Portal da Educao Adventista

*Profª Ritíssima *

7

out
2014

Dinâmica para Parnasianismo

Olá, Pessoal! Que tal uma atividade dinâmica para introduzir as características parnasianas? A caracterísitca da arte pela arte, das amarras serão inesquecíveis...

 

comentários[0]

4

mai
2014

Lista 2EM parte 2

Pessoal, atenção! Segunda parte da lista para dia 16/05. Gabarito em classe.

(continuação)

 

16.   Classifique o VERBO quanto à predicação (VL - VI - VTD - VTI - VBT):

 

a) O herói deteve-o no palácio. (__________)

 

b) Todos ficaram admirados. (__________)

 

c) Telêmaco subiu para o quarto. (__________)

 

d) Numa manhã, Circe ofereceu flores a Ulisses. (__________)

 

e) Ulisses andava pela beira da praia. (__________)

 

f) Penélope não desistiu de Ulisses. (__________)

 

g) Garoava muito. (__________)

  

17.   (...) "Do Pantanal, corra até Bonito, onde um mundo de águas cristalinas faz tudo parecer um imenso aquário."

            ("O Estado de São Paulo")

           

Assinale a alternativa que apresenta a correta classificação dos verbos do período acima, quanto à sua predicação.

a) intransitivo - transitivo direto - de ligação   

b) transitivo indireto - transitivo direto - de ligação   

c) intransitivo - transitivo direto - transitivo direto   

d) transitivo indireto - transitivo direto - transitivo direto   

e) intransitivo - intransitivo - intransitivo   

  

18.   Relacione as colunas a seguir:

 

(1) verbo intransitivo

(2) verbo transitivo direto

(3) verbo transitivo indireto

a) (     ) Ela CHAMOU o médico.   

b) (     ) CONHECI um artista no restaurante.   

c) (     ) O pessoal CONFIA em nós.   

d) (     ) CREIO em pessoas honestas.   

e) (     ) O pássaro CANTAVA melodiosamente.   

  

19.   Localize o verbo e o classifique quanto à predicação (VTD - VTDI - VI - VL - VTI).

a) A família de Alexandre recebeu a notícia alegre.

b) Alexandre parecia cansado.

c) Seu relato terminou.

d) Velasco nomeou os tubarões pontuais.

e) Rufino morreu afogado.

  

20.   Classifique os verbos quanto à predicação em:

 

(1) transitivo direto

(2) transitivo indireto

(3) transitivo direto e indireto

(4) intransitivo

a) (     ) TOMO meu ônibus alegremente.   

b) (     ) Nunca SIMPATIZEI com sua amiga.   

c) (     ) OUÇO a voz do coração.   

d) (     ) Não CONFIO este segredo a ninguém.   

e) (     ) MORREU de fome.   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

OS CÃES

 

            - Lutar. Podes escachá-los ou não; 1o essencial é que lutes. Vida é luta. Vida 2SEM LUTA é um mar morto no centro do organismo universal.

            DAÍ A POUCO demos COM UMA BRIGA 3de cães; fato que AOS OLHOS DE UM HOMEM VULGAR não teria valor. Quincas Borba fez-me parar e observar os cães. Eram dois. Notou que 4ao pé deles estava um osso, MOTIVO DA GUERRA, e não deixou de chamar a minha atenção para a circunstância de que o osso não tinha carne. Um simples osso nu. Os cães 1(6)mordiam-se, rosnavam, COM O FUROR NOS OLHOS... Quincas Borba meteu a bengala 5DEBAIXO DO BRAÇO, e parecia EM ÊXTASE.

            - Que belo que isto é! dizia ele de quando em quando.

            Quis arrancá-lo dali, mas não pude; ele estava arraigado AO CHÃO, e só continuou A ANDAR, quando a briga 2(7)cessou INTEIRAMENTE, e um dos cães, MORDIDO e vencido, foi levar a sua fome A OUTRA PARTE. Notei que ficara sinceramente ALEGRE, 6posto contivesse a ALEGRIA, segundo convinha a um grande filósofo. Fez-me observar a beleza do espetáculo, relembrou o objeto da luta, concluiu que os cães tinham fome; mas a privação do alimento era nada para os efeitos gerais da filosofia. Nem deixou de recordar que em algumas partes do globo o espetáculo é mais grandioso: as criaturas humanas é que 3(8)disputam aos cães os ossos e outros manjares menos APETECÍVEIS; luta que se complica muito, porque entra em ação a inteligência do homem, com todo o acúmulo de sagacidade que lhe deram os séculos etc.

 

 

21.   Quanto à predicação, os verbos "mordiam(1), cessou(2), disputam(3)", classificam-se, no texto, respectivamente, como:

a) t. direto e indireto, transitivo, t. direto.   

b) t. direto e indireto, intransitivo, t. direto.   

c) transitivo, ligação, t. direto e indireto.   

d) t. direto, intransitivo, t. direto e indireto.   

e) intransitivo, intransitivo, transitivo.   

 

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES:

SONETO DE SEPARAÇÃO

 

De repente do riso fez-se o pranto

Silencioso e branco como a bruma

E das bocas unidas fez-se a espuma

E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

 

De repente da calma fez-se o vento

Que dos olhos desfez a última chama

E da paixão fez-se o pressentimento

E do momento imóvel fez-se o drama.

 

De repente, não mais que de repente

Fez-se de triste o que se fez amante

E de sozinho o que se fez contente

 

Fez-se do amigo próximo o distante

Fez-se da vida uma aventura errante

De repente, não mais que de repente.

                       

(Vinícius de Morais)  

 

 

22.   "E das bocas unidas fez-se a espuma". A partícula "se" é o:

a) sujeito   

b) índice da indeterminação do sujeito   

c) objeto direto   

d) objeto indireto   

e) pronome apassivador   

  

23.   "E das bocas unidas fez-se a espuma". Sujeito do verbo fazer:

a) bocas   

b) bocas unidas   

c) se   

d) espuma   

e) indeterminado   

  

24.   Assinale a opção que traz corretas classificações do sujeito e da predicação verbal.

a) "Houve... uma considerável quantidade" - sujeito inexistente; verbo transitivo direto.   

b) "que jamais hão-de ver país como este" - sujeito indeterminado; verbo transitivo indireto.   

c) "mas reflete a pulsação da inenarrável história de cada um" - sujeito simples; verbo transitivo direto e indireto.   

d) "que se recebe em herança" - sujeito indeterminado; verbo transitivo indireto.   

e) "a quem tutela" - sujeito simples; verbo intransitivo.   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Iria morrer, quem sabe naquela noite mesmo? E que tinha ele feito de sua vida? Nada. Levara toda ela atrás da miragem de estudar a pátria, por amá-la e querê-la muito, no intuito de contribuir para a sua felicidade e prosperidade. Gastara a sua mocidade nisso, a sua virilidade também; e, agora que estava na velhice, como ela o recompensava, como ela o premiava, como ela o condecorava? Matando-o. E o que não deixara de ver, de gozar, de fruir, na sua vida? Tudo. Não brincara, não pandegara, não amara - todo esse lado da existência que parece fugir um pouco à sua tristeza necessária, ele não vira, ele não provara, ele não experimentara.

Desde dezoito anos que o tal patriotismo lhe absorvia e por ele fizera a tolice de estudar inutilidades. Que lhe importavam os rios? Eram grandes? Pois se fossem... Em que lhe contribuiria para a felicidade saber o nome dos heróis do Brasil? Em nada... O importante é que ele tivesse sido feliz. Foi? Não. Lembrou-se das suas causas de tupi, do folklore, das suas tentativas agrícolas... Restava disso tudo em sua alma uma satisfação? Nenhuma! Nenhuma!

