Portal da Educao Adventista

*Biblioteca Dalka Bergold *

31

jan
2011

Livros Chegando Parte 1

comentários[0]

31

jan
2011

Livros Chegando...

Veja quantos livros caro aluno, quando as aulas começarem quase 800 livros novos já estarão a disposição. Confira alguns!

comentários[0]

25

jan
2011

Estudo comprova que criança que lê mais escreve melhor

Está comprovado que as crianças que leem e escrevem mais são melhores na leitura e na escrita. E escrevendo posts de blogs, atualizações de status, mensagens de texto, mensagens instantâneas, e todas as coisas semelhantes, motivam crianças a ler e escrever.

No mês passado, o "The Nacional Literancy Trust", Fundo Nacional de Alfabetização do Reino Unido, divulgou o resultado de uma pesquisa com 3 mil crianças. Eles observaram a correlação entre o engajamento das crianças com as mídias sociais e seu conhecimento da leitura e da escrita.

No resultado eles perceberam que as mídias sociais têm ajudado as crianças a se tornarem mais literatas. Além disso, a Eurostat, organização estatística da Comissão Europeia, recentemente publicou uma matéria mostrando a correlação entre educação e atividade online, que indicou que a atividade online aumentou com o nível de atividade formal (os fatores sócio-economicos estão, é claro, influenciando potencialmente).

 

comentários[0]

24

jan
2011

Sejam Bem Vindos à 2011!

Toda sexta-feira à noite reencontro amigos de um grupo de música para ensaiarmos e acontece uma coisa muito peculiar. Quando iniciamos nossas atividades com um momento de reflexão da semana que passamos e os desafios enfrentados, começamos de forma acanhada, quase não há contribuições na conversa, mas aos poucos todos vão tomando coragem e começam a expor suas mazelas ou vitórias e quando nos damos conta o tempo extende-se mais do que se esperava. O fato de alguém falar primeiro encoraja os outros e vamos falando aos poucos. É uma catarse semanal importante, que se repetiu nos cinco últimos anos da minha vida.
Com que freqüência você pede a Deus alguma coisa?Todo dia?
E agradecimentos? Com que freqüência você os faz?
Pedimos mais do que agradecemos?
O nosso caráter pode ser representado pela quantidade de pedidos ou de agradecimentos feitos? O que você acha?
Sabemos que Deus possui uma quantidade interminável de dádivas em seu estoque, jamais poderão ser esgotadas e muitas vezes conclui-se que pedimos pouco. Não somos mais abençoados porque não pedimos mais.
Há uma obra miraculosa em pedir!
Quando exercemos com humildade o ato de pedir, internamente, a nossa disposição mental começa a mudar. Muitas vezes acontece uma autocrítica se realmente precisamos do que estamos pedindo, outras vezes se já não a temos, mas também se a ordem do pedido está correta em termos de valores.
Você já ouviu a história do casal que começa a namorar e logo nos primeiros dias discute acaloradamente se o casamento vai ser com tapete ou sem tapete? Obviamente poderiam deixar para mais tarde este assunto, na véspera do casamento é o suficiente, quando se faz o orçamento das despesas. Há outras coisas a serem vistas primeiro quando se começa a namorar e certamente a afinidade entre ambos os namorados é muito mais importante neste momento.
Por outro lado, ainda há a situação de pedirmos o que já temos e não percebermos que já temos ou nunca achar que merecemos o que deveríamos receber.
A graça de Deus é maravilhosa porque além de proporcionar milagres nas nossas vidas, ainda atua na compreensão dela mesma e do que precisamos. "Porque Deus é o opera em nós tanto o quere como o efetuar, segundo a sua boa vontade." (Filipenses 2:13)
Tenha um ótimo ano amigo!

