Portal da Educao Adventista

*Profª Ritíssima *

2

jun
2012

Concordância Verbal e Nominal com exercícios

 

 

 

image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Concordância Verbal e Nominal

De acordo com Mattoso Câmara "dá-se em gramática o nome de concordância à circunstância de um adjetivo variar em gênero e número de acordo com o substantivo a que se refere (concordância nominal) e à de um verbo variar em número e pessoa de acordo com o seu sujeito (concordância verbal). Há, não obstante, casos especiais que se prestam a dúvidas".

Então, observamos e podemos definir da seguinte forma: concordância vem do verbo concordar, ou seja, é um acordo estabelecido entre termos.

O caso da concordância verbal diz respeito ao verbo em relação ao sujeito, o primeiro deve concordar em número (singular ou plural) e pessoa (1ª, 2ª, 3ª) com o segundo.

Já a concordância nominal diz respeito ao substantivo e seus termos referentes: adjetivo, numeral, pronome, artigo. Essa concordância é feita em gênero (masculino ou feminino) e pessoa.

Como vimos acima, na definição de Mattoso Câmara, existem regras gerais e alguns casos especiais que devem ser estudados particularmente, pois geram dúvidas quanto ao uso. Há muitos casos que a norma não é definida e há resoluções diferentes por parte dos autores, escritores ou estudantes da concordância.

 Concordância entre verbos e o pronome se

A concordância entre os verbos e o pronome "se" está relacionada a pressupostos específicos, podendo esse pronome assumir posições distintas.

 

Neste texto destacaremos um assunto importante, em se tratando dos fatos que norteiam os estudos gramaticais. Caso você possua dúvidas, algumas dicas poderão ajudá-lo (a) a superar tais obstáculos, de modo a ampliar ainda mais sua competência linguística, mais especificamente se referindo à modalidade escrita da linguagem. Nesse sentido, eis algumas dicas, com o propósito de abordar um importante assunto relacionado à "concordância verbal", tendo como peças-chave os verbos e o pronome "se".

Primeiramente, você deve se atentar a duas circunstâncias básicas: o pronome em questão atua como pronome apassivador como índice de indeterminação do sujeito. Analisemos, pois, ambos os casos:

Pronome apassivador

Em algumas circunstâncias, o pronome em questão acompanha verbos transitivos diretos, ou seja, aqueles cujos complementos não se apresentam acompanhados de preposição. Vejamos um exemplo:

Consertam-se calçados.

O termo em destaque atua como complemento de um verbo transitivo direto (consertar), representando, portanto, o objeto direto.

Seguindo essa linha de raciocínio, em se tratando da voz expressa, essa se demarca pela voz passiva sintética. Dessa forma, atendo-nos ao propósito de transformá-la para a voz passiva analítica, obteremos como resultado:

Calçados são consertados. Assim, constatamos a evidente concordância que se dá entre o sujeito (calçados) e o verbo (consertar).  

Eis aí a circunstância em que o pronome "se" atua como tal, fazendo-se necessária a concordância verbal adequada.

Índice de indeterminação do sujeito

No intuito de checar as características que demarcam o fato em questão, veja dois exemplos, expostos a seguir:

Precisa-se de costureiras experientes.

Vive-se tranquilamente neste lugar.

Em ambos os casos, o verbo permaneceu na terceira pessoa do singular, dados os motivos em evidência, respectivamente expressos:

No primeiro enunciado, temos um verbo transitivo indireto (precisar), pois quem precisa, precisa de alguém ou de algo. Nesse sentido, o objeto indireto é representado por "de costureiras experientes".

No segundo, presenciamos um verbo intransitivo, cuja característica principal é ser dotado de sentido completo, ou seja, não depende de nenhum termo. Razões essas que fazem com que o pronome "se" atue como índice de indeterminação do sujeito.

 

Concordância Nominal - Regra Geral

A Concordância Nominal é o acordo entre o nome (substantivo) e seus modificadores (artigo, pronome, numeral, adjetivo) quanto ao gênero (masculino ou feminino) e o número (plural ou singular).

Exemplo: Eu não sou mais um na multidão capitalista.

Observe que, de acordo com a análise da oração, o termo "na" é a junção da preposição "em" com o artigo "a" e, portanto, concorda com o substantivo feminino multidão, ao mesmo tempo em que o adjetivo "capitalista" também faz referência ao substantivo e concorda em gênero (feminino) e número (singular).

Vejamos mais exemplos:

Minha casa é extraordinária.

Temos o substantivo "casa", o qual é núcleo do sujeito "Minha casa". O pronome possessivo "minha" está no gênero feminino e concorda com o substantivo. O adjetivo "extraordinária", o qual é predicativo do sujeito (trata-se de uma oração com complemento conectado ao sujeito por um verbo de ligação), também concorda com o substantivo "casa" em gênero (feminino) e número (singular).

Para finalizar, veremos mais um exemplo, com análise bem detalhada:

Dois cavalos fortes venceram a competição.

Primeiro, verificamos qual é o substantivo da oração acima: cavalos. Os termos modificadores do substantivo "cavalos" são: o numeral "Dois" e o adjetivo "fortes". Os termos que fazem relação com o substantivo na concordância nominal devem, de acordo com a norma culta, concordar em gênero e número com o ele.
Nesse caso, o substantivo "cavalos" está no masculino e no plural e a concordância dos modificadores está correta, já que "dois" e "fortes" estão no gênero masculino e no plural. Observe que o numeral "dois" está no plural porque indica uma quantidade maior do que "um".

Então temos por regra geral da concordância nominal que os termos referentes ao substantivo são seus modificadores e devem concordar com ele em gênero e número.

Importante: Localize na oração o substantivo primeiramente, como foi feito no último exemplo. Após a constatação do substantivo, observe o seu gênero e o número. Os termos referentes ao substantivo são seus modificadores e devem estar em concordância de gênero e número com o nome (substantivo).

 

Concordância Verbal

A concordância verbal se manifesta pela adequação em número e pessoa que se estabelece entre o verbo e seu respectivo sujeito.

