormem em pé?

Imagem http://vai.la/23fY

Encontrada nas savanas africanas, as girafas (Giraffa camelopardalis) são os animais mais altos do planeta: podem ultrapassar os 5 metros de altura. Ao nascerem, os filhotes podem ter até 2 metros de altura.

A bióloga Catia Melo, do Zoológico de São Paulo, explica que este animal dorme apenas duas horas por noite e, quase sempre, em pé. Isso é uma adaptação que ajuda a espécie a sobreviver na natureza. Se um predador chegar no meio da noite, seria muito mais difícil para a girafa escapar com vida se dormisse deitada, já que ela demoraria até conseguir se levantar.

Apesar de ser um animal herbívoro, os humanos devem evitar se aproximar de uma girafa: se elas se sentem ameaçadas, dão um coice capaz até de quebrar a coluna vertebral de um leão.

Fonte: UOL

comentários[3]

25

mai
2011

Tumba de general que se tornou faraó é aberta para visitação


A tumba de Horemheb, um general que comandou exércitos de Tutancâmon antes de se

tornar ele mesmo um faraó, foi aberta para visitação pública nesta segunda-feira.


As paredes das câmaras trazem a história de Horemheb, de origem humilde, que posteriormente

ocupou o cargo máximo político do Egito.


A ele credita-se o retorno de tempos estáveis depois do reinado tumultuado de Akenatón

(1361 a.C. a 1352 a.C)


O local onde está a tumba, conhecido como Império Novo, a 30 quilômetros de Cairo

(Egito), integra um complexo funerário.


Nele, encontram-se outras seis sepulturas com os restos do tesoureiro de Tutancâmon, Maya;

dos nobres Merineiz e Phahemia; da família Raia (pai e filho) e do militar Tia, que foi subordinado a Ramsés 2 (1304 a.C. a 1237 a.C.).



Khaled Elfiqi/Efe
Paredes trazem história de Horemheb, que ocupou o cargo máximo político do Egito como faraó
Paredes trazem história de Horemheb, que ocupou o cargo máximo político do Egito como faraó


Khaled Elfiqi/Efe

Complexo é formado por sete tumbas; além da do general Horemheb, há também a de tesoureiro de Tutancâmon

Complexo é formado por sete tumbas; além da do general Horemheb, há também a de tesoureiro de Tutancâmon


Fonte: Folha

comentários[0]

25

mai
2011

Sala de aula brasileira é mais indisciplinada que a média


As salas de aula brasileiras são mais indisciplinadas do que a média de outros países avaliados em um estudo do PISA (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes, na sigla em inglês).


O estudo, feito com dados de 2009 pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), aponta que, no Brasil, 67% dos alunos entrevistados disseram que seus professores "nunca ou quase nunca" têm de esperar um longo período até que a classe se acalme para dar prosseguimento à aula.


Entre os 66 países participantes da pesquisa, em média 72% dos alunos dizem que os professores "nunca ou quase nunca" têm de esperar que a classe se discipline.


Os países asiáticos são os mais bem colocados no estudo: no Japão, no Cazaquistão, em Xangai (China) e em Hong Kong, entre 93% e 89% dos alunos disseram que as classes costumam ser disciplinadas.


Finlândia, Grécia e Argentina são os países onde, segundo percepção dos alunos, os professores têm de esperar com mais frequência para que os alunos se acalmem. O estudo foi feito com alunos na faixa dos 15 anos.


Menos distúrbios


O estudo identificou que os distúrbios em sala de aula estão, em média, menores do que eram na pesquisa anterior, feita no ano 2000. "A disciplina nas escolas não deteriorou - na verdade, melhorou na maioria dos países", diz o texto da pesquisa. "Em média, a porcentagem de estudantes que relataram que seus professores não têm de esperar muito tempo até que eles se acalmem aumentou em seis pontos percentuais."


Segundo o estudo, a bagunça em sala de aula tem efeito direto sobre o rendimento dos estudantes. "Salas de aula e escolas com mais problemas de disciplina levam a menos aprendizado, já que os professores têm de gastar mais tempo criando um ambiente ordeiro antes que os ensinamentos possam começar", afirma o relatório da OCDE.


"Estudantes que relatam que suas aulas são constantemente interrompidas têm performance pior do que estudantes que relatam que suas aulas têm menos interrupções."


A criação desse ambiente positivo em sala de aula tem a ver, segundo a OCDE, com uma "relação positiva entre alunos e professores". Se os alunos sentem que são "levados a sério" por seus mestres, eles tendem a aprender mais e a ter uma conduta melhor, conclui o relatório.


No caso do Brasil, porém, a pesquisa mostra que os estudantes contam menos com seus professores do que há dez anos. "Relações positivas entre alunos e professores não são limitadas a que os professores escutem (seus pupilos). Na Alemanha, por exemplo, a proporção de estudantes que relatou que os professores lhe dariam ajuda extra caso necessário cresceu de 59% em 2000 a 71% em 2009", afirma o relatório.