Um abraço de Malton Fuckner

comentários[0]

5

jan
2011

Viagem Quase Frustrada

Estava no 3º ano da faculdade, morava longe da minha família em São Paulo e louco pra descansar nas férias. Estávamos no inverno e a previsão do tempo pra aqueles dias era de muito frio, por isso tratei de me agasalhar bem com um casaco de couro e muita roupa por baixo.

Na véspera da viagem telefonara pra minha mãe combinando a chegada e já que não conseguira ônibus para a sua cidade em Santa Catarina, acertamos um encontro na vizinha Blumenau, era o mais próximo que pude conseguir.

Logo cedo, por volta das 7h me uniria ao comboio musical da minha mãe. Pelo que me lembro este comboio seguiria para outra cidade do vale do Itajaí onde passariam o dia de sábado envolvidos em uma programação com seu grupo gospel. Parecia tudo certo, eu pegaria carona com eles, adorava musica e seria ótimo participar com eles, voltaríamos ao final do dia para casa.

Como de costume dormi durante toda a viagem e quando estávamos bem próximos de chegar percebi que já havia passado das 7h da manha, o que havia acontecido? O atraso de meia hora não estava nos planos. Quando procurei minha mãe e não achei ninguém, tive a sensação de que aquele não seria um dia fácil. Não Foi! Por dois bons motivos. O primeiro: Não sabia o que fazer com as malas e o segundo: Estava sem dinheiro a não ser por uns poucos cruzeiros e como iria chegar em casa?

O embarque fora rápido e a correria que o antecedeu me fez viajar apenas com o dinheiro da passagem e  do lanche. Uma quantia em dinheiro estava no banco, mas a agencia ficava a uma distancia de 6 km de onde eu estava. O único jeito era caminhar ate lá e pegar outro ônibus ate em casa, mas o que fazer com as malas? O guarda volume exigia pagamento antecipado. Depois de varias tentativas sem sucesso, consegui convencer uma funcionaria da rodoviária a guardar as malas provisoriamente no setor de informações, só ate eu conseguir retirar o dinheiro. Estava com fome então tratei de me apressar. O tempo estava passando.

Fiz os 6 km ate o centro da cidade já com calor e como foi bom avistar o caixa eletrônico do banco! Retiraria o dinheiro e tudo estaria resolvido! Não lembro ao certo porque não consegui sacar no primeiro e nem no segundo caixa eletrônico, mas a temperatura agora havia subido e o casaco que parecia ser tão propicio se tornara um pesado incomodo. O que fazer? Sem dinheiro pra seguir só conseguia pensar numa coisa: Pedir carona ate minha casa, afinal estava entre conterrâneos e um estudante sempre consegue a simpatia das pessoas, pensei.

Após umas seis caronas diferentes e de caminhar uns 20 km consegui chegar em casa, eram 5h da tarde e para minha surpresa não havia ninguém. Meu pai e meu irmão, saíram também e eu já não tinha mais força pra dar nem um passo mais. Conhecia bem a casa e sem muito esforço invadi a cozinha, indo direto à geladeira e depois de assaltá-la, me joguei no sofá.

Quando meu pai chegou teve uma surpresa! A casa aberta? Contei-lhe toda a historia, quase esquecendo que minhas malas ainda estavam a 60 km dali. Depois de convencer o funcionário, que assumiu o turno no setor de informações, de que aquelas malas eram minhas (ele me fez descrever em detalhes o conteúdo delas), voltamos pra casa aliviados, os três. Só então entendi que haviam me esperado o quanto puderam, mas com medo de perder o compromisso tiveram que seguir em frente.

Ate hoje fico pensando na aventura de ter chegado em casa completamente pela fé, sem dinheiro, só de boca e perna. Seria a historia mais emocionante de minha juventude, mas eu estava enganado, nas férias seguintes viveria " A dor de um aperto de mão"!

 

 

comentários[0]

2

jan
2011

Não esqueça

Mensagem legal, lição de vida!  clique

Curta estas férias amigo, mas não esqueça de alimentar seu intelecto e o seu espírito.

comentários[0]

Campanha de Doação