 

Em se tratando da concordância verbal, cumpre dizer que ela se define pela harmonia, pelo equilíbrio que se manifesta entre o verbo e seu respectivo sujeito. Tal equilíbrio diz respeito exatamente à adequação que se dá entre ambos os elementos em número e pessoa.

No entanto, dados os pormenores que norteiam os fatos linguísticos de uma forma geral, em algumas circunstâncias pode ser que o verbo permaneça somente no singular, em outras somente no plural e em algumas ele pode assumir ambas as posições. Estamos falando, pois, das possíveis exceções que tendem a se manifestar. Falando nelas, passaremos a conhecê-las a partir de agora.

1) No caso de o sujeito estar ligado pela conjunção "ou", tal ocorrência se encontra atrelada a alguns princípios:

- O verbo permanecerá no plural se o fato expresso por ele abranger todos os núcleos:

A falta de exercícios físicos ou a má alimentação são prejudiciais à saúde.
      
- Havendo ideia de exclusão, o verbo permanecerá no singular:

Ou você ou ele sairá vencedor.   

- No caso de a conjunção ligar palavras ou expressões sinônimas, o verbo permanecerá no singular:

Classes gramaticais ou classes de palavras integra os estudos morfológicos.  

- No caso de a conjunção indicar probabilidade ou retificação, o verbo concordará com o segundo núcleo:

O aluno ou os alunos responsáveis pelo ato serão punidos.   

2) Em casos relacionados a sujeito ligado pelas expressões nem...nem:

- No caso de o fato expresso fazer referência a todos os núcleos, o verbo permanecerá no plural:

Nem a ascensão social nem o acúmulo de riquezas lhe proporcionaram alegrias. 

3) Quando o sujeito for representado pelas expressões "um e outro" ou "nem um nem outro", o verbo poderá permanecer no singular ou ir para o plural:

Um e outro atrapalhava a aula constantemente.
Um e outro atrapalhavam a aula constantemente.
Nem um nem outro conseguiu concluir a pesquisa. 
Nem um nem outro conseguiram concluir a pesquisa. 

ASPECTO IMPORTANTE:

- No caso de haver reciprocidade de ação, o verbo permanecerá somente no plural:

Um e outro convidado se cumprimentavam afavelmente.

4) No caso de o sujeito ser seguido de um aposto resumidor (tudo, nada, ninguém, cada um) o verbo concordará com  o aposto:

Festas, viagens, reunião com amigos, nada o comovia.  

5)  Quando o sujeito for representado por infinitivos, tal ocorrência obedece aos seguintes critérios:

- Caso não haja determinante o verbo ficará no singular:

Caminhar e dormir faz bem à saúde.

- No caso de haver determinação, o verbo permanecerá no plural:

O lutar e o progredir constituem a conduta humana.

- Se os infinitivos indicarem ações opostas, o verbo permanecerá no plural:

Lutar e desistir são dissociáveis.

6) A concordância com o pronome "se" se encontra relacionada a alguns pressupostos:

- Se o pronome "se" for classificado como índice de indeterminação do sujeito, o verbo ficará na terceira pessoa do singular, fazendo referência a verbos intransitivos, transitivos indiretos ou de ligação:  

Vive-se bem aqui. (intransitivo)

Era-se mais contente. (verbo de ligação)

Acredita-se em dias melhores. (verbo transitivo indireto)

- Quando o pronome for apassivador, o verbo concordará com o sujeito paciente, em se tratando de verbos transitivos diretos ou transitivos diretos e indiretos:  

Discutiu-se essa questão. (Essa questão foi discutida)

Entregaram-se as medalhas aos vencedores. (As medalhas foram entregues aos vencedores)

7) Casos em que o sujeito é ligado por conjunções correlativas, expressa por "não só... mas também, tanto...quanto, não só...como também", entre outras, o verbo tanto pode permanecer no singular como ir para o plural:

Não só os aplausos, mas também os gritos nos incomodava.
Não só os aplausos, mas também os gritos nos incomodavam.

8) Nos casos relacionados aos verbos "dar, soar e bater", esses concordam com a expressão numérica que indica as horas:

Soaram dez horas no relógio da matriz.

Deu uma hora naquele relógio da parede.

9) O verbo "parecer", uma vez anteposto a um infinitivo, admite duas construções:

- Quando o infinitivo for flexionado, o verbo "parecer" permanece invariável:

Os dias parece demorarem a passar. 

- No caso da flexão do verbo "parecer", o infinitivo não varia:

Os dias parecem demorar a passar.   

10) Quando um verbo no infinitivo aparecer acompanhado de um sujeito representado por pronome oblíquo átono antecedido dos verbos "deixar, fazer, perceber e mandar", esse permanece invariável:

Deixe-as entrar, pois são da família.

Mande-os sair rapidamente.    

11) Em casos relacionados à expressão "haja vista", segundo os preceitos gramaticais, ela deve sempre permanecer invariável:

Não haverá grandes transtornos, haja vista os propósitos antes firmados. 

12) A concordância com verbos impessoais é demarcada por alguns pressupostos, entre os quais:

-  No caso dos verbos que expressam fenômenos da natureza, o verbo permanece na terceira pessoa do singular:

Choveu muito à noite.
Trovejou bastante hoje.

- Os verbos "fazer" e "estar", indicando tempo ou clima,  permanecem na terceira pessoa do singular:

Faz dois anos que não o vejo.

Está frio aqui.

- No caso do verbo "haver", ora indicando tempo decorrido, existência, ocorrência ou acontecimento, esse sempre deverá permanecer invariável (ficando na terceira pessoa do singular):

Havia pessoas dispostas e interessadas. (existiam)

 dois dias que não a vejo por aqui. (tempo decorrido)

13) O verbo "ser" também representa um caso que obedece a alguns princípios específicos, sendo esses manifestados por:

- Fazendo referência a datas, horas e distância, embora assumindo a condição de impessoal, o verbo concorda com a expressão a que se refere:

Já é quase uma hora.

Daqui até lá são dois quilômetros.

- No caso de o sujeito ser representado por uma expressão numérica, o verbo "ser" deverá permanecer no singular:

Dez minutos para mim é pouco.