Já no Brasil essa proporção de estudantes caiu de 88% em 2000 para 78% em 2009.


Fonte: Terra

comentários[2]

25

mai
2011

Imagens de satélite ajudam a encontrar 17 pirâmides no Egito


Pesquisa desenvolvida nos EUA analisou imagens com raios infravermelhos; mais de mil tumbas e 3 mil assentamentos também foram identificados.


Satélite pirâmides 1 (Foto: AFP Photo / BBC)
Policial observa museu do Cemitério do Estado
Moderno, em Saqqara. (Foto: AFP Photo / BBC)


Uma avaliação de imagens do Egito feitas por satélite usando raios infravermelhos identificou 17 pirâmides perdidas, além de mais de mil tumbas e 3 mil assentamentos antigos enterrados. Escavações iniciais confirmaram algumas das descobertas, incluindo duas possíveis pirâmides.


A técnica pioneira foi desenvolvida pela arqueóloga Sarah Parcak em um laboratório patrocinado pela Nasa no Alabama, nos Estados Unidos.


Parcak se diz impressionada com o quanto sua equipe encontrou. "Fizemos pesquisas intensas por mais de um ano. Eu podia ver os dados conforme eles iam aparecendo, mas para mim o momento-chave foi quando dei um passo para trás e olhei tudo o que havíamos encontrado. Não podia acreditar que pudéssemos localizar tantos locais no Egito", disse.


A equipe analisou imagens de satélites que viajam a uma órbita a 700 quilômetros da Terra, equipados com câmeras tão potentes que poderiam identificar objetos com menos de um metro de diâmetro sobre a superfície da Terra.


As descobertas são tema do documentário da BBC Egypt's Lost Cities (As cidades perdidas do Egito) que vai ao ar na Grã-Bretanha na próxima segunda-feira.



Escavações de teste
As imagens com raios infravermelhos foram usadas para destacar materiais diferentes debaixo da superfície.


Os egípcios antigos construíram suas casas e estruturas com tijolos de barro, que são mais densos que o solo em seu entorno, tornando possível a identificação de casas, templos e tumbas.


"Isso nos mostra como é fácil subestimar tanto o tamanho como a escala dos assentamentos humanos antigos", diz Parcak.


Para ela, ainda há muito mais a ser descoberto. "Esses são somente os locais próximos à superfície. Há muitos milhares de locais adicionais que foram cobertos com lama trazida pelo rio Nilo. Esse é só o começo desse tipo de trabalho", diz.


As câmeras da BBC acompanharam Parcak em sua "nervosa" viagem ao Egito para acompanhar as escavações de teste para verificar se sua técnica podia realmente identificar construções debaixo da superfície.


Ela visitou uma área no sítio arqueológico de Saqqara, a cerca de 30 quilômetros do Cairo, onde as autoridades locais não pareciam inicialmente interessadas em suas pesquisas.


Mas após serem informados pela arqueóloga que ela havia visto duas pirâmides em potencial, eles realizaram escavações de teste e agora acreditam que é um dos sítios arqueológicos mais importantes do Egito.


Parcak disse que "o momento mais excitante foi visitar as escavações em Tanis".


"Eles haviam escavado uma casa de 3 mil anos que as imagens dos satélites haviam mostrado, e o desenho da estrutura casa quase perfeitamente com as imagens do satélite. Isso foi uma comprovação de nossa técnica", afirma.


Entre outras coisas, as autoridades egípcias planejam usar a tecnologia para ajudar a proteger as antiguidades do país no futuro.


Durante os recentes protestos populares que derrubaram o regime do presidente Hosni Mubarak, houve casos de saques em sítios arqueológicos conhecidos.


"Podemos dizer pelas imagens que uma tumba de um período particular foi saqueada e podemos alertar a Interpol para prestar atenção nas antiguidades daquele período e que podem ser oferecidas para venda", diz.


Ela também espera que a nova tecnologia ajude a interessar pessoas jovens na ciência e que possa ser uma ferramenta importante para os arqueólogos no futuro.


"Isso vai permitir que sejamos mais focados e seletivos no nosso trabalho. Diante de um sítio enorme, você normalmente não sabe por onde começar", observa.


Fonte: G1

comentários[0]

24

mai
2011

Vuvuzela pode espalhar doenças, diz estudo


As vuvuzelas, cornetas que ficaram famosas na Copa do Mundo de 2010, não apenas causam poluição sonora como podem espalhar doenças, afirmaram especialistas. Segundo estudo realizado pela Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, um breve sopro na vuvuzela cria uma espécie de chuva de saliva semelhante a um espirro, que viaja a uma intensidade de quatro milhões de gotas por segundo.