           

Lima Barreto

 

 

 

25.   No período:

 

"Não brincara, não pandegara, não amara - todo esse lado da existência que parece fugir um pouco à sua tristeza necessária, ele não vira, ele não provara, ele não experimentara",

 

as últimas orações - "não vira", "não provara", "não experimentara", têm a mesma organização sintática, e seus predicados são:

a) verbais, formados por verbos transitivos diretos, complementados por um objeto direto explícito no período.   

b) verbais, formados por verbos intransitivos.   

c) verbais, formados por verbos transitivos indiretos, complementados por um objeto indireto não explícito no período.   

d) verbais, formados por verbos transitivos direto e indireto.   

e) verbo-nominais, formado por verbos e predicativos do sujeito.   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

            "Vivemos numa época de tamanha insegurança externa e interna, e de tamanha carência de objetivos firmes, que a simples confissão de nossas convicções pode ser importante, mesmo que essas convicções, como todo julgamento de valor, não possam ser provadas por deduções lógicas.

            Surge imediatamente a pergunta: podemos considerar a busca da verdade - ou, para dizer mais modestamente, nossos esforços para compreender o universo cognoscível através do pensamento lógico construtivo - como um objeto autônomo de nosso trabalho? Ou nossa busca da verdade deve ser subordinada a algum outro objetivo, de caráter prático, por exemplo? Essa questão não pode ser resolvida em bases lógicas. A decisão, contudo, terá considerável influência sobre nosso pensamento e nosso julgamento moral, desde que se origine numa convicção profunda e inabalável. Permitam-me fazer uma confissão: para mim, o esforço no sentido de obter maior percepção e compreensão é um dos objetivos independentes sem os quais nenhum ser pensante é capaz de adotar uma atitude consciente e positiva ante a vida.

            Na própria essência de nosso esforço para compreender o fato de, por um lado, tentar englobar a grande e complexa variedade das experiências humanas, e de, por outro lado, procurar a simplicidade e a economia nas hipóteses básicas. A crença de que esses dois objetivos podem existir paralelamente é, devido ao estágio primitivo de nosso conhecimento científico, uma questão de fé. Sem essa fé eu não poderia ter uma convicção firme e inabalável acerca do valor independente do conhecimento.

            Essa atitude de certo modo religiosa de um homem engajado no trabalho científico tem influência sobre toda sua personalidade. Além do conhecimento proveniente da experiência acumulada, e além das regras do pensamento lógico, não existe, em princípio, nenhuma autoridade cujas confissões e declarações possam ser consideradas "Verdade " pelo cientista. Isso leva a uma situação paradoxal: uma pessoa que devota todo seu esforço a objetivos materiais se tornará, do ponto de vista social, alguém extremamente individualista, que, a princípio, só tem fé em seu próprio julgamento, e em nada mais. É possível afirmar que o individualismo intelectual e a sede de conhecimento científico apareceram simultaneamente na história e permaneceram inseparáveis desde então. "

(Einstein, In: O Pensamento Vivo de Einstein, p. 13 e 14, 5a. edição, Martin Claret Editores)

 

 

26.   Observe:

 

I. "Essa questão não pode ser resolvida em bases lógicas."

II. "A decisão, contudo, terá considerável influência sobre nosso pensamento e nosso julgamento moral, desde que se origine numa convicção profunda e inabalável."

 

As frases I e II estão, respectivamente, na voz

a) passiva analítica em I e ativa em II.   

b) passiva sintética em I e passiva analítica em II.   

c) ativa em I e ativa em II.   

d) ativa em I e passiva analítica em II.   

e) passiva analítica em I e passiva analítica em II.   

  

27.   Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas da frase apresentada.

 

Transpondo da voz passiva para a voz ativa a frase "Os avisos terão sido dados pelo coordenador", obtém-se a forma verbal ...... .

a) deu   

b) dará   

c) terá dado   

d) terão dado   

e) foram dados   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

O IMPÉRIO DA LEI

 

1          O desfecho da crise política deu uma satisfação a um anseio fundamental dos brasileiros: o de que a lei seja respeitada por todos. Estamos, agora, diante da imperiosa necessidade de dar prosseguimento ao processo de regeneração dos costumes políticos e da restauração dos princípios éticos na vida pública, que nada mais é do que se conseguir em novas bases um consenso em torno da obediência civil.

2          Existem reformas pendentes nas áreas política e econômica, lacunas constitucionais a serem preenchidas, regulamentações não realizadas, aprimoramentos da Carta que deverão ocorrer em datas já definidas. Mas estas tarefas não esgotam a pauta de urgências da cidadania. É indispensável inculcar no cidadão comum o respeito à lei.

3          Esta aspiração é antiga no Brasil. Capistrano de Abreu já sonhava com uma Constituição com dois únicos artigos: 1 - A partir, desta data, todo brasileiro passa a ter vergonha na cara; 2 - Revogam-se as disposições em contrário. Num país que combina o furor legiferante à tradição de impunidade, o historiador compreendeu que o problema era menos a ausência de leis do que a generalizada e permanente tendência em desobedecê-las. Simplificar e cumprir foram suas palavras de ordem.

4          O sociólogo americano Phillip Schmitter se confessou abismado pela naturalidade com que os brasileiros transgridem as leis em vigor. É de se duvidar se uma Constituição como a de Capistrano "pegaria" no Brasil. Uma vez adotado o "cumpra-se a lei", as normas vigentes não seriam suficientes? Caso não fossem que mecanismos garantiriam o imediato cumprimento da nova lei? Mais: a desobediência à nova lei não aprofundaria ainda mais a desconfiança nas instituições? São questões que surgem espontaneamente num país cuja cidadania ainda não internalizou a lei.

Jornal do Brasil, 01/10/92, p.10

 

 

28.   Aponte a opção na qual o verbo em destaque deve ser classificado como intransitivo:

a) "EXISTEM reformas pendentes nas áreas política e econômica, (...)" (20.  parágrafo)   

b) "É indispensável INCULCAR no cidadão comum o respeito à lei." (20. parágrafo)   

c) "(...) Capistrano de Abreu já SONHAVA com uma Constituição com dois únicos artigos (...)" (30. parágrafo)   

d) "(...) as normas vigentes não SERIAM suficientes?" (40. parágrafo)   

e) "(...) que mecanismos GARANTIRIAM o imediato cumprimento da nova lei?" (40. parágrafo)   

  

29.   A transformação passiva da frase "A religião te inspirou esse anúncio." apresentará o seguinte resultado:

a) Tu te inspiraste na religião para esse anúncio.   

b) Esse anúncio inspirou-se na tua religião.   

c) Tu foste inspirado pela religião nesse anúncio.   

d) Esse anúncio te foi inspirado pela religião.   

e) Tua religião foi inspirada nesse anúncio.   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

            Sou um ignorante, um pobre homem de cidade. Mas eu tinha razão. Ele cresceu, está com dois metros, lança as suas folhas além do muro - e é um esplêndido pé de milho. Já viu o leitor um pé de milho? Eu nunca tinha visto. Tinha visto centenas de milharais - mas é diferente. Um pé de milho sozinho, em um canteiro, espremido, junto do portão, numa esquina de rua - não é um número numa lavoura, é um ser vivo e independente. Suas raízes roxas se agarram no chão e suas folhas longas e verdes nunca estão imóveis. Detesto comparações surrealistas - mas na glória de seu crescimento, tal como o vi em uma noite de luar, o pé de milho parecia um cavalo empinado, as crinas ao vento - e em outra madrugada parecia um galo cantando.

            Anteontem aconteceu o que era inevitável, mas que nos encantou como se fosse inesperado: meu pé de milho pendoou. Há muitas flores belas no mundo, e a flor de milho não será a mais linda. Mas aquele pendão firme, vertical, beijado pelo vento do mar, veio enriquecer nosso canteirinho vulgar com uma força e uma alegria que fazem bem. É alguma coisa de vivo que se afirma com ímpeto e certeza. Meu pé de milho é um belo gesto da terra. E eu não sou mais um medíocre homem que vive atrás de uma chata máquina de escrever: sou um rico lavrador da Rua Júlio de Castilhos.

(Dezembro, 1945. Rubem Braga)

 

 

 

30.   "... como o vi em uma noite de luar..."