- Em casos de frases demarcadas pela locução "é que", o verbo "ser" concorda com o substantivo ou pronome antecedente:

Nós é que fomos os responsáveis pelo projeto.

- No caso de o sujeito ser representado pelos pronomes "tudo, isso, aquilo ou isto", o verbo "ser" poderá concordar com o sujeito ou com o predicativo:

Tudo eram superstições sem sentido. 

Aquilo era bobagem.     

- Nos casos em que há a ocorrência de sujeito e predicativo, a concordância do verbo "ser" se dá com palavras que se sobressaem entre as demais. Vejamos, pois, alguns casos:

* Em casos referentes à pessoa e coisa, a concordância se manifesta em relação à pessoa:

A população são as mulheres.  

* Quando se tratar de nome próprio e nome comum, a concordância prevalecerá sobre o nome próprio:

Machado de Assis era as atrações da Bienal do Livro.

- Em casos referentes à singular e plural, prevalece a concordância relativa ao plural:

A mochila eram panos e zíperes.

- Em se tratando de pronome reto e qualquer outra palavra, a concordância se manifesta com o pronome reto:

O professor sou eu

Os líderes somos nós.

14) Concordância ideológica representa a concordância que se manifesta não com o termo expresso na oração, mas com a ideia nela contida. Dessa forma, há três modalidades de concordância:

Concordância de gênero - manifesta-se quando a concordância se dá com o gênero gramatical:

Vossa Majestade parece ansioso. 

Concordância de número - ocorre quando a concordância se dá com o número gramatical:

A multidão queriam que os portões fossem abertos.

Concordância de pessoa - manifesta-se quando a concordância se dá com a pessoa gramatical:

Os brasileiros somos todos patriotas.

Vimos, por meio das elucidações aqui expostas, os muitos casos relativos à concordância verbal. Casos esses que fogem um pouco ao tradicional, dada a presença dos muitos pormenores com os quais compartilhamos.

 

Concordância verbal com sujeito deslocado

Mesmo em se tratando de casos relativos ao sujeito deslocado, a concordância verbal se manifesta entre ambos os elementos (sujeito e verbo).

Falar sobre concordância significa, sobretudo, aludir a uma das partes que compõem a gramática (sintaxe) cujo atributo se deve ao estudo das relações que se estabelecem entre os termos de uma dada oração. Dessa forma, temos asintaxe de concordância, aqui especificamente retratada pela concordância verbal, a qual se ocupa da adaptação que se manifesta entre o termo determinante (sujeito) e o termo determinado (no caso, o verbo).

Nesse sentido, por se tratar de um assunto gramatical um tanto complexo, ocupemo-nos em estabelecer familiaridade com a concordância verbal que se manifesta nos casos relativos a sujeito deslocado. Exemplos, como não poderiam deixar de ser, subsidiar-nos-ão nesta empreitada:

Falta dois meses para acabar o semestre.

Resta duas pessoas para se apresentar.

Ficou provado, vez por todas, as tentativas de sequestro por parte dos bandidos. 

Basta apenas dois contatos.

Falta mais imagens e mais exemplos no texto.

Foi revelado, na manhã de ontem, os nomes que irão compor a presidência da empresa.

Um leitor desavisado encontra-se acostumado ao fato de o sujeito aparecer sempre antes do verbo, sem compreender que o que vem após o verbo, assim como demonstrado nos exemplos acima, representa o complemento deste verbo, não o sujeito, como convenientemente deverá se aplicar.

Nesse sentido, retifiquemos os enunciados em questão, conscientizando-nos sempre de que mesmo estando o sujeito deslocado do verbo, deverá haver a concordância entre ambos.  

Faltam dois meses para acabar o semestre.

Restam duas pessoas para se apresentar.

Ficaram provadas, vez por todas, as tentativas de sequestro por parte dos bandidos. 

Bastam apenas dois contatos.

Faltam mais imagens e mais exemplos no texto.

Foram revelados, na manhã de ontem, os nomes que irão compor a presidência da empresa.

 

Concordância Verbal - Casos especiais de alguns verbos

 

Há alguns casos de verbos em que a concordância causa dúvidas. Vejamos aqui os casos especiais, separadamente:

O verbo ser

a) Quando o sujeito é um dos pronomes: o, isto, isso, aquilo, tudo, o verbo ser concorda com o predicativo:

Exemplo: Tudo era felicidade quando morava na casa do vovô.

b) Quando o predicativo for um pronome pessoal.

Exemplo: O presente que comprei hoje é para você.

c) Quando o sujeito for nome de pessoa ou pronome pessoal, o verbo ser concordará com o sujeito.

Exemplo: Paola é a aluna mais aplicada da sala.

d) Quando o sujeito for uma expressão numérica que dá ideia de conjunto, o verbo ficará no singular.

Exemplo: Quatro horas é pouco tempo para fazer as provas de vestibular.

e) Quando a oração se iniciar com os pronomes interrogativos (Que, Quem), o verbo concorda com o sujeito.

Exemplos: Quem é a pessoa que consegue fazer justiça com as próprias mãos?

f) Quando a oração indicar o dia do mês, o verbo concorda no singular ou no plural, dependerá da intenção.

Exemplos: Hoje é (dia) 11 de setembro. (dia específico)
Hoje são 11 de setembro. (dias decorridos até a data)

Os verbos bater, soar e dar

Quando fazem referência às horas do dia, os verbos acima concordam com o número de horas.

Exemplo: O relógio soou há muito tempo.
Acabou de dar uma hora, está na hora de irmos.

Os verbos impessoais haver e fazer 

Os verbos impessoais são aqueles que não admitem sujeito e, portanto, são flexionados na 3ª pessoa do singular.

No sentido de existir ou na idéia de tempo decorrido, o verbo haver é impessoal. Logo, o verbo ficará no singular.

Exemplo: Há uma cadeira vaga no refeitório. (sentido de existir)
Há dez dias não faço exercícios físicos. (tempo decorrido)
Da mesma forma, o verbo fazer no sentido temporal, de tempo decorrido ou de fenômenos atmosféricos é impessoal.

Exemplo: Faz dez dias que não faço exercícios físicos. (tempo decorrido)
Nesta época do ano, faz muito frio.

