Portal da Educao Adventista

*Profª Ritíssima *

28

nov
2013

50 frases clássicas de autores célebres

Gosto muito de citações e frases. Algumas podem ser fictícias, outras dos autores. Espero que, assim como eu, vocês aproveitem!

 

50 frases clássicas de escritores célebres

 "Não vemos as coisas como elas são, mas como nós somos."
Anaïs Nin

"A moral é a debilidade do cérebro."
Arthur Rimbaud

"O que realmente deixa um homem lisonjeado é o fato de você o considerar digno de adulação."
Bernard Shaw

"Há livros escritos para evitar espaços vazios na estante."
Carlos Drummond de Andrade

"Respirar é uma doença!"
Charles Bukowski

"Engolimos de uma vez a mentira que nos adula e bebemos gota a gota a verdade que nos amarga."
Denis Diderot

"Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos pelo mesmo motivo."
Eça de Queiróz

"Felicidade em pessoas inteligentes é a coisa mais rara que conheço."
Ernest Hemingway

"Não me venham com conclusões! A única conclusão é morrer."
Fernando Pessoa

"A mentira é o único privilégio do homem sobre todos os outros animais."
Fiódor Dostoiévski

"Ninguém pode ser sábio de estômago vazio."
George Eliot

"Em tempos de embustes universais, dizer a verdade se torna um ato revolucionário."
George Orwell

"Algo deve mudar para que tudo continue como está."
Giuseppe Tomasi di Lampedusa

"Tenha cuidado com a tristeza. É um vício."
Gustave Flaubert

"Não há mentira pior do que uma verdade mal compreendida por aqueles que a ouvem."
Henry James

"É permissível a cada um de nós morrer pela sua fé, mas não matar por ela."
Hermann Hesse

"É pecado pensar mal dos outros, mas raramente é engano."
H. L. Mencken

"É tão absurdo dizer que um homem não pode amar a mesma mulher toda a vida, quanto dizer que um violinista precisa de diversos violinos para tocar a mesma música."
Honoré de Balzac

"Os criacionistas fazem com que uma teoria pareça uma coisa que se inventou depois de beber a noite inteira."
Isaac Asimov

"A verdadeira função do homem é viver, não existir."
Jack London

"A única exigência que faço aos meus leitores é que devem dedicar as suas vidas à leitura das minhas obras."
James Joyce

"Quem é que quer flores depois de morto?"
J. D. Salinger

"A democracia é um erro estatístico, porque na democracia decide a maioria e a maioria é formada de imbecis."
Jorge Luis Borges

"Viver é negócio muito perigoso."
João Guimarães Rosa

"Luz, mais luz."
Johann Wolfgang von Goethe

"O horror! O horror!"
Joseph Conrad

"Um pouco de desprezo economiza bastante ódio."
Jules Renard

"Ser valente é muito mais fácil do que ser homem."
Julio Cortázar

"O ciúme é um latido que atrai cães."
Karl Kraus

"Humanista é uma pessoa com grande interesse pelos seres humanos. Meu cachorro é humanista."
Kurt Vonnegut

"Todas as famílias felizes se parecem; cada família infeliz é infeliz à sua maneira."
Liev Tolstói

"A solidão é a mãe da sabedoria."
Laurence Sterne

"Estar sozinho é treinarmo-nos para a morte."
Louis-Ferdinand Céline

"Assim é, se lhe parece".
Luigi Pirandello

"Para os peixinhos do aquário, quem troca a água é Deus."
Mario Quintana

"Aquele que lê maus livros não leva vantagem sobre aquele que não lê livro nenhum."
Mark Twain

"Não há regra sem exceção."
Miguel de Cervantes

"Toda mulher gosta de apanhar."
Nelson Rodrigues

"Quanto mais sublimes forem as verdades mais prudência exige o seu uso; senão, de um dia para o outro, transformam-se em lugares comuns e as pessoas nunca mais acreditam nelas."
Nikolai Gógol

"Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe."
Oscar Wilde

"Qual é a tarefa mais difícil do mundo? Pensar."
Ralph Waldo Emerson

"A política talvez seja a única profissão para a qual não se julga necessária uma preparação."
Robert Louis Stevenson

"Quando uma pessoa sofre um delírio, se chama loucura. Quando muitas pessoas sofrem um delírio, isso se chama religião."
Robert M. Pirsig

"Não há nenhum pensamento importante que a burrice não saiba usar, ela é móvel para todos os lados e pode vestir todos os trajes da verdade."
Robert Musil

"Respirei fundo e escutei o velho e orgulhoso som do meu coração. Eu sou, eu sou, eu sou."
Sylvia Plath

"Nada inspira mais coragem ao medroso do que o medo alheio."
Umberto Eco

"Nossa existência não é mais que um curto circuito de luz entre duas eternidades de escuridão."
Vladimir Nabókov

"A gargalhada é o sol que varre o inverno do rosto humano."
Victor Hugo

"Devemos julgar um homem mais pelas suas perguntas que pelas respostas."
Voltaire

"A vida é uma história contada por um idiota, cheia de som e de fúria, sem sentido algum."
William Shakespeare

Disponível em: http://www.revistabula.com/324-50-frases-classicas-de-escritores-celebres/

 

comentários[0]

19

nov
2013

8 Ano Atividades com Figuras de Linguagem

Pessoal, estas atividades estão disponíveis na biblioteca! Bom trabalho!

Atividades  com Figuras de Linguagem - 8º ano - Profª Rita Ramos

 

 

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

A Felicidade

 

Tristeza não tem fim felicidade sim.

A felicidade é como a pluma

que o vento vai levando pelo ar,

voa tão leve, mas tem a vida breve

precisa que haja vento sem parar.

A felicidade do pobre

parece a grande ilusão do carnaval

a gente trabalha o ano inteiro

por um momento de sonho

pra fazer a fantasia

de rei ou de pirata ou jardineira

pra tudo se acabar na quarta-feira.

 

A felicidade é como a gota de orvalho

numa pétala de flor,

brilha tranquila

depois de leve oscila

e cai como uma lágrima de amor.

 

A minha felicidade

está sonhando nos olhos

da minha namorada

É como esta noite, passando,

passando em busca da madrugada

Fale baixo por favor

pra que ela acorde

alegre com o dia

oferecendo beijos de amor.

 

MORAES, Vinicius e JOBIM, Tom. As mais belas serestas brasileiras. 9ª ed. Belo Horizonte: Barvalle Indústria Gráfica Ltda, 1989.

 

 

1.   Nas duas primeiras estrofes, há uma tentativa de se definir a felicidade, para isso o eu lírico vale-se de

a) comparações.   

b) metáforas.   

c) metonímias.   

d) hipérboles.   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Esse texto do século XVI reflete um momento de expansão portuguesa por vias marítimas, o que demandava a apropriação de alguns gêneros discursivos, dentre os quais a carta. Um exemplo dessa produção é a Carta de Caminha a D. Manuel. Considere a seguinte parte dessa carta:

 

Nela [na terra] até agora não pudemos saber que haja ouro nem prata... porém a terra em si é de muito bons ares assim frios e temperados como os de Entre-Doiro-e-Minho. Águas são muitas e infindas. E em tal maneira é graciosa que querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo por bem das águas que tem, porém o melhor fruto que nela se pode fazer me parece que será salvar esta gente e esta deve ser a principal semente que vossa alteza em ela deve lançar.  

 

 

2.   Assinale a alternativa em que as palavras grifadas estão empregadas em sentido conotativo.

a) ...porém a terra em si é de muito bons ares...   

b) Águas são muitas e infindas. E em tal maneira é graciosa que querendo-a aproveitar...   

c) ...querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo por bem das águas que tem...   

d) ...o melhor fruto que nela se pode fazer me parece que será salvar esta gente...   

e) ...esta deve ser a principal semente que vossa alteza em ela deve lançar.   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Tanto de meu estado me acho incerto,

Que em vivo ardor tremendo estou de frio;

Sem causa, juntamente choro e rio;

O mundo todo abarco e nada aperto.

 

É tudo quanto sinto um desconcerto;

Da alma um fogo me sai, da vista um rio;

Agora espero, agora desconfio,

Agora desvario, agora certo.

 

Estando em terra, chego ao Céu voando;

Numa hora acho mil anos, e é de jeito

Que em mil anos não posso achar uma hora.

 

Se me pergunta alguém por que assim ando,

Respondo que não sei; porém suspeito

Que só porque vos vi, minha Senhora.

 

(www.fredb.sites.uol.com.br/lusdecam.htm)

 

 

3.   Considere:

 

%u2022 ardor x frio

%u2022 choro x rio

%u2022 abarco x nada aperto

 

Esses jogos de palavras, exemplos do pré-Barroco na poesia de Camões, constituem

a) eufemismos que revelam o sofrimento do eu lírico.   

b) antíteses que confirmam o desconcerto do eu lírico.   

c) sinestesias que marcam as contradições do eu lírico.   

d) hipérboles que exageram o sofrimento do eu lírico.   

e) metáforas que comparam a dor com a vida do eu lírico.   

 

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES:

RELAMPIANO

 

Tá relampiano, cadê neném?

Tá vendendo drops no sinal pra alguém

Tá relampiano, cadê neném

Tá vendendo drops no sinal pra alguém

Tá vendendo drops no sinal...

 

Todo dia é dia, toda hora é hora,

Neném não demora pra se levantar

Mãe lavando roupa, pai já foi embora,

E o caçula chora pra se acostumar

Com a vida lá de fora do barraco,

Hay que endurecer um coração tão fraco,

Pra vencer o medo do trovão,

Sua vida aponta a contramão.

................................................

LENINE & MOSCA. Na Pressão. Rio de Janeiro: BMG, 1999. 1CD, digital, estéreo.

 

 

 

4.   NÃO é correto afirmar que o texto

a) apresenta estrangeirismos.   

b) utiliza, denotativamente, a palavra "contramão".   

c) tem, no título, um exemplo do registro coloquial da língua.   

d) faz uma denúncia social sobre a situação dos meninos de rua.   

  

5.   Sobre o gênero literário desse texto, é correto afirmar que há

a) traços do épico, como personagens e narrador.   

b) elementos do lírico, como rimas e figuras de linguagem.   

c) mistura entre o épico e o lírico, com a valorização de ambos.   

d) características do drama, com apontamentos para a representação.   

  

6.   "O vento varria as folhas,

O vento varria os frutos,

O vento varria as flores...

                        E a minha vida ficava

                        Cada vez mais cheia

                        De frutos, de flores, de folhas."

            (BANDEIRA, Manuel. "Canção do vento e da minha vida". In: CEREJA, William R. e MAGALHÃES, Thereza C. "Gramática reflexiva." São Paulo: Atual, 1999. p. 359)

 

NÃO é possível identificar, no fragmento acima, a figura de linguagem:

a) ironia.   

b) anáfora.   

c) metáfora.   

d) gradação.   

  

7.   Identifique as figuras de linguagem que ocorrem nas frases a seguir:

a) "O mito é o nada que é tudo..."

b) Fitei-a longamente, fixando meu olhar na menina dos olhos dela.

c) "O povo estourava de rir." (Monteiro Lobato)

  

8.   Em "As árvores pareciam enlouquecer com o forte vento.", temos uma figura de linguagem chamada ______________ .

  

9.   Em "Tristeza não tem fim/Felicidade sim" (Vinícius de Moraes), temos uma figura de linguagem chamada ______________ .

  

10.   Em "Aquele político faltou com a verdade.", temos uma figura de linguagem chamada _____________.

  

11.   Assinale as frases em que há metáfora:

a) (     ) Seu olhar era frio.   

b) (     ) O sol nos dá luz e calor.   

c) (     ) O amor amolece os corações.   

d) (     ) O presidente foi bombardeado com perguntas.   

e) (     ) Está chegando a Copa do Mundo.   

  

12.   Em "Aquelas crianças quebrando tudo pareciam uns anjinhos.", temos uma figura de linguagem chamada _____________ .

  

13.   Identifique as figuras de linguagem marcando:

 

(1) Metáfora

(2) Metonímia

(3) Catacrese

(4) Comparação

(5) Prosopopeia

a) (     ) Gosto de ouvir Titãs.   

b) (     ) A doçura do teu olhar é minha vida.   

c) (     ) O rio engasgou num barraco.   

d) (     ) Usarei no tempero um dente de alho.   

e) (     ) Você é venenosa como uma cobra.   

  

14.   Em "Sino de Belém bate bém - bém - bém" e "Sino da paixão bate bão - bão - bão" (Manuel Bandeira), temos uma figura de linguagem chamada _____________ .

  

15.   Em "As crianças estavam mortas de sede.", temos uma figura de linguagem chamada _____________ .

 

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES:

A FUGA

 

            Mal colocou o papel na máquina, o menino começou a empurrar uma cadeira pela sala, fazendo um barulho infernal.

            - Para com esse barulho, meu filho - falou, sem se voltar.

            Com três anos, já sabia reagir como homem ao impacto das grandes injustiças paternas: não estava fazendo barulho, só estava empurrando uma cadeira.

            - Pois então para de empurrar a cadeira.

            - Eu vou embora - foi a resposta.

            Distraído, o pai não reparou que ele juntava ação às palavras, no ato de juntar do chão suas coisinhas, enrolando-as num pedaço de pano, era sua bagagem: um caminhão de plástico com apenas três rodas, um resto de biscoito, uma chave (onde diabo meteram a chave da despensa? a mãe mais tarde irá saber), metade de uma tesourinha enferrujada, sua única arma para a grande aventura, um botão amarrado num barbante.

            A calma que baixou então na sala era vagamente inquietante. De repente o pai olhou ao redor e não viu o menino. Deu com a porta da rua aberta, correu até o portão:

            - Viu um menino saindo desta casa? - gritou para o operário que descansava diante da obra, do outro lado da rua, sentado no meio-fio.

            - Saiu agora mesmo com uma trouxinha - informou ele.

            Correu até a esquina e teve tempo de vê-lo ao longe, caminhando cabisbaixo ao longo do muro.

            A trouxa, arrastada no chão, ia deixando pelo caminho alguns de seus pertences: o botão, o pedaço de biscoito e - saíra de casa prevenido - uma moeda de um cruzeiro. Chamou-o mas ele apertou o passinho e abriu a correr em direção à avenida, como disposto a atirar-se diante do ônibus que surgia à distância.

            - Meu filho, cuidado!

            O ônibus deu uma freada brusca, uma guinada para a esquerda, os pneus cantaram no asfalto.

            O menino, assustado arrepiou carreira. O pai precipitou-se e o arrebanhou com o braço como um animalzinho:

            - Que susto você me passou, meu filho - e apertava-o contra o peito comovido.

            - Deixa eu descer, papai. Você está me machucando.

            Irresoluto, o pai pensava agora se não seria o caso de lhe dar umas palmadas:

            - Machucando, é? Fazer uma coisa dessas com seu pai.

            - Me larga. Eu quero ir embora.

            Trouxe-o para casa e o largou novamente na sala - tendo antes o cuidado de fechar a porta da rua e retirar a chave, como ele fizera com a da despensa.

            - Fique aí quietinho, está ouvindo? Papai está trabalhando.

            - Fico, mas vou empurrar esta cadeira.

            E o barulho recomeçou.

 

FERNANDO SABINO

 

 

 

16.   As expressões "infernal" e "diabo", no texto, fazem parte da linguagem baseada na:

a) objetividade.   

b) gramática.   

c) emoção.   

d) denotação.   

e) n.d.a.   

  

17.   Nas frases "A trouxa... ia deixando pelo caminho alguns pertences", "O ônibus deu uma freada brusca", "os pneus cantaram" encontra-se uma figura de linguagem. Qual das alternativas traz a classificação da figura?

a) Metáfora.   

b) metonímia.   

c) Prosopopeia ou personificação.   

d) Alegoria.   

e) Hipérbole.   

 

18. Construindo o conceito

Leia este poema, de Sérgio Capparelli:

Menina na janela

A lua é uma gata branca,

mansa,
Que descansa entre as nuvens.

O sol é um leão sedento, 

mulambento, 
que ruge na minha rua.

Eu sou uma menina bela, 

na janela, 
de um olhar sempre à procura.

1. O eu lírico diz ser "uma menina bela, na janela":
a)    Quanto tempo a menina fica à janela?

 


b)    Na sua opinião, o que o olhar do eu lírico procura?

 



2. Se dizemos "A lua é branca" ou "a gata é mansa", estamos utilizando uma linguagem normal, em que as palavras são empregadas em seu sentido cotidiano. Contudo, se dizemos "A lua é uma gata branca, mansa", estamos utilizando uma linguagem nova, poética, em que as palavras compõem imagens e ganham sentidos novos.
a)    O que permitiu ao poeta, na primeira estrofe, aproximar lua e gata?

 


b)    O que permitiu na segunda estrofe, aproximar sol e leão sedento?

 



3. Há, no poema, imagens que evocam impressões sensoriais.  A qual dos nossos sentidos se relaciona a impressão sugerida em cada um dos versos seguintes?
a)    "A lua é uma gata branca, mansa"


b)    "O sol é um leão sedento"


c)    "Que ruge na minha rua"

4. Imagens como "A lua é uma gata branca" ou "O sol é um leão sedento" são exemplos da figura de linguagem chamada metáfora. O que o uso dessa figura de linguagem acrescenta ao texto?

 

 

 

 

 



(Fonte: "Português: Linguagens. CEREJA e MAGALHÃES)

 

 

comentários[0]

5

nov
2013

Aprofundamento 9 ano - Crase

Caros alunos,

 

Essa é nossa lista para aprofundamento das atividades. Não esqueçam das datas. Sei que farão rapidão e com muito sucesso! Gabarito em classe dia 08/11. Uh! é nono anooo!

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

EM DEFESA DA PROPAGANDA

 

A propaganda força os consumidores a comprar produtos de que não precisam ou não querem. Esta é, essencialmente, a primeira crítica "social" da propaganda.

A propaganda supostamente atinge seu objetivo fazendo com que os consumidores mudem seus gostos e preferências. De acordo com esta acusação, a propaganda ou controla os impulsos internos dos consumidores para fazer com que eles mudem seus gostos ou, como uma força poderosa no ambiente, provoca diretamente uma mudança no gosto de seus consumidores. A propaganda, segundo os críticos, força os consumidores a agir de uma maneira que não agiriam se não houvesse propaganda. A doutrina filosófica que fundamenta esta crítica é o determinismo, que nega a validade do livre-arbítrio.

Existem duas formas desta crítica. A primeira diz que a propaganda ilude e manipula os consumidores através de mensagens subliminares. A segunda diz que a propaganda cria necessidades e vontades usando técnicas de persuasão, o que os críticos afirmam ser o mesmo que coação.

 

Adaptado de: Em defesa da propaganda, Jerry Kirkpatrick.  

 

 

1.   Quanto ao uso da crase, assinale o que for correto.

01) A crítica faz referência às propagandas mal feitas.   

02) A mídia se sustém devido à propaganda em excesso.   

04) Fomos coagidos à compra de produtos desnecessários.   

08) Àqueles que acreditam em propaganda devem ser advertidos.   

16) À vista ou a prazo a propaganda induz o consumidor.   

 

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 3 QUESTÕES:

A Felicidade

 

Tristeza não tem fim felicidade sim.

A felicidade é como a pluma

que o vento vai levando pelo ar,

voa tão leve, mas tem a vida breve

precisa que haja vento sem parar.

A felicidade do pobre

parece a grande ilusão do carnaval

a gente trabalha o ano inteiro

por um momento de sonho

pra fazer a fantasia

de rei ou de pirata ou jardineira

pra tudo se acabar na quarta-feira.

 

A felicidade é como a gota de orvalho

numa pétala de flor,

brilha tranquila

depois de leve oscila

e cai como uma lágrima de amor.

 

A minha felicidade

está sonhando nos olhos

da minha namorada

É como esta noite, passando,

passando em busca da madrugada

Fale baixo por favor

pra que ela acorde

alegre com o dia

oferecendo beijos de amor.

 

MORAES, Vinicius e JOBIM, Tom. As mais belas serestas brasileiras. 9ª ed. Belo Horizonte: Barvalle Indústria Gráfica Ltda, 1989.

 

 

2.   Sobre o texto, pode-se afirmar que

a) é um soneto com versos tradicionais.   

b) possui rimas ricas e raras.   

c) a função da linguagem predominante é a conativa.   

d) se trata de um poema com versos livres.   

  

3.   Nas duas primeiras estrofes, há uma tentativa de se definir a felicidade, para isso o eu lírico vale-se de

a) comparações.   

b) metáforas.   

c) metonímias.   

d) hipérboles.   

  

4.   De acordo com a 3ª estrofe, só NÂO se pode afirmar que

a) o eu-lírico possui felicidade no sonho com sua enamorada.   

b) nessa estrofe, observa-se a presença marcante do tempo.   

c) a duração da felicidade percorre a noite, a madrugada e alcança o dia.   

d) para o eu-lírico a felicidade é um estado permanente.   

  

5.   Analise as frases.

 

I. Ontem, fui até a escola para visitar velhos amigos.

   Ontem, fui até à escola para visitar velhos amigos.

 

II. Ontem, passei a noite na casa da minha prima.

    Ontem, passei à noite na casa da minha prima.

 

III. Ontem, entreguei o relatório a minha supervisora.

     Ontem, entreguei o relatório à minha supervisora.

 

Dentre os pares de frases apresentados, a estrutura frasal em que se verifica alteração de sentido da segunda frase em relação à primeira está contida em

a) I, apenas.   

b) II, apenas.   

c) I e III, apenas.   

d) II e III, apenas.   

e) I, II e III.   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Velho papel pode estar com os anos contados

 

            Já imaginou, daqui a algumas décadas, seu neto lhe perguntando o que era papel? Pois é, alguns pesquisadores já estão trabalhando para que esse dia chegue logo.

            A suposta ameaça 7à fibra natural não é o desajeitado e-book, mas o papel eletrônico, uma 'folha' que você carregaria dobrada no bolso.

            Ela seria capaz de mostrar o jornal do dia - com vídeos, fotos e notícias 8atualizadas -, o livro que você estivesse lendo ou qualquer informação antes impressa. Tudo ali.

            Desde os anos 70, está no ar a 5ideia de papel eletrônico, mas as últimas novidades são de duas semanas atrás. Cientistas holandeses anunciaram que estão perto de criar uma tela com 'quase todas' as propriedades do papel: 3leveza, flexibilidade, 4clareza, etc.

            A novidade que deixa o invento um pouco mais palpável está nos transistores. No papel do futuro, eles não serão de 6silício, mas de plástico - que é maleável e barato.

            Os holandeses dizem já ter um protótipo que mostra imagens em movimento em uma tela de duas polegadas, ainda que de qualidade 1'meia-boca'.

            2Mas não vá celebrando o fim do desmatamento e do peso na mochila. A expectativa é que um papel eletrônico mais ou menos convincente apareça só daqui a cinco anos.

 

Folha de S. Paulo, 17 dez. 2001.

Folhateen, p. 10.

 

 

6.   O acento indicativo de crase que aparece na expressão "à fibra" (ref. 7) só deve ser empregado obrigatoriamente no a da opção

a) Estamos a espera do papel eletrônico.   

b) O papel eletrônico só interessa a jovens.   

c) O texto refere-se a experiências científicas.   

d) Os estudantes estão dispostos a substituir o livro pelo papel eletrônico.   

e) Até a ciência inventar o papel eletrônico, o desmatamento vai continuar.   

  

7.   Avalie as duas frases que seguem:

 

I. Ela cheirava à flor de romã.

II. Ela cheirava a flor de romã.

 

Considerando o uso da crase, é correto afirmar:

01) As duas frases estão escritas adequadamente, dependendo de um contexto.   

02) As duas frases são ambíguas em qualquer contexto.   

04) A primeira frase significa que alguém exalava o perfume da flor de romã.   

08) A segunda frase significa que alguém tem o perfume da flor de romã.   

16) O "a" da segunda frase deveria conter o acento indicativo da crase.   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Leia esta notícia científica:

 

Há 1,5 milhão de anos, ancestrais do homem moderno deixaram pegadas quando atravessaram um campo lamacento nas proximidades do Ileret, no norte do Quênia. Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu essas marcas recentemente e mostrou que elas são muito parecidas com as do "Homo sapiens": o arco do pé é alongado, os dedos são curtos, arqueados e alinhados. Também, o tamanho, a profundidade das pegadas e o espaçamento entre elas refletem a altura, o peso e o modo de caminhar atual. Anteriormente, houve outras descobertas arqueológicas, como, por exemplo, as feitas na Tanzânia, em 1978, que revelaram pegadas de 3,7 milhões de anos, mas com uma anatomia semelhante à de macacos. Os pesquisadores acreditam que as marcas recém-descobertas pertenceram ao "Homo erectus".

 

Revista FAPESP, nº 157, março de 2009. Adaptado.

 

 

8.   No trecho "semelhante à de macacos", fica subentendida uma palavra já empregada na mesma frase. Um recurso linguístico desse tipo também está presente no trecho assinalado em:

a) A água não é somente herança de nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo às futuras gerações.   

b) Recorrer à exploração da miséria humana, infelizmente, está longe de ser um novo ingrediente no cardápio da tevê aberta à moda brasileira.   

c) Ainda há quem julgue que os recursos que a natureza oferece à humanidade são, de certo modo, inesgotáveis.   

d) A prática do patrimonialismo acaba nos levando à cultura da tolerância à corrupção.   

e) Já está provado que a concentração de poluentes em área para não fumantes é muito superior à recomendada pela OMS.   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Estilo áulico

 

À sobremesa, alguém falou ao Presidente que na manhã de hoje o cadáver de um homem havia sido encontrado na Lagoa Rodrigo de Freitas. O Presidente exigiu imediatamente que um de seus auxiliares telegrafasse em seu nome à família enlutada. Como lhe informassem que a vítima ainda não fora identificada, S. Exa, com o seu estimulante bom humor, alegrou os presentes com uma de suas apreciadas blagues.

(adaptado de Paulo Mendes Campos)

 

 

9.   Assinale as alternativas em que a ocorrência da crase se deu pelo mesmo motivo de: à sobremesa.

01) O barco voltou à terra dos marinheiros.   

02) À tarde, os garotos reuniam-se para a pescaria.   

04) À distância de 200 m do local, via-se a encosta com sua franja laranja.   

08) À hora de ângelus, os corações se enternecem.   

16) O avião estava à espera de ordem para decolar.   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

As condições de bem-estar e de comodidade nos grandes centros urbanos são reconhecidamente precárias por causa, sobretudo, da densa concentração de habitantes num espaço que não foi planejado para alojálos.

Com isso, praticamente todos os polos das estruturas urbanas ficam afetados: o trânsito é lento; os transportes coletivos, insuficientes; os estabelecimentos de prestação de serviços, ineficazes.

Um exemplo disso é São Paulo, às sete da noite. O trânsito caminha lento e nervoso. Nas ruas, pedestres apressados se atropelam. Nos bares, bocas cansadas conversam, mastigam e bebem em volta de mesas.

Luzes de tons pálidos incidem sobre o cinza dos prédios. De repente, uma escuridão total cai sobre todos como uma espessa lona opaca de um grande circo. Os veículos acendem os faróis altos, insuficientes para substituir a iluminação anterior. Em pouco tempo, as ruas ficam desertas, o medo paira no ar...

 

 

10.   Tomando como exemplo o trecho "Um exemplo disso é São Paulo, às sete da noite", em relação ao uso da crase em língua portuguesa, é correto afirmar:

 

I. Usa-se crase quando há contração da preposição "a" com artigo definido feminino "a".

II. Seu uso será facultativo na indicação de horas e nas locuções adverbiais femininas.

III. Não se usa crase antes de verbos e de pronomes relativos.

IV. Usa-se crase nas locuções formadas de elementos repetidos.

 

Assinale a alternativa correta.

a) Somente as afirmativas I e II são corretas.   

b) Somente as afirmativas I e III são corretas.   

c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.   

d) Somente as afirmativas I, II e IV são corretas.   

e) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.   

  

11.   Considere as frases:

 

I. "O rapaz estava chateado, pois chegou à moça e disse que não era mais possível continuar o namoro".

II. "O rapaz estava chateado, pois chegou a moça e disse que não era mais possível continuar o namoro".

 

a) Que interpretação se pode dar a cada uma das frases, levando em conta as expressões "à moça" e "a moça"?

b) Do ponto de vista sintático, qual a função que exercem as expressões "à moça" e "a moça"?

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

            Monsenhor Caldas interrompeu a narração do desconhecido:

            - Dá licença? é só um instante.

            Levantou-se, foi ao interior da casa, chamou o preto velho que o servia, e disse-lhe em voz baixa:

            - João, vai ali à estação de urbanos, fala da minha parte ao comandante, e pede-lhe que venha cá com um ou dois homens, para livrar-me de um sujeito doido. Anda, vai depressa.

            E, voltando à sala:

            - Pronto, disse ele; podemos continuar.

            - Como ia dizendo a Vossa Reverendíssima, morri no dia vinte de março de 1860, às cinco horas e quarenta e três minutos da manhã. Tinha então sessenta e oito anos de idade. Minha alma voou pelo espaço, até perder a terra de vista, deixando muito abaixo a lua, as estrelas e o Sol; penetrou finalmente num espaço em que não havia mais nada, e era clareado tão-somente por uma luz difusa. Continuei a subir, e comecei a ver um pontinho mais luminoso ao longe, muito longe. O ponto cresceu, fez-se sol. Fui por ali dentro, sem arder, porque as almas são incombustíveis. A sua pegou fogo alguma vez?

            - Não, senhor.

            - São incombustíveis. Fui subindo, subindo; na distância de quarenta mil léguas, ouvi uma deliciosa música, e logo que cheguei a cinco mil léguas, desceu um enxame de almas, que me levaram num palanquim feito de éter e plumas.

(Machado de Assis, A segunda vida. Obras Completas, vol. II, p. 440-441.)

 

 

 

12.   Assinale a alternativa em que o uso do acento grave da crase acontece, respectivamente, pelos mesmos motivos específicos presentes nas frases: "E, voltando à sala"; "Morri no dia vinte de março de 1860, às cinco horas" (...)

a) Não saio à noite.; Em 1968, fui à Brasília de JK.   

b) Estava à toa ontem.; Foi à casa do desembargador.   

c) Saiu à francesa.; Você deu a notícia à Maria?   

d) Vamos à luta!; Vi o avião à distância de 150m.   

e) Trouxe dinamismo à história.; Vive à custa do pai.   

  

13.   Assinale a alternativa em que o sinal indicativo de crase foi empregado de acordo com a norma culta.

a) Graças à essa nova visão de ensino, o professor desenvolve atividades inovadoras.   

b) De aluno dedicado à profissional reconhecido: eis aí um homem de sucesso.   

c) Ele se dedica à várias espécies de pesquisa experimental.   

d) É sempre à partir da experiência que se aprende?   

e) O curso se destina àqueles que valorizam o saber que advém da experiência.   

  

14.   Escolha a alternativa que preencha corretamente as lacunas a seguir.

 

1. Nunca vi um acidente igual ________.

2. Sempre vou ________ loja para comprar roupas.

3. ________ hora, eu estava viajando para o Rio de Janeiro.

4. Na audiência, diga a verdade, mas limite-se _______ que lhe perguntarem.

5. Quero uma moto igual ________ que estava venda na exposição.

a) àquele, àquela, àquela, àquilo, à, à   

b) aquele, aquela, aquela, aquilo, a, a   

c) àquele, aquela, àquela, àquilo, a, à   

d) aquele, àquela, aquela, àquilo, à, a   

e) aquele, àquela, àquela, aquilo, a, à   

  

15.   Assinale a frase em que o acento indicativo de crase foi mal empregado:

a) Chegou à uma hora, pontualmente.   

b) Os pescadores pegaram o peixe à unha.   

c) Saída de veículos à 200 metros.   

d) Sua simpatia pelo governo cubano levou-o a vestir-se à Fidel.   

e) O horário estabelecido para visitas era das 14 às 16 horas.   

  

16.   Assinale, a alternativa que preenche corretamente as lacunas da frase apresentada.

 

Acostumado ...... dirigir-se ...... alunas e funcionárias em tom deselegante, viu-se sem auxílio ...... vésperas da entrega do relatório.

a) à  -  à  -  as   

b) a  -  a  -  as   

c) à  -  à  -  as   

d) a  -  à  -  às   

e) a  -  a  -  às   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Assinale a letra correspondente à alternativa que preenche corretamente as lacunas da frase apresentada.

 

 

17.   Estava.......ponto de recorrer........toda a família, que, aliás, estava disposta.......ajudá-la.

a) a - à - à   

b) à - à - a   

c) a - a - à   

d) à - a - a   

e) a - a - a   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Texto: "As Sem -Razões do Amor"

 

Eu te amo porque te amo.

Não precisas ser amante,

e nem sempre sabes sê-lo.

Eu te amo porque te amo.

Amor é estado de graça

e com amor não se paga.

 

Amor é dado de graça,

é semeado no vento,

na cachoeira, no eclipse.

Amor foge a dicionários

e a regulamentos vários.

 

Eu te amo porque não amo

bastante ou demais a mim.

Porque amor não se troca,

não se conjuga nem se ama.

Porque amor é amor a nada,

feliz e forte em si mesmo.

 

Amor é primo da morte,

e da morte vencedor,

por mais que o matem (e matam)

a cada instante de amor.

 

Carlos Drummond de Andrade

 

 

 

18.   Assinale a frase em que "à" ou "às" está mal empregado:

a) Amores à vista.   

b) Referi-me às sem-razões do amor.   

c) Desobedeci às limitações sentimentais.   

d) Estava meu coração à mercê das paixões.   

e) Submeteram o amor à provações difíceis.   

  

19.   I - Refiro-me àquilo e não a isto.

II - Sairemos bem cedo, para chegar à tempo de assistir a cerimônia.

III - Dirigiram-se à Sua Excelência e declararam que estão dispostos à cumprir o seu dever e a não permitir a violação da lei.

 

Quanto ao emprego da crase, assinale:

a) se todas as afirmações estão incorretas.   

b) se todas estão corretas.   

c) se apenas I está correta.   

d) se apenas III está correta.   

e) se apenas II está correta.   

  

20.   Assinale a opção que completa corretamente as lacunas das frases a seguir:

 

I - Saíram daqui______ pouco, mas voltarão daqui______ pouco, pois moram apenas______dois quilômetros de distância.

II- _______foram suas amigas? _______ estarão agora?

a) há - a - a - Aonde - Onde   

b) há - há - à - Onde - Onde   

c) há - a - a - Aonde - Aonde   

d) a - a - à - Para onde - Por onde   

e) a - há - há - Por onde - Aonde   

  

21.   Assinale a alternativa que preenche adequadamente as lacunas do texto.

 

"Chegar cedo ...... repartição. Lá ...... de estar outra vez o Horácio conversando ...... uma das portas com Clementino."

a) à - há - a   

b) à - há -à   

c) a - há - a   

d) à - a - a   

e) a - a - à   

  

22.   Assinale a alternativa que completa corretamente a frase:

 

"_____ noite, todos os moradores voltaram _____ fábrica e só deixaram o serviço ______ uma hora da manhã."

a) Há, à, à;   

b) A, a, a;   

c) À, à, à;   

d) À, a, há;   

e) A, à, a.   

  

23.   Assinale a letra correspondente à alternativa que preenche corretamente as lacunas da frase apresentada.

 

Não compreendo, ...... vezes, esse seu comportamento; ...... mim mesma você prometeu não voltar ...... falar nesse assunto.

a) às - a - a   

b) às - a - à   

c) as - à - à   

d) às - à - a   

e) as - a - a   

  

24.   Complete, usando a ou à.

 

a) Há muito tempo não vou _____ Teresina.

 

b) Voltou _____ Bahia dez anos depois.

 

c) Retornou _____ uma cidade abandonada.

 

d) Usava um chapéu _____ Carlitos.

  

25.   Complete com a, à, às, as, há.

 

a) Nós enviamos cartões____ várias pessoas.

 

b) Assistimos____ peça dramática.

 

c) ______três meses Alexandre viajou para a Colômbia.

 

d) _____partir da próxima entrevista, dará declarações comprometedoras.

 

e) Estava nervoso. Dali____ três dias sairia do hospital.

 

f) _____repórteres no hospital.

  

26.   Complete as lacunas, utilizando AQUELE(A) ou ÀQUELE(A).

 

a) Entreguei o recado _________ pessoa.

 

b) O livro de que preciso está sobre __________ mesa.

 

c) Deram o emprego __________ senhora.

 

d) Não pertenço _________ grupo.

 

e) Assistiam ___________ novela.

  

27.   Complete com há, a, à. Dentro dos parênteses, numere:

 

(1) noção temporal (passado)

(2) haver = existir

(3) noção espacial

(4) noção temporal (futuro)

(5) crase

 

(     ) __________ poucos minutos ele estava aqui.

(     ) Refiro-me ___________ maior de suas irmãs.

(     ) Não __________ o menor perigo!

(     ) De hoje __________ duas semanas, o navio chega.

(     ) Estávamos __________ três quilômetros da cidade.

(     ) Do Rio __________ São Paulo é uma longa viagem.

  

28.   Complete com a, as, às, à.

 

1) A festa começará ___ 20 horas.

 

2) Iremos ___ Santos.

 

3) Aquilo foi prejudicial ___ muitos alunos.

 

4) O povo assistiu ___ festa.

 

5) Encontrei ___ meninas na porta do colégio.

  

29.   Complete com há, a, à. Dentro dos parênteses, numere:

 

(1) noção temporal (passado)

(2) haver = existir

(3) noção espacial

(4) noção temporal (futuro)

(5) crase

 

(     ) Esse cachorro não come __________ três dias.

(     ) Ela não sai de casa __________ muito tempo.

(     ) Isso aconteceu __________ muitos e muitos anos.

(     ) Nada __________ contra você.

(     ) As encomendas virão daqui __________ uns dois meses.

(     ) Ontem __________ tarde, escrevemos muito.

  

30.   Assinalar a alternativa que completa corretamente as lacunas em:

 

"..... duas horas estamos ..... espera de sermos apresentados ..... quele escritor".

a) a, à, a;   

b) há, à, a;   

c) há, à, à;   

d) a, há, a;   

e) há, a, a.   

  

31.   Complete as lacunas com a ou à.

 

a) Quando você for _____ Brasília, não deixe de visitar o Palácio do Planalto.

 

b) Você já viajou _____ Europa?

 

c) Iremos _____ Curitiba amanhã bem cedo.

 

d) Angela regressou _____ Belo Horizonte para visitar o pai.

  

32.   Complete as frases com a, à, as ou às:

 

a) João tinha andado ________ toa.

 

b) Se eu fosse ________ casa de Horácio, na Tijuca, beberia café.

 

c) Convido-vos agora _______ voltar a seus lugares.

 

d) Iam partir ________ tropas _______ 22 de fevereiro.

 

e) A censura ________ obra não se deve _______ razões morais ou religiosas.

  

33.   Complete as lacunas com a ou à.

 

a) Chegamos _____ histórica Ouro Preto.

 

b) Gostaria de ir _____ Londres no próximo ano.

 

c) Se você for _____ velha Londres, não deixe de fotografar o Big Ben.

 

d) Pretendo viajar _____ China algum dia.

  

34.   Complete com a, à, às, há:

 

a) Dirigiu-se _________ terra.

 

b) Falou _________ todos os moradores.

 

c) Chegou ________ dias.

 

d) Pôs-se ________ caminhar lentamente.

 

e) Andar ________ pé.

 

f) Chegou ________ algum tempo.

 

g) Voltou ________ Colômbia ________ nado.

 

h) Discurso ________ tarde.

 

i) Durante ________ recepção fez a propaganda.

  

35.   Complete, usando a ou à.

 

a) O evento é aberto _____ pessoas interessadas.

 

b) O evento é aberto _____ todas as pessoas interessadas.

 

c) Cheguei _____ cidade pontualmente _____ uma hora.

 

d) Andava ______ procura de emprego.

 

e) Ele era insensível _____ questão agrária.

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

"Além do horizonte, deve ter

Algum lugar bonito para viver em paz

Onde eu possa encontrar a natureza

Alegria e felicidade com certeza. 

Lá nesse lugar o amanhecer é lindo

com flores festejando mais um dia que vem vindo

Onde a gente possa se deitar no campo

Se amar na selva, escutando o canto dos pássaros."

 

Roberto e Erasmo Carlos estão falando de um lugar ideal, de um ambiente campestre, calmo.

 

 

 

36.   Nos poemas, contos e romances cuja temática é nordestina, a literatura moderna apresenta a NATUREZA quase sempre inóspita, agressiva. Qual dos fragmentos não justifica esta afirmação?

a) "Chegariam a uma terra desconhecida e civilizada, ficariam presos nela. E o sertão continuaria a mandar gente para lá. O sertão mandaria para a cidade homens fortes, brutos como Fabiano, sinhá Vitória e os dois meninos."

(Graciliano Ramos, em "VIDAS SECAS").   

b) "Há uma miséria maior do que morrer de fome no deserto: é não ter o que comer na terra de Canaã."

(José Américo de Almeida, em "A BAGACEIRA")   

c) "Tirei mandioca de chãs

que o vento vive a esfolar

e de outras escalavradas

pela seca faca solar"

(João Cabral de Melo Neto, em "MORTE E VIDA SEVERINA")   

d) "Debaixo de um juazeiro grande, todo um bando de retirantes se arranchara (...) Em toda a extensão da vista, nem uma outra árvore surgia. Só aquele velho juazeiro, devastado e espinhento, verdejaria a copa hospitaleira na desolação cor de cinza da paisagem "

(Rachel de Queiroz, em "O QUINZE")   

e) "Este açúcar veio

de uma usina de açúcar em Pernambuco (...)

Este açúcar era cana

e veio dos canaviais extensos

que não nascem por acaso

no regaço do vale."

(Ferreira Gullar em "O AÇÚCAR")   

  

37.   Assinalar a alternativa que preenche corretamente as lacunas das seguintes orações:

 

I. Precisa falar____cerca de três mil operários.

II. Daqui____alguns anos tudo estará mudado.

III. ____dias está desaparecido.

IV. Vindos de locais distantes, todos chegaram____tempo____reunião.

a) a - a - há - a - à   

b) à - a - a - há - a   

c) a - à - a - a - há   

d) há - a - à - a - a   

e) a - há - a - à - a   

 

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES:

Assinale a letra correspondente à alternativa que preenche corretamente as lacunas da frase apresentada. 

 

 

38.   Uma ..... uma, todas as alunas prestarão contas ..... diretora daquilo que fizeram ..... pouco.

a) à - a - a   

b) a - à - há   

c) à - à - a   

d) a - a - há   

e) à - à - há   

  

39.   O aluno recorreu ..... escondidas ..... várias autoridades, para chegar ..... situação mais cômoda.

a) as - a - àquela   

b) as - à - aquela   

c) às - a - àquela   

d) às - à - aquela   

e) as - à - àquela   

  

40.   Assinalar a alternativa que preenche corretamente as lacunas das frases adiante:

 

I. Enviei dois ofícios_______ Vossa Senhoria.

II. Dirigiam-se______casa das máquinas.

III. A entrada é vedada______toda pessoa estranha.

IV. A carreira______qual aspiro é almejada por muitos.

V. Esta tapeçaria é semelhante ______ nossa.

a) a - a - à - a - a   

b) a - à - a - à - à   

c) à - a - à - a - a   

d) à - à - a - à - à   

e) a - a - à - à - a   

  

41.   Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas da frase apresentada.

 

Dada ...... falta de recursos, solicitamos ...... Diretoria ...... suspensão da campanha.

a) a - à - a   

b) a - à - à   

c) a - a - à   

d) à - à - a   

e) à - a - a   

  

42.   Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas da frase apresentada.

 

Daí ...... poucos instantes, o menino entregou-se ...... reflexões mais sérias e colocou-se ...... disposição do diretor.

a) há - à - à   

b) a - à - a   

c) há - a - à   

d) à - a - a   

e) a - a - à   

 

 

comentários[0]

calendário


Assinar RSS