 

a) Reescreva, na voz passiva, a oração transcrita, sem desprezar nenhum dos componentes sintáticos que lhe dão forma.

b) Indique a função sintática do pronome de 3a pessoa na frase original e na transformada.

 

comentários[0]

4

mai
2014

Lista de atividades 2EM parte1

Pessoal, só pude postar em duas partes! Por favor, Atenção. Entrega dia 16/05 . Gabarito em classe.

 

1.   Leia o seguinte texto.

 

A existência de todo grupo social pressupõe a obtenção de um equilíbrio relativo entre as suas necessidades e os recursos do meio físico, requerendo, da parte do grupo, soluções mais ou menos adequadas e completas, das quais depende a eficácia e a própria natureza daquele equilíbrio. As soluções, por sua vez, dependem da quantidade e qualidade das necessidades a serem satisfeitas. São estas, portanto, o verdadeiro ponto de partida, todas as vezes que o sociólogo aborda o problema das relações do grupo com o meio físico.

Com efeito, as necessidades têm um duplo caráter natural e social, pois se a sua manifestação primária são impulsos orgânicos, a satisfação destes se dá por meio de iniciativas humanas que vão-se complicando cada vez mais, e dependem do grupo para se configurar. Daí as próprias necessidades se complicarem e perderem em parte o caráter estritamente natural, para se tornarem produtos da sociedade. De tal modo a podermos dizer que as sociedades se caracterizam, antes de mais nada, pela natureza das necessidades de seus grupos, e os recursos de que dispõem para satisfazê-las.

O equilíbrio social depende em grande parte da correlação entre as necessidades e sua satisfação. E sob este ponto de vista, as situações de crise aparecem como dificuldade, ou impossibilidade de correlacioná-las.

 

Antonio Candido, "Os parceiros do Rio Bonito".

 

a) Segundo o texto, as necessidades dos grupos sociais têm um "duplo caráter". O que distingue um caráter do outro?

 

b) Atenda ao que se pede:

b1) O referente dos pronomes sublinhados em "satisfazê-las" e "correlacioná-las" é o mesmo? Explique.

b2) Reescreva a frase "todas as vezes que o sociólogo aborda o problema das relações do grupo com o meio físico", pondo o verbo na voz passiva.

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Os moradores do casarão

(...)

1          Consultando o relógio de parede, que bate as horas num gemer de ferros, ela chama uma das pretas, para que lhe traga a chaleira com água quente. Toma banho dentro da bacia no quarto, cujos tacos já estão podres. Demora-se sentada no banco de madeira com medo da corrente de ar, os cabelos soltos e os ombros protegidos pela toalha.

2          A única amiga que a visita diz que a vida dela dá um romance. O casarão. A posição social de outrora. A educação dela: o piano, a aula particular de francês, o curso de pintura com irmã Honorine. Tudo se foi acabando. Os mortos são retratos no alto das paredes. Galeria de retratos, o do pai, imponente, o cabelo partido ao meio, certa ironia nos olhos, ao tempo em que foi secretário de estado e diretor do grande hospital. Foi por esse tempo que ela se casou com o bacharel recente. As tias fizeram oposição forte. Aquelas tias magras, de nervuras nos pescoços, as blusas de colarinho de renda, os bandós. A mais renitente delas era tia Matilda. A sobrinha merecia coisa melhor, homem já projetado na vida, com carreira feita, que a família era nobre, quisessem ou não: vinha de boa cepa portuguesa, com barão na origem. O moço era filho de comerciante, com pequena loja de tecidos:

3          - E um menino! Em começo de vida.

4          Mas casaram. Foi decidido que ficassem no casarão, que dava para todos, e ninguém queria separar-se de Violeta, que tinha muitas mães, todas mandando nela. Violeta, governada, sem vontade própria, como se ainda fosse menina, ouvindo uma e outra:

5          - Estou bem com este vestido?

6          A nervura das tias:

7          - Horrível! Ponha o de organdi.

8          Ela voltava ao grande quarto, de forro alto, e mudava a roupa na frente do marido, marginalizado e em silêncio. Concessão maior só do pai, que era meio boêmio, apreciava uma roda de cerveja e de pôquer. O pai soltava gargalhada na cadeira de balanço e garantia ao genro que aquelas velhas, e a própria mulher dele, eram doidas.

9          A pressão. O 1reparo para qualquer deslize tolo ou gafe:

10        - Filho de comerciante.

11        E Violeta, que nunca teve filhos, engordava, lambia os dedos e os beiços untados de manteiga. Muita banha, preguiça de sair de casa, uma ou outra nota no piano de cauda, com o jarro de flores, onde as moscas dormiam e cagavam.

12        Veio o desquite. O marido mudou-se para São Paulo. Fez carreira brilhante, é advogado de prestígio e, faz muito tempo, vive com a outra. Mas fixou pensão para a mulher e escrevia-lhe, talvez por pena dela: a gordura disforme. Foram cartas que raramente recebeu, e uma ou outra que ela própria tivesse escrito, tia Matilda, a renitente, tomava do jardineiro, lia e rasgava.

13        Quando essa tia morreu, porque afinal todos morreram, Violeta encontrou no quarto dela dentro da gaveta da cômoda, lá no fundo, algumas dessas cartas do marido, amarradas com o fitilho. Trancou-se, leu-as à luz do abajur e chorou.

14        O casarão, com a torre, é ninho de morcegos, que voejam na tarde. Tudo é silêncio. O gradil do muro, enferrujado. Secou a fonte, onde o vento rodopia folhas mortas. De resistente apenas a hera, que sobe pelas velhas paredes, uma ou outra vez aguada por Seu Presidente vice-presidentente, jardineiro, ou pela preta mais nova, também cria da família.

15        A única amiga que a visita volta a assegurar que a vida dela dá um romance.

16        - Acho que sim.

17        E Violeta se levanta, pesada, envolvida no cachecol, para fechar a janela por onde vem a corrente de ar e já se aproxima a noite.

(MOREIRA CAMPOS, José Maria. Dizem que os cães veem coisas. Fortaleza: Edições UFC, 1987)

 

 

2.   Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta em relação ao valor sintático-semântico dos verbos destacados na frase abaixo.

 

Tia Matilda SENTIU1 o vento, OLHOU2 as folhas secas e CAMINHOU3 em silêncio.

a) 1ação / 2processo / 3processo   

b) 1processo / 2ação / 3estado   

c) 1processo / 2ação / 3ação   

d) 1estado / 2estado / 3processo   

e) 1estado / 2processo / 3ação   

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Delírio de voar

 

            Nos dez primeiros anos deste século havia uma mania pop em Paris - voar. As formas estranhas dos aeroplanos experimentais invadiam as páginas dos jornais. Cada proeza dos aviadores era narrada em detalhe. Os parisienses acompanhavam fascinados as audácias dos aviadores, uma elite extravagante de jovens brilhantes, cultos e elegantes, realçada por vários milionários e pelo interesse das moças. Multidões lotavam o campo de provas de Issy-les-Molincaux. Os pilotos e os inventores eram reconhecidos nas ruas e homenageados em restaurantes. Todo dia algum biruta apresentava uma nova máquina, anunciava um plano mirabolante e desafiava a gravidade e a prudência.

            Paris virara a capital mundial da aviação desde a fundação do Aéro-Club de France, em 1898. Depois da difusão dos grandes balões, em 1880, e dos dirigíveis inflados a gás, em 1890 - os chamados "mais leves que o ar", chegara a hora dos aparelhos voadores práticos, menores e controláveis - os "mais pesados que o ar". Durante muito tempo eles foram descartados como impossíveis, mas agora as pré-condições haviam mudado. A tecnologia da aerodinâmica, da engenharia de estruturas, do desenho de motores e da química de combustíveis havia chegado a um estágio de evolução inédito. Combinadas, permitiam projetar máquinas inimaginadas.

            Simultaneamente, por caminhos paralelos, a fotografia dera um salto com a invenção dos filmes flexíveis, em 1889. Surgiram câmeras modernas, mais sensíveis à luz, mais velozes e fáceis de manejar. Em consequência, proliferaram os fotógrafos profissionais e amadores. Eles não só registraram cada passo da infância da aviação como também popularizaram-na. Transportados pelos jornais, os feitos dos pioneiros estimularam a vocação de muitos jovens candidatos a aviador. A mídia glamourizou a ousadia de voar.

.........................................................................................

            Inventar aviões era um ofício diletante e nada rendoso - ainda. Exigia recursos financeiros para construir aparelhos, contratar mecânicos, oficinas e hangares. Dinheiro nunca faltou ao brasileiro Alberto Santos-Dumont, filho de um rico fazendeiro mineiro, ou ao engenheiro e nobre francês marquês d'Ecquevilley-Montjustin. Voar era um ideal delirante e dândi. Uma glória para homens extraordinários.

 

SUPERINTERESSANTE, junho/99, p.36

 

 

3.   Marque as alternativas corretas, tendo em vista o emprego de verbos no texto.

01) O verbo usado em "As formas estranhas dos aeroplanos experimentais invadiam as páginas dos jornais" assumiria, na voz passiva, a fortuna "eram invadidas".   

02) Com o verbo na voz ativa, a frase "Cada proeza dos aviadores era narrada em detalhe" ficaria "Narrava-se em detalhe cada proeza dos aviadores".   

04) A forma verbal simples empregada em "Paris virara a capital mundial da aviação desde a fundação do Aéro-Club de France, em 1898", corresponde à forma composta "havia virado" ou "tinha virado".   

08) Em "Voar era um ideal delirante e dândi", "voar" está empregado em função substantiva.   

16) Em "Nos dez primeiros anos deste século havia uma mania pop em Paris - voar", o verbo haver foi empregado no pretérito perfeito do indicativo, com o sentido de existir.   

 

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES:

TEXTO I - ARTE DE AMAR

 

Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.

A alma é que estraga o amor.

Só em Deus ela pode encontrar satisfação.

Não noutra alma.

Só em Deus - ou fora do mundo.

 

As almas são incomunicáveis.

 

Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.

 

Porque os corpos se entendem, mas as almas não.

 

(BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira: poesias reunidas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1974.)

 

 

TEXTO II - MINERAÇÃO DO OUTRO

 

Os cabelos ocultam a verdade.

Como saber, como gerir um corpo alheio?

Os dias consumidos em sua lavra

significam o mesmo que estar morto.

 

Não o decifras, não, ao peito oferto,

monstruário de fomes enredadas,

ávidas de agressão, dormindo em concha.

Um toque, e eis que a blandícia1 erra em tormento,

 

e cada abraço tece além do braço

a teia de problemas que existir

na pele do existente vai gravando.

 

Viver-não, viver-sem, como viver

sem conviver, na praça de convites?

 

Onde avanço, me dou, e o que é sugado

ao mim de mim, em ecos se desmembra;

nem resta mais que indício,

pelos ares lavados,

do que era amor e dor agora, é vício.

 

O corpo em si, mistério: o nu, cortina

de outro corpo, jamais apreendido,

assim como a palavra esconde outra

voz, prima e vera, ausente de sentido.

Amor é compromisso

com algo mais terrível do que amor?

- pergunta o amante curvo à noite cega,

e nada lhe responde, ante a magia:

arder a salamandra2 em chama fria.

 

(ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1988.)

 

1blandícia - meiguice, brandura; afago, mimo, carícia

2salamandra - animal anfíbio que, segundo a mitologia, era capaz de viver no fogo sem ser consumido

 

 

4.   Releia os versos abaixo para responder à questão.

 

"ONDE AVANÇO, ME DOU, e O QUE É SUGADO

AO MIM DE MIM em ecos se desmembra;"

 

Classifique, quanto às vozes do verbo, as três construções em maiúsculo.

  

5.   Releia os versos abaixo para responder à questão.

 

"ONDE AVANÇO, ME DOU, e O QUE É SUGADO

AO MIM DE MIM em ecos se desmembra;"

 

A sequência das construções verbais em maiúsculo retrata uma mudança na participação do "eu" que se expressa no texto.

Descreva essa mudança.

  

6.   Quando lhe pedi que ela fosse comigo ao mercado, ela reagiu como se eu lhe tivesse feito uma proposta absurda.

 

1. Transcreva do texto a oração que exerce a função de um objeto direto

 

2. Transponha para a voz passiva a oração "como se lhe tivesse feito uma proposta absurda".

  

7.   A sala ficou vazia. Todos os homens se dirigiram para o curral. As mulheres foram depois. Os vaqueiros decidiram, como já era um pouco tarde, que os animais fossem montados de dois em dois.

 

Transcreva do texto:

1. uma oração sem sujeito.

2. uma oração na voz passiva.

 

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

            "Os moradores da cidade de São Paulo estão enlouquecendo - mas não sabem ainda até onde vai a loucura. Acuados pelo trânsito, violência e desemprego, eles se tornam arredios e anti-sociais. Confundem os limites entre justificável cautela e paranóia.

            Os sinais da histeria coletiva surgiram numa pesquisa (...), intitulada 'Razão e felicidade' (...). O título da pesquisa foi inspirado por um dos depoimentos: 'Eu ando tão estressada e tão cansada que prefiro perder a razão do que a felicidade'. (...)

            O medo vai transformando o espaço público em cenário não de convivência, mas de ameaça. Daí a busca constante de reclusão, afastando o contato humano, num constante ressentimento. (...)

            Os laços de solidariedade obviamente vão se perdendo, num círculo vicioso de individualismo. Impera, portanto, a ideologia do 'dane-se o resto'. Não é mais uma comunidade, mas um conglomerado de seres desconfiados."

(Gilberto Dimenstein, "Dane-se o resto". FOLHA DE S. PAULO, 8/março/98)

 

 

 

8.   Considere as afirmações abaixo.

 

I. Em "ACUADOS PELO TRÂNSITO, VIOLÊNCIA E DESEMPREGO, eles se tornam arredios", a oração em destaque estabelece a causa da oração seguinte.

II. Em "ando tão estressada e tão cansada que prefiro perder a razão do que a felicidade", registra-se um padrão de fala considerado erro em norma culta.

III. Em "O título da pesquisa foi inspirado por um dos depoimentos" ocorre erro de construção da voz passiva.

IV. No período "Impera, portanto, a ideologia do 'dane-se o resto' ", há relações de explicação articuladas ao período anterior.

 

Quanto a essas afirmações deve-se concluir que

a) apenas I e II estão corretas.   

b) apenas III e IV estão corretas.   

c) apenas I e IV estão corretas.   

d) apenas II e III estão corretas.   

e) apenas I e III estão corretas.   

  

9.   Reconheça as vozes verbais nas seguintes orações:

 

a) Ele se deu mal. (__________________________)

 

b) Ulisses fazia o plano. (__________________________)

 

c) Os navegantes se machucaram. (__________________________)

 

d) Ulisses se espalhou na embarcação. (__________________________)

 

e) Os pretendentes eram derrubados por Ulisses. (__________________________)

 

f) Penélope e Ulisses se olhavam carinhosamente. (__________________________)

 

g) A tripulação é descoberta pela deusa. (__________________________)

  

10.   Transforme voz passiva sintética em analítica:

 

1) Vendem-se discos.

2) Compram-se jornais velhos.

3) Consertam-se aparelhos domésticos.

4) Realizou-se o concurso.

5) Alugam-se apartamentos.

  

11.   Indique a voz em que se encontram as orações, conforme o código:

 

(1) ativa

(2) passiva

(3) reflexiva

a) (     ) Olhou-se fixamente no espelho.   

b) (     ) A vitória foi conquistada pelo Flamengo.   

c) (     ) Ouviram-se miados a noite toda.   

d) (     ) A mulher atravessou a rua distraída.   

e) (     ) Eu me feri com a tesoura.   

  

12.   Indique a voz em que se encontram as orações seguintes marcando:

 

(A) ativa

(B) passiva

 

1) (     ) O homem será dominado pela máquina.

2) (     ) A máquina dominará o homem.

3) (     ) Foi encontrado o verdadeiro culpado.

4) (     ) A televisão influencia as crianças.

5) (     ) As crianças são influenciadas pela televisão.

  

13.   Transforme a voz ativa em voz passiva analítica, se possível:

a) As sereias descobriram a tripulação.

b) Penélope espera Ulisses.

c) De manhãzinha, uma voz quebrou o silêncio.

d) Telêmaco tranquiliza a mãe.

e) O gigante separou algumas cabras e ovelhas.

  

14.   Indique a voz em que se encontram as orações seguintes marcando:

 

(A) passiva

(B) ativa

 

1) (     ) O professor elogiou a sua prova.

2) (     ) O pai tratava-os com ternura.

3) (     ) Este quadro foi pintado por mim.

4) (     ) Os piratas encontraram o tesouro.

5) (     ) O bandido era perseguido pelo mocinho.

  

15.   Relacione as colunas a seguir:

 

1) verbo intransitivo

2) verbo transitivo direto

3) verbo transitivo indireto

4) verbo de ligação

a) (     ) A menina GANHOU uma boneca.   

b) (     ) Ele É inteligente e bondoso.   

c) (     ) DESOBEDECERAM aos regulamentos.   

d) (     ) NASCI em Porto Alegre.   

e) (     ) A festa ESTAVA animada.   

  

comentários[0]

22

out
2013

Exercicios de Regencia - Segundo EM

Olá, bonitinhos!

Esta lista é ótima para treino! Entrega sexta, dia 25/10, sem falta!

  1. Assinale a única alternativa que está de acordo com as normas de regência da língua culta.


    a) avisei-o de que não desejava substituí-Io na presidência, pois apesar de ter sempre servido à instituição, jamais aspirei a tal cargo;
    b) avisei-lhe de que não desejava substituí-lo na presidência, pois apesar de ter sempre servido a instituição, jamais aspirei a tal cargo;
    c) avisei-o de que não desejava substituir- lhe na presidência, pois apesar de ter sempre servido à instituição, jamais aspirei tal cargo;
    d) avisei-lhe de que não desejava substituir-lhe na presidência, pois apesar de ter sempre servido à instituição, jamais aspirei a tal cargo;
    e) avisei-o de que não desejava substituí-lo na presidência, pois apesar de ter sempre servido a instituição, jamais aspirei tal cargo.


    2. Assinale a opção em que o verbo chamar é empregado com o mesmo sentido que
    apresenta em ________ "No dia em que o chamaram de Ubirajara, Quaresma ficou reservado, taciturno e mudo":


    a) pelos seus feitos, chamaram-lhe o salvador da pátria;
    b) bateram à porta, chamando Rodrigo;
    c) naquele momento difícil, chamou por Deus e pelo Diabo;
    d) o chefe chamou-os para um diálogo franco;
    e) mandou chamar o médico com urgência.


    3. Assinale a opção em que o verbo assistir é empregado com o mesmo sentido que apresenta em "não direi que assisti às alvoradas do romantismo".


    a) não assiste a você o direito de me julgar;
    b) é dever do médico assistir a todos os enfermos;
    c) em sua administração, sempre foi assistido por bons conselheiros;
    d) não se pode assistir indiferente a um ato de injustiça;
    e) o padre lhe assistiu nos derradeiros momentos.


    4. Em todas as alternativas, o verbo grifado foi empregado com regência certa, EXCETO em:

    a) a vista de José Dias lembrou-me o que ele me dissera.
    b) estou deserto e noite, e aspiro sociedade e luz.
    c) custa-me dizer isto, mas antes peque por excesso;
    d) redobrou de intensidade, como se obedecesse a voz do mágico;
    e) quando ela morresse, eu lhe perdoaria os defeitos.


    5. O verbo chamar está com a regência INCORRETA em:

    a) chamo-o de burguês, pois você legitima a submissão das mulheres;
    b) como ninguém assumia, chamei-lhes de discriminadores;
    c) de repente, houve um nervosismo geral e chamaram-nas de feministas;
    d) apesar de a hora ter chegado, o chefe não chamou às feministas a sua seção;
    e) as mulheres foram para o local do movimento, que elas chamaram de maternidade.


    6. Assinale o exemplo, em que está bem empregada a construção com o verbo preferir:

    a) preferia ir ao cinema do que ficar vendo televisão;
    b) preferia sair a ficar em casa;
    c) preferia antes sair a ficar em casa;
    d) preferia mais sair do que ficar em casa;
    e) antes preferia sair do que ficar em casa.


    7. Assinale a opção em que o verbo lembrar está empregado de maneira inaceitável em relação à norma culta da língua:


    a) pediu-me que o lembrasse a meus familiares;
    b) é preciso lembrá-lo o compromisso que assumiu conosco;
    c) lembrou-se mais tarde que havia deixado as chaves em casa;
    d) não me lembrava de ter marcado médico para hoje;
    e) na hora das promoções, lembre-se de mim.


    8. O verbo sublinhado foi empregado corretamente, EXCETO em:

    a) aspiro à carreira militar desde criança;
    b) dado o sinal, procedemos à leitura do texto.
    c) a atitude tomada implicou descontentamento;
    d) prefiro estudar Português a estudar Matemática;
    e) àquela hora, custei a encontrar um táxi disponível.


    9. Em qual das opções abaixo" o uso da preposição acarreta mudança total no sentido do verbo?

    a) usei todos os ritmos da metrificação portuguesa. /usei de todos os ritmos da metrificação portuguesa
    b) cuidado, não bebas esta água./ cuidado, não bebas desta água;
    c) enraivecido, pegou a vara e bateu no animal./ enraivecido, pegou da vara e bateu no animal;
    d) precisou a quantia que gastaria nas férias./ precisou da quantia que gastaria nas férias;
    e) a enfermeira tratou a ferida com cuidado. / a enfermeira tratou da ferida com cuidado.


    10. Assinale o mau emprego o vocábulo "onde":

    a) todas as ocasiões onde nos vimos às voltas com problemas no trabalho, o superintendente nos ajudou;
    b) por toda parte, onde quer que fôssemos, encontrávamos colegas;
    c) não sei bem onde foi publicado o edital;
    d) onde encontraremos quem nos forneça as informações de que necessitamos;
    e) os processos onde podemos encontrar dados para o relatório estão arquivados


    11. Assinale o item que preenche convenientemente as lacunas na sentença:

    Não ____ conheço o suficiente para entender seus motivos, mas aviso ____ de que não ____ perdoo a traição.


    a) lhe, lhe, lhe;
    b) o, o, o;
    c) o, lhe, o;
    d) lhe, lhe, o;
    e) o, o, lhe.


    12. Assinale a frase em que há erro de regência verbal:


    a) a notícia carece de fundamento;
    b) o chefe procedeu ao levantamento das necessidades da seção;
    c) os médicos assistiram o simpósio e acharam-no muito interessante;
    d) é necessário que todos obedeçam às diretrizes estabelecidas;
    e) daqui posso ver-lhe o passo oblíquo e trôpego.


    13. Uma das opções apresenta erro quanto a regência verbal. Assinale-a:

    a) na sala do superintendente aspirava sempre fumaça de um legítimo havana.
    b) chegando na repartição, encontrou as portas cerradas;
    c) todos obedeceram às determinações superiores;
    d) informei-o de que no dia 15 não haverá expediente;
    e) o gerente visou todas as folhas do ofício.


    14. De acordo com a norma culta, a frase em que se teve o cuidado de obedecer à regência é:

    a) o Colégio São Geraldo, sito a Rua da União, encerrou suas atividades;
    b) o preço fixado tornou-se compatível de minhas posses;
    c) as regras do jogo não são passíveis por mudanças;
    d) sua decisão implica uma mudança radical;
    e) prefiro o cinema mais do que o teatro.

Mais alguns...

1)Assinale o erro de regência verbal.
a) Ele assistia com carinho os enfermos daquele hospital.
b) Não quero assistir esse espetáculo.
c) Carlos sempre assistiu em Belo Horizonte.
d) Não deixe de assistir àquele jogo.

2) Há erro de regência verbal na opção seguinte:
a) Aspirou profundamente o forte odor do café.
b) Ela não pode visar o passaporte.
c) Todos visam uma vida de paz.
d) Ali as pessoas aspiravam à fama.

3) Aponte a frase que apresenta incorreção de regência verbal.
a) Mário pagou o carro.
b) A moça perdoou a indiscrição do colega.
c) Antônio deixou de pagar o ajudante ontem.
d) Perdoemos aos que nos ofendem.

4) Marque o erro de regência verbal.
a) Prefiro estudar que trabalhar.
b) À cerveja prefiro o leite.
c) Prefiro leite a cerveja.
d) Prefiro este nome àquele que ele propôs.

5) Está perfeita a regência verbal na alternativa:
a) O professor procedeu a chamada.
b) Sua permanência implicará grande prejuízo a todos.
c) Devemos obedecer o regulamento.
d) Irei na sua casa logo mais.

6) Assinale a frase que não pode ser completada com o que vai nos parênteses.
a) Pagarei......alguns empregados hoje à noite. (a)
b) Naquela época, meu sobrinho assistia......Belo Horizonte. (em)
c) Não implique......o colega. (com)
d) Quando morava no campo, aspirava.......ar puro e sentia-se bem. (ao)

7) Está perfeita a regência verbal somente na seguinte alternativa:
a) A festa que ele compareceu foi ótima.
b) O livro que ele gosta muito desapareceu.
c) A empresa por que ele tanto se esforçou acabou falindo.
d) O cargo que tu aspiravas já foi preenchido.

8) Nas frases seguintes, todas com o pronome CUJO, há uma com erro de regência
verbal. Assinale-a.
a) Esta é a criança cujo pai deseja falar-nos.
b) Paulo, por cujas atitudes não me responsabilizo, deixou a firma.
c) Luís, contra cujas idéias sempre lutei, hoje é meu amigo.
d) Está lá fora o homem cujas ideias jamais acreditei.

9) Está correta a regência da frase:
a) O filme que assistimos é excelente.
b) O emprego que aspirávamos era apenas um sonho.
c) O documento que visei era falso.

10) Marque a alternativa em que ocorre erro na substituição por pronome átono.
a) Obedeci ao professor. / Obedeci-lhe.
b) Encontrei os animais na rua. / Encontrei-os na rua.
c) Toquei o seu braço. / Toquei-lhe o braço.
d) Visitou a amiga no hospital. / Visitou-lhe no hospital.

11) Só há erro de regência em:
a) Não sei onde ele será levado.
b) Ali está o comerciante a quem mandei a notificação.
c) Nós o trouxemos ontem.
d) Responda às questões seguintes.

12) Marque o erro de regência verbal.
a) Assistimos, extasiados, o espetáculo.
b) Alguém está assistindo o doente?
c) Aspirávamos o perfume das rosas.
d) Todos aspiram à paz.

13) Há erro de regência verbal em:
a) Eu lhe quero muito.
b) Eu o quero muito.
c) Paula namorava com alguém daquela família.
d) Todos perdoaram ao jovem.

14) Preencha as lacunas e anote a alternativa adequada.
Cientifico-.......de que a posse foi adiada.
Poucos.......entendem.
Meus irmãos.........obedecerão.
a) o - o - lhe
b) lhe - lhe - lhe
c) o - o - o
d) o - lhe - lhe

15) ( GAMA FILHO) Assinale a frase em que há erro de regência verbal.
a) O desmatamento implica destruição e fome.
b) Chegamos na cidade antes do anoitecer.
c) Jonas reside na Rua das Marrecas.
d) Avisei-o de que devia partir.
e) Os ambientalistas assistiram a uma conferência.

 

 

 

comentários[0]

4

abr
2013

Lista de exercícios 2 EM (2)

 Pessoal, eis a lista! Caprichem!

 

Lista de Exercícios - Língua Portuguesa - 2º EM

 

 

1. Considere a frase "Ele andava triste porque não encontrava a companheira" - os verbos grifados são respectivamente:
a) transitivo direto - de ligação;
b) de ligação - intransitivo;
c) de ligação - transitivo indireto;
d) transitivo direto - transitivo indireto;
e) de ligação - transitivo direto.

2. Indique a única alternativa que não apresenta agente da passiva:
a) A casa foi construída por nós.
b) O presidente será eleito pelo povo.
c) Ela será coroada por ti.
d) O avô era querido por todos.
e) Ele foi eleito por acaso.

3. Em: "A terra era povoada de selvagens", o termo grifado é:
a) objeto direto;
b) objeto indireto;
c) agente da passiva;
d) complemento nominal;
e) adjunto adverbial.

4. Em: "Dulce considerou calada, por um momento, aquele horrível delírio", os termos grifados são respectivamente:
a) objeto direto - objeto direto;
b) predicativo do sujeito - adjunto adnominal;
c) adjunto adverbial - objeto direto;
d) adjunto adverbial - adjunto adnominal;
e) objeto indireto - objeto direto.

5. Assinale a alternativa correta: "para todos os males, há dois remédioso tempo e o silêncio", os termos grifados são respectivamente:
a) sujeito - objeto direto;
b) sujeito - aposto;
c) objeto direto - aposto;
d) objeto direto - objeto direto;
e) objeto direto - complemento nominal.

6."Usando do direito que lhe confere a Constituição", as palavras grifadas exercem a função respectivamente de:
a) objeto direto - objeto direto;
b) sujeito - objeto direto;
c) objeto direto - sujeito;
d) sujeito - sujeito;
e) objeto direto - objeto indireto.

7. "Recebeu o prêmio o jogador que fez o gol". Nessa frase o sujeito de "fez" ?
a) o prêmio;
b) o jogador;
c) que;
d) o gol;
e) recebeu.

8. Assinale a alternativa correspondente ao período onde há predicativo do sujeito:
a) como o povo anda tristonho !
b) agradou ao chefe o novo funcionário;
c) ele nos garantiu que viria;
d) no Rio não faltam diversões;
e) o aluno ficou sabendo hoje cedo de sua aprovação.

9. Em: "Cravei-lhe os dentes na carne, com toda a força que eu tinha", a palavra "que" tem função morfossintática de:
a) pronome relativo - sujeito;
b) conjunção subordinada - conectivo;
c) conjunção subordinada - complemento verbal;
d) pronome relativo - objeto direto;
e) conjunção subordinada - objeto direto.

10. Assinale a alternativa em que a expressão grifada tem a função de complemento nominal:
a) a curiosidade do homem incentiva-o a pesquisa;
b) a cidade de Londres merece ser conhecida por todos;
c) o respeito ao próximo é dever de todos;
d) o coitado do velho mendigava pela cidade;
e) o receio de errar dificultava o aprendizado das línguas.

11. Amanhã, sábado, não sairei de casa", a palavra grifada, funciona como:
a) objeto direto;
b) objeto indireto;
c) agente da passiva;
d) complemento nominal;
e) aposto.

12. "E não se diga que Mário Quintana haja sido insensível às legítimas exigências da poética contemporânea". O termo grifado desempenha a função de:
a) objeto direto;
b) sujeito;
c) adjunto adnominal;
d) complemento nominal;
e) objeto indireto.

13. "O sol entra cada dia mais tarde, pálido, fraco, oblíquo"
"O sol brilhou um pouquinho pela manhã".

Pela ordem, os predicados das orações acima classificam-se como:

a) nominal - verbo nominal;
b) verbal - nominal;
c) verbal - verbo-nominal;
d) verbo-nominal - nominal;
e) verbo-nominal - verbal.

14. É exemplo de predicado verbo-nominal:
a) cuspi no chão com um nojo desgraçado;
b) o corpo me doía todo;
c) Estela se sentou na cama assustada;
d) E ele saiu correndo com os pés descalços;
e) Chico Sena morreu.

15. Em: "o professor entrou atrasado"
a) o verbo é intransitivo e o predicado é nominal;
b) o verbo é transitivo direto e o predicado é verbal;
c) o verbo é de ligação e o predicado é nominal;
d) o verbo é intransitivo e o predicado é verbo-nominal;
e) o verbo é transitivo indireto e o predicado é verbal.

16. Na expressão ". . . chamei Armando Nogueira de carioca . . ." encontramos no predicado pela ordem:
a) objeto direto e objeto indireto;
b) objeto direto e predicativo;
c) objeto indireto e adjunto adnominal;
d) objeto indireto e predicativo;
e) objeto direto e adjunto adverbial.

17. "Minha terra é pindorama, de Palmares sempre em flor !
a) o predicado é nominal e o verbo é de ligação;
b) o predicado é verbal e o verbo é intransitivo;
c) o predicado é verbal e o verbo é de ligação;
d) o predicado é verbo-nominal e o verbo é transitivo direto e indireto;
e) o predicado é nominal e o verbo é intransitivo.

18. Assinale a frase em que há sujeito inexistente:
a) compram-se jornais velhos;
b) nada se entendeu de suas palavras;
c) chama-se José o sacerdote;
d) choveu muito tomate aqui;
e) é noite.

19. "Em o Brasil foi descoberto pelos portugueses", o termo grifado é:

a) objeto direto;
b) sujeito;
c) agente da passiva;
d) adjunto adverbial;
e) aposto

20. Em "Nunca, respondeu ela abanando a cabeça", o termo grifado é:
a) objeto direto;
b) sujeito;
c) agente da passiva;
d) adjunto adverbial;
e) aposto.

21."Amo essas montanhas, uma a uma, com exceção apenas do morro do Cantagalo, cujo volume é desagradável e pesado", o termo grifado é:
a) aposto;
b) objeto indireto;
c) objeto direto;
d) adjunto adverbial;
e) predicativo do objeto.

22. Em "Meu maior desejo é que ela volte logo", a oração grifada exerce a função sintática de:
a) sujeito;
b) objeto direto;
c) objeto indireto;
d) predicativo;
e) complemento nominal.

23. Assinale a alternativa em que apareça predicado verbo-nominal:
a) a chuva permanecia calma;
b) a tempestade assustou os habitantes da vila;
c) Paulo ficou satisfeito;
d) os meninos saíram do cinema calados;
e) os alunos estavam preocupados.

24. Na oração "Você ficará tuberculoso, de tuberculose morrerá", as palavras grifadas são, respectivamente:
a) adjunto adverbial de modo, adjunto adverbial de causa;
b) objeto direto, objeto indireto;
c) predicativo do sujeito, adjunto adverbial;
d) ambas predicativas;
e) n.d.a.

25. Em: "O Presidente corrupto saiu cedo".
a) o verbo é de ligação, e o termo grifado é núcleo do predicado;
b) o verbo é intransitivo e o termo grifado é adjunto adverbial;
c) o verbo é transitivo direto e o termo grifado é objeto direto;
d) o verbo é intransitivo e o termo grifado é objeto indireto;
e) o verbo é de ligação e o termo grifado é objeto indireto.

26. Na oração "a situação continua indefinida":
a) o verbo é de ligação e o predicado é nominal;
b) o verbo é intransitivo e o predicado é verbo-nominal;
c) o verbo é transitivo direto e o predicado é verbal;
d) o verbo é bitransitivo e o predicado é verbo-nominal
e) o verbo é transitivo direto e o predicado é verbal.

 

Mais alguns...

 

1- "Quando me procurar o desencanto, eu direi, sereno e confiante, que a vida não foi de todo inútil."

O sujeito de procurar é:

 

a) Indeterminado
b) Eu (elíptico)
c) O desencanto
d) Me
e) Inexistente

 

2- Observe as orações seguintes:

 

  1. Dizem por aí tantas coisas...
  2. Nesta faculdade escolhem muito bem os alunos.
  3. Obedece-se aos mestres.

 

 O sujeito está indeterminado:

a) Somente na 1.
b) Na 2 somente.
c) Na 3 somente.
d) Em duas delas somente.
e) Nas três orações.

 

 

3- Só num caso a oração é sem sujeito.

Identifique-a:

 

a) Faltavam três dias para o batismo.
b) Houve por improcedente a reclamação do aluno.
c) Só me resta uma esperança.
d) Havia tempo suficiente para as comemorações.
e)  N.d.a.

 

4- "Ouviram do Ipiranga as margens plácidas

     De um povo heróico o brado retumbante..."

O sujeito da afirmação com que se inicia o Hino Nacional é:

a) Indeterminado.
b) Um povo heroico.
c) As margens plácidas do Ipiranga.
d) Do Ipiranga.
e) O brado retumbante.

 

5- Observe a estrofe:

"Lembra-me que, em certo dia,
Na rua, ao sol de verão,
Envenenado morria
Um pobre cão."

 

Aparece aí a inversão do:

 

a) Objeto direto: um pobre cão.
b) Sujeito: um pobre cão.
c) Sujeito: certo dia.
d) Predicado: lembra-me.
e) Predicativo do sujeito: me.

 

6- Na oração: "Mas uma diferença houve!" , o sujeito é:

a) Agente.
b) Indeterminado.
c) Paciente.
d) Inexistente.
e) Oculto.

 

7- Em: "Retira-te, criatura ávida de vingança!", o sujeito é:

a) Te
b) Inexistente
c) Oculto determinado
d) Criatura
e) N.d.a.

 

8- identifique a alternativa correta em relação à classificação dos predicado das orações a seguir:

 

  1. Todos nós consideramos a sua atitude infantil.
  2. A multidão caminhava pela estrada poeirenta.
  3. A criançada continua emocionada.

 

a) 1- predicado verbal, 2- predicado nominal, 3- predicado verbo-nominal
b) 1- predicado nominal, 2- predicado verbal, 3- predicado verbo-nominal
c) 1- predicado verbo-nominal, 2- predicado verbal, 3- predicado nominal
d) 1- predicado verbo-nominal, 2- predicado verbal, 3- predicado verbal
e) 1- predicado nominal, 2- predicado verbal, 3- predicado verbo-nominal

 

 

9- No período:

"As águias e os astros amam esta região azul, vivem nesta região azul, palpitam nesta região azul."

 

Temos:

 

a)  Um predicado verbal e dois verbo-nominais, havendo nos dois últimos, o complemento predicativo do objeto.
b) Três predicados verbais, sendo que, no primeiro, o complemento é o
objeto direto, e, nos dois últimos, o objeto indireto.
c) Três predicados verbo-nominais, havendo, no último, o complemento
predicativo do sujeito.
d) Três predicados verbais, havendo, em apenas um deles, o complemento objeto direto.
e) Três predicados verbais formados por verbos intransitivos.

 

10- "O sol entra cada dia mais tarde, pálido, fraco, oblíquo", "O sol brilhou um pouquinho pela manhã.". Pela ordem, os predicados das orações classificam-se como:

a) Nominal e verbo-nominal
b) Verbal e nominal
c) Verbal e verbo-nominal
d) Verbo-nominal e nominal
e) Verbo-nominal e verbal

 

11- I. Pedro está adoentado.

      II. Pedro está no hospital.

 

a)  O predicado é verbal em I e II.
b) O predicado é nominal em I e II.
c) O predicado é verbo-nominal em I e II.
d) O predicado é verbal em I e nominal em II.
e) O predicado é nominal em I e verbal em II.

 

12- Assinale uma das alternativas em que aparece um predicado verbo-nominal:

a) Os viajantes chegaram cedo ao destino.
b) Demitiram o secretário da instituição.
c) Nomearam as novas ruas da cidade.
d) Compareceram todos atrasados à reunião.
e) Estava irritado com as brincadeiras.

 

13- "Na manhã seguinte, desci um pouco amargurado, outro pouco satisfeito." Indique a alternativa que contém o predicado do mesmo tipo que o do período acima.

 

a) Esta injúria merecia ser lavada com o sangue dos inimigos.
b) Na tarde de uma segunda-feira, anunciei-lhe um pouco da minha tristeza,
outro pouco da minha satisfação.
c) Recebeu convicto e com certa afeição as verdades do filósofo.
d) Mas eu era moço à semelhança do meu tio Neves.
e) Naqueles dias eram tantos os castelos e sonhos esboroados...

 

14- Assinale a alternativa correspondente ao período onde há predicativo do sujeito:

a) Como o povo anda tristonho!
b) Agradou ao chefe o novo funcionário.
c) Ele nos garantiu que viria.
d) No Rio não faltam diversões.
e) O aluno ficou sabendo hoje cedo de sua aprovação.

 

15- Em uma das alternativas seguintes, o predicativo inicia o período. Assinale-a:

a) A dificílima viagem será realizada pelo homem.
b) Em suas próprias inexploradas entranhas descobrirá a alegria de conviver.
c) Humanizado tornou-se o sol com a presença humana.
d) Depois da dificílima viagem, o homem ficará satisfeito?
e) O homem procura a si mesmo nas viagens a outros mundos.

 

16- Assinale a alternativa em que aprece predicado verbo-nominal:

a) A chuva permanecia calma.
b) A tempestade assustou os habitantes da vila.
c) Paulo ficou satisfeito.
d) Os meninos saíram do cinema calados.
e) Os alunos estavam preocupados.

 

17- O professor entrou apressado.

O destaque indica:

a) Predicado nominal
b) Predicado verbo-nominal
c) Predicado verbal
d) Adjunto adverbial
e) N.d.a

 

18- Na oração: "A inspiração é fugaz, violenta", podemos afirmar que o predicado é:

a) Verbo-nominal, porque o verbo é de ligação e vem seguido de dois predicativos.
b) Nominal, porque o verbo é de ligação.
c) Verbal porque o verbo é de ligação e são atribuídas duas caracterizações
ao sujeito.
d) Verbo-nominal, porque o verbo é de ligação e vem seguido de dois
advérbios de modo.
e) Nominal, porque o verbo tem sua significação completada por dois nomes que funcionam como adjuntos adnominais.

 

19- Nas orações: A pesquisa da Mac Can reserva ainda uma surpresa" e "...os jovens estão mais ágeis", temos, respectivamente:

a) Predicado verbo-nominal e predicado verbal
b) Predicado verbal e predicado verbo-nominal
c) Predicado verbal e predicado nominal
e) Predicado verbal e predicado verbal

 

 E agora outros mais...

 

 

Nasce um escritor

 

            O primeiro dever passado pelo novo professor de português foi uma 7descrição tendo o mar como tema. A classe inspirou, toda ela, nos encapelados mares de Camões, aqueles nunca dantes navegados. O 5episódio do Adamastor foi reescrito pela 2meninada. Prisioneiro no internato, eu vivia na saudade das 4praias do Pontal onde conhecera a liberdade e o sonho. O mar de Ilhéus foi o tema de minha descrição.

            Padre Cabral levara os deveres para corrigir em sua cela. Na aula seguinte, entre risonho e solene, anunciou a existência de uma vocação autêntica de escritor naquela sala de aula. Pediu que escutassem com atenção o dever que 1ia ler. Tinha certeza, afirmou, que o autor daquela página seria no futuro um escritor conhecido. Não regateou elogios. 3Eu acabara de completar onze anos.

            Passei a ser uma personalidade, segundo os cânones do colégio, ao lado dos futebolistas, dos campeões de matemática e de religião, dos que 6obtinham medalhas. Fui admitido numa espécie de Círculo Literário onde 9brilhavam 8alunos mais velhos. Nem assim deixei de me sentir prisioneiro, sensação permanente durante os dois anos em que estudei no colégio dos jesuítas.  11Houve, porém, 10sensível mudança na limitada vida do aluno interno: o padre Cabral tomou-me sob sua proteção e colocou em minhas mãos livros de sua estante. Primeiro "As Viagens de Gulliver", depois clássicos portugueses, traduções de ficcionistas ingleses e franceses. Data dessa época minha paixão por Charles Dickens. Demoraria ainda a conhecer Mark Twain: o norte-americano não figurava entre os prediletos do padre Cabral.

                Recordo com carinho a figura do jesuíta português erudito e amável. Menos por me haver anunciado escritor, sobretudo por me haver dado o amor aos livros, por me haver revelado o mundo da criação literária. Ajudou-me a suportar aqueles dois anos de internato, a fazer mais leve a minha prisão, minha primeira prisão.

 

AMADO, Jorge. O menino Grapiúna. Rio de Janeiro. Record. 1987. p. 117-20.

 

 

1 .   A expressão "... alunos mais velhos." (ref. 8) exerce a função de 

a) sujeito da forma verbal "brilhavam" (ref. 9).    

b) objeto indireto.    

c) agente da ação expressa pela forma verbal "obtinham" (ref. 6).    

d) agente da passiva.    

e) objeto direto.   

 

 

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES:

Com base na charge abaixo, responda à questão a seguir.

 

 image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2.   Na charge, além da crítica à arte moderna presente na fala do personagem, é possível identificar ainda outra crítica. Esta outra crítica está relacionada ao seguinte aspecto:

a) moral   

b) estético   

c) econômico   

d) acadêmico   

  

3.   Ao formular sua crítica, o personagem demonstra certo distanciamento em relação à arte moderna. Uma marca linguística que expressa esse distanciamento é o uso de:

a) terceira pessoa   

b) frase declarativa   

c) reticências ao final   

d) descrição do objeto   

 

4.Siga o código e classifique:

 

(1)    Sujeito simples
(2)    Sujeito composto
(3)    Sujeito oculto
(4)    Sujeito indeterminado
(5)    Oração sem sujeito

 

(   ) Professor, querem sair mais cedo.
(   ) Amigos e inimigos verdadeiros estão sempre atentos.
(   ) Alguém bateu à porta.
(   ) Trata-se de uma matéria importante.
(   ) Não gostei!
(   ) Há alunos lindíssimos nesta sala.
(   ) Vende-se esta casa.

 

5.Classifique o predicado das orações abaixo, usando o seguinte código:

 

(V) Verbal
(N) Nominal
(VN) Verbo-Nominal


(   ) Ele está feliz.
(   ) Ele está aqui.
(   ) Ele saiu do estádio.
(   ) Ele está aborrecido.
(   ) Aborrecido, ele saiu do estádio.
(   ) Mariana encontrou os primos.
(   ) Célia encontrou as crianças apavoradas.
(   ) O sol surgiu no horizonte.
(   ) Os compradores consideraram a proposta razoável.
(   ) A falta de perspectiva deixa o povo desesperado.
(   ) Sempre o consideraram como louco.
(   ) Cheguei ofegante à porta da cantina.
(   ) Consideraram neutra a posição do juiz.
(   ) Tu pisavas nos astros.
(   ) Tu pisavas nos astros distraída.
(   ) O vento virou a canoa.
(   ) A moça virou freira.

 

 

6. Classifique, conforme o código.

 

(a)    Predicativo do sujeito
(b)   Predicativo do objeto

 

(   ) Otelo estava furioso.
(   ) A nota deixou triste a aluna.
(   ) Cheguei ofegante à escola.
(   ) Acho sua atitude imperdoável.
(   ) As noite chegaram frias.
(   ) Chamaram o jogador de covarde.


7. Com relação às orações abaixo, assinale:

 

S: para sujeito simples
C: para sujeito composto
I: para sujeito indeterminado
OSS: para oração sem sujeito

 

a-      Eles sempre se houveram com dignidade.
b-      Pode haver fatos contrários.
c-       Podem existir fatos contrários.
d-      Viam-se, através da janela, cotovias e rouxinol.
e-      Necessita-se do apoio de todos.
f-       Consertam-se bicicletas.
g-      Trabalha-se durante o dia.

h-      Dever haver pessoas generosas.
i-        Devem existir pessoas generosas.

 

comentários[0]

calendário


Assinar RSS