Quando da locução verbal, tanto o verbo haver quanto o verbo fazer exigem que o auxiliar fique na terceira pessoa do singular.

Exemplos: Deve haver uma forma de amenizarmos esse problema.
Vai fazer dez dias que não faço exercícios físicos.

O verbo existir

Geralmente, o verbo existir concorda com seu sujeito.

Exemplo: Existem muitas pessoas que não gostam de frutos do mar.

Quando o verbo existir fizer parte de uma locução verbal, o auxiliar concordará com o sujeito e não com o verbo principal.

Exemplo: Devem existir muitas pessoas que não gostam de frutos do mar.

O verbo parecer

Quando o verbo parecer vier seguido de infinitivo, poderá ser flexionado ou no singular ou no plural:

Exemplos: As pesquisas parecem traduzir o que a empresa necessita.
As pesquisas parece traduzirem o que a empresa necessita.

A expressão "haja vista"

O verbo haver na expressão "haja vista" pode ser empregado ou no singular ou no plural (desde que não seja precedido por preposição), contudo, a palavra "vista" permanece invariável.

Exemplos: Haja vista os dados das pesquisas
Haja vista aos avanços observados pelos pesquisadores.
Hajam vista os dados que observamos.

 

Concordância verbal - Casos especiais de sujeito simples

 

A concordância verbal é mais uma dentre as particularidades gramaticais, assim, devemos nos atentar para a questão de regras e possíveis exceções, e, obviamente, colocá-las em prática sempre que necessário. 

Além disso, a mesma se faz presente nos conteúdos programáticos pertencentes à maioria dos concursos e vestibulares. Algo que aparentemente pode parecer complicado, torna-se passível de total apreensão mediante a familiaridade com a escrita e aperfeiçoamento de nossos conhecimentos linguísticos. 

No intento de aprimorá-los cada vez mais, observaremos a seguir uma relação composta com casos específicos de sujeito simples, a qual merece total destaque: 

# Expressões partitivas - A formação se dá pelo sujeito constituído por uma expressão que denota "parte de algo" (a metade de, a maior parte de, grande parte de, a maioria de), seguida de um substantivo ou pronome no plural: 
O verbo poderá ser grafado tanto no singular quanto no plural. 

Ex: A maior parte dos funcionários aprovou/aprovaram a decisão. 

# A expressão mais de um - Quando esta vier associada a verbos que retratem reciprocidade: 
O verbo necessariamente permanecerá no plural. 

Ex: Mais de um vestibulando se abraçaram durante a comemoração pela vitória. 

# Quantidade aproximada - É o caso em que o sujeito é formado por expressões que indicam quantidade aproximada (cerca de, menos de, mais de, perto de) seguidas de numeral e substantivo: 
O verbo concordará com o substantivo. 

Ex: Mais de um aluno compareceu à entrega dos resultados. 
Cerca de aproximadamente mil pessoas participaram da manifestação. 

Nomes próprios - a concordância neste caso deverá ser feita levando em consideração a presença ou ausência do artigo. 
Com o artigo, o verbo é gafado no plural e sem ele, o verbo é grafado no singular. 

Ex: Os Estados Unidos formam a grande potência mundial. 
Goiás é um estado bastante acolhedor. 

Pronome interrogativo ou indefinido plural - Quando o sujeito é um pronome interrogativo ou indefinido plural (quais, quantos, alguns, quaisquer) seguido do pronome pessoal "nós" ou "vós": 
O verbo concordará com o primeiro pronome (na terceira pessoa do plural) ou com o pronome pessoal. 

Ex: Quais de nós são/somos capacitados para realizar esta tarefa? 
Alguns de vós tinham/tínheis conhecimento deste caso? 

# Pronome relativo "que" - Quando a formação do sujeito se dá pelo pronome relativo que: 
A concordância em número e pessoa se dá com o antecedente do mesmo.

Ex: Fui eu que trouxe a encomenda. 
Fomos nós que preparamos o evento. 

# A expressão "um dos que" - De acordo com a linguagem formal: 
O verbo permanece no plural. 

Ex: Pedro foi um dos alunos que passaram no vestibular. 

# Porcentagens - No caso de o sujeito ser formado por uma expressão que denote porcentagem, seguida de substantivo: 
O verbo concordará com o substantivo. 

Ex: 1% da população aprova as medidas tomadas pelo candidato da oposição. 
50% dos candidatos foram reprovados no concurso federal.

 

Concordância Verbal - Os casos especiais do sujeito composto

 

Na concordância verbal temos alguns casos que podem gerar dúvidas quanto ao sujeito composto e a correta conjugação do verbo. 

Os casos especiais do sujeito composto: 

a) Quando o sujeito composto estiver antes do verbo, esse último ficará no plural. 

Exemplo: Paola e Pedro gostaram do seu interesse em vender a casa. 

b) Quando o sujeito vier depois do verbo, esse último ficará no plural ou com o núcleo do sujeito que estiver mais próximo ao verbo. 

Exemplo: Dividiram a comida a mãe, os seus filhos e os amigos de seus filhos. 
Dividiu a comida a mãe, os seus filhos e os amigos de seus filhos. 

c) Quando os núcleos do sujeito constituírem uma gradação, o verbo fica no singular. 

Exemplo: O sorriso, a paz, a felicidade fez com que me sentisse muito bem hoje. 

d) Quando um pronome indefinido (tudo, nada, ninguém, alguém) resumir os núcleos do sujeito, o verbo fica no singular. 

Exemplo: As tribulações, o sofrimento, as tristezas, nada nos separa de quem nos ama e amamos de verdade. 

e) Quando o sujeito composto vier ligado por ou: 

%u2022 Ou com sentido de exclusão, o verbo fica no singular. 
Exemplo: Paola ou Pedro virá aqui em casa hoje. 

%u2022 Ou com sentido de adição, o verbo fica no plural. 
Exemplo: O ingresso ou o ticket são aceitos aqui. 

%u2022 Ou com sentido de retificação, o verbo concorda com o núcleo mais próximo. 

Exemplo: O professor titular ou os professores concordaram com essa decisão. 

f) Quando o sujeito for representado pela expressão "um e outro", o verbo concorda ou no singular, ou no plural. 
Exemplo: Um e outro aluno fez (fizeram) o trabalho manuscrito. 

g) Quando o sujeito for representado por uma das expressões "um ou outro"; "nem um nem outro", o verbo fica no singular. 
Exemplo: Nem um nem outro fez o trabalho manuscrito. 

h) Quando o sujeito for formado por infinitivos, o verbo fica no singular. Caso os infinitivos sejam antônimos, o verbo concorda no plural. 
Exemplos: Fumar e beber não traz benefícios ao organismo. 
Subir e descer escadas são ações que todos deveríamos praticar mais.

i) Quando o sujeito composto for ligado por com, o verbo fica ou no singular ou no plural, dependerá da ênfase que se quer dar: ou a algum dos núcleos do sujeito ou aos dois. 

Exemplo: O prefeito com seus assessores fizeram uma boa campanha. 
O prefeito, com seus assessores, fez uma boa campanha. 

j) Quando o sujeito apresentar as expressões "nem...nem", "tanto...como", "assim...como", "não só...mas também", o verbo geralmente vai para o plural. 

Exemplo: Não só o uso de drogas, mas também a companhia errada trazem prejuízos irreversíveis ao indivíduo. 

k) Quando os núcleos do sujeito são representados por pronomes pessoais do caso reto, o verbo fica no plural. 

1. Eu, tu e ele vamos hoje ao dentista. (nós - plural) 
2. Tu e ela ireis ficar bem até o final da manhã. (vós - plural) 
3. Ela e ele estudam mais do que o necessário por dia. (eles - plural)

 

 

Concordância Verbal - Regra geral

Regra Geral 

O verbo de uma oração deve concordar em número e pessoa com o sujeito, para que a linguagem seja clara e a escrita esteja de acordo com as normas vigentes da gramática. Observe: 

1. Eles está muito bem. (incorreta) 
2. Eles estão muito bem. (correta) 

O sujeito "eles" está na 3ª pessoa do plural e exige um verbo no plural. Essa constatação deixa a primeira oração incorreta e a segunda correta. 

Primeiramente, devemos observar quem é o sujeito da frase, bem como analisar se ele é simples ou se é composto. 

Sujeito simples é aquele que possui um só núcleo e, portanto, a concordância será mais direta. Vejamos: 

1. Ela é minha melhor amiga. 
2. Eu disse que eles foram à minha casa ontem. 

Temos na primeira oração um sujeito simples "Ela", o qual concorda em pessoa (3ª pessoa) e número (singular) com o verbo "é". 
Já na segunda temos um período formado por duas orações: "Eu disse" que "eles foram à minha casa ontem". "Eu" está em concordância em pessoa e número com o verbo "disse" (1ª pessoa do singular), bem como "eles" e o verbo "foram" (3ª pessoa do plural). 

Lembre-se que período é a frase que possui uma ou mais orações, podendo ser simples, quando possui um verbo, ou então composto quando possuir mais de um verbo

Sujeito composto é aquele que possui mais de um núcleo e, portanto, o verbo estará no plural. Vejamos: 

1. Joana e Mariana saíram logo pela manhã. 
2. Cachorros e gatos são animais muito obedientes. 

Na primeira oração o sujeito é composto de dois núcleos (Joana e Mariana), que substituído por um pronome ficará no plural: Joana e Mariana = Elas. O pronome "elas" pertence à terceira pessoa do plural, logo, exige um verbo que concorde em número e pessoa, como na oração em análise: saíram. 
O mesmo acontece na segunda oração: o sujeito composto "cachorros e gatos" é substituído pelo pronome "eles", o qual concorda com o verbo são em pessoa (3ª) e número (plural).

 

 

 

 

 

 

Concordância Verbal: Sujeito simples e composto

Concordância verbal de sujeito simples e composto se constitui de traços específicos.

 

 

 

Ao falarmos sobre a concordância verbal, estamos nos referindo à relação de dependência estabelecida entre um termo e outro mediante um contexto oracional. Desta feita, os agentes principais desse processo são representados pelo sujeito, que no caso funciona como subordinante; e o verbo, o qual desempenha a função de subordinado

Dessa forma, temos que a concordância verbal se caracteriza pela adaptação do verbo, tendo em vista os quesitos "número e pessoa" em relação ao sujeito. Exemplificando, temos:

O aluno chegou atrasado.

Temos que o verbo se apresenta na terceira pessoa do singular, pois faz referência a um sujeito, assim também expresso (ele). 

Como poderíamos também dizer: os alunos chegaram atrasados.

Temos aí o que podemos chamar de princípio básico. Contudo, a intenção a que se presta o artigo em evidência é eleger as principais ocorrências voltadas para os casos de sujeito simples e para os de sujeito composto. Dessa forma, vejamos: 

Casos referentes a sujeito simples

1) Em caso de sujeito simples, o verbo concorda com o núcleo em número e pessoa:

aluno chegou atrasado. 

2) Nos casos referentes a sujeito representado por substantivo coletivo,  o verbo permanece na terceira pessoa do singular: 

multidão, apavorada, saiu aos gritos.

Observação:

- No caso de o coletivo aparecer seguido de adjunto adnominal no plural, o verbo permanecerá no singular ou poderá ir para o plural:

Uma multidão de pessoas saiu aos gritos.
Uma multidão de pessoas saíram aos gritos.

3) Quando o sujeito é representado por expressões partitivas, representadas por "a maioria de, a maior parte de, a metade de, uma porção de, entre outras", o verbo tanto pode concordar com o núcleo dessas expressões quanto com o substantivo que a segue:

maioria dos alunos resolveu ficar.  
A maioria dos alunos resolveram ficar.

4) No caso de o sujeito ser representado por expressões aproximativas, representadas por "cerca de, perto de", o verbo concorda com o substantivo determinado por elas:

Cerca de vinte candidatos se inscreveram no concurso de piadas.

5) Em casos em que o sujeito é representado pela expressão "mais de um", o verbo permanece no singular:

Mais de um candidato se inscreveu no concurso de piadas.  

Observação:

* No caso da referida expressão aparecer repetida ou associada a um verbo que exprime reciprocidade, o verbo, necessariamente, deverá permanecer no plural:

Mais de um aluno, mais de um professor contribuíram na campanha de doação de alimentos. 

Mais de um formando se abraçaram durante as solenidades de formatura. 

6) Quando o sujeito for composto da expressão "um dos que", o verbo permanecerá no plural:

Esse jogador foi um dos que atuaram na Copa América.

7) Em casos relativos à concordância com locuções pronominais, representadas por "algum de nós, qual de vós, quais de vós, alguns de nós", entre outras,  faz-se necessário nos atermos a duas questões básicas:

* No caso de o primeiro pronome estar expresso no plural, o verbo poderá com ele concordar, como poderá também concordar com o pronome pessoal:

Alguns de nós o receberemos. / Alguns de nós o receberão.

* Quando o primeiro pronome da locução estiver expresso no singular, o verbo permanecerá, também, no singular: 

Algum de nós o receberá.  

8) No caso de o sujeito aparecer representado pelo pronome "quem", o verbo permanecerá na terceira pessoa do singular ou poderá concordar com o antecedente desse pronome:   

Fomos nós quem contou toda a verdade para ela. / Fomos nós quem contamostoda a verdade para ela.

9) Em casos nos quais o sujeito aparece realçado pela palavra "que", o verbo deverá concordar com o termo que antecede essa palavra:

Nesta empresa somos nós que tomamos as decisões. / Em casa sou eu quedecido tudo.   

10) No caso de o sujeito aparecer representado por expressões que indicam porcentagens, o verbo concordará com o numeral ou com o substantivo a que se refere essa porcentagem:   

50% dos funcionários aprovaram a decisão da diretoria. / 50% do eleitoradoapoiou a decisão.

Observações:

- Caso o verbo aparecer anteposto à expressão de porcentagem, esse deverá concordar com o numeral:

Aprovaram a decisão da diretoria 50% dos funcionários.     

- Em casos relativos a 1%, o verbo permanecerá no singular:

1% dos funcionários não aprovou a decisão da diretoria.  

- Em casos em que o numeral estiver acompanhado de determinantes no plural, o verbo permanecerá no plural:

Os 50% dos funcionários apoiaram a decisão da diretoria. 

11) Nos casos em que o sujeito estiver representado por pronomes de tratamento, o verbo deverá ser empregado na terceira pessoa do singular  ou do plural: 

Vossas Majestades gostaram das homenagens.

Vossa Majestade agradeceu o convite.  

12) Casos relativos a sujeito representado por substantivo próprio no plural se encontram relacionados a alguns aspectos que os determinam:

*  Diante de nomes de obras no plural, seguidos do verbo ser, este permanece no singular, contanto que o predicativo também esteja no singular: 

Memórias póstumas de Brás Cubas é uma criação de Machado de Assis.   

* Nos casos de artigo expresso no plural, o verbo também permanece no plural:

Os Estados Unidos são uma potência mundial.

* Casos em que o artigo figura no singular ou em que ele nem aparece, o verbo permanece no singular:  

Estados Unidos é uma potência mundial. 

Casos referentes a sujeito composto

1) Nos casos relativos a sujeito composto de pessoas gramaticais diferentes, o verbo deverá ir para o plural, estando relacionado a dois pressupostos básicos:

- Quando houver a 1ª pessoa, esta prevalecerá sobre as demais:

Eu, tu e ele faremos um lindo passeio.

- Quando houver a 2ª pessoa, o verbo poderá flexionar na 2ª ou na 3ª pessoa:

Tu e ele sois primos.
Tu e ele são primos.

2) Nos casos em que o sujeito composto aparecer anteposto ao verbo, este permanecerá no plural:

O pai e seus dois filhos compareceram ao evento.  

3) No caso em que o sujeito aparecer posposto ao verbo, este poderá concordar com o núcleo mais próximo ou permanecer no plural:

Compareceram ao evento o pai e seus dois filhos.

Compareceu ao evento o pai e seus dois filhos.

4) Nos casos relacionados a sujeito simples, porém com mais de um núcleo, o verbo deverá permanecer no singular:

Meu esposo e grande companheiro merece toda a felicidade do mundo.

5) Casos relativos a sujeito composto de palavras sinônimas ou ordenado por elementos em gradação, o verbo poderá permanecer no singular ou ir para o plural:

Minha vitória, minha conquista, minha premiação são frutos de meu esforço. / Minha vitória, minha conquista, minha premiação é fruto de meu esforço.

 

 

 

 

Dúvidas de Concordância

As dúvidas de concordância representam alvo de questionamentos por parte de muitos usuários da língua. Saná-las contribui para o aperfeiçoamento da competência linguística!

 

Em se tratando dos pressupostos preconizados pela gramática, aqueles relacionados ao campo da sintaxe são alvo de distintos questionamentos, sem dúvida. Dentre eles, está a sintaxe de concordância, especificamente a nominal. Ela é demarcada pela adaptação em gênero e número que se estabelece entre o substantivo e seus respectivos modificadores, ora representados pelos artigos, adjetivos, numerais e pronomes.

Em face dessa realidade linguística, propomo-nos em estabelecer um pouco mais de familiaridade com questões a ela relacionadas, razão pela qual elegemos alguns casos inerentes às dúvidas de concordância.

Obrigada / Obrigado

"Obrigado", assim como "anexo", classifica-se como adjetivo, razão pela qual deve concordar com o nome a que se refere. Portanto, confira:

- Obrigada - disse a garota ao rapaz. 

- Obrigado - disse o rapaz à garota.

Só, sós e a sós

O vocábulo "só" na condição de adjetivo e equivalente a sozinho, único, solitário, apresenta flexão de número, ou seja, concorda com o nome a que se refere. Perceba os exemplos que seguem:

Eles estão sós.
Ela está só.

Representando o papel de advérbio, denotando o sentido de unicamente, somente, a palavra "só" permanece invariável. Note o que ocorre nos enunciados a seguir:

Ele só se manifesta diante de algumas pessoas. (somente)

Eu só irei ao cinema se você for comigo. (idem ao sentido anterior)      

A expressão "a sós" também permanece invariável, revelando o sentido referente à "sem companhia". Constate:

Irei deixá-los a sós por alguns instantes.

 

Silepse - A figura de linguagem que causa dúvidas na concordância nominal

 silepse é uma figura de sintaxe que faz concordância não através de regras gramaticais, mas sim pela idéia, daí dizer que é a concordância ideológica ou concordância figurada. 

A silepse pode ser de número, de gênero e de pessoa. 

1. A silepse de número ocorre quando o sujeito é coletivo ou indica coletividade (mais de um): 

Exemplo: A turma veio aqui em casa e deixaram a maior bagunça. 
casal resolveram não pagar a conta, pois questionaram o valor. 

2. A silepse de gênero ocorre quando a concordância vem através da idéia que está implícita. 

Exemplo: Patos de Minas é muito calorosa. (calorosa diz respeito às pessoas da cidade, que são receptivas). 
Vossa Excelência está equivocado. (a referência aqui se faz ao sexo da pessoa e não ao pronome de tratamento). 

3. A silepse de pessoa geralmente acontece quando o verbo está na primeira pessoa do plural e o sujeito, na terceira pessoa do plural. Dessa forma, ao analisarmos a concordância, percebemos que a mesma se diverge.

Exemplo: Os brasileiros somos bastante patriotas.

Neste caso, verificamos que o sujeito se refere à  terceira pessoa do plural (Eles), porém, o verbo que na verdade deveria concordar com este, se encontra na primeira pessoa do plural (nós). 

 

Sujeito alguns de, poucos de, muitos de, quais de, quantos de

 

 

Algumas vezes encontramos o sujeito representado pelas expressões: Alguns de, poucos de, muitos de, quais de, quantos de.

Observe:

a) Alguns de nós ouviram a música.
b) Poucos de vós viestes a minha casa.
c) Muitos de nós conhecemos a Deus.
d) Qual de nós irá?
e) Quantos de nós devemos ir?

Pode parecer estranho para alguns as orações acima, mas todas estão corretas de acordo com a norma culta.

Isso se deve porque quando o papel de sujeito é exercido por tais expressões, tanto pode-se concordar o verbo com o pronome interrogativo (qual, quais, quantos), quanto com o indefinido (alguns, poucos). E não para por aí! A concordância também pode ser feita com o pronome pessoal (nós, vós, vocês).

Veja mais exemplos:

a) Qual de vós me deixará ir?
b) Quais de vós me deixarão ir?
c) Alguns de vocês poderiam buscar a mesa?
d) Poucos de nós gostamos de ficar até tarde na rua!

Observe que os verbos ou estão concordando com os pronomes pessoais ou com os indefinidos nas letras b, c e d. Já na letra "a", a concordância foi feita com o pronome interrogativo "qual" e, por esse motivo, ficou no singular: deixará!

Lembre-se de que dizer: Alguns de vocês poderia buscar o vídeo ou Muitos de nós irá ao cinema hoje como combinado, está errado! Pois o verbo não está concordando nem com os pronomes indefinidos (alguns, muitos), nem com os pronomes pessoais (vocês, nós).

 

 

 

Exercícios:

 

1.Partindo do pressuposto de que algumas classes de palavras se caracterizam como invariáveis, analise as orações abaixo, optando por atribuir-lhes o termo correspondente.

a - A garota parece ------------- confusa. (meio/meia)

b -  Comemos ------------pizza durante o rodízio com amigos. (meio/meia)

c - São -------------------as reclamações sobre a mudança de itinerário. (bastante/bastantes)

d - Por hoje já basta, pois estamos ---------------------cansadas. (bastante/bastantes)

e - Perdemos ----------------------chances de demonstrarmos nosso talento. (bastante/bastantes)

Resposta:

a) meio
b) meia
c) bastantes
d) bastante
e) bastantes

 

2. (Acafe-SC) Assinale a alternativa que completa corretamente os espaços:

A entrada para o cinema foi..., mas o filme e o desenho... compensaram, pois saímos todos....   

a) caro - apresentado - alegre
b) cara - apresentado - alegre
c) caro - apresentados - alegres
d) cara - apresentados - alegres
e) cara - apresentados - alegre.

Resposta:  alternativa "d".

 

3. (TJ-SP) Considerando a concordância nominal, assinale a frase correta:

a) Ela mesmo confirmou a realização do encontro. 
b) Foi muito criticado pelos jornais a reedição da obra.
c) Ela ficou meia preocupada com a notícia.
d) Muito obrigada, querido, falou-me emocionada.
e) Anexos, remeto-lhes nossas últimas fotografias.

Resposta: Alternativa "d".

 

4. Eis a seguir alguns fragmentos extraídos de uma conhecida canção, sob a autoria de Tom Jobim. Analise-os, partindo do pressuposto da concordância em relação ao verbo ser.      


Águas de março

 É pau, é pedra, é o fim do caminho

É um resto de toco, é um pouco sozinho

É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã

É um belo horizonte, é uma febre terçã

 

São as águas de março fechando o verão

É a promessa de vida no teu coração

pau, pedra, fim, caminho

resto, toco, pouco, sozinho

caco, vidro, vida, sol, noite, morte, laço, anzol

 

São as águas de março fechando o verão

É a promessa de vida no teu coração.

                                         Tom Jobim

 

 

Resposta: Constatamos que o verbo ser concorda com seu predicativo, manifestado por:

É um belo horizonte, é uma febre terçã
São
 as águas de março fechando o verão.

 

5. (BB) Concordância verbal incorreta:

a) V. Ex.ª é generoso.
b) Mais de um jornal comentou o jogo.
c) Elaborou-se ótimos planos.
d) Eu e minha família fomos ao mercado.
e) Os Estados Unidos situam-se na América do Norte.

Resposta:  Alternativa "c", quando na verdade seria correto afirmarmos: Elaboraram-se ótimos planos

 

 

6. Diante dos enunciados que seguem, torne explícitos seus conhecimentos ao responder às questões que a eles se referem, tendo em vista a concordância entre o sujeito e a forma verbal:

a - Todos aqui somos contra o movimento estudantil.
b - A Vossa Senhoria não poderá participar da reunião, pois está exausto.   
c - Toda a multidão clamavam por justiça.
d - Hoje conheci a histórica Ouro Preto.
f - Os brasileiros somos todos patriotas.

 

Resposta:

Em todos os enunciados constatamos a presença da silepse, um recurso linguístico constituído pela concordância ideológica, isto é, aquela que não se dá com o que realmente está expresso, mas sim com o que está mentalmente subentendido, oculto. Portanto, considera-se um recurso linguístico em virtude da intenção do emissor - o de enfatizar a ideia que ora se deseja transmitir. Assim temos que:

a - silpse de pessoa
b - silepse de gênero
c - silepse de número
d - silepse de gênero
e - silepse de pessoa

 

 

7. Aponte "V" para as afirmativas verdadeiras e "F" para as falsas, atribuindo às alternativas a justificativa que julgar conveniente (no caso de oposição).

a - Precisam-se de funcionários qualificados. (   )
b - Fazem dez anos que não o vejo. (   )
c - Alugam-se apartamentos para a temporada. (   )
d - Cerca de duzentos candidatos concorreram a algumas vagas oferecidas pelo serviço público.  (  )
e - Mais de um aluno faltou à aula hoje. (  )

 

Resposta:

a - falsa - Como se trata de um caso relacionado ao sujeito indeterminado, o verbo, necessariamente, deverá permanecer na terceira pessoa do singular.
b - falsa - O verbo fazer, indicando tempo decorrido, releva-se como impessoal, permanecendo, portanto, invariável (terceira pessoa do singular).

c - verdadeira.
d - verdadeira.
e - verdadeira.

8. (Fuvest - SP) Indique a alternativa correta:

a) Tratavam-se de questões fundamentais.
b) Comprou-se terrenos no subúrbio.
c) Precisam-se de datilógrafas.
d) Reformam-se ternos.
e) Obedeceram-se aos severos regulamentos.

 

Resposta:  Alternativa "d", visto que o "se" é classificado como pronome apassivador, tendo como sujeito da oração a palavra "ternos".

 

9. Diante de uma análise atribuída aos referidos enunciados linguísticos, registre suas impressões em relação a estes, tendo em vista seus conhecimentos acerca dos pressupostos relacionados à concordância verbal.   

a - Mais de um jogador foi expulso pelo técnico durante a partida.

b - Mais de um aluno e mais de um funcionário reivindicaram em prol do não fechamento daquela escola.  

c - Fomos nós que trouxemos os presentes/ Somos nós quem fará a apresentação.

d - Os Estados Unidos representam uma potência mundial/Estados Unidos representa uma potência mundial. 

e - 1% da população não concorda com as propostas da campanha eleitoral.

f - 35% dos entrevistados afirmaram ter presenciado o escândalo.

g - Pedro ou Bruno será o escolhido para representar a sala durante o evento.

h - Já são dezesseis horas, precisamos nos apressar. 

i - Lutar e persistir representa atitudes otimistas.

 

Resposta:

a - Mediante os casos representados por sujeito que se constitui da expressão "mais de um", o verbo necessariamente permance no singular.      

b - O contrário acontece quando a expressão "mais de um" aparece por vezes repetida, fazendo com que o verbo permaneça somente no plural.

c - Diante da presença do pronome "que", fazendo parte do sujeito, o verbo concorda com o termo que o antecede. Em relação ao segundo enunciado, mediante o pronome "quem", ou o verbo permance na terceira pessoa do singular ou concorda com o termo que o antecede.

d - No primeiro enunciado, o verbo permance no plural, decorrente do fato de o sujeito ser acompanhado por um determinante, no caso, o artigo definido (o). Já no segundo, como não há tal ocorrência, o verbo permanece no singular.

e - Quando o sujeito se referir à porcentagem, tanto o verbo concorda com o numeral, quanto com o substantivo. (Nesse caso, numeral e substantivo são expressos no singular, razão pela qual se efetuou a concordância em questão).

f - Já nesse caso, tanto o nuneral (35%), quanto o substantivo (entrevistados) são expressos no plural. Eis a concordância ora materializada.

g - Nota-se, neste caso, uma exlcusão de um dos sujeitos ora expressos, razão pela qual o verbo permanece no singular.

h - O verbo ser quando expressa a noção de horas, distâncias e datas, concorda com a expressão a que se refere.

i - Quando na ocorrência de sujeitos expressos por infinitivos, destituídos de um determinante, o verbo permanece no singular.

 

Disponível em http://exercicios.brasilescola.com/gramatica/exercicios-sobre-concordancia-verbal.htm

 

 

 

Mais Exercícios...

 

 

 

1(IBGE) Indique a opção correta, no que se refere à concordância verbal, de acordo com a norma culta:

a) Haviam muitos candidatos esperando a hora da prova.
b) Choveu pedaços de granizo na serra gaúcha.
c) Faz muitos anos que a equipe do IBGE não vem aqui.
d) Bateu três horas quando o entrevistador chegou.
e) Fui eu que abriu a porta para o agente do censo.

2. (IBGE) Assinale a frase em que há erro de concordância verbal:

a) Um ou outro escravo conseguiu a liberdade.
b) Não poderia haver dúvidas sobre a necessidade da imigração.
c) Faz mais de cem anos que a Lei Áurea foi assinada.
d) Deve existir problemas nos seus documentos.
e) Choveram papéis picados nos comícios.

3. (IBGE) Assinale a opção em que há concordância inadequada:

a) A maioria dos estudiosos acha difícil uma solução para o problema.
b) A maioria dos conflitos foram resolvidos.
c) Deve haver bons motivos para a sua recusa.
d) De casa à escola é três quilômetros.
e) Nem uma nem outra ques

Envie para um amigo

Deixe seu comentário

10

fev
2013

joao lucas dionizio da cruz

eu gostei muito

8

dez
2012

Adalberto Wirries

Muito bom o conteúdo procurei em diversos lugares e não havia encontrado nenhum tão completo. Obrigado.

calendário


Assinar RSS