Portal da Educao Adventista

*Profª Ritíssima *

29

jun
2010

Férias ( na verdade recesso...)


Carlos Drummond de Andrade



TIRAR FÉRIAS

A noção de férias está ligada a figuras de viagem, esporte, aplicações intensivas do corpo; quase nada a descanso.

As pessoas executam durante esse intervalo aquilo que não puderam fazer ao longo do ano; fazem "mais" alguma coisa, de sorte que não há férias, no sentido religioso e romano de suspensão de atividades. Matutando nisso, resolvi tirar férias e gozá-las como devem ser gozadas: sem esforço para torná-las amenas. A idéia de viagem foi expulsa do programa: é das iniciativas mais comprometedoras e tresloucadas que poderia tomar o trabalhador vacante. As viagens ou não existem, como é próprio da era do jato, em que somos transportados em velocidade superior à do nosso poder de percepção e de ruminação de impressões, ou existem demais como burocracia de passaporte, filas, falta de vaga em hotel, atrasos, moeda aviltada, alfândega, pneu estourado no ermo, que mais? Quanto à prática de esportes, sempre julguei de boa política deixá-la entregue a personalidades como Éder Jofre, Maria Ester Bueno ou Pelé, que dão o máximo. A performance desses ases satisfaz plenamente, e não seria eu num mês de férias que iria igualá-los ou sequer realçá-los pelo contraste. Bem sei que o esporte vale por si, não pelos campeonatos; mas também, como passatempo, carece de sentido. Pescar, caçar pequenos bichos da mata? Nunca. Se esporte e morte acabam pelo mesmo som, para mim nunca rimaram. Havia também os trabalhos, os famosos trabalhos que a gente deixa para quando repousar dos trabalhos comuns. Organizar originais de um livro. Escrever uma página de sustância (está pronta na cabeça, falta só botar o papel na máquina!). Pesquisar em arquivos. Arrumar papéis. Mudar os móveis de lugar. E os deveres adiados, tipo "visitar o primo reumático de Del Castilho". A idéia de conhecer o Rio, conhecer mesmo, que nos namora há 20 anos: tomar bondes esdrúxulos, subir morros, descobrir lagoas de madrugada. Por último, o sonho colorido dos gulosos, sacrificados durante o ano: comer desbragadamente pratos extraordinários, sem noção de tempo, saúde, dinheiro. Tudo aboli e fiz a experiência das férias propriamente ditas, que, como eliminação das atividades ordinárias e exteriores, pode parecer estado contemplativo ou exercício de ioga. Não é nada disso. Exatamente porque abrem mão de tudo, as boas férias não devem tender à concentração espiritual nem à contenção da vontade. São antes um deixar-se estar, sem petrificação. Levantar se mais tarde? Se não fizer calor; um direito nem sempre é um prazer. Ir ao Arpoador? Se ele nos chama realmente, não porque a manhã e a água estão livres. O mesmo quanto a diversões, muitas vezes menos divertidas do que a noção que temos delas.

Divertir-se é desviar-se, e não convém que nos desviemos das férias, enchendo o tempo com programas de férias. Deixemos que ele passe, sutil; não o ajudemos a passar. Há uma doçura imprevista em sentir-se flutuar na correnteza das horas, em sentir-se folha, reflexo, coisa levada; coisa que se sabe tal, coisa sabida mas preguiçosa. Se me pedirem para contar o que fiz afinal nestas férias, direi lealmente: ignoro. Aos convites disse não, alegando estar em férias, alegação tão forte como a de estar ocupadíssimo. O pensamento errou entre mil avenidas, não se deteve em nenhuma; cada dia amadureceu e caiu como um fruto. Nada aconteceu? O não acontecimento é a essência das férias. E agora, é trabalhar duro onze meses para merecer as inofensivas e deliciosas férias do não.
 

Carlos Drummond de Andrade, Cadeira de Balanço,
13a Edição, Livraria José Olympio Editora


comentários[0]

28

jun
2010

Diferentes porém iguais

Diferentes porém iguais



Frequentemente leio textos sobre a utilização da internet e das novas ferramentas tecnológicas em sala de aula, que recaem sempre em dois pontos: vamos mudar tudo, afinal as novas gerações não aprendem da mesma forma que as anteriores; vamos incorporar as novas tecnologias, mas manter a velha disciplina, pois a nova geração é muito dispersa. Ambas abordam as mudanças no comportamento e formas de socialização dos jovens. Os defensores da primeira entendem que os defensores da segunda são conservadores, enquanto que estes acusam os primeiros de abandonarem tudo muito depressa. Pessoalmente não acredito no discurso que afirma serem as novas gerações mais capazes de apreender informação, de lidarem simultaneamente com múltiplos assuntos, ou de que "são mais espertos", como ouvimos tantos pais falarem de seus filhos. Realmente, eles nasceram em um mundo no qual as fontes de informação estão muito mais acessíveis, mas entre ter o acesso e ser capaz de empregar o conteúdo de maneira inovadora há uma longa distância! As crianças lidam sem sustos com as novas tecnologias, pois nossos processos de socialização mudaram, e não por alguma mudança biológica! Uma criança no séc. XIX, vivendo em uma fazenda, era socializada de outra forma e aprendia a lidar sem medo com a terra. Quantos de nós somos capazes de fazer de uma área de mata nativa uma fazenda produtiva? Ou de cultivar, com sucesso contínuo, uma horta nas grandes cidades? São conhecimentos diferentes, mas não são uns melhores do que os outros.

Alguns autores afirmam que as novas gerações vivem em um ambiente plenamente virtual, uma sociedade virtualizada. Ora, a capacidade de imaginar, de viver momentaneamente em um plano irreal, não é exclusiva da geração contemporânea! Não é de hoje que as crianças brincam e imaginam que são outras pessoas e que estão em lugares distantes. Inventar histórias, criar mundos fantásticos, são coisas que fazemos desde que passamos a nos sentar ao redor de uma fogueira. O que o plano virtual de hoje faz é potencializar as nossas reuniões, de modo que a comunidade ao redor da fogueira se tornou imensa. E, com um número maior de pessoas opinando, o debate pode ficar muito mais produtivo e criativo. Vejam: pode ficar! Pois muitos debates ocorrem entre indivíduos imersos em seus próprios mundos virtuais, que encerram qualquer discussão em que seus pontos de vista sejam questionados simplesmente clicando no X, no canto superior direito da tela. Querem a homogeneidade e não as diferenças que potencializam o desenvolvimento de novas ideias.

Como professor, já trabalhei em situações diversas: do giz no quadro e cadernos até salas com datashow, lousa digital e alunos com notebooks. Do presencial ao EAD (Ensino a Distância). Dei aulas em varandas de casas em assentamentos rurais, os alunos sentados em caixotes, com uma tábua como mesa, sem quadro e nem giz. Aprendi que meu papel é realmente o de condutor, de guia para o aprendizado e a reflexão, mas que é a disposição do aluno que o fará aprender. Nenhum recurso tecnológico garante a atenção de uma sala de aula. Podem até atrapalhar, pois muitos jovens parecem acreditar que basta acessar a aula em casa e todo aprendizado acontecerá como em um download. Que basta copiar um site encontrado no Google provar que aprendeu algo. Mas também já vi o potencial de tais ferramentas nos alunos interessados em aprender. São esses que avançam rapidamente. Com toda força da virtualidade, ainda vejo muitos jovens buscando as velhas construções da sociabilidade direta, só que suas possibilidades de escolha se ampliaram.

Texto de Vitor Barletta Machado, graduado em Ciências Sociais-Sociologia pela Unicamp, mestre em Sociologia pela USP e Doutor em Sociologia pela Unicamp. É professor do UNIFOA, de Volta Redonda (RJ), tendo lecionado durante 11 anos nos ensinos fundamental e médio de escolas da região de Campinas (SP). Blogs:
http://vitormachado.blog.uol.com.br
http://okvier.blogspot.com

 

comentários[0]

24

jun
2010

Bons Amigos - Machado de Assis

BONS AMIGOS

Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.
Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
Amigo a gente sente!

Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.
Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
Amigo a gente entende!

Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar.
Porque amigo sofre e chora.
Amigo não tem hora pra consolar!

Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade.
Porque amigo é a direção.
Amigo é a base quando falta o chão!

Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.
Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
Ter amigos é a melhor cumplicidade!

Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!

 

Machado de Assis

comentários[1]

21

jun
2010

DEPOIS DE UM tempo !

Algum tempo DEPOIS de !

 

                                                        William Shakespeare                                           

                  

DEPOIS DE VOCÊ Algum tempo Aprende uma diferença, um Sutil Diferença Entre dar uma Mão e acorrentar Uma alma . E VOCÊ Aprende Que Não Significa APOIAR amar -se, e Companhia Que Nem semper Significa Segurança .
Começa uma Aprender beijos Que Não São Contratos e Presentes Que Não Promessas São Paulo.
Começa uma SUAS aceitar derrotas com cabeça erguida e uma Olhos adiante, com um adulto Graça de UM e Não com uma tristeza de Uma Criança.
Aprende Todas Construir uma SUAS como estradas não hoje, PORQUE o terreno do Amanhã É incerto demais Planos Para os , EO Futuro o traje de dez em Meio AO CAIR VAO.
DEPOIS DE UM tempo VOCÊ Aprende Que o sol Queima se Ficar exposto Por muito tempo .
E Que Aprende , Não Importa o Quanto VOCÊ se importe , ALGUMAS Pessoas Simplesmente Não se de extrema importância ...
E Aceita em Que Não Importa quão boa Seja Uma Pessoa, ELA vai feri - lo de Vez em QUANDO VOCÊ e Precisa Perdoa - la por isso .
Aprende Que Falar aliviar dores emocionais PoDE .
Descobre Que se Leva anos parágrafo Construir Confiança e Apenas segundos parágrafo Destruidor -la ... e Que VOCÊ PoDE Fazer Coisas UM em Instante das Quais se arrependerá Pelo resto da Vida.
Aprende Que verdadeiras amizades um continuum Crescer Mesmo uma distancias Longas .
E o Que Não Importa O Que É VOCÊ TEM NA Vida , Mas Quem Vida nd VOCÊ TEM.
E Que Bons Amigos São uma família Que Adiar permitiram nos.
Aprende Que Não temos de Mudar de amigos se Compreendemos Que MUDAM OS Amigos ... Terem bons Percebe Que Seu Melhor Amigo e VOCÊ podem Fazer qualquer Coisa , nada UO , e Juntos momentos .
Descobre Que a Pessoas com Quem se Importa Mais VOCÊ NA Vida São Tomadas de VOCÊ Muito depressa ... Por isso devemos deixar semper como com Pessoas Que Amamos palavras amorosas ; PoDE Ser um Ultima Vez Que a vejamos.
Aprende Que Circunstâncias como OS e Ambientes dez NÓS Sobre Influência , Mas NÓS Somos Responsáveis Por mesmos nos.
Começa uma Aprender Que Não SE DEVE Outros Comparativa OS COM, COM Mas o Melhor Que Pode ser.
Descobre Que se Leva tempo parágrafo Muito se Tornar uma Pessoa Que Quer Ser , e Que o Curto e Tempo.
Aprende Que Não Importa Onde Já Chegou , Mas n Onde está indo ... mas, se VOCÊ SABE Não parágrafo Onde está indo , qualquer Caminho servir.
Aprende Que VOCÊ OU SEUS Controla atos OU eles o controlarão ... e Que Significa Ser Flexível Não Ser fraco OU Personalidade ter Não, Não Importa POIs Delicada e quão frágil Seja Uma situação, Dois Lados existem semper .
Aprende heróis Que São Pessoas Que fizeram o Que Fazer Necessário era, enfrentando como conseqüências .
Aprende Que Paciência Prática Muita expressão é uma excepção .
Descobre Que ALGUMAS Vezes uma Pessoa Que VOCÊ Espera Que o chute QUANDO VOCÊ cai e Uma das Poucas Que ajudam o um Levantar -se.
Aprende dez maturidade Que Mais um sistema operacional ver com Tipos de Experiência Que se teve EO Que VOCÊ COM ELAS Aprendeu fazer Aniversários Que Quantos celebrou com voce.
Aprende Que HÁ Mais DOS SEUS VOCÊ em pais que supunha VOCÊ que.
Aprende Que Nunca SE DEVE Dizer um Uma Criança Que Sonhos São bobagens ... Poucas Coisas São Tão humilhantes e Seria uma tragédia se acreditasse nisso ELA .
Aprende Que QUANDO ESTÁ TEM raiva com o Direito com raiva de estar, Mas isso Não te Dá o Direito de Ser cruel.
Descobre Alguém Que tão PORQUE Não o ama do jeito Que VOCÊ Quer Que ame Não Significa Que Alguém Esse Não o ama com Tudo O Que Pode, existem PIs Pessoas Que Amam nsa , Mas Simplesmente Não sabem Como demonstrar isso viver ou.
Aprende Nem Que semper É Suficiente Ser Perdoado ... Por Alguém
VOCÊ TEM ALGUMAS Vezes de Aprender a perdoar a SI Mesmo .
Aprende com uma Que MESMA Que julga com severidade , VOCÊ Será condenara em Momento Algum .
Aprende Que Não Importa Quantos em Pedaços Seu Coração Foi Partido, o Mundo Não pára para quê VOCÊ o conserte .
Aprende tempo o Que Não É Algo Que voltar POSSA .
Portanto, plante Seu jardim e decore SUA alma, em Vez de Esperar Alguém Que Traga flores LHE .
E VOCÊ Aprende Que Realmente suportar PoDE ... Que Realmente É forte, e Que PoDE ir Muito Mais Longe DEPOIS DE SE Pensar Que Não Mais PoDE .
E Que Realmente um valor dez Vida e Que VOCÊ TEM valor Diante da Vida !
Nossas Dúvidas São traidoras e nsa Fazem Perder o "Bem que se conquistar Poderíamos Não Fosse o medo de tentar .

 

 

comentários[1]

21

jun
2010

As pombas

As Pombas

Vai-se a primeira pomba despertada ...
Vai-se outra mais ... mais outra ... enfim dezenas
De pombas vão-se dos pombais, apenas
Raia sanguínea e fresca a madrugada ...

E à tarde, quando a rígida nortada
Sopra, aos pombais de novo elas, serenas,
Ruflando as asas, sacudindo as penas,
Voltam todas em bando e em revoada...

Também dos corações onde abotoam,
Os sonhos, um por um, céleres voam,
Como voam as pombas dos pombais;

No azul da adolescência as asas soltam,
Fogem... Mas aos pombais as pombas voltam,
E eles aos corações não voltam mais...

Raimundo Correia

comentários[0]

calendário


Assinar RSS