De acordo com o estudo, publicado pelo site de compartilhamento científico PLoS One, em lugares onde há multidões, uma pessoa soprando uma vuvuzela pode infectar várias outras com doenças transportadas pelo ar como gripe ou tuberculose.


"Assim como em tosses ou espirros, é preciso adotar medidas para evitar a transmissão da doença, e pessoas com doenças infecciosas devem ser orientadas a não tocar vuvuzelas perto de outras", disse a doutora Ruth McCerney, autora do estudo. A equipe de McCerney investigou os danos potencialmente causados pela vuvuzela usando um aparelho a laser, para medir quantas gotas eram produzidas por cada soprada de oito voluntários.


O experimento mostrou que, em média, 658 mil partículas pulmonares eram expelidas do instrumento por cada litro de ar. As gotas eram lançadas na atmosfera a uma velocidade de quatro milhões por segundo. Em comparação, quando os voluntários apenas gritavam, eram produzidas 3,7 mil partículas por litro, em uma velocidade de 7 mil por segundo.


Críticos da vuvuzela já haviam dito que o instrumento é antisocial e inseguro, porque, quando tocado por milhares de pessoas simultaneamente, gera um som semelhante ao de um avião decolando. Organizadores das Olimpíadas de Londres em 2012 estão avaliando se proibem ou não o uso da corneta.


Fonte: Terra

comentários[0]

24

mai
2011

Revisão para prova: Iluminismo

Assista a teleaula e reforce o seu estudo para a prova.

comentários[2]

24

mai
2011

Radialista evangélico dos EUA aponta nova data p Juízo Final


O radialista evangélico norte-americano cuja profecia do Dia do Juízo Final não se cumpriu no último sábado explicou com simplicidade o que deu errado: ele cometeu uma falha de cálculo.


Em vez de o mundo terminar fisicamente no dia 21 de maio com um grande terremoto cataclísmico, como ele tinha previsto, Harold Camping, de 89 anos, disse que agora acredita que sua previsão esteja se realizando "espiritualmente" e que o apocalipse concreto vai ocorrer cinco meses após a data inicialmente prevista, ou seja, em 21 de outubro.


Camping, que tinha iniciado uma contagem regressiva para o Dia do Juízo final, levando alguns seguidores a gastarem as economias de suas vidas inteiras na expectativa de serem arrebatadas para o céu, divulgou a correção durante uma participação em seu programa de rádio "Open Forum", transmitido desde Oakland, na Califórnia.


A sede da rede Family Network, de Camping, que abrange 66 estações de rádio nos EUA, passou o fim de semana fechada, com uma placa sobre a porta dizendo "este escritório está fechado. Sentimos muito não termos podido receber você".


Em um discurso de 90 minutos, por vezes desconexo, que incluiu uma sessão em que ele respondeu a perguntas de repórteres, Camping disse que lamentava que o arrebatamento que ele tinha tanta certeza que aconteceria não ocorreu no sábado.


Mais tarde, refletindo sobre trechos da Bíblia, ele disse que lhe ocorrera que um "Deus misericordioso e compassivo" poupará a humanidade "do inferno sobre a Terra" por outros cinco meses, comprimindo o apocalipse físico em um período de tempo menor.


Mas ele insistiu que 21 de outubro sempre foi a data final de sua cronologia do Fim dos Tempos, ou, pelo menos, de sua cronologia mais recente.


Fonte: Jornal O Globo

NOTA: É por essas e outras que eu creio que Jesus está prestes a voltar.

"E, estando assentado no Monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos em particular, dizendo: Dize-nos, quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo? E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane;... E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos... Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai". Mateus 24

comentários[1]

23

mai
2011

Plástico "verde" usa sobra vegetal da indústria canavieira


Cada vez mais, são desenvolvidas variedades de plástico feitas de matéria-prima renovável. No Brasil, o aproveitamento de sobras vegetais da indústria canavieira pode gerar uma produção sustentável.


Quase já não é possível imaginar o nosso mundo sem plástico. Até mesmo quando se trata de conservação ambiental, essa espécie de "matéria-prima da vida moderna" também possui um papel importante. Por motivos bastante óbvios: o plástico convencional provém, em sua maioria, do petróleo.


De todos os estoques mundiais do óleo bruto, cerca de 4% são destinadas à fabricação do produto. Durante o processo industrial, são liberados na atmosfera seis quilos de CO2 para cada quilograma de plástico produzido. Considerando ainda o ritmo acelerado com o qual as reservas naturais de petróleo estão se extinguindo, logo se conclui o porquê das alternativas sustentáveis ao plástico terem sido tão bem-sucedidas nos últimos anos; especialmente na indústria de embalagens.


Fonte: Folha.com

comentários[0]

Clima